• Nenhum resultado encontrado

PPGD-UFSC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO 1 TRIMESTRE DE 2018

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "PPGD-UFSC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO 1 TRIMESTRE DE 2018"

Copied!
5
0
0

Texto

(1)

PPGD-UFSC

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO 1° TRIMESTRE DE 2018 PLANO DE ENSINO Programa da Disciplina:

DIR410244 – Epistemologia Ambiental

Dir5110102 – Marcos teóricos em Teorias Críticas e Direito Professor: Rogério Portanova

OBJETIVOS

I.Geral: Proporcionar aos alunos uma visão global sobre o princípio da Teoria dos Sistemas como um novo paradigma do pensamento científico e jurídico, dialogando com o Positivismo, a Dialética e outros sistemas do pensamento científico.

O pensamento sistêmico é não-linear e integrativo, desta forma ela aproxima ambientes e situações que o positivismo e a dialética afastaram, fazendo da ciência um mundo hermético apartado da sociedade e da natureza. O resultado é a chamada policrise que foi lançada a humanidade pela lógica de funcionamento da modernidade e a economia neo liberal tomando o lugar da verdade única como foi a religião católica na Idade Média.

I Específicos: Como desdobramento, vamos abordar a título exemplificativo a relação entre Direito e Ecologia Política para além do Direito Ambiental, dentro do contexto socio-econômico-cultural da problemática da sustentabilidade. II. Específicos: a) identificar as principais categorias conceituais e práticas de problemas ambientais nacionais/globais;

b) comentar e estudar os textos contemporâneos de alcance mais teórico, que permitam uma reflexão a respeito da crise ambiental civilizatória, fora do paradigma da modernidade;

c) identificar as grandes linhas do pensamento da ecologia política e sua importância na ciência normativa;

d) identificar problemas de compreensão do mundo a partir dos limites das teorias tradicionais;

e) munir o estudante de doutorado de um referencial teórico crítico que permita uma melhor compreensão dos fenômenos complexos e do papel do Direito e de uma nova visão de Justiça neste novo contexto;

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

(2)

A crise de paradigmas. Os diversos movimentos que redefinem a Justiça para além da dogmática jurídica, ex: Justiça Social, Justiça Ambiental, Justiça de Gênero, o Racismo e a Justiça, etc.. Estudo de caso, a Justiça Ambiental: o movimento ecológico. Ecodesenvolvimento. “Desenvolvimento Sustentável”, limites do conceito e perspectivas. Direito Ambiental. Conceito. Fontes. Princípios. Ecologia Política. Ecologia Jurídica. Campos de aplicação. O Direito e os recursos ambientais. Sociedade e meio ambiente. Princípios legais supranacionais para a proteção ambiental. Análise sistêmica. Teoria da complexidade. Pensamento Holístico. Pegada Ecológica. Antropoceno. Confronto com as teses liberais, socialistas e social-democratas. A emergência da Sociedade de Risco e do Estado de Bem Estar Ambiental. Evolução e impasses do Direito Ambiental. A construção de uma sociologia do meio ambiente. A natureza como valor ético no campo da política e do direito. A Justiça diante das mudanças climáticas. A emergência do conceito de Justiça Climática e exilados ambientais.

2- METODOLOGIA A avaliação será através:

1 -da elaboração de fichas de leitura que deverão ser apresentadas antes da segunda parte do curso.

2 - Seminários distribuídos através da própria turma de forma que a cada aula sejam apresentados os textos previamente escolhidos.

3 – Artigo a ser apresentado no final da disciplina 3 - PROGRAMA Aula expositiva – – apresentação da disciplina.

I – Pensamento Sistêmico, Transdisciplinariedade e pensamento holístico. Morin e Capra

II – Ecologia Política e Direito – o Estado da questão – O catastrofismo esclarecido – O Antropoceno e o novo paradigma da ciência sustentável. III - Crise ambiental e crise de paradigma – Direita esquerda e sustentabilidade – A ciência se redefinindo (Harari, Homo Deus e Sapiens)

IV – Terra-Pátria – Edgar Morin -

V - SACHS, Wolfgang Sachs - Dicionário do desenvolvimento VI - As Três Ecologias – Felix Guattari

VIII – A teia da Vida – Fritjof Capra)

VIII - WOHLALEBEN, Peter. A vida secreta das árvores.Rio de Janeiro. Sextante. 2017.

IX – HARARI, YuvalNoah. Homo Deus –Uma breve história do amanhã. São Paulo. Companhia das letras. 2017.

HARARI, YuvalNoah. Sapiens – Uma breve história da humanidade..Porto Alegre, LP&M, 2016.

X –SACHS, Wolfgang Sachs - Dicionário do desenvolvimento XI – seminário complementar

(3)

XII - Aula expositiva sobre o futuro dos Direitos Humanos, da cidadania e do Estado no século XXI diante da crise ambiental.

