Tabela GRI Relatório de Sustentabilidade. Tabela GRI

Texto

(1)

Tabela GRI 2019

Relatório de

Sustentabilidade

2019

Tabela GRI

(2)

Tabela GRI 2019

ORGULHO NO PASSADO,

SOLIDEZ NO PRESENTE,

(3)
(4)

4

Tabela GRI 2019

1.3 Stakeholders

102-44 Principais questões e preocupações levantadas

pelos Stakeholders S/V

1.3 Stakeholders

102-43 Abordagem e envolvimento com Stakeholders S/V

1.3 Stakeholders

102-42 Identificação e seleção de Stakeholders S/V

102-41 Acordos coletivos de trabalho S/V

1.3 Stakeholders

102-40 Lista de grupos de Stakeholders da

organização S/V

ENVOLVIMENTO COM STAKEHOLDERS

102-18 Estrutura de governance 1.4 Modelo de governo e gestão de risco S/V

GOVERNANCE

1.4 Modelo de governo e gestão de risco 6.2 Ética e respeito pelos Direitos Humanos

102-16 Valores, princípios, standards e normas de

conduta S/V

ÉTICA E INTEGRIDADE ESTRATÉGIA

102-13 Membro de associações 4.2 Inovação Sustentável S/V

3.4 Consumo responsável - Cadeia de valor

GRI 102 – CONTEÚDOS GERAIS

DIVULGAÇÕES E FORMAS DE GESTÃO LOCALIZAÇÃO VERIFICAÇÃO PRINCÍPIOSUNGC ODS

PERFIL ORGANIZACIONAL

102-1 Nome da organização 1.1 Sobre a Soja de Portugal S/V

102-2 Atividades, marcas, produtos e serviços 1.1 Sobre a Soja de Portugal S/V

102-3 Localização da sede Estrada 109, Lugar da Pardala3880-728 S. João - Ovar, Portugal S/V

102-4 Localização das operações 1.1 Sobre a Soja de Portugal S/V

102-5 Propriedade e natureza legal 1.1 Sobre a Soja de Portugal S/V

102-6 Mercados servidos 1.1 Sobre a Soja de Portugal S/V

102-7 Dimensão da organização 1.1 Sobre a Soja de Portugal S/V

102-8 Informação sobre colaboradores e outros

trabalhadores Sem termo Tipo de Contrato (n.º) Termo certo Termo incerto Tipo de Emprego (n.º) Termo integral Termo parcial

Avicasal Savinor Sorgal Outros

135 100 158 140 2 3 20 8 43 20 16 25 180 123 192 173 0 0 2 0 S/V 6 8 102-9 Cadeia de fornecedores S/V

Não se registaram alterações significativas no decorrer do período coberto pelo relatório.

102-10 Alterações significativas na organização e na cadeia de

fornecedores S/V

1.4 Modelo de governo e gestão de risco

102-11 Abordagem ao princípio de

precaução S/V

1.3 Stakeholders - O Grupo SOJA DE PORTUGAL é subscritor da Carta de Princípios para a gestão sustentável 6.5 Envolvimento com a comunidade local

102-12 Iniciativas externas S/V

102-14 Mensagem do Presidente Mensagem do Presidente S/V

10 16

Avicasal Savinor Sorgal Outros

99 98 86 98

Colaboradores abrangidos por acordos de negociação coletiva (%)

(5)

5

Tabela GRI 2019

Riscos com potenciais implicações financeiras para a empresa,

decorrentes de alterações climáticas

201-2 Implicações financeiras e outros riscos e oportunidades para organização, devido às alterações climáticas S/V

201-1 Valor económico direto

gerado e distribuído 4.1 Desempenho económico S/V Os temas materiais da SOJA DE

PORTUGAL tiveram como base o cruzamento dos resultados da auscultação de Stakeholders com a perspetiva interna do Grupo. Com relação direta com o Desempenho Económico, o tema “Desempenho económico/ Criação de valor” foi considerado um tema de materialidade elevada (ver matriz de materialidade – 1.2 Materialidade).

