• Nenhum resultado encontrado

Disciplina: MEN 7011 Semestre: 2013/2 Turma: Nome da disciplina: Estágio Supervisionado em História II. Local: CED 601

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "Disciplina: MEN 7011 Semestre: 2013/2 Turma: Nome da disciplina: Estágio Supervisionado em História II. Local: CED 601"

Copied!
6
0
0

Texto

(1)

Página 1 de 6

Disciplina: MEN 7011 Semestre: 2013/2 Turma: 06326

Nome da disciplina: Estágio Supervisionado em História II Professor: Mônica Martins da Silva

Monitores/estagiários: -

Horário: Sexta-feira:

08:20-11:50

Local: CED 601

Horários de atendimento do professor: 2ª Feira – 14h- 17h – Esse horário deve ser combinado previamente.

Local de atendimento: Sala 403 – CED Prédio D

Email do professor: moniclio@yahoo.com.br

Email do monitor/estagiário: - Website/blog/moodle: -

Ementa:

Subsídios teórico-práticos para o exercício da docência: análise das práticas docentes em escolas da educação básica e elaboração de pré-projetos de ensino.

Objetivos: Gerais

- Realizar a inserção do estagiário na instituição escolar na confluência de reflexões teóricas e metodológicas acerca da cultura escolar, dos saberes docentes e do conhecimento histórico escolar.

- Compreender o estágio enquanto prática reflexiva e investigativa importante para o processo de formação do professor. Específicos:

-Articular as categorias “saberes docentes”, “saber escolar” e “cultura escolar” para refletir sobre a prática pedagógica no ensino de história.

- Caracterizar o Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Santa Catarina quanto aos seus aspectos históricos, pedagógicos e organizacionais.

- Investigar, refletir e problematizar a cultura escolar no Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Santa Catarina. - Delinear as configurações da História ensinada no Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Santa Catarina.

- Relacionar aspectos teórico-metodológicos da formação de professores com as memórias e experiências vividas enquanto discentes.

-Discutir as diferentes concepções de saber escolar e de constituição do conhecimento histórico escolar.

- Promover discussões teórico-metodológicas sobre a História como disciplina escolar, problematizando a prática pedagógica e a história ensinada.

(2)

Página 2 de 6

-Problematizar as relações entre a história escolar e o ofício do historiador: concepções historiográficas, fontes históricas e conceitos históricos.

- Conhecer e discutir a legislação sobre o estágio curricular supervisionado. Conteúdo programático com cronograma:1

1- A Cultura Escolar e o Cotidiano da Escola: análise sobre experiências e práticas A Cultura escolar como categoria de análise

Cotidiano escolar no Colégio de Aplicação: cultura escolar e prática pedagógica de ensino de História Metodologias para a Investigação acerca da cultura escolar

A História escolar do Colégio de Aplicação da UFSC

2- Saberes docentes e saber escolar: categorias para reflexão sobre a prática pedagógica do professor de História. Saberes docentes, formação de professores e identidade docente

Professor reflexivo e professor-pesquisador: conceitos para problematizar a formação e a prática docente Saber escolar: diferentes categorias e o reconhecimento das especificidades da História escolar

Prática do professor de história: reflexões teóricas e metodológicas acerca dos saberes docentes e do conhecimento histórico escolar

3- Planejamento das aulas de história: Projetos de Estágio e Planos de Ensino O Estágio Supervisionado por meio de Projetos de Pesquisa

Os Projetos de Ensino para o Estágio Supervisionado

Cronograma AGOSTO

16/08 - Apresentação do Plano; Apresentação da Legislação do Estágio Curricular; Escrita autobiográfica: Memórias de Professor; Orientação para preenchimento do SIARE.

23/08- Discussão do texto: CANDAU, Vera Maria. Cotidiano escolar e cultura(s): encontros e desencontros. In CANDAU, Vera Maria (org.). Reinventar a escola. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000, p. 61-78

-Análise do Projeto Político Pedagógico CA

30/08- Discussão acerca da Metodologia da Pesquisa Educacional.

Textos : 1- ANDRÉ, Marli. A Pesquisa no Cotidiano Escolar. In: FAZENDA, Ivani. Metodologia da Pesquisa Educacional. São Paulo, Cortez, 2004. p. 35-45.

2- LÜDKE, Menga & ANDRÉ, Marli. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo; EPU, 1986. p. 25-44.

1

(3)

Página 3 de 6

3- CALDEIRA, A. M. Salgueiro. Apropriação e construção do saber docente e a prática cotidiana. Caderno de Pesquisa São Paulo, n. 95, p. 5-12, Nov. 1995.

Apresentação do Roteiro e Orientações sobre o trabalho de Investigação do Cotidiano Escolar. Inicio das atividades de Investigação.

SETEMBRO

06/09- Revisitando a discussão sobre os Saberes Docentes.

Discussão de Texto: TARDIF, Maurice. Os professores diante do saber: esboço de uma problemática do saber docente. In: TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002, p. 31-55.

13/09-Discussão do Texto: LOPES, Alice Casimiro. Conhecimento escolar: inter-relações com conhecimentos científicos e cotidianos. Contexto e Educação. Ijuí – RS, no. 45, jan/mar. 1997, p. 40-59.

20/09-Discussão do Texto: MONTEIRO, Ana Maria. A História Ensinada: algumas configurações do saber escolar. Revista História e Ensino. Londrina, v. 9, out. 2003, p. 9-36.

Apresentação e discussão do Roteiro de Observação

27/09- Apresentação do Projeto “Ensino de História e Educação para o Patrimônio: Memória, Diversidade e Cidadania na Educação Básica”

Organização das turmas para a disciplina de Estágio Supervisionado em História II 16 a 20 de setembro: Fazendo Gênero 10

OUTUBRO

04 a 06 de outubro: 17º Encontro Nacional da ABRAPSO (Liberação de aulas) 04/10-Observação das Aulas no Colégio de Aplicação

11/10- Observação das Aulas no Colégio de Aplicação 18/10- Observação das Aulas no Colégio de Aplicação 25/10- Apresentação das atividades de Investigação NOVEMBRO

01/11 - Apresentação das atividades de Investigação (Conclusão) Última data para a entrega do relatório de Investigação

04 a 05 de novembro: IV Seminário de Estágios da UFSC (Liberação de aulas) 08/11- Apresentação e discussão acerca da observação das aulas

15/11 (Feriado)

22/11- I Simpósio de Patrimônio Cultural

(As atividades da disciplina no dia 22/11 estarão integradas a esse evento) Última data para entrega do Relatório de Observação

28 e 29 de novembro: II Simpósio de Formação de Professores e Práticas Pedagógicas

(As atividades da disciplina no dia 29/11 estarão integradas a esse evento que irá reunir todos os professores das disciplinas pedagógicas da UFSC)

(4)

Página 4 de 6

02 a 06 de Dezembro - Período de Recuperação de Estudos

06/12- Conclusão das apresentações e discussões sobre a observação das aulas Encerramento da disciplina

Metodologia

- Desenvolvimento de diferentes estratégias na sala de aula da disciplina “Estágio Supervisionado de História I” para promover práticas dialógicas, investigativas e reflexivas acerca dos diversos aspectos e momentos do estágio curricular.

- Discussão de bibliografia pertinente ao conteúdo programático.

- Investigação do cotidiano escolar no Colégio de Aplicação da Universidade Federal de Santa Catarina e produção de Relatório. - Observação de aulas de história no Colégio de Aplicação e produção do Relatório de Observação: descrição, reflexão e análise da prática pedagógica - conforme orientações previamente estabelecidas.

- Produções escritas e práticas de reflexão individual e coletiva acerca de todos os momentos do estágio curricular. Avaliação:

Formas de avaliação

1-Textos memorialísticos e autobiográficos. (Peso 1)

2-Participação nas discussões dos textos, apresentações das experiências de investigação e observação das atividades do Colégio de Aplicação. (Peso 2)

3- Relatório de Investigação do cotidiano escolar no Colégio de Aplicação (Nota coletiva para o trabalho escrito e nota individual para a apresentação). (Peso 4)

4- Relatório de Observação das aulas de História e participação nas atividades pedagógicas do Colégio de Aplicação (Nota coletiva para o trabalho escrito e nota individual para a apresentação). (Peso 3)

Recuperação de Estudos:

Os alunos que não atingirem a nota mínima na disciplina deverão refazer os relatórios de Investigação e Observação, sendo que cada um deles valerá uma nota. Além de refazer os relatórios, também deverão fazer uma prova com todos os textos da disciplina. Cada uma dessas atividades valerá de 0 a 10 e serão somadas e divididas por 3, obtendo-se assim a média final. RI+RO+PF/3=MF

Observações:

A) Discentes que faltarem em quaisquer das avaliações terão somente direito à segunda chamada mediante requerimento circunstanciado, pessoalmente encaminhado e protocolado na Secretaria do Departamento de História da UFSC no prazo máximo de 72 horas a partir da data de avaliação.

B) Discentes com nota final menor que 3,0 (três) ou com frequência inferior a 75%, serão reprovados na disciplina.

C) Plágio. Plagiar é a apresentar ideias, expressões ou trabalhos de outros como se fossem os seus, de forma intencional ou não. Serão caracterizadas como plágio a compra ou apresentação de trabalhos elaborados por terceiros e a reprodução ou paráfrase de material, publicado ou não, de outras pessoas, como se fosse de sua própria autoria, e sem a devida citação da fonte original. Os casos relacionados à compra, reprodução, citação, apresentação etc, de trabalhos, ideias ou expressões serão encaminhados pelo professor da disciplina ao Colegiado do Curso e rigorosamente examinados.

(5)

Página 5 de 6

Bibliografia Básica:

ANDRÉ, Marli. Etnografia da prática escolar. Campinas, SP: Papirus, 1995.

ANDRÉ, Marli O papel da pesquisa na formação e na prática dos professores. Campinas, SP: Papirus, 2001.

ANDRÉ, Marli. A Pesquisa no Cotidiano Escolar. In: FAZENDA, Ivani. Metodologia da Pesquisa Educacional. São Paulo, Cortez, 2004. p. 35-45

BITTENCOURT, Circe M. Fernandes. Ensino de história: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2004.

CAIMI, Flávia Eloísa. Aprendendo a ser professor de história. Passo Fundo, RS: Editora Universidade de Passo Fundo, 2008. CANDAU, Vera Maria. Cotidiano escolar e cultura(s): encontros e desencontros. In CANDAU, Vera Maria (org.). Reinventar a escola. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000, p. 61-78.

CARVALHO, Ana Maria Pessoa de. Os estágios nos cursos de licenciaturas. São Paulo: Cengage Learning, 2012. (Coleção ideias em ação).

FAZENDA, Ivani (org.). Metodologia da pesquisa educacional. São Paulo: Cortez, 2006.

FORQUIN Jean-Claude. Escola e cultura. As bases epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993. GAUTHIER, Clermont et. al. Por uma teoria da pedagogia. Pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ujuí, RS: Ed. UNIJUÍ, 1998.

GERALDI, Corinta; FIORENTINI, Dario e PEREIRA, Elisabete (Orgs.). Cartografias do trabalho docente: professora(a)-pesquisador(a). Campinas, SP: Mercado de Letras, 1998.

LOPES, Alice Casimiro. Conhecimento escolar: inter-relações com conhecimentos científicos e cotidianos. Contexto e Educação. Ijuí – RS, no. 45, jan/mar. 1997, p. 40-59.

LÜDKE, Menga & ANDRÉ, Marli. Pesquisa em Educação: Abordagens Qualitativas. São Paulo; EPU, 1986. p. 25-44. LÜDKE, M. (coord.). O professor e a pesquisa. Campinas, Papirus, 2001.

PIMENTA, Selma Garrido e GHEDIN, Evandro (Orgs.). O professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo, Cortez, 2005.

 A Bibliografia será complementada ao longo da abordagem do conteúdo programático. Outras fontes:

- Projeto Político Pedagógico e outros documentos do Colégio de Aplicação da UFSC.

- Site do Colégio de Aplicação (Coordenadoria de Estágios): http://coordestagiocaufsc.paginas.ufsc.br - Resolução 061/CEPE/96 – Normas de Prática de Ensino e Estágio.

Bibliografia complementar

BITTENCOURT, Circe M. Fernandes (org.). O saber histórico na sala de aula. São Paulo: Contexto, 1997, p. 28-41. CABRINI, Conceição et al. O ensino de história – Revisão urgente. São Paulo, Brasiliense, 1986.

CAIMI, Flávia Eloísa. Aprendendo a ser professor de história. Passo Fundo: Editora Universidade de Passo Fundo, 2008.

CALDEIRA, Anna Maria Salgueiro. A apropriação e construção do saber docente e a prática cotidiana. Caderno de Pesquisa. São Paulo, n. 95, no. 1995, p. 5-12.

CANDAU, Vera Maria (org.). Reinventar a escola. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

CANDAU, Vera Maria (org.). Cultura, linguagem e subjetividade no ensinar e aprender. Rio de Janeiro: DP&A, 2000.

CHERVEL, André. História das disciplinas escolares: reflexões sobre um campo de pesquisa. Teoria & Educação. Porto Alegre, n. 2, 1990, p. 177-229.

CHEVALLARD, Yves. La transposición didáctica. Del saber sabio al saber enseñado. Buenos Aires: Aique Grupo Editor, 2005. DIAS, Maria de Fátima Sabino et al. Práticas pedagógicas e estágios: diálogos com a cultura escolar. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2008.

DIAS, Maria de Fátima; SOUZA, Suzani Cassiani de; SEARA, Izabel Chistine (orgs.). Formação de professores: experiências e reflexões. Florianópolis: Letras Contemporâneas, 2004.

Educação & Sociedade. Dossiê Saberes Docentes. São Paulo, n. 74, abril 2001

FONSECA, Selva Guimarães. Caminhos da história ensinada. Campinas/SP: Papirus, 1993.

FONSECA, Selva Guimarães. Didática e prática do ensino de história. Campinas, SP: Papirus, 2003. FONSECA, Selva Guimarães. Ser professor no Brasil. Campinas, SP: Papirus, 1997.

FORQUIN Jean-Claude. Escola e cultura. As bases epistemológicas do conhecimento escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1993. FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

(6)

Página 6 de 6

GABRIEL, Carmen Teresa. O conceito de história-ensinada: entre a razão pedagógica e a razão histórica. Reflexões sobre a natureza epistemológica do saber histórico escolar. In CANDAU, Vera Maria (org.). Reinventar a escola. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000, p. 238-259.

GAUTHIER, Clermont ET al. Por uma teoria da pedagogia. Pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Ijuí, RS: Ed. Unijuí, 1998.

GERALDI, Corinta; FIORENTINI, Dario e PEREIRA, Elisabete (orgs.). Cartografias do trabalho docente: professora(a)-pesquisador(a). Campinas, SP: Mercado de Letras, 1998.

HORN, Geraldo Balduíno e GERMINARI, Geyso Dongley. O ensino de história e seu currículo: teoria e método. Petrópolis, RJ: Vozes, 2006.

JULIÁ, Dominique. Disciplinas escolares: objetivos, ensino e apropriação. In LOPES, Alice Caimiro; MACEDO, Elizabeth (orgs.). Disciplinas e integração curricular: história e política. Rio de Janeiro: DP&A, 2002, p. 37-71.

LÜDKE, M. (coord.). O professor e a pesquisa. Campinas, Papirus, 2001.

MONTEIRO, Ana Maria. A prática de ensino e a produção de saberes na escola. CANDAU, Vera (org.). Didática, currículo e saberes escolares. Rio de Janeiro: DP&A, 2002, p. 129-147.

MONTEIRO, Ana Maria. Professores de História: entre saberes e práticas. Rio de Janeiro: Mauad, X, 2007.

MONTEIRO, Ana Maria; MAGALHÃES, Marcelo de Souza; GASPERELLO, Arlette (orgs.). Ensino de História: sujeitos, saberes e práticas. Rio de Janeiro: Mauad X; FPERJ, 2007.

MOREIRA, Antonio Flávio. O currículo como política cultural e a formação docente. In SILVA, Tomaz Tadeu e MOREIRA, Antonio Flávio (orgs.). Territórios contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais. Petrópolis, RJ: 1995, p. 7- 20.

NÓVOA, Antonio (org.). Vida de professores. Lisboa: Porto Editora, 1995.

OLIVEIRA, Margarida Dias, CAINELLI, Marlene e OLIVEIRA, Almir Félix de (orgs.). Ensino de História: múltiplos ensinos em múltiplos espaços. Natal: EDFURN, 2008.

PAIM, Elison Antonio. Memórias e Experiências do Fazer-se Professor(a). Jundiaí: Paco Editorial, 2012.

PEREIRA, Junia Sales. Diálogos sobre o exercício da docência - recepção das leis 10.639/03 e 11.645/08. In: Educação e Realidade. Porto Alegre: UFRGS, v.36, n.1, p.147-172, jan./abr., 2011.

PERRENOUD, Philippe. A prática reflexiva no ofício de professor: profissionalização e razão pedagógica. Porto Alegre: Artmed Editora, 2002.

PERRENOUD, Philippe. Formar professores em contextos sociais em mudança. Revista Brasileira de Educação. Set./Out./Nov./Dez. 1999, p. 5-19.

PICONEZ, Stela Bertholo (org.). A prática de ensino e o estágio supervisionado. Campinas, SP: Papirus, 1991. PIMENTA, Selma Garrido (org.). Saberes pedagógicos e atividade docente. São Paulo, Cortez, 1999.

PIMENTA, Selma Garrido e GHEDIN, Evandro (orgs.). O professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. São Paulo, Cortez, 2005.

PIMENTA, Selma Garrido. O estágio na formação do professor: unidade teoria e prática? São Paulo, Cortez, 1997.

ROSSATO, Luciana. et al. (Orgs.) Experiências de Ensino de História no Estágio Supervisionado II . Florianópolis: Editora UDESC, 2012.

SCHMIDT, Maria Auxiliadora e CAINELLI, Marlene. Ensinar história. São Paulo, Scipione, 2004.

SILVA, Cristiani Bereta et al. (Orgs.) Experiências de Ensino de História no Estágio Supervisionado. Florianópolis: Editora UDESC, 2011.

SILVA, Marcos e FONSECA, Selva Guimarães. Ensinar História no século XXI: em busca do tempo entendido. Campinas/ SP: Papirus, 2007.

SILVA, Marcos. História – O Prazer em ensino e pesquisa. São Paulo, Brasiliense, 2003.

SIMAN, Lana Mara de Castro e FONSECA, Thaís Nívia de Lima e. (orgs.) Inaugurando a História e construindo a nação: discursos e imagens no ensino de História. Belo Horizonte: Autêntica.

SOUZA, Elizeu Clementino de (org.). Autobiografias, histórias de vida e formação: pesquisa e ensino. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2006.

TARDIF, Maurice e LESSARD, Claude. O trabalho docente. Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

TARDIF, Maurice. Saberes docentes e formação profissional. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

ZAMBONI, Ernesta (Org.). Digressões sobre o ensino de História: memória, história oral e razão histórica. Itajaí: Maria do Cais, 2007, p. 73-102.

Referências

Documentos relacionados

A frequência dos incêndios e a magnitude dos seus impactes nesta região requerem, por um lado, uma gestão integrada nas suas diversas fases, desde a prevenção e preparação

Em razão do destaque que tem sido conferido às PANC, famílias rurais de diferentes territórios – no caso em estudo, Ipê e extremo sul de Porto Alegre – começaram a trazer

A coleta de dados foi realizada por meio de um levantamento dos principais clientes e suas respectivas localizações, bem como das possibilidades de localização

No entanto, para aperfeiçoar uma equipe de trabalho comprometida com a qualidade e produtividade é necessário motivação, e, satisfação, através de incentivos e política de

Objetivos do Eixo 1 (continuação) d) Adotar práticas político-pedagógicas comprometidas com o futuro da sociedade brasileira, tendo em vista a promoção da justiça social e

Os pacientes retornaram para avaliação nos períodos de 24 horas, 48 horas e 72 horas do pós- operatório, com o intuito de registrar o edema facial e trismo, respectivamente,

No final do mês, aumentamos um pouco a parte mais pessimista do fundo, com a possível nomeação de uma equipe que o mercado não goste para os ministérios e Banco Central.. Num prazo

Nem sempre o julgador tem condições de resolver se a prova é necessária ou não, e, em qualquer caso, não é razoável a conservação desse poder para o juiz, com descaso para o