4 - BIBLIOGRAFIA OBRIGATÓRIA (com apresentação de fichamentos) CAPRA, Fritjof. A teia da vida. São Paulo: Cultrix, 1999. CAPRA, Fritjof. Conexões ocultas. São Paulo: Cultrix, 2002. GUATTARI, FELIX. As três Ecologias. Campinas: Papirus,1993. MORIN, Edgar. Terra Pátria. Porto Alegre: Sulina, 1995

SHIVA, Vandana. Monocultura da mente. Porto Alegre, Gaia, 2004. Jean-Pierre Dupuy, Pouruncatastrophismeéclairé, Paris :Seuil, 2012

HARARI, YuvalNoah. Homo Deus – Uma breve história do amanhã. São Paulo. Companhia das letras. 2017.

HARARI, YuvalNoah. Sapiens – Uma breve história da humanidade..Porto Alegre, LP&M, 2016.

WOHLALEBEN, Peter. A vida secreta das árvores.Rio de Janeiro. Sextante. 2017.

SACHS, Wolfgang. Dicionário do desenvolvimento : guia para o conhecimento como poder. Petrópolis-RJ. Vozes. 2000.

4.1 - BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

ALIER, Juan Martínez. Da Economia Ecológica ao Ecologismo Popular. Editora da Furb, Blumenau, 1998.

ALMEIDA, Luciana Togeiro de. Política ambiental: Uma analise econômica. São Paulo: Unesp, 1998

ALTVATER, Elmar. O preço da riqueza. São Paulo: Universidade Estadual Paulista, 1995

BARACHO JUNIOR, José Alfredo de Oliveira. Responsabilidade Civil por Dano ao Meio Ambiente. Belo Horizonte: Del Rey, 1999

BELLIA, Vitor. Introdução a Economia do Meio Ambiente. Brasilia: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renovaveis, 1996

BENAKOUCHE, Rabah. Avaliação Monetária do Meio Ambiente. São Paulo: Makron Books

BENJAMIM,Antonio Herman. Dano Ambiental Prevenção, Reparação e Repressão. Vol. 2 . São Paulo: Revista dos Tribunais, 1993.

CANOTILHO, Gomes JJ. Protecçâo do Ambiente e Direito de Propriedade. ( critica de Jurisprudência ambiental) . Ed. Coimbra

CAPRA, Fritjof. O Ponto de Mutação. São Paulo: Cultrix,1999.

CHRISTOFOLETTI, Antonio. 1999. Modelagem de Sistemas Ambientais. Edgard Blucher Ltda. São Paulo. 236 pg.

(4)

CORDEIRO CAPORALI, Renato. Da Riqueza das Nações à Ciência das Riquezas. São Paulo: Loyola,1995

DAHL, Lyon Arthur. O Principio Ecológico. Perspectivas Ecológicas. DERANI, Cristiane. Direito Ambiental Economico. São Paulo: Max

Limonad,1997

ELY, Aloisio. Economia do meio ambiente: uma apreciação introdutória interdisciplinar da poluição, ecologia e qualidade ambiental. Porto Alegre: Fundação de Economia e EstatísticasSiegfried Emanuel Heuser, 1998

FAUCHEUX, Sylvie. Economia dos Recursos naturais e do meio Ambiente. Economia e política.

GALBRAITH, John K. A Economia ao Alcance de Quase Todos. 5ª ed. São Paulo: Guazzelli Ltda., 2000

GALBRAITH, Jonh Kenneth. A sociedade justa: uma perspectiva humana. Rio de Janeiro: Campus, 1996

HAWKEN, Paul. Capitalismo Natural. - Criando a Próxima RevoluçãoIndustrial., S.P.:Cultrix , 2000.

HENDERSON, Hazel. Construindo um Mundo Onde Todos Ganhem. São Paulo: Cultrix, 1998.

HENDERSON, Hazel. Transcendendo a economia. Cultrix JOHR, Hans. O verde é negocio. São Paulo: Saraiva, 1994

LEFF, Enrique. Ecologia, Capital E Cultura – ColeçãoSociedade e Ambiente 5. Blumenau: EDIFURB, 2000.

LEITE, José Rubens Morato. Dano Ambientaldo Individual ao Coletivo Extrapatrimonial. Florianópolis,1999

MAGALHÃES, João Paulo de Almeida. Paradigmas econômicos

edesenvolvimento: a experiência brasileira. Rio de janeiro: UFRJ, 1996 MARECHAL, Paul Jean. A economia, o emprego e o Ambiente. Economia e politica.

MAY, Herman Peter. 1995. Economia Ecológica. Campus. Rio de Janeiro. 179 pg.

MAY, Herman Peter. Valorando a natureza: analise econômica para o desenvolvimento sustentável. Ed. Campus.

McFETRIDGE,Donald G. Economia e Meio Ambiente – A Reconciliação. Porto Alegre: Ortiz,1992.

MENDES, Chico. O Testamento do Homen da Floresta . Rio de Janeiro: Fase,1989

MÉRICO, Luiz Fernando Krieger. Introdução à economia ecológica. Blumenau: Furb, 1996.