103-1 Explicação do tema material e dos seus limites S/V

102-55 Índice de conteúdo GRI Presente tabela. S/V

102-54 Opção “de acordo” com os

GRI Standards

O relatório foi preparado de acordo com os GRI Standards para a Opção

“De acordo” – CORE. S/V

102-52 Ciclo de relatórios O ciclo de emissão do relatório é anual. S/V

102-51 Data do relatório anterior mais recente 7. Sobre o Relatório S/V

102-50 Período de reporte 7. Sobre o Relatório S/V

102-49 Alterações no relatório 7. Sobre o Relatório S/V

102-48 Reformulação de informação 7. Sobre o Relatório S/V

7. Sobre o Relatório

102-45 Entidades incluídas nas demonstrações financeiras

consolidadas S/V

PRÁTICA DE REPORTE

7. Sobre o Relatório

102-46 Definição do conteúdo do relatório e os limites dos

tópicos S/V

102-47 Lista de tópicos materiais 7. Sobre o Relatório S/V

102-53 Contacto para questões sobre o relatório Contracapa do presente Relatório. S/V

102-56 Verificação externa 7. Sobre o Relatório S/V

CONTEÚDOS PADRÃO ESPECÍFICOS

DIVULGAÇÕES E FORMAS DE GESTÃO LOCALIZAÇÃO VERIFICAÇÃO PRINCÍPIOSUNGC ODS

GRI 200 - DIVULGAÇÕES ECONÓMICAS

GRI 201 - DESEMPENHO ECONÓMICO (ASPETO MATERIAL)

Formas de Gestão 103-2

A SOJA DE PORTUGAL tem promovido diversas iniciativas relacionadas com o “Desempenho económico/ Criação de valor” (ver capítulo: 4. Criação de valor).

A forma de gestão e os seus componentes

103-3

A SOJA DE PORTUGAL realiza a medição e monitorização dos indicadores associados a este aspeto e reporta-os neste Relatório (ver capítulo: 4.1 Desempenho económico). Evolução da forma de

gestão

2, 5, 7, 8, 9

Avicasal Savinor Sorgal Riscos decorrentes de mudanças físicas relacionados com alterações climáticas (€) 20.363.620 26.543.100 53.305.892 Riscos regulatórios(€) 50.000 50.000 50.000 13

(6)

6

Tabela GRI 2019

5.2 Utilização eficiente de recursos

302-4 Redução do consumo de energia S/V 8, 9 12,137, 8,

5.2 Utilização eficiente de recursos

302-3 Intensidade energética S/V 8 12,137, 8,

5.2 Utilização eficiente de recursos

302-1 Consumo de energia dentro da organização S/V 7, 8 12,137, 8,

Os temas materiais da SOJA DE PORTUGAL tiveram como base o cruzamento dos resultados da auscultação de Stakeholders com a perspetiva interna do Grupo. Com relação direta com a Energia, os temas “Gestão ambiental” e “Utilização eficiente de energia e emissões de CO2 associadas” foram considerados temas de materialidade elevada (ver matriz de materialidade – 1.2 Materialidade).

103-1 Explicação do tema material e dos seus limites S/V

Formas de Gestão

GRI 302 - ENERGIA (ASPETO MATERIAL)

203-1 Investimentos em infraestruturas e serviços

apoiados

S/V

Avicasal Savinor Sorgal Doações e

Donativos (€) 92.053 89.738,33 112.353,13

2, 5, 7, 9, 11 4.1 Desempenho económico

201-4 Benefícios financeiros significativos recebidos

pelo Governo S/V

DIVULGAÇÕES E FORMAS DE GESTÃO LOCALIZAÇÃO VERIFICAÇÃO PRINCÍPIOSUNGC ODS

GRI 203 - IMPACTES ECONÓMICOS INDIRETOS

6.5 Envolvimento com a comunidade local

3.2 Produtos

301-1 Consumo de materiais utilizados por peso ou

volume S/V

GRI 300 - DIVULGAÇÕES AMBIENTAIS

DIVULGAÇÕES E FORMAS DE GESTÃO LOCALIZAÇÃO VERIFICAÇÃO PRINCÍPIOSUNGC ODS

GRI 301 – MATERIAIS

3.2 Produtos

301-2 Materiais utilizados provenientes de reciclagem S/V

7, 8 8, 12 8 8, 12 3.2 Produtos

5. Valorização de coprodutos

301-3 Produtos recuperados e os seus materiais de embalagem S/V 8 8, 12

A SOJA DE PORTUGAL tem promovido diversas iniciativas relacionadas com “Gestão ambiental” e “Utilização eficiente de energia e emissões de CO2 associadas”, incluindo o consumo de energia (ver capítulo 5.2 Utilização eficiente de recursos).

103-2 A forma de gestão e os seus componentes S/V

A SOJA DE PORTUGAL realiza a medição e monitorização dos

indicadores associados a este aspeto e reporta-os neste Relatório (ver capítulo 5. Impacto ambiental).

(7)

7

Tabela GRI 2019

GRI 305 - EMISSÕES (ASPETO MATERIAL)

Os temas materiais da SOJA DE PORTUGAL tiveram como base o cruzamento dos resultados da auscultação de Stakeholders com a perspetiva interna do Grupo. Com relação direta com a Água, os temas “Utilização eficiente da água” e “Gestão ambiental” foram considerados temas de materialidade elevada (ver matriz de materialidade – 1.2 Materialidade).

103-1 Explicação do tema material e dos seus limites

S/V

Formas de Gestão

103-2

A SOJA DE PORTUGAL tem promovido diversas iniciativas relacionadas com “Utilização eficiente da água” e “Gestão ambiental”, incluindo o consumo de água (ver capítulo: 5.2 Utilização eficiente de recursos). A forma de gestão e os

seus componentes

103-3

A SOJA DE PORTUGAL realiza a medição e monitorização dos indicadores associados a este aspeto e reporta-os neste Relatório (ver capítulo: 5.2 Utilização eficiente de recursos).

Evolução da forma de gestão

GRI 303 - ÁGUA (ASPETO MATERIAL)

303-1 Consumo de água por fonte 4.1 Desempenho económico S/V 7, 8 6

Os temas materiais da SOJA DE PORTUGAL tiveram como base o cruzamento dos resultados da auscultação de Stakeholders com a perspetiva interna do Grupo. Com relação direta com as Emissões, os temas “Gestão ambiental” e “Utilização eficiente de energia e emissões de CO2 associadas” foram considerados temas de materialidade elevada (ver matriz de materialidade 1.2 Materialidade).

103-1 Explicação do tema material e dos seus limites

S/V

Formas de Gestão 103-2

A SOJA DE PORTUGAL tem promovido diversas iniciativas relacionadas com “Gestão ambiental” e “Utilização eficiente de energia e emissões de CO2 associadas”, incluindo ações relacionadas com a redução das emissões de CO2 (ver capítulo: 5.2 Utilização eficiente de recursos). A forma de gestão e os

seus componentes

103-3

A SOJA DE PORTUGAL realiza a medição e monitorização dos indicadores associados a este aspeto e reporta-os neste Relatório (ver capítulo: 5.2 Utilização eficiente de recursos).

Evolução da forma de gestão

305-1 Emissões diretas de GEE (Âmbito 1)

5.2 Utilização eficiente de recursos

S/V 13, 14, 3, 12, 15 7, 8

Avicasal Savinor Sorgal Emissões totais de

GEE - diretas

(t CO2e) 219 711 3.140

305-2 Emissões indiretas de GEE (Âmbito 2) S/V 13, 14, 3, 12,

15 7, 8

Avicasal Savinor Sorgal Emissões totais de

GEE - diretas (t CO2e)

5.2 Utilização eficiente de recursos

(8)

8

Tabela GRI 2019

GRI 307 - CONFORMIDADE AMBIENTAL

306-3 Derrames significativos S/V 12, 14, 3, 6,

15 8

Em 2019, não se verificaram derrames significativos.

306-2 Resíduos por tipo e por destino S/V 8 3, 6, 12

Avicasal Savinor Sorgal

Resíduos

perigosos (t) 3 24 50

306-1 Descarga de água, por qualidade e destino S/V 8 12, 143, 6,

GRI 306 - EFLUENTES E RESÍDUOS (ASPETO MATERIAL) 305-7

Óxidos de azoto (NOx), óxidos de enxofre (SOx) e outras emissões significativas

S/V 13, 14, 3, 12, 15 7, 8

Avicasal Savinor Sorgal Emissões totais de

NOx (t)

5.2 Utilização eficiente de recursos

305-5 Redução de emissões de GEE S/V

5.2 Utilização eficiente de recursos

305-4 Intensidade de emissões de GEE S/V

DIVULGAÇÕES E FORMAS DE GESTÃO LOCALIZAÇÃO VERIFICAÇÃO PRINCÍPIOSUNGC ODS

13, 14, 15 8 13, 14, 15 8, 9 Emissões totais de SOx (t) 0,045 0 0 0,012 0 0

Os temas materiais da SOJA DE PORTUGAL tiveram como base o cruzamento dos resultados da auscultação de Stakeholders com a perspetiva interna do Grupo. Com relação direta com Efluentes e resíduos, o tema “Gestão ambiental” foi considerado tema de materialidade elevada (ver matriz de materialidade 1.2 Materialidade).

103-1 Explicação do tema material e dos seus limites

S/V

Formas de Gestão

103-2

A SOJA DE PORTUGAL tem promovido diversas iniciativas relacionadas com a “Gestão ambiental”, incluindo a emissão de águas residuais (ver capítulo: 5.2 Utilização eficiente de recursos).

A forma de gestão e os seus componentes

103-3

A SOJA DE PORTUGAL realiza a medição e monitorização dos indicadores associados a este aspeto e reporta-os neste Relatório (ver capítulo: 5.2 Utilização eficiente de recursos).

Evolução da forma de gestão

5.2 Utilização eficiente de recursos).

Valorização (t) 3 22 0 Eliminação (t) 0 2 50 Resíduos não perigosos (t) 1.961 2.149 727 Valorização (t) 1.021 295 Eliminação (t) 111 1.118 432 Resíduos produzidos totais (t) 1.964 2.173 778 1.850 S/V 307-1

Em 2019 foi instruído um processo de contra-ordenação na Avicasal, o qual será contestado. Não foram instruídos processos de contraordenação na SAVINOR e na SORGAL.

Não conformidade com as leis e regulamentos ambientais

16 8

(9)

9

Tabela GRI 2019

GRI 401 – EMPREGO

GRI 400 - DIVULGAÇÕES SOCIAIS

M F Total Total colaboradores 98 82 180 Novas contratações 31 32 63 Taxa de novas contratações 13% 13% 25% Saída de colaboradores 102 28 130 Taxa de rotatividade 41% 11% 52% Avicasal <30 39 31 13% 30 12% 30-50 59 20 8% 59 24% 30-50 82 12 5% 41 17% M F Total Total colaboradores 62 61 123 Novas contratações 36 27 63 Taxa de novas contratações 22% 16% 38% Saída de colaboradores 88 22 110 Taxa de rotatividade 53% 13% 66% Savinor <30 18 23 14% 27 16% 30-50 66 32 19% 55 33% 30-50 39 8 5% 28 17% M F Total Total colaboradores 148 46 194 Novas contratações 20 10 30 Taxa de novas contratações 11% 6% 17% Saída de colaboradores 13 11 24 Taxa de rotatividade 7% 6% 13% Sorgal <30 38 17 9% 8 4% 30-50 101 11 6% 12 7% 30-50 55 2 1% 4 2% M F Total Total colaboradores 160 13 173 Novas contratações 159 6 165 Taxa de novas contratações 398% 15% 413% Saída de colaboradores 26 7 33 Taxa de rotatividade 65% 18% 83% Outros <30 14 17 43% 6 15% 30-50 92 93 233% 22 55% 30-50 67 55 138% 5 13% 401-1 Novas contratações e rotatividade de colabordores S/V 6 4, 5, 8 401-2

Benefícios para colaboradores a tempo integral, que não são atribuídos a colaboradores temporários ