• Nenhum resultado encontrado

RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2016/2017

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2016/2017"

Copied!
51
0
0

Texto

(1)

Página 1 de 51

RELATÓRIO

DE

AUTOAVALIAÇÃO

2016/2017

(2)

Página 2 de 51

RELATÓRIO

DE AUTOAVALIAÇÃO

2016/2017

Aprovado em Conselho Pedagógico a 7 de fevereiro de 2018

A Diretora Guiomar Silva

(3)

Página 3 de 51

INTRODUÇÃO

CAPÍTULO I – BILHETE DE IDENTIDADE 1. Contexto e caracterização da escola

1.1. Contexto físico e social 1.2. Pessoal docente

1.2.1. Componente letiva e não letiva 1.3. Pessoal não docente

1.4. Alunos

1.4.1. Frequência nas escolas do agrupamento 1.4.2. Caracterização dos alunos e suas famílias

1.4.2.1. Ação Social Escolar

CAPÍTULO II – AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS 1. Cultura Aprendente

1.1. Sucesso académico

1.1.1. Resultados da avaliação - 1º ciclo 1.1.2. Resultados da avaliação - 2º ciclo

1.1.3. Resultados da avaliação sumativa interna - 3º ciclo 1.1.4. Resultados da avaliação externa - provas finais de 9º ano 1.2. Provas de Aferição

1.3. Participação e desenvolvimento cívico 1.4. Comportamento e disciplina

2. Prestação do serviço educativo 2.1. Oferta formativa

2.2. Articulação e sequencialidade 2.3. Diferenciação e apoios

2.4. Abrangência do currículo e valorização dos saberes e da aprendizagem 2.5. Acompanhamento em sala de aula

2.6. Educação Especial

2.7. Plano Anual e Plurianual de Atividades 2.8. Biblioteca 2.9. Desempenho de Cargos 2.10. Projetos Europeus 3. Contrato de Autonomia 4. Monitorização e autoavaliação 5. Plano de Formação

(4)

Página 4 de 51

CAPÍTULO III – ASPETOS A MELHORAR INTRODUÇÃO

Este Relatório de Autoavaliação pretende dar cumprimento ao estabelecido no artigo 9º do Decreto-Lei 75/2008, de 22 de abril, e procede à identificação do grau de concretização dos objetivos fixados no Projeto Educativo, à avaliação das atividades realizadas pelo agrupamento de escolas e da sua organização e gestão, designadamente no que diz respeito aos resultados escolares e à prestação do serviço educativo, e constitui-se como um documento de autonomia do Agrupamento de Escolas de Arrifana, Santa Maria da Feira.

A elaboração deste relatório recorreu a várias fontes nomeadamente pautas, atas, testemunhos dos intervenientes, entre outros, de forma a garantir informação clarificada.

O Contrato Autonomia entre o Agrupamento de Escolas de Arrifana, Santa Maria da Feira e o Ministério da Educação foi assinado em 11/11/2013, sendo um marco para o agrupamento se reorganizar para uma efetiva prestação de contas.

Desde dezembro de 2013 que se desenvolve o projeto Cultura Aprendente, que pretende dar resposta aos objetivos traçados no Contrato de Autonomia de uma forma mais consistente e que aposta no desenvolvimento do seguinte Objetivo Geral: Promover uma cultura aprendente por parte dos alunos, consubstanciada na melhoria dos resultados escolares, para uma aproximação às médias nacionais das provas finais.

Também o Plano de Ação Estratégica elaborado no âmbito do Plano Nacional de Promoção do Sucesso Escolar iniciado em 2016/2017, identifica e prioriza fragilidades/problemas a superar e aponta medidas para os ultrapassar.

Ainda como motores da ação do agrupamento, foram as ações de melhoria, decorrentes dos Relatórios de Autoavaliação desde o ano letivo 2012/2013 e dos Relatório de Autoavaliação da Educação Especial desde o ano letivo 2013/2014, bem como dos Relatórios do Impacto das Medidas Implementadas no âmbito do despacho de organização a partir do ano letivo 2013/2014.

(5)

Página 5 de 51

CAPÍTULO I – BILHETE DE IDENTIDADE

1. CONTEXTO E CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA 1.1. CONTEXTO FÍSICO E SOCIAL

O Agrupamento de Escolas de Arrifana, Santa Maria da Feira é composto por quatro Jardins de Infância, quatro Escolas Básicas do 1º Ciclo, três Jardim de Infância/ Escolas Básicas do 1º Ciclo e duas Escolas Básicas dos 2º e 3º Ciclos, distribuídos por cinco freguesias, Arrifana, Escapães, Milheirós de Poiares, Romariz e União de Freguesias das Caldas de S. Jorge e Pigeiros, pertencentes ao concelho de Santa Maria da Feira. A Escola Básica de Arrifana é a escola sede do Agrupamento.

Na escola sede fica localizado o Centro de Formação Terras de Santa Maria. Este centro abrange uma área geográfica correspondente aos concelhos de Santa Maria da Feira, S. João da Madeira, Castelo de Paiva e parte do concelho de Arouca (Agrupamento de Escolas de Escariz).

Quadro 1 – Composição do Agrupamento em 2016/2017 Freguesias PRÉ-ESCOLAR PRÉ-ESCOLAR/1º

CICLO

1º CICLO 2º E 3º CICLOS

Arrifana Fontainhas

Manhouce Bairro Outeiro

Arrifana (sede)

Escapães ---- Stº António Igreja ----

Milheirós de Poiares Pereiro ---- Igreja Milheirós de

Poiares União das freguesias

das Caldas e Pigeiros Bajouca ---- Pigeiros ----

(6)

Página 6 de 51

1.2. PESSOAL DOCENTE

Os docentes são maioritariamente docentes dos quadros (80%), com tempo de serviço entre os 11 anos e os 30 anos, na sua maioria, e elevada experiência profissional (Quadros 2 e 3). De uma forma geral, há estabilidade no corpo docente. O número de docentes contratados é reduzido (23%), tendo a maioria estado a substituir professores do quadro.

Quadro 2 – Situação profissional dos docentes do agrupamento(N=)

Docentes Pré-escolar 1º ciclo 2º Ciclo 3º Ciclo Total

Contratados --- 2 1* 7+3* 23 (20%) QZP ou QE 7+1* 25 24 35 92 (80%) Total 8 27 25 55 115 (100%) * Em substituição * Em substituição

A composição da Direção é a seguinte:

Quadro 4 – Equipa da Direção do Agrupamento

Diretora Guiomar Silva (Grupo 260)

Subdiretor Helena Oliveira (Grupo 400)

Adjunta Júlia Pinto (Grupo 110)

Adjunta Teresa Carvalho (Grupo 230)

Quadro 3 – Tempo de serviço dos docentes doAgrupamento (N=)

Tempo de serviço Pré-escolar 1º ciclo 2º ciclo 3º ciclo Total

0-10 anos --- --- 1 10+2* 13 (11,3%) 11-20 anos --- 16+2* 3 10 (27%)31 21-30 anos 4 3 13 29 49 (42,6%) +30 anos 4 6 8 4 22 (19,1%) Total 8 27 25 55 115 (100%)

(7)

Página 7 de 51

O Conselho Geral do agrupamento (quadro 5) tem como Presidente o professor António Mesquita.

Quadro 5 – Composição Conselho Geral DIRETORA Maria Guiomar Ferreira Silva

PESSOAL DOCENTE

Antero Oliveira Resende António Manuel Sousa Resende António Mesquita Pinto

Maria Margarida Silva Rodrigues Paula Margarida Alves Pais Moreira Paulo Jorge Gomes Ferreira Lemos Silvina Maria Ferreira Marques Susana Maria Silva Costa Duarte PESSOAL

NÃO DOCENTE

Maria de Fátima Valente

Conceição Mª Magalhães S. Moreira

ENCARREGADOS EDUCAÇÃO

Joaquim Ferreira da Costa Mota Jorge Manuel Silva Resende Liliana Raquel Ribeiro da Silva Maria Alexandrina da Silva Meneses Tânia Alexandra Santos Rainho

AUTARQUIA

Cristina Manuela Cardoso Tenreiro Delfim Manuel Oliveira da Silva Maria Fernanda Silva Pereira

COMUNIDADE LOCAL

Manuel Jacinto C. Moreira Minervina Ferreira S. Rocha Rogério Magalhães Paiva

O Conselho Pedagógico (Quadro 6) é constituído por 16 elementos.

Quadro 6 – Conselho Pedagógico

Pr

ofess

ores

INTERVENIENTES NOME

Presidente (Diretora) Guiomar Silva

Coordenadora Departamento Pré-escolar Maria João Silva

Coordenadora Pedagógica do 1º ciclo Laurinda Reis

Coordenadora Pedagógica do 2º ciclo Isabel Valente

Coordenadora Pedagógica do 3º ciclo Helena Ramos Oliveira Coordenadora Departamento 1º ciclo Júlia Pinto

Coordenadora Departamento Português Anabela Ferreira/

Augusta Teixeira (em substituição) Coordenadora Departamento Línguas Estrangeiras Carla Oliveira

Coordenadora Departamento Ciências Sociais e Humanas Rosa Fonseca Coordenadora Departamento Ciências Experimentais Goreti Rocha /

(8)

Página 8 de 51 Quadro 6 – Conselho Pedagógico

Coordenadora Departamento Matemática Mimosa Santos Coordenador Departamento Expressões Visual e Tecnológica Bernardino Carvalho Coordenadora Departamento Expressões Física e Musical Anabela Silva Coordenadora das Bibliotecas Escolares Olívia Brandão

Coordenadora Educação Especial Isabel Lima

Psicóloga Isa Bastos

Conforme o Regulamento Interno do agrupamento, os docentes estão organizados em grupos disciplinares, em função de cada um dos grupos de recrutamento, e em Departamentos Curriculares (Quadro 7).

Os representantes de disciplina de cada grupo disciplinar do ano letivo 2016/2017 são os seguintes:

Quadro 7 – Coordenadores de disciplina do 2º e 3º ciclos

2º Ciclo

Português Maria José Coelho

Inglês Cristina Oliveira

HGP Paula Margarida Moreira

Matemática Ilda Cabral

Ciências Naturais Ana Paula Lourenço

EVT Bernardino Carvalho

Educação Musical Ilda Sá

Educação Física Miguel Almeida

EMRC António Resende

3º Ciclo

Português Cândida Gonçalves

Inglês Cristina Carvalho

Francês Isaura Coelho

História Rosa Fonseca

Geografia Andreia Fecha

Matemática Liliana Teixeira Ciências Naturais Rosa Paula França

Físico-Química Marta Marques Educação Visual Dulce Conceição

Educação Física Mário Barbosa

TIC Lúcia Nunes

EMRC António Resende

Educação Especial Isabel Lima

Os quadros seguintes (Quadros 8, 9, 10) mostram-nos a distribuição dos docentes pelos respetivos grupos/ turmas/freguesias.

(9)

Página 9 de 51 Quadro 8 – Nº de docentes do pré-escolar/situação profissional

Freguesia Jardim de Infância Nº Turmas QE/QZP Contratado

Arrifana Bairro 1 1 --- Fontainhas 1 1 --- Manhouce 1 1 --- Escapães Stº António 1 1 --- Pigeiros Bajouca 1 1 --- M. Poiares Pereiro 1 1 --- Romariz Romariz 1 1 --- Total 7 7 ---

Quadro 9 – Nº de docentes do 1º ciclo / situação profissional

Freguesia Escola Nº Turmas QE/QZP Contratado

Arrifana Bairro 2 2 --- Outeiro 3 3 --- Escapães Igreja 4 4 --- Pigeiros Pigeiros 2 2 --- M. Poiares Igreja 4 4 --- Romariz Romariz 4 4 --- Inglês --- --- 1 Apoios Educativos --- 4 1

Coord. Estabelecimento Escola

Básica Milheirós Poiares --- 1 ---

Adjunta da Direção --- 1 ---

Total 19 25 2

Quadro 10 – Situação profissional dos docentes das Escolas Básicas por Grupo Disciplinar

Grupo Disciplinar QE/QZP Contratado

Português 2º ciclo (210) 2 --- 3º ciclo (300) 6 2* Francês 3º ciclo (320) 1 1* Inglês 2º ciclo (220) 2 --- 3º ciclo (330) 3 --- HGP 2º ciclo (200) 3 1 História 3º ciclo (400) 2 1 Geografia 3º ciclo (410) 1 1+1*

EMRC 2º ciclo e 3º ciclo (290) 1 ---

Matemática / CN 2º ciclo (230) 6 ---

Matemática 3º ciclo (500) 4 2+1*

Ciências Naturais 3º ciclo (520) 3 ---

Físico-Química 3º ciclo (510) 5 ---

TIC 3º ciclo (550) 1 ---

(10)

Página 10 de 51 Quadro 10 – Situação profissional dos docentes das Escolas Básicas por

Grupo Disciplinar

EV 3º ciclo (600) 2 ---

Ed. Física 2º ciclo (260) 4 ---

3º ciclo (620) 3 ---

Ed. Musical 2º e 3º ciclos (250) 1 ---

Educação Especial 2º e 3º ciclos (910) 5 1*

Técnicos Especializados

Pastelaria Pastelaria --- 1

Total 60 12

* Em substituição

O Agrupamento teve ao seu serviço uma psicóloga contratada durante o ano letivo 2016/2017.

Quadro 11 – Serviço de Psicologia e Orientação

Psicóloga Isa Bastos Contratada

1.2.1. COMPONENTE LETIVA E NÃO LETIVA

A componente letiva e não letiva atribuída ao pessoal docente respeitou a legislação, nomeadamente as matrizes curriculares do ensino básico e o estabelecido no despacho de organização do ano letivo 2016/2017 (Despacho normativo n.º 4-A/2016, de 16 de junho), bem como os critérios de distribuição de serviço aprovados em Conselho Geral. Pretendeu responder às necessidades emanadas pelos diferentes relatórios produzidos ao longo do ano letivo.

Atendendo ao perfil dos nossos alunos, continuámos a implementar novas ofertas formativas, nomeadamente, uma turma do curso vocacional de 3º ciclo (18 alunos de 9º ano), curso aprovado em Conselho Pedagógico deste Agrupamento.

Além da componente curricular específica de cada ano de escolaridade/curso foi atribuído o Apoio Educativo (1º ciclo, num total de 80 horas), Apoio ao Estudo (2º ciclo), os Apoios Pedagógicos Acrescidos (3º ciclo) bem como tempos para o desenvolvimento de clubes e projetos que constam do Projeto Educativo. Continuamos com o Gabinete de Resolução de Conflitos (GabRC), de forma a promover o desenvolvimento pessoal e social do aluno.

A distribuição de serviço foi feita no sentido de criar as condições formais necessárias à melhoria dos resultados escolares dos alunos do Agrupamento.

Excetuando as horas destinadas à coordenação dos departamentos, dos grupos disciplinares, dos projetos e da coordenação pedagógica, a componente não letiva dos docentes das Escolas com 2º e 3º ciclos e as horas de redução do 79º foram direcionadas essencialmente para atividades com os

(11)

Página 11 de 51

alunos, num total de 197 horas (Quadro 12). Estas horas não letivas foram destinadas a clubes e projetos, aulas de apoio pedagógico acrescido e de apoio individualizado, tutoria e Gabinete de Resolução de Conflitos.

Quadro 12 – Componente não letiva nas Escolas Básicas

Atividades Nº horas semanais

Clubes e Projetos 31

Desporto Escolar 27

Biblioteca Escolar 24

Apoio Pedagógico Acrescido (3º ciclo) 10

Coadjuvações 48

Apoio ao Estudo (2º ciclo) 32

GabRC 13

Apoio Tutorial 12

TOTAL 197 H

1.3. PESSOAL NÃO DOCENTE

No Quadro 13 está representado o número de assistentes operacionais por tipo de estabelecimento e tempo de serviço. As Assistentes Operacionais que desempenham funções nos Jardins de Infância pertencem à Câmara Municipal de Santa Maria da Feira.

Quadro 13 – Tempo de serviço do pessoal não docente do Ministério da Educação Tempo de serviço Pessoal

Não Docente EB1’s

Escolas Básicas do 2º e 3º ciclos 0-10 anos 0 0% 3 7% 11-20 anos 2 25% 20 46,5% 21-30 anos 4 50% 15 34,9% +30 anos 2 25% 5 11,6% TOTAL 8 100% 43 100%

Os Assistentes Operacionais foram distribuídos de acordo com as necessidades de cada estabelecimento de ensino. Nas Escolas Básicas de Arrifana e Milheirós foram distribuídos pelos diferentes serviços e espaços, de forma a darem uma resposta em tempo útil, tanto às solicitações dos professores quando estão em aula, como ao nível da Reprografia/Papelaria, Bufete e Biblioteca Escolar.

(12)

Página 12 de 51

Relativamente ao pessoal não docente, as funções foram atribuídas de acordo com os diferentes perfis. No entanto, no sentido de uma melhoria da prestação do serviço público foi monitorizado o papel dos Assistentes Operacionais (AO) em cada uma das escolas. Foram estabelecidos inúmeros contactos com a autarquia de forma a adequar a resposta às necessidades de cada Jardim de Infância. Foram ainda realizadas reuniões gerais com as AO para melhoria das suas competências (atendimento ao público) e melhoria da qualidade da prestação dos serviços e para o cumprimento das regras definidas no Regulamento Interno, nomeadamente ao nível da atuação junto dos alunos. Foram também realizados workshops, no âmbito do Plano de Formação, destinados aos Assistentes Operacionais, no sentido de promover a aquisição de competências em várias áreas e de melhorar a prestação de serviços: “Novas Tecnologias – solução de problemas”; “Atendimento ao público” e “Funcionamento dos serviços”.

Quadro 14

Coordenadora Técnica Conceição Moreira

(13)

Página 13 de 51

1.4. ALUNOS

1.4.1. FREQUÊNCIA NAS ESCOLAS DO AGRUPAMENTO

O número de alunos que frequentou o Agrupamento diminuiu em 2016/2017 relativamente ao ano letivo anterior, bem como o número de turmas, seguindo a tendência dos últimos anos letivos (Quadro 15 e Gráfico 1).

No pré-escolar verificou-se pequeno aumento do número de alunos, mais 15 alunos relativamente ao ano letivo anterior, tendo-se mantido o número de turmas.

Nos restantes ciclos, seguindo a tendência dos últimos anos letivos, houve redução do número de alunos e, consequentemente, do número de turmas: menos 71 alunos e menos cinco turmas. Naturalmente, o número de docentes também diminuiu.

A redução do número de alunos foi mais acentuada no 1º ciclo, com 45 alunos que correspondem, comparativamente ao ano letivo anterior, a uma diminuição de 11,1%, e no 3º ciclo, com 35 alunos que correspondem a uma diminuição de 9,5%.

Quadro 15 – Distribuição da frequência dos alunos pelos diferentes ciclos/anos letivo (em 15 setembro 2016)

Ciclo/ Nível Idade/ ano 2012/2013 2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 Nº alunos Nº Turmas Nº alunos Nº Turmas Nº alunos Nº Turmas Nº alunos Nº Turmas Nº alunos Nº Turmas Pré-Escolar 3 anos 53 12 25 8 46 7 51 7 29 7 4 anos 63 53 26 40 41 5 anos 58 56 51 31 49 6 anos 1 1 0 0 18 Total Pré-Escolar 175 12 135 8 123 7 122 7 137 7 1º ciclo 1º ano 112 27 83 23 78 20 100 21 79 19 2º ano 132 123 98 91 116 3º ano 124 112 124 93 74 4º ano 151 116 101 121 91 Total 1º Ciclo 526 27 434 23 401 20 405 21 360 19 2º ciclo 5º ano 166 8 126 6 94 5 79 4 94 5 6º ano 154 7 149 7 122 6 97 5 76 4 CV2 --- --- 23 1 --- --- --- --- -- - Total 2º Ciclo 320 15 298 14 216 11 176 9 170 9 3º ciclo 7º ano 156 8 129 6 134 6 122 6 101 5 8º ano 121 6 126 6 127 6 103 6 115 6 9º ano 131 7 119 6 131 6 106 6 100 5 CV3 --- --- 26 1 45 2 38 2 18 1 CEF 65 4 15 1 --- --- --- --- _ _ PIEF --- --- 25 2 --- --- --- --- _ _ Total 3º Ciclo 473 25 440 22 437 20 369 20 334 17 TOTAL AGRUPAMENTO 1494 79 1307 67 1177 58 1072 57 1001 52

(14)

Página 14 de 51

Se compararmos com o ano letivo de 2012/2013, verificamos que houve uma redução significativa no número de alunos: 21,7% do número de alunos no pré-escolar, 31,6% no 1º ciclo, 46,9% no 2º ciclo e 29,4% no 3º ciclo.

Gráfico I – Percentagem de Alunos do Agrupamento, por ciclo

1.4.2. CARATERIZAÇÃO DOS ALUNOS E SUAS FAMÍLIAS (em 15 setembro 2016)

Como se pode observar através do quadro seguinte, 3,7% dos alunos possuem mais de 15 anos no ano letivo 2016/2017.

Quadro 16 – Idade dos Alunos do Agrupamento (N=1001) IDADE Pré-escolar 1º ciclo 2º ciclo 3º ciclo Total

(Alunos) % 3 anos 29 0 0 0 29 2,9% 4 anos 41 0 0 0 41 4,1% 5 anos 49 18 0 0 67 6,7% 6 anos 18 63 0 0 81 8,1% 7 anos 0 105 0 0 105 10,5% 8 anos 0 75 0 0 75 7,5% 9 anos 0 64 14 0 78 7,8% 10 anos 0 27 53 0 80 8,0% 11 anos 0 8 47 5 60 6,0% 12 anos 0 0 38 51 89 8,9% 13 anos 0 0 15 94 109 10,9% 14 anos 0 0 1 87 88 8,8% 15 anos 0 0 1 61 62 6,2% 16 anos 0 0 0 27 27 2,7% 17 anos 0 0 1 9 10 1,0% Total 137 360 170 334 1001 100,0%

(15)

Página 15 de 51

A maioria dos pais e mães dos alunos do Agrupamento exerce funções no setor secundário, trabalhando por conta de outrem. Continua a haver um grande número de pais e mães desempregados, respetivamente, 7,40% e 8,72%, tendo no entanto diminuído o número de mães desempregadas relativamente ao ano letivo anterior (Quadro 17). Note-se que o somatório das mães Desempregadas, Domésticas e Reformadas/Inválidas era de 19,07%, o que deveria significar maior disponibilidade para acompanhar os seus educandos nas atividades escolares, o que nem sempre aconteceu.

A maioria dos pais e mães têm idades compreendidas entre os 30 e os 49 anos (Quadro 18).

Quadro 17 – Profissão dos Pais Sector Atividade

Profissional

2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017

Pai Mãe Pai Mãe Pai Mãe Pai Mãe

Sector Primário 17 1,30% 13 1,00% 16 1,40% 14 1,20% 19 1,80% 4 0,40% 10 1,01% 2 0,20% Sector Secundário 794 60,70% 649 49,70% 662 56,20% 584 49,60% 596 55,60% 538 50,20% 551 55,83% 515 52,23% Sector Terciário 288 22,00% 329 25,20% 301 25,60% 287 24,40% 266 24,80% 275 25,70% 275 27,86% 244 24,75% Desempregado 121 9,30% 143 10,90% 86 7,30% 137 11,60% 78 7,30% 114 10,60% 73 7,40% 86 8,72% Doméstica 0 0% 113 8,60% 1 0,10% 99 8,40% 2 0,20% 83 7,70% 0 0,00% 97 9,84% Reformado/ 42 3,20% 26 2,00% 21 1,80% 4 0,30% 15 1,40% 5 0,50% 14 1,42% 5 0,51% Inválido NR 47 3,60% 36 2,80% 90 7,70% 52 4,40% 96 9,00% 53 4,90% 62 6,48% 37 3,75%

Quadro 18 – Idade dos Pais

Idade 2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017

Pai Mãe Pai Mãe Pai Mãe Pai Mãe

 39 3,00% 78 6,00% 39 3,30% 77 6,50% 34 3,20% 76 7,10% 32 3,21% 73 7,31% 30 a 39 453 34,70% 580 44,40% 392 33,30% 494 42,00% 361 33,70% 472 44,00% 404 40,56% 448 44,89% 40 a 49 642 49,10% 447 34,20% 567 48,20% 503 42,70% 494 46,10% 458 42,70% 464 46,59% 428 42,89% 50 a 59 101 7,70% 30 2,30% 92 7,80% 54 4,60% 109 10,20% 34 3,20% 61 6,12% 27 2,71%  12 0,90% 0 0% 11 0,90% 3 0,30% 10 0,90% 0 0,00% 3 0,30% 0 0,00% NR 62 4,70% 174 13,30% 76 6,50% 46 3,90% 64 6,00% 32 3,00% 32 3,21% 22 2,20%

Os alunos deste agrupamento são maioritariamente oriundos de famílias com baixas habilitações académicas (6º e 9º ano), constatando-se que, de uma forma geral, são as mães que possuem maiores habilitações (Quadro 19). 69,81% das mães possuem habilitações até a 9º ano o que é preditivo dos resultados escolares dos alunos.

(16)

Página 16 de 51 Quadro 19 – Habilitações dos Pais

Habilitações 2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017

Pai Mãe Pai Mãe Pai Mãe Pai Mãe

<4º ano 28 2,10% 12 0,90% 42 3,60% 23 2,00% 34 3,20% 17 1,60% 37 3,20% 13 1,30% 4º ano 273 20,90% 219 16,80% 215 18,30% 159 13,50% 199 18,60% 143 13,30% 163 18,60% 121 12,14% 6º ano 526 40,20% 492 37,60% 437 37,10% 404 34,30% 396 36,90% 376 35,10% 326 36,90% 296 29,69% 9º ano 242 18,50% 292 22,30% 193 16,40% 281 23,90% 176 16,40% 237 22,10% 197 16,40% 266 26,68% 12º ano 132 9,90% 154 11,80% 113 9,60% 130 11,10% 126 11,80% 132 12,30% 129 11,80% 137 13,74% Bacharelato 5 0,40% 13 1,00% 9 0,80% 8 0,70% 2 0,20% 5 0,50% 7 0,20% 5 0,50% Licenciatura 35 2,70% 88 6,70% 33 2,80% 73 6,20% 44 4,10% 90 8,40% 43 4,10% 87 8,73% Pós-graduação 2 0,15% 3 0,20% 5 0,40% 4 0,30% 5 0,50% 1 0,10% 1 0,50% 0 0,00% Mestrado 4 0,30% 7 0,50% 7 0,60% 10 0,90% 5 0,50% 11 1,00% 7 0,50% 9 0,90% Doutoramento 1 0,08% 1 0,08% 1 0,10% 4 0,30% 2 0,20% 1 0,10% 1 0,20% 1 0,10% NR 61 4,80% 28 2,10% 122 10,40% 81 6,90% 83 7,70% 59 5,50% 83 7,70% 62 6,22%

Os alunos estrangeiros ou de outras etnias que frequentam o nosso agrupamento (Quadro 20) são apenas uma pequena percentagem (2,8%). São, no entanto, bem aceites pelo resto da população e apoiados pela comunidade.

Os alunos estrangeiros são provenientes de 8 países (Quadro 21).

Quadro 20 – Nacionalidade dos alunos do Agrupamento Ano de

Escolaridade

Portugueses Estrangeiros/ Outras Etnias

Nº Alunos % Nº Alunos % Pré-escolar 130 12,99% 7 0,70% 1º Ciclo 347 34,67% 13 1,30% 2º Ciclo 164 16,38% 6 0,60% 3º Ciclo 327 32,67% 8 0,80% Total 1001 12,99% 28 2,80%

(17)

Página 17 de 51 Quadro 21 – Distribuição dos alunos do agrupamento pelas diferentes nacionalidades/etnias

NACIONALIDADE/ ETNIA Pré-escolar 1º ciclo 2º ciclo 3º ciclo

Brasileira 0 0 0 1 Chinesa 1 1 0 0 Francesa 0 2 2 1 Luxemburguesa 0 0 0 0 Angolano 0 1 0 0 Suíça 0 0 0 1 Ucraniana 0 0 0 1 Espanhol 0 1 0 0 Etnia Cigana 6 8 4 4

1.4.2.1. AÇÃO SOCIAL ESCOLAR

Em 2016/2017, beneficiaram da ação social escolar 44,1% dos alunos do agrupamento.

No Quadro 22 apresenta-se o número de alunos a usufruir de Escalão A e B, por ciclo e por ano de escolaridade. De salientar que, na maioria dos anos de escolaridade, mais de 40% dos alunos recebem apoio da Ação Social Escolar, havendo anos em que essa percentagem é superior a 52%.

Quadro 22 – Alunos Subsidiados

Ano de Escolaridade Escalão A Escalão B Total de Alunos Subsidiados % (relativamente ao total de alunos por ano) 1º ano 11 25 36 45,6% 2º ano 32 34 66 56,9% 3º ano 18 17 35 47,3% 4º ano 17 23 40 44,0% 1º Ciclo 78 99 177 49,2% 5º ano 28 21 49 52,1% 6º ano 28 19 47 61,8% 2º Ciclo 56 40 96 56,5% 7º ano 39 20 59 58,4% 8º ano 27 33 60 52,2% 9º ano 18 26 44 44,0% VOC 3ºCiclo 3 2 5 27,8% 3º Ciclo 87 81 168 50,3% TOTAL (relativamente ao total do Agrupam.) (N=1001 ) 221 220 441 22,1% 22,0% 44,1%

Para além do apoio da ação social escolar, a escola forneceu aos alunos mais carenciados das escolas básicas com 2º e 3º ciclos dois lanches diários.

(18)

Página 18 de 51

Relativamente às novas tecnologias, a grande maioria dos alunos do agrupamento tem acesso a computador e internet em casa (Quadro 23).

Quadro 23 – Acesso a novas tecnologias nas casas das famílias Ano de Escolaridade Computador Internet 2012/2013 2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 2012/2013 2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 Pré-escolar 127 92 100 98 127 125 83 98 84 114 72,60% 68,20% 81,30% 80,30% 92,70% 71,40% 61,40% 79,70% 68,90% 83,21% 1º Ciclo 441 372 327 332 286 364 315 310 319 260 83,50% 83,20% 81,50% 82,00% 79,44% 68,90% 70,40% 77,30% 78,80% 72,22% 2º Ciclo 223 251 201 141 144 164 224 190 135 160 75,60% 91,30% 93,10% 80,10% 84,71% 55,60% 81,50% 88,00% 76,70% 94,12% 3º Ciclo 300 371 367 308 284 289 303 332 302 290 93,80% 99,20% 84,00% 83,50% 85,03% 90,30% 81% 76,00% 81,80% 86,83%

CAPÍTULO II – AVALIAÇÃO DAS PRÁTICAS

1. CULTURA APRENDENTE / PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 1.1. SUCESSO ACADÉMICO

Desde dezembro de 2013 que se desenvolve o projeto Cultura Aprendente, que pretende dar resposta aos objetivos traçados no Contrato de Autonomia de uma forma mais consistente e que aposta no desenvolvimento do seguinte Objetivo Geral: Promover uma cultura aprendente por parte dos alunos, consubstanciada na melhoria dos resultados escolares, para uma aproximação às médias nacionais das provas finais.

Neste âmbito, foram definidos os seguintes objetivos operacionais:

Objetivo Operacional 1 – Melhorar a prática letiva através da promoção do acompanhamento em sala de aula;

Objetivo Operacional 2 – Melhorar os resultados escolares da avaliação externa através da promoção de aulas de preparação as provas finais do 3º ciclo do ensino básico a Português e a Matemática, na última semana antes das provas de 9º ano;

Objetivo Operacional 3 – Melhorar a relação entre a escola e os Encarregados de Educação através da promoção de reuniões com os Encarregados de Educação dos alunos do 9º ano de forma a uma coresponsabilização face aos resultados das provas finais (Direção e Diretor de Turma, 1º e 2º períodos), bem como da realização de reuniões com os encarregados de educação cujos educandos realizam as provas de aferição (2º, 5º e 8º anos).

(19)

Página 19 de 51

O desenvolvimento dos Objetivos Operacionais foi centrado nos Alunos, Pais e Encarregados de Educação e Docentes, havendo estratégias definidas para cada um destes grupos.

O Plano de Ação Estratégica elaborado no âmbito do Plano Nacional de Promoção do Sucesso Escolar iniciado em 2016/2017, identifica as principais fragilidades: a elevada taxa de retenção no 2º ano; o elevado número de alunos que transitam de ano, no 2º e 3º ciclo com insucesso a Matemática; a elevada taxa de retenção no 2º e 3º ciclos decorrentes dos resultados negativos a Português (compreensão leitora), Ciências Naturais e Línguas Estrangeiras. Nesta sequência foram definidas as seguintes medidas:

Medida 1 – Planificar e agir de forma colaborativa para melhorar as aprendizagens a Português e Matemática;

Medida 2 – Planificar e agir de forma colaborativa para melhorar as aprendizagens a Matemática; Medida 3 – Planificar e agir de forma colaborativa para melhorar as aprendizagens e reduzir a taxa de retenção em cada ano de escolaridade (do 5º ao 9º ano).

As estratégias desenvolvidas no âmbito do Projeto Cultura Aprendente e as medidas aplicadas no âmbito do Plano de Ação Estratégica tiveram resultados muito positivos na promoção do sucesso educativo, traduzidos pela melhoria dos resultados escolares, nomeadamente no 4º e 6º ano, usando como referencial as provas globais. Seguindo a tendência do ano letivo anterior, houve uma redução da taxa de retenção global – apenas 2,77% dos alunos ficaram retidos em 2016/2017 (Quadro 24).

A taxa de insucesso mais elevada foi no 3º ciclo no 7º ano, com 6%, no 1º ciclo foi no 2º ano, com 4,4% e, no 2º ciclo foi no 6º ano, com 2,6%. Podemos constatar uma redução significativa nas taxas de retenção, relativamente aos anos letivos anteriores, em todos os anos de escolaridade.

No 1º ciclo os alunos beneficiaram de 6 horas (1º/2º ano) e 4 horas (3º e 4º ano) semanais de apoio educativo/Projeto Fénix, por docentes do mesmo ciclo. Alguns alunos usufruíram de Apoio Individualizado ao longo do ano, havendo nas interrupções escolares Apoio Acrescido.

Os alunos de 2º ciclo beneficiaram de Apoio ao Estudo que foi lecionado por docentes maioritariamente de Matemática e de Português. Como já é habitual, os alunos do 3º ciclo com dificuldades de aprendizagem beneficiaram de Apoio Pedagógico Acrescido às disciplinas onde manifestamente revelaram mais dificuldades, bem como de Apoio Individualizado nos casos de alunos com dificuldades mais profundas, o que contribuiu para diminuir o número de níveis negativos ao longo do ano. Continuou a ser política da escola que, sempre que possível, os professores que prestaram os apoios, o fizessem às turmas que lecionavam, o que contribuiu para a

(20)

Página 20 de 51

diminuição do insucesso, pois houve uma articulação mais efetiva entre as dificuldades reveladas nas aulas e as estratégias aplicadas no apoio.

Para alunos com Necessidades Educativas Especiais definiram-se os Currículos Específicos Individuais, adequações curriculares e/ou adequações no processo de avaliação e, ainda, Apoio Pedagógico Personalizado, de acordo com o Decreto-lei nº3/2008.

Relativamente à taxa de abandono escolar no Agrupamento (Quadro 24), verificou-se que esta é inexistente, com 0%.

A taxa de transição no ensino regular no Agrupamento (Quadro 24), em 2016/2017, foi de 96,9% sendo a mais elevada no 1º ciclo e a mais baixa no 3º ciclo.

(21)

Página 21 de 51 Quadro 24 – Resultados da avaliação sumativa dos últimos anos de escolaridade por ano/ciclo

Ciclo/ Nível Idade/ ano 2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 M C R % D % T M C R % F % D % T M C R % F % D % T M C R % F % D % T ciclo 1º ano 84 83 98,8% 1 1,2% 0 0 76 76 100% 0 0 0 2 100 100 100% 0 0 0 0 79 79 100% 0% 0 0 0% 2º ano 133 113 88,0% 12 9% 4 3,1% 4 97 90 92,8% 7 7,2% 0 0 2 91 77 84,6% 10 11,0% 4 0 0 114 109 95,6% 5 4,4% 0 0 1 0,87% 3º ano 115 105 90,4% 11 9,6% 0 4 124 120 96,8% 4 3,2% 0 0 2 91 91 100% 0 0 0 0 74 74 100% 0% 0 0 0% 4º ano 119 115 97,5% 3 2,5% 0 3 103 102 99% 1 0,97% 0 0 6 121 120 99,2% 1 0,83% 0 0 0 91 89 97,8% 2 2,2% 0 0 2 2,19% TOTAL 451 416 93,1% 27 6% 4 0,9% 11 400 388 97% 12 3,0% 0 0 12 403 388 96,3% 11 2,7% 4 0 0 358 351 98% 7 2% 0 0 3 0,61% ciclo 5º ano 126 109 87,2% 16 12,8% 1 0,8% 12 96 84 87,5% 7 7,3% 5 5,2% 0 8 80 76 95% 3 3,8% 1 1,3% 0 3 95 93 98% 2 2,1% 1 1,05% 0 1 1,0% 6º ano 149 136 91,3% 13 8,7% 0 6 119 107 89,9% 8 6,7% 2 1,7% 2 1,7% 10 98 95 96,9% 1 1,0% 1 1,0% 1 1,0% 7 77 75 97,4% 2 2,6% 1 1,3% 0 3 3,9% C. Voc. 2ºC 23 21 91,7% 2 8,7% 0 0 --- --- --- --- --- --- --- --- --- --- --- --- ---- ---- --- ---- ---- ---- TOTAL 298 266 89,3% 31 10,4% 1 0,3% 18 215 191 88,8% 15 7,0% 7 3,3% 2 0,9% 18 178 171 96,1% 4 2,2% 2 1,1% 1 0,6% 10 172 168 97,7% 4 2.3% 2 1,2% 0 4 2,3% ciclo 7º ano 130 115 88,5% 15 11,5% 0 6 133 95 71,4% 31 23,3% 5 3,8% 2 1,0% 5 124 113 91,1% 10 8,1% 1 0,8% 0 3 100 94 94% 6 6,0% 0 0 5 5,0% 8º ano 127 112 88,2% 14 11% 1 0,8% 7 129 97 75,2% 27 20,9% 3 2,3% 2 1,0% 1 104 98 94,2% 4 3,8% 2 1,9% 0 4 116 113 97% 3 2,6% 1 0,86% 0 4 3,4% 9º ano 119 93 78,2% 26 21,8% 0 8 136 95 72,0% 37 28,0% 4 3,0% 0 4 107 98 91,6% 6 5,6% 0 3 2,8% 2 102 99 97% 3 3% 1 0,98% 0 5 4,9% Voc. 3ºC (8º Ano) --- --- --- --- --- 24 16 66,7% 0 8 33,3% 0 1 20 20 100% 0 0 0 0 --- --- --- ---- --- --- Voc. 3ºC (9º Ano) 24 18 75% 6 25% 0 0 19 19 100% 0 0 0 0 18 17 94,4% 0 1 5,5% 0 0 18 14 77% 1 5,5% 3 16,6% 0 0% CEF 15 14 93,3% 1* 6,6% 0 0 --- --- --- --- --- --- --- --- --- --- --- --- ---- ---- ---- ---- ---- ---- TOTAL 415 352 84,8% 61 14,7% 2 0,5% 21 441 322 73,0% 95 21,5% 20 4,5% 4 0,9% 11 373 346 92,8% 20 2,7% 4 1,0% 3 0,8% 9 336 320 95,2% 13 3,87% 5 1,49% 0 14 4,17% PIEF_1 20 14 70% 6* 30% 0 0 --- --- --- --- --- --- --- --- --- --- --- --- --- --- --- ---- ---- ---- PIEF_2 19 6 33,3% 6* 33,3% 7 36,8% 0 --- --- --- --- --- --- --- --- --- --- --- --- ---- ---- --- ---- ---- ---- Total Agrupamento 1203 1058 87,9% 132 11,0% 13 1,1% 50 1056 901 85,3% 122 11,6% 27 2,6% 6 0,6% 41 954 905 94,9% 35 3,7% 10 1,0% 4 0,4% 19 866 839 96,9% 24 2,77% 7 0,81% 0 21 2,4%

(22)

Página 22 de 51

Dos alunos que transitaram de ano (Quadro 25): 6,72% não tiveram aproveitamento a Português, sendo a taxa mais elevada no 3º ciclo, com 10,7%; 11,6% não tiveram aproveitamento a Matemática, sendo o 3º ciclo que apresenta a taxa mais elevada, com 18,1%; 2,98% dos alunos transitaram de ano sem aproveitamento a Português e Matemática simultaneamente, sendo a taxa mais elevada no 3º ciclo, com 4,3% e no 1º ciclo, com 4,1%.

Quadro 25 – Transição de alunos sem aproveitamento a Português e/ou Matemática em 2016/2017

Ano de Escolaridade Transitaram de ano* 2014/2015 Transitaram de ano* 2015/2016 Transitaram de ano* 2016/2017

Transitaram sem aproveitamento a: Português 2014/2015 Português 2015/2016 Português 2016/2017 Matemática 2014/2015 Matemática 2015/2016 Matemática 2016/2017 Português e Matemática 2014/2015 Português e Matemática 2015/2016 Português e Matemática 2016/2017 Nº Alu nos % Nº Alunos % Nº Alunos % Nº Alunos % Nº Alunos % Nº Alunos % Nº Alunos % Nº Alunos % Nº Alunos % Nº Alunos % Nº Alunos % Nº Alunos % 1º Ano 76 100% 100 100% 79 100% 14 18,4% 9 9% 4 5,01% 5 6,6% 8 8,0% 4 5,01% 5 6,6% 0 0% 4 5,01% 2º Ano 90 92,8% 75 82.4% 116 95,6% 8 8,2% 15 20,0% 10 8,6% 18 18,6% 19 25,3% 8 6,89% 7 7,2% 12 16,0% 6 5,17% 3º Ano 12 0 96,8% 91 100% 74 100% 6 4,8% 2 2,2% 6 8,1% 17 13,4% 12 13,2% 11 14,8% 4 3,2% 0 0% 3 4,05% 4º Ano 10 2 99% 120 99,2% 91 97,8% 17 16,7% 3 2,5% 2 2,19% 28 27,5% 7 5,8% 11 12% 0 0% 1 0,8% 2 2,19% Total 1º Ciclo 38 8 97% 386 95,8% 360 95,3 % 45 11,6% 29 7,5% 22 5,97% 68 17,5% 46 11,9% 34 9,67% 20 5,2% 13 3,4% 15 4,1% 5º Ano 84 84 87,5% 76 93,8% 93 97,8% 2 2,4% 2 2,6% 1 1,08% 10 11,9% 17 22,4% 2 2,16% 1 1,2% 4 5,3% 1 1,08% 6º Ano 10 7 107 89,9% 96 97,0% 75 97,4% 5 4,9% 2 2,1% 4 5,97% 20 19,4% 14 14,6% 9 12% 0 0% 0 0% 0 0% Total 2º Ciclo * 18 7 88,8% 172 95,6% 172 97,6 % 7 3,7% 4 2,3% 5 3,5% 30 16% 31 18,0% 11 7,08% 1 0,5% 4 2,3% 1 0,54% 7º Ano 95 95 71,4% 113 90,4% 94 94% 11 11,6% 13 11,5% 14 14,8% 17 17,9% 17 15,0% 15 15,9% 1 1,1% 2 1,8% 8 8,5% 8º Ano 97 97 75,2% 96 92,3% 112 96,5% 13 13,4% 9 9,4% 16 14,3% 25 25,8% 28 29,2% 27 24,1% 3 3,1% 1 1,0% 5 4,4% 9º Ano 95 95 72,0% 98 90,7% 99 98,1% 11 11,6% 7 7,1% 3 3,06% 25 26,3% 32 32,7% 14 14,2% 0 0% 0 0% 0 0% Total 3º Ciclo* 28 7 72,1% 307 91,1% 318 96,1% 35 12,2% 29 9,4% 33 10,7% 67 23,3% 77 25,1% 56 18,1% 4 1,4% 3 0,98% 13 4,3% Total Agrupam 86 2 81,6% 865 94,0% 850 96,3% 87 10,1% 62 7,2% 60 6,72% 165 19,1% 154 17,8% 101 11,6% 25 2,9% 20 2,31% 29 2,98%

(23)

Página 23 de 51

Do total de alunos que frequentaram o Agrupamento 23,7% têm retenções no seu percurso escolar (Quadro 26), sendo que, 120 alunos já ficaram retidos pelo menos uma vez, o que corresponde a 13,9% da população. Verificou-se, desde 2014/2015 um decréscimo de 4,5% do número de retenções.

Quadro 26 – Número de retenções por aluno

1º ciclo 2º ciclo 3º ciclo* Total Agrupamento

Ano Letivo 2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 N=451 N=401 N=405 N=360 N=298 N=216 N=176 N=170 N=376 N=437 N=369 N=334 N=1125 N=1054 N=950 N=864 1 retenção 44 46 47 35 63 34 25 30 71 78 61 55 178 13,6% 158 13,4% 133 14,0% 120 13,9% 2 retenções 7 11 4 2 21 20 26 15 30 63 49 56 58 4,4% 94 8,0% 79 8,3% 73 8,5% 3 retenções 0 0 0 0 4 7 5 3 11 24 34 6 15 1,1% 31 2,6% 39 4,1% 9 1,0% 4 retenções 0 0 0 1 1 3 2 1 3 8 5 0 4 1% 11 0,9% 7 0,7% 2 0,2% > 4 retenções 0 0 0 0 0 3 2 1 0 0 0 0 0 3 0,3% 2 0,2% 1 0,1% Total de alunos com retenções 51 57 51 38 89 67 60 50 115 173 149 117 255 297 260 205 11,3% 14,2% 12,6% 10,6% 29,9% 31,0% 34,1% 29,4% 30,6% 39,6% 40,4% 35,0% 22,7% 28,2% 27,4% 23,7%

(24)

Página 24 de 51

1.1.1. RESULTADOS DA AVALIAÇÃO - 1º CICLO

De seguida analisamos a média dos resultados da avaliação sumativa interna referentes à avaliação interna e externa, comparando os dados dos três últimos anos letivos.

Da análise do Quadro 27, referente aos resultados da avaliação no 1º ciclo, verificamos que:

 A média é positiva em todas as disciplinas em todos os anos de escolaridade;

 É no 1º ano que as médias são mais elevadas;

 A disciplina com médias mais baixas é Português, exceto no 4º ano em que é Matemática;

O Agrupamento de Escolas de Arrifana, Santa Maria da Feira, realizou Provas Globais em todos os anos de escolaridade. Como no ano letivo de 2016/2017 não se realizaram Provas Finais no 4º e 6ºano de escolaridade, foram usados os resultados das provas globais como referencial.

No Quadro 28 analisa-se o desempenho dos nossos alunos nas provas globais de 4º ano, nas disciplinas de Português e Matemática. Constata-se uma melhoria significativa nos resultados da disciplina de Português. Na disciplina de Matemática verificou-se um ligeiro decréscimo, relativamente aos resultados obtidos no ano anteriores nas Provas Globais.

As médias dos resultados obtidos foram positivas em ambas as disciplinas, sendo mais elevada em Português.

Quadro 28 – Médias de nível em Provas Finais/ Provas Globais de 4º Ano 2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 Prova Final Prova Final Prova Global Prova Global

Português 3,35 3,5 3,74 3,96

Matemática 3 3,24 3,69 3,58

Quadro 27 – Média avaliação sumativa no 1º Ciclo

1º Ano 2º Ano 3º Ano 4º Ano

Disciplinas 13/14 14/15 15/16 16/17 13/14 14/15 15/16 16/17 13/14 14/15 15/16 16/17 13/14 14/15 15/16 16/17 Português 3,73 3,76 3,92 4,09 3,51 3,57 3,25 3,54 3,25 3,55 3,90 3,47 3,37 3,24 3,64 3,88 Matemática 3,85 3,94 3,98 4.20 3,43 3,57 3,26 3,76 3,08 3,43 3,73 3,51 3,21 3,07 3,60 3,70 Estudo Meio 4,17 4,41 4,28 4,38 3,91 3,96 3,79 4,14 3,46 3,88 4,18 3,97 3,62 3,69 4,01 4,16 Expressões 3,69 3,39 3,69 4,10 3,72 3,67 3,73 3,95 3,49 3,71 3,92 3,67 3,62 3,62 3,95 4,06 Inglês -- -- -- -- -- -- -- --- -- -- 4,12 4,49 -- -- -- 4,41

(25)

Página 25 de 51

1.1.2. RESULTADOS DA AVALIAÇÃO – 2º CICLO

Da análise do Quadro 29, referente aos resultados da avaliação no 5º ano, verificamos que a média de todas as disciplinas é positiva em 2016/2017. A disciplina com média mais baixa é Educação Musical e a mais alta é EMRC.

Quadro 29 – Média da Avaliação Interna de 5º Ano

2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 Disciplina Média Agrupamento Média Agrupamento Média Agrupamento Média Agrupamento Português 3,20 3,22 3,22 3,51 Inglês 3,16 3,28 3,19 3,54 HGP 3,33 3,19 3,30 3,75 Matemática 3,15 3,15 3,04 3,77 Ciências Naturais 3,36 3,44 3,30 3,72 Ed. Visual 3,67 3,29 3,49 3,73 Ed. Tecnológica 3,63 3,33 3,67 3,68 Ed. Musical 3,36 3,27 3,30 3,47 Ed. Física 3,89 3,62 3,73 4,02 EMRC 4,58 4,32 4,17 4,58

Da análise do Quadro 30, referente aos resultados da avaliação no 6º ano, verificamos que a média de todas as disciplinas é positiva em 2016/2017. A disciplina com média mais baixa é Inglês e a mais alta é EMRC.

Quadro 30 – Média da Avaliação Interna de 6º Ano

2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 Disciplina Média Agrupamento Média Agrupamento Média Agrupamento Média Agrupamento Português 2,92 3,32 3,32 3,43 Inglês 3,04 3,35 3,30 3,29 HGP 3,30 3,68 3,57 3,64 Matemática 3,00 3,42 3,21 3,45 Ciências Naturais 3,47 3,62 3,34 3,60 Ed. Visual 3,50 3,64 3,38 3,62 Ed. Tecnológica 3,39 3,70 3,32 3,73 Ed. Musical 3,18 3,40 3,39 3,42 Ed. Física 3,78 3,99 4,02 3,81 EMRC 4,28 4,61 4,25 4,41

(26)

Página 26 de 51 Quadro 31 – Médias de nível em Provas Finais/ Provas Globais de 6º Ano

2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 Prova Final Prova Final Prova Global Prova Global

Português 2,85 3,11 3,40 3,20

Matemática 2,56 2,59 3,28 3,10

No Quadro 31 analisa-se o desempenho dos nossos alunos nas provas globais de 6º ano, nas disciplinas de Português e Matemática. Constata-se um ligeiro decréscimo em ambas as disciplinas, relativamente aos resultados obtidos no ano anteriores nas Provas Globais.

As médias dos resultados obtidos foram positivas em ambas as disciplinas, sendo mais elevada em Português.

1.1.3. RESULTADOS DA AVALIAÇÃO SUMATIVA INTERNA - 3º CICLO

Da análise do Quadro 32, referente aos resultados da avaliação no 7º ano, verificamos que as médias são positivas em todas as disciplinas e ligeiramente mais altas do que no ano letivo anterior, em todas as disciplinas exceto Geografia, Ciências Naturais, TIC e Educação Física.

No que se refere ao 8º ano verificamos que as médias são positivas e mais altas do que no ano letivo anterior em todas as disciplinas.

Quadro 32 – Média da Avaliação Interna de 7º e 8º Ano

Disciplina 7º Ano 8º Ano

2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 Português 2,91 2,77 3,16 3,16 3,05 2,83 3,10 3,15 Inglês 3,01 3,09 3,29 3,38 3,18 3,08 3,31 3,45 Francês 3,30 3,16 3,33 3,38 3,24 3,03 3,15 3,52 História 3,34 3,06 3,37 3,58 3,37 3,11 3,20 3,53 Geografia 3,23 3,00 3,34 3,21 3,35 3,09 3,15 3,46 Matemática 2,80 2,80 3,15 3,20 2,93 2,72 2,85 3,14 Ciências Naturais 3,19 2,91 3,44 3,40 3,28 3,15 3,34 3,45 Físico-Química 3,08 3,10 3,42 3,29 3,38 3,03 3,39 3,41 Ed. Visual 3,72 3,82 3,63 3,76 3,84 3,32 3,73 3,84 Ed. Musical 3,84 --- --- --- 3,65 3,60 --- ---

(27)

Página 27 de 51 Quadro 32 – Média da Avaliação Interna de 7º e 8º Ano

Disciplina 7º Ano 8º Ano

2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 2013/14 2014/15 2015/16 2016/17 Ed. Tecnológica 3,45 --- --- --- 3,41 3,30 --- --- Música e Movimento --- --- --- --- --- ---- 4,00 4,04 TIC 3,28 3,10 3,52 3,25 3,30 3,02 --- --- Ed. Física 3,76 3,72 3,79 3,63 3,75 3,73 3,87 3,94 EMRC 4,19 4,29 4,26 4,29 4,65 4,47 4,45 4,49

Da análise do Quadro 33, referente aos resultados da avaliação no 9º ano, verificamos que:

 A média final é positiva em todas as disciplinas à exceção de Matemática, sendo, por isso, a disciplina com média mais baixa;

Se considerarmos, separadamente, as médias dos resultados obtidos nas disciplinas em que se realizam provas finais na Escola Básica de Arrifana e de Milheirós, verificamos que:

 Em Português e Matemática, as médias da avaliação externa foram negativas em ambas as disciplinas e mais baixas que as da avaliação interna, nas duas escolas.

 Em Inglês, as médias das Provas Globais foram mais baixas que a da avaliação interna, em ambas as escolas. Em Milheirós de Poiares a média da Prova Global foi positiva.

(28)

Página 28 de 51 Quadro 33 – Média da Avaliação Interna e Externa de 9º ano

Disciplina

2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017

Arrifana Milheirós Aval. Final Média Agrupam

Arrifana Milheirós Aval. Final Média Agrupam

Arrifana Milheirós Aval. Final Média Agrupam

Arrifana Milheirós Aval. Final Média Agrupam A. I. A. E. A. I. A. E. A. I. A. E. A. I. A. E. A. I. A. E. A. I. A. E. A. I. A. E. A. I. A. E. Português 2,94 2,98 2,93 2,61 2,76 2,88 2,96 2,72 3,02 2,83 3,04 2,94 3,01 2,60 2,94 3,17 2,60 3,52 2,69 3,27 Inglês 3,13 3,71** 2,89 2,87** 3,01 3,39 3,22* 2,97 2,72* 3,08 3,68 3,51# 3,14 2,93# 3,19 3,44 2,95# 3,28 3,06# 3,32 Francês 3,20 3,16 3,30 3,58 História 3,22 3,09 3,61 3,61 Geografia 3,41 3,32 3,19 3,55 Matemática 2,62 2,44 2,71 2,37 2,53 2,69 2,52 2,88 2,78 2,88 3,05 2,32 2,86 2,11 2,89 3,09 2,15 3,24 2,47 2,91 Ciências Naturais 3,14 3,03 3,37 3,29 Físico-Química 3,07 3,09 3,45 3,39 Ed. Visual 3,70 3,82 3,73 3.94 Ed. Física 3,99 3,66 3,85 4,04 EMRC 4,54 4,43 4,53 4,51

(29)

Página 29 de 51

1.1.4. RESULTADOS DA AVALIAÇÃO EXTERNA

Através da análise do Quadro 34 verificamos que, em 2016/2017, a taxa de sucesso mais elevada nas provas globais foi na disciplina de Português de 6º ano, com 64,15% e que a mais baixa foi em Matemática de 4º ano, com 47,7%.

Verificamos também que o diferencial entre as médias da classificação interna e externa foi positivo, ou seja, os resultados da avaliação interna foram superiores aos obtidos nas provas finais, em ambas as disciplinas de 6º ano e de 9º ano. Nas disciplinas de Português e Matemática de 4º ano, o diferencial entre as médias da classificação interna e externa foi negativo, ou seja, os resultados das provas globais/ finais foram superiores aos obtidos na avaliação interna.

Constatámos ainda que, comparativamente com 2015/2016, houve uma menor percentagem de sucesso nas Provas Finais em Português.

De seguida, comparamos os resultados obtidos pelos alunos da escola na 1ª fase das Provas Finais de 9º ano com os resultados nacionais (Quadro 35 e Gráfico II).

Constatamos que a média dos resultados é mais baixa do que a do ano letivo anterior, na disciplina de Português. Na disciplina Matemática aumentou ligeiramente. Comparando com as médias nacionais, as do Agrupamento são inferiores em ambas disciplina.

Quadro 34 – Resultados académicos e diferencial entre médias de classificações internas e classificações externas (Provas Finais ou Globais de 4º e 6º, Provas Finais de 9º ano)

2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017

Resultados académicos: Provas Finais/ Provas

Globais (% de sucesso) 4º ano Port. 84,60% 88,35% 98,34%(PG) 52,8% Mat. 65,30% 81,55% 90,91% (PG) 47,7% 6º ano Port. 69,20% 75,65% 91,58% (PG) 64,15% Mat. 45,20% 46,09% 71,79% (PG) 62,3% 9º ano Port. 64,00% 75,51% 57,43% 53,41% Mat. 34,00% 50,00% 29,00% 31,6%

Diferencial entre médias de classificações internas e

classificações externas (Provas Finais/ Provas

Globais 4º, 6º e 9º ano)

4º ano Port. 0,01 -0,26 -0,10 (CI-PG) -0,08(CI-PG)

Mat. 0,20 -0,17 -0,09 (CI-PG) -0,12(CI-PG)

6º ano Port. 0,05 0,21 0,07 (CI-PG) 0,12 (CI-PG)

Mat. 0,43 0,50 -0,05 (CI-PG) 0,35 (CI-PG)

9º ano

Port. 0,22 -0,16 0,28 0,74 (CI-PF)

Mat. 0,28 0,04 0,80 0,6 (CI-PF)

Ing. -0,28 0,11 -0,20 (CI-PG) 0,84 (CI-PF)

(PG) – Prova Global

(30)

Página 30 de 51 Gráfico II - Taxa Insucesso Provas Finais de 9º Ano

A taxa de insucesso foi consideravelmente mais elevada a Matemática (71%) do que a Português (42,57%).

Comparando a percentagem de insucesso com a obtida em 2015/2016, verificamos que aumentou na disciplina de Português, em 4,02%, e diminui relativamente à disciplina de Matemática, em 2,6%. No Quadro 36 comparamos as percentagens de insucesso obtidas na avaliação interna e externa de 9º ano, nas disciplinas de Português e Matemática, nas Escolas Básicas de Arrifana e Milheirós de Poiares.

Em ambas as escolas, a taxa de insucesso na avaliação interna é inferior à da externa.

0,0% 10,0% 20,0% 30,0% 40,0% 50,0% 60,0% 70,0% 80,0% 2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 Gráfico II - Provas Finais 9º Ano: Taxa de Insucesso

Port. Mat.

Quadro 35 – Provas Finais de 9º Ano

Disciplina 2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017 Média Nacional Média Agrup. Média Nacional Média Agrup. Média Nacional Média Agrup. Média Nacional Média Agrup. Português 2,80 2,76 3,06 2,99 2,71 2,76 3,3 2,65 Matemática 2,65 2,40 2,29 2,88 2,63 2,20 3,1 2,32

(31)

Página 31 de 51

1.2. PROVAS DE AFERIÇÃO

Em 2016/2017 os alunos de 2º, 5º e 8º ano realizaram as Provas de Aferição elaboradas pelo IAVE (quadro 37).

Quadro 37 – Provas de Aferição

ANO ESCOLARIDADE PROVAS REALIZADAS

2º Ano - Português - Matemática - Estudo do Meio - Expressões Artísticas - Expressões Físico-Motoras 5º Ano - História e Geografia de Portugal

- Matemática e Ciências Naturais 8º Ano - Português

- Ciências Naturais e Físico-Química

Estas provas têm como objetivo fornecer informações detalhadas à escola, aos professores, aos encarregados de educação e aos alunos sobre o desempenho destes” e, assim, “potenciar uma intervenção pedagógica atempada, dirigida às dificuldades específicas de cada aluno.

Nos quadros 38, 39 e 40 apresentamos os resultados obtidos pelos alunos do agrupamento (REPA) e os resultados nacionais (Escala: C - Conseguiram; CM - Conseguiram… Mas…; RD - Revelaram Dificuldades; NC - Não Conseguiram ou Não Responderam).

Quadro 38 – Resultados das Provas de Aferição de 2º Ano

RESULTADOS DO AGRUPAMENTO (%) RESULTADOS NACIONAIS (%)

Português C CM RD NC C CM RD NC

Compreensão do Oral 13,3 32,4 24,8 29,5 22,5 32,0 26,5 19,0

Leitura e Iniciação à Educação Literária 15,2 51,4 29,5 3,8 23,2 39,3 29,6 7,7

Gramática 19,0 17,1 43,8 20,0 20,5 18,4 38,3 22,6

Escrita 15,2 24,8 39,0 17,1 13,8 14,9 37,5 24,0

Quadro 36 - % de insucesso 9º Ano: Avaliação Interna/ Avaliação Externa

2013/2014 2014/2015 2015/2016 2016/2017

Arrifana Milheirós Arrifana Milheirós Arrifana Milheirós Arrifana Milheirós Disciplina A. I. A. E. A. I. A. E. A. I. A. E. A. I. A. E. A. I. A. E. A. I. A. E. A. I. A. E. A. I. A. E. Português 17,1% 24,4% 11,9% 44,1% 27,6% 26,4% 44,9% 22,2% 29,8% 35,6% 10,8% 48,2% 6,9% 47,1% 0% 46,1% Matemática 41,5% 63,4% 32,8% 67,2% 39,7% 47,2% 47,8% 53,3% 21,3% 68,2% 36,8% 73,2% 12,8% 76,6% 15,7% 60,8%

(32)

Página 32 de 51

Matemática C CM RD NC C CM RD NC

Números e Operações 47,6 30,5 18,1 3,8 42,9 26,9 22,1 8,0

Geometria e Medida 38,1 32,4 25,7 3,8 32,1 30,2 29,1 8,5

Organização e Tratamento de Dados 79,0 - 20,0 0,0 65,8 - 24,4 8,1

Estudo do Meio C CM RD NC C CM RD NC

À Descoberta de Si Mesmo 10,8 44,1 35,3 9,8 22,0 34,3 31,6 12,0

À Descoberta dos Outros e das Instituições 19,0 35,2 34,3 11,4 24,0 34,6 29,9 11,0

À Descoberta do Ambiente Natural 80,0 - 1,9 18,1 76,6 - 5,0 17,5

À Descoberta das Inter-relações entre espaços 31,4 - 21,9 45,7 32,4 - 24,7 40,8

À Descoberta dos Materiais e Objetos 41,0 - - 57,1 50,6 - - 47,5

Expressões Artísticas C CM RD NC C CM RD NC

Expressão e Educação Musical 31,5 34,2 18,0 16,2 30,6 31,1 25,6 12,1

Expressão e Educação Dramática 55,0 38,7 5,4 0,9 49,0 33,3 11,8 5,6

Expressão e Educação Plástica 58,6 29,7 11,7 0,0 62,7 24,6 10,8 1,9

Expressões Físico-Motoras C CM RD NC C CM RD NC

Deslocamentos e Equilíbrios 34,5 48,2 17,3 0,0 51,2 40,7 7,2 0,9

Perícias e Manipulações 45,5 47,3 6,4 0,9 42,4 43,5 12,2 1,8

Jogos Infantis 11,8 53,6 31,8 2,7 12,1 54,0 31,0 2,7

Quadro 39 – Resultados das Provas de Aferição de 5º Ano

RESULTADOS DO AGRUPAMENTO (%) RESULTADOS NACIONAIS (%)

História e Geografia de Portugal C CM RD NC C CM RD NC

A Península Ibérica: localização e quadro

natural 10,9 33,7 48,9 6,5 22,3 32,1 39,9 5,7

A Península Ibérica. Dos primeiros povos à

formação de Portugal (século XII). 10,9 38,0 35,9 15,2 18,8 29,8 39,6 11,9 Portugal do século XIII ao século XVII 1,1 2,2 68,5 28,3 3,6 17,1 58,5 20,6

Matemática e Ciências Naturais C CM RD NC C CM RD NC

Número e Operações 1,1 3,3 35,2 59,3 4,9 7,9 34,8 52,4

Geometria e Medida 2,2 3,3 31,9 61,5 5,1 13,2 31,9 49,4

Álgebra 4,4 - 20,9 72,5 14,9 - 27,7 56,8

Organização e Tratamento de Dados 1,1 12,1 27,5 59,3 3,2 11,9 35,3 49,2 A água, o ar, as rochas e o solo - Materiais

terrestres 12,1 - 22,0 64,8 15,1 - 26,8 57,3

Diversidade de seres vivos e suas interações

com o meio 5,5 25,3 52,7 16,5 5,8 30,2 48,9 15,1

Quadro 40 – Resultados das Provas de Aferição de 8º Ano

RESULTADOS DO AGRUPAMENTO (%) RESULTADOS NACIONAIS (%)

Português C CM RD NC C CM RD NC

Compreensão do Oral 25,4 37,7 22,8 14,0 33,2 40,0 19,2 7,4

Leitura e Educação Literária 5,3 28,1 61,4 5,3 15,1 33,1 45,1 6,6

Gramática 3,5 18,4 56,1 21,9 8,3 21,3 51,4 18,5

Escrita 0,0 11,4 73,7 12,3 12,4 21,0 53,3 8,8

Ciências Naturais e Físico-Química C CM RD NC C CM RD NC

Terra no espaço 0,0 0,9 21,9 77,2 1,3 4,0 23,6 70,9

Terra em transformação 0,9 7,9 50,0 41,2 3,2 13,0 49,3 34,4

Sustentabilidade na Terra 0,0 7,9 50,0 42,1 3,3 15,5 53,9 27,2

Análise e interpretação de situações

(33)

Página 33 de 51

Os resultados das Provas de Aferição foram divulgados no início do ano letivo 2017/2018 e analisados da seguinte forma:

- os Relatórios Individuais (RIPA) foram analisados pelos professores titulares de turma, professores das disciplinas em avaliação, conselho de turma e posteriormente pelos professores titulares, diretores de turma com os encarregados de educação, em reuniões individuais.

- Os Relatórios de Escola (REPA) foram analisados pelos professores titulares de turma/professores das disciplinas em avaliação, conselhos de docentes/conselhos de turma, grupos disciplinares departamentos curriculares, coordenadores pedagógicos e conselho pedagógico.

Decorrente da análise dos resultados dos RIPA e dos REPA foram reformuladas as planificações das disciplinas em questão e reforçadas as medidas de promoção do sucesso educativo, nomeadamente no apoio ao estudo, na constituição temporária de grupos de alunos (Projeto Fénix e TurmaMais) e coadjuvação em sala de aula, períodos de funcionamento multidisciplinar (Makerspace e CLIL), maior ênfase no desenvolvimento de trabalho experimental. Foi também solicitado e incentivado um maior envolvimento dos pais/encarregados de educação na implementação e no acompanhamento de estratégias individuais de trabalho.

1.3. PARTICIPAÇÃO E DESENVOLVIMENTO CÍVICO

O Agrupamento de Escolas de Arrifana, Santa Maria da Feira dinamizou várias atividades no sentido de promover e melhorar a participação dos alunos e da comunidade em geral. Entre elas destacamos a eleição democrática dos Órgãos Sociais das Associações de Estudantes, os projetos e clubes dinamizados, o trabalho desenvolvido ao nível das Bibliotecas escolares e no âmbito da Educação Cívica.

Os Prémios de Mérito relativos ao ano letivo 2016/2017 foram entregues numa Cerimónia realizada em Novembro de 2017, como tributo ao esforço e empenho dos alunos, quer ao nível das atitudes e valores, quer ao nível dos resultados académicos.

Foram promovidas estratégias de articulação com os alunos e famílias com vista à prevenção e combate do abandono escolar, integrando os diretores de turma, o serviço de psicologia e orientação, e instituições de 1ª linha (CPCJ, GNR, Assistentes Sociais e Centro de saúde).

Como habitualmente, procedeu-se à abertura do processo eleitoral dos órgãos sociais para a Associação de Estudantes das Escolas Básicas de Arrifana e de Milheirós de Poiares após a eleição dos delegados e subdelegados (um de cada turma do 2º e 3º ciclos).

(34)

Página 34 de 51

A participação dos alunos também se fez ao nível da equipa de autoavaliação do Agrupamento, de reuniões periódicas com a Diretora, com delegados e subdelegados, onde foram analisados assuntos de interesse mútuo e despoletadas as estratégias adequadas para se ultrapassar obstáculos e das assembleias participativas.

Continuamos a oferecer como disciplina de Oferta Complementar a Educação Cívica, por se considerar que era de grande interesse para o desenvolvimento pessoal e cívico dos alunos. O Diretor de Turma, nesta disciplina analisa os Direitos e os Deveres dos alunos, procurando ultrapassar os problemas e desenvolver um espírito crítico a partir do debate criado. Ainda nesta disciplina são também tratados temas relevantes para a formação integral do aluno, assim como a segurança com análise e execução do plano de evacuação.

As Atividades de Enriquecimento Curricular, Projetos e Clubes disponibilizadas às crianças e alunos do agrupamento tiveram como promotores o Agrupamento, a Autarquia e Associações de Pais. No que diz respeito ao pré-escolar, em 2016/2017, a Câmara Municipal de Santa Maria da Feira promoveu atividades de apoio à família, através do acolhimento das 7:30 às 9:00, do almoço das 12:00 às 13:30 e do prolongamento das 15:30 às 18:30, semanalmente uma aula de Atividade Físico-desportiva e mensalmente uma aula de Artes Plásticas e Música. Os alunos do JI do Bairro usufruíram aulas de coro.

Os alunos do pré-escolar de todos os Jardins de Infância tiveram Música, à exceção dos de Bajouca Pigeiros. No Jardim de Infância de Manhouce puderam também usufruir de Inglês. Estas atividades foram proporcionadas pelas Associações de Pais e por pais voluntários com formação na área. O agrupamento foi promotor das Atividades de Enriquecimento Curricular no 1º ciclo (Quadro 41) beneficiando de 5 horas semanais cada turma, após a componente letiva, na maioria das situações.

Quadro 41 – Atividades de Enriquecimento Curricular desenvolvidas no 1º ciclo

1º e 2º anos 3º ano 4º ano

Inglês 1 h --- --- EF 1 h 1 h 1 h Dança 1 h 1 h 1 h EM 1 h 1 h 1 h Expressão Plástica 1 h 1 h 1 h Clube de Ciências --- 1 h --- Programação --- --- 1 h

(35)

Página 35 de 51

Para além das atividades já referidas, o Agrupamento protocolou com o Grande Sábio atividades de apoio à família (CAF) com acolhimento, às 7:30, e prolongamento de horário, até às 18:30, para a escola do 1º Ciclo do Outeiro e do Bairro. Na EB1 Romariz o acolhimento e o prolongamento foi da responsabilidade da Associação de Pais. Houve também prolongamento (CAF) na Escola Básica de Arrifana às 2ª, 3ª e 5ª das 16:00 às 19:00 e às 4ª e 6ª das 14:30 às 19:00.

Tal como nos anos anteriores, o agrupamento recebeu o Campo de Férias promovido pela Autarquia na Escola Básica de Milheirós de Poiares.

O 2º e o 3º ciclos puderam beneficiar de clubes e projetos promovidos pelo agrupamento e que procuraram dar resposta às diferentes capacidades e aptidões dos alunos, proporcionando atividades de enriquecimento e de complemento curricular. Estas atividades foram de frequência voluntária (Quadro 42).

Através destes projetos foram promovidas ações geradoras de um ambiente educativo agradável e saudável ao nível do Desporto Escolar com 9 grupos equipa (Ténis de Mesa, Boccia, Futsal, Basquetebol, Voleibol e Ginástica de Grupo).

O recurso às Bibliotecas como promotoras do saber e da curiosidade científica e, ainda, como meio de ocupação de tempos livres foi potenciado através do apoio de um plano de atividades alargado e da participação em concursos internos e externos. As Bibliotecas Escolares, por estarem abertas durante o horário escolar, possibilitaram a utilização dos materiais lá existentes (livros, CDs, DVDs, computadores, Netflix, ligação à Internet), bem como do apoio das Assistentes Operacionais e dos docentes que prestam serviço nesses espaços. De referir, que estes recursos continuam mais próximos dos alunos do 1º ciclo da EB1 de Romariz e de Milheirós porque também possuem uma Biblioteca. Os restantes alunos beneficiaram de atividades desenvolvidas no âmbito do Plano Anual

Quadro 42 – Atividades de Enriquecimento Curricular desenvolvidas no 2º e 3º ciclos Clubes/Projetos

Erasmus+ Projeto Saúde

Projeto Eco-Escolas Biblioteca Escolar

Projeto Boccia Comunicação

(36)

Página 36 de 51

de Atividades (PAA) das Bibliotecas Escolares, devido à distância física entre as EB1’s e as Escolas com Biblioteca.

O nosso Plano Anual de Atividades contemplou atividades dinamizadas por grupos diversos e que se destinaram, quase na exclusividade, aos alunos do nosso agrupamento. Deste modo, foram criadas condições de participação dos alunos em atividades como visitas de estudo, ações de formação, celebração de datas específicas, debates, cerimónias diversas, viagem de finalistas, baile de finalistas, festas de final de período, Open Week, Dia do Eco-Escolas, entre outros.

Foram promovidas parcerias com vista à promoção da cultura e da educação para a cidadania com a comunidade educativa, através da disponibilização dos espaços escolares, nomeadamente para a realização de Campeonatos Regionais do Desporto Escolar, Quadro competitivo do Desporto Escolar, Sessões para Dadores de Sangue, etc.

Todos os projetos contribuíram para o desenvolvimento de competências sociais e transversais no âmbito da cidadania e integração do aluno.

1.4. COMPORTAMENTO E DISCIPLINA

Dinamizou-se o “Projeto Porta-te Bem” no pré-escolar com monitorização diária e mensal através de registos criados para o efeito.

Como já foi referido anteriormente, a legislação em vigor e o Regulamento Interno estabelecem os Direitos e os Deveres dos alunos, que, ao nível da Educação Cívica foram analisados na íntegra. Quanto aos alunos mais problemáticos, o Diretor de Turma entregou as participações disciplinares à Direção e esta instaurou o processo disciplinar cumprindo a regulamentação em vigor. As sanções ou punições variaram entre a repreensão oral e a suspensão da escola. Pontualmente foi solicitada a participação da Escola Segura da GNR, para, em conjunto, serem resolvidas algumas questões mais graves.

Pela análise do Quadro 43 verificamos que a percentagem de Processos Disciplinares abertos, no ano letivo 2016/2017, foi de 6,80%, tendo-se verificado uma diminuição do número de processos relativamente ao ano letivo anterior. A maioria destes processos foi instaurada a alunos do 7º ano. Dos processos resultaram suspensões, para além das restantes medidas previstas na lei como repreensões registadas e a realização de tarefas e atividades de integração escolar.

Referências

Documentos relacionados

Política pelo IUPERJ (1992) e em Relações Internacionais pela Maxwell School of Citizenship and Public Affairs - Syracuse University (1999). Professor do Instituto

O fluxo de caixa utilizado pela empresa torna-se assim, uma ferramenta que gera grandes riscos para ambas as empresas, pois com os dados financeiros mascarados

No modelo de privacidade, um individuo pode acessar um objeto se o propósito de sua tarefa corrente está contido no conjunto de propósito para os quais os dados do object-class

Por fim, foi criada a Coordenação Geral de Educação em Direitos Humanos (CGEDH), que recebeu a missão de implementar ações do PNEDH, que estabeleceu como

Para tanto, foram organizados quatro roteiros, sendo que cada um contemplou uma das concepções algébricas de acordo com Usiskin (1995). Todas as atividades foram realizadas

Destes testes foram obtidos os resultados em relação às geleias mais apreciadas, além disso, foi constado que o consumidor tem a disposição de aumentar a

Nós não temos acesso ao centro de proteção de marcas, também não podemos utilizar o UDRP porque fazendo isso teríamos que eximir as nossas imunidades e elas por um monte de

Esta exposição representou um conjunto de ações educativas da Rede de Zoologia Interativa (REDEZOO), um programa de produção de conhecimento, divulgação e