MORIN, Edgar e KERN, Brigitte. 1995. Terra - Pátria. Sulina. Porto Alegre. 189 pg.

NEEF, Manfred A Max. 1994. Por uma economia ecológica. Ecologia e Desenvolvimento. No. 37. 2 pg.

NEEF, Manfred A. Max. Desarrollo a Escala Humana. Montevideo: NordamComunidad,1993

Nosso Futuro Comum. Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. 2º ed. Rio de Janeiro: FundaçaoGetulio Vargas, 1991 OST, François. A Natureza á margem da Lei. Lisboa : Piaget,1999 PHILOMENA, Antônio e COZZA, Karla. 1997. Inovação tecnológica e desenvolvimento sustentável. Caderno Técnico no. 25. CNI/SESI. Brasília: 53-63.

(5)

PHILOMENA, Antônio. 1996.Modelística do Sistema Total com base no conceito de eMergia. UnB-SAE. Brasília. 30 pg.

PHILOMENA, Antônio. 1997. Contabilidade Ambiental. I Simpósio Ambientalista Brasileiro no Cerrado. Goiânia: 93-106.

PHILOMENA, Antônio. 1997. O imperativo humano. In“Desenvolvimento Sustentável.” editado por Becker. EDUNISC,Santa Cruz do Sul : 139-155. PHILOMENA, Antônio. 1999. As inexoráveis imperfeições do mercado (ou, convivendo com as externalidades). REDES. Santa Cruz do Sul, V.4, no. 2, 221-232.

PILLET, Gonzague. 1997. Economia Ecológica. Instituto Piaget. Porto. 300pg. PORTANOVA Rogério. Exigências para uma cidadania Ecológica.

Florianópolis:1994

RANGEL, Castro Paulo. Concertação,Programação e Direito do Ambiente. Coimbra,1994

RICKLEFS, Robert E. A Economia da Natureza. Rio de janeiro: GuananabaraKoogan,1996

ROMEIRO, Ademar Ribeiro. Economia do Meio Ambiente; Teoria, políticas e a Gestão de Espaços Regionais. UNICAMP, Instituto de Economia,

Campinas, 1999.

Sampaio Marques, José Francisco. Responsabilidade Civil e Reparação de Danos ao Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 1998

SCHÄFFER, Wigold Bertoldo. Quanto Vale Uma Semente De Árvore Nativa? .FURB: Blumenau 1989

SCHIANETZ, Borjan. Passivos ambientais: levantamento histórico:

avaliação da periculosidade: ações de recuperação. Curitiba: SENAI, 1999 SOUZA, Pereira Roberto Paulo de. Conflitos Jurídicos, econômicos e ambientais. Maringá: EDUEM, 1995

SRAFFA, Piero. Relações entre custo e quantidade produzida. São Paulo :Hucitec, 1989

TIEZZI, Enzo. 1988. Tempos históricos, tempos biológicos. Nobel. São Paulo: 73-82.

VIEIRA, Liszt. Cidadania e Globalização. Rio de Janeiro: Record, 1997 VIOLA, Eduardo. Ecologia, Ciência e Política. Rio de Janeiro: Revan, 1992 WARAT,Luis Alberto. SemioticaEcologica y Derecho. ALMED: Florianópolis 1997

WEIL, Pierre. 1990. Holística: uma nova visão e abordagem do real. Palas Athena. São Paulo. 122 pg.

ZUBEN, Beth von. 1994. Economia Ecológica. Ecologia e Desenvolvimento. No. 59. 14-15.

Referências

Documentos relacionados

Otto: Este filósofo e teólogo toma como base para sua definição de religião a experiência religiosa e introduz na discussão um conceito que muito vai influenciar a compreensão

A versão reduzida do Questionário de Conhecimentos da Diabetes (Sousa, McIntyre, Martins & Silva. 2015), foi desenvolvido com o objectivo de avaliar o

Deste modo, o autor defende que as estruturas sociais são, ao mesmo tempo, condicionadas e condicionantes das ações; enquanto os indivíduos se apresentam como

3.1.1 O Teste ANPAD é composto por cinco provas: Raciocínio Lógico, Raciocínio Quantitativo, Português, Inglês e Raciocínio Analítico, cada qual com 17 questões

Os três ângulos não marcados dos triângulos (com vértices em B) somam 180 o , pois se trata de ângulos suplementares, já que pelo enunciado A, B e C estão alinhados.. Na figura

Atualmente, a mídia tem destacado as “empresas-cidadãs”, ou seja, empresas responsáveis socialmente. Todos os anos essas empresas publicam seus Balanços Sociais com o objetivo

Nessa situação temos claramente a relação de tecnovívio apresentado por Dubatti (2012) operando, visto que nessa experiência ambos os atores tra- çam um diálogo que não se dá

Lembre-se: Princípio de Exclusão de Pauli: “Dois elétrons confinados na mesma armadilha (estado quântico) não podem ter o mesmo conjunto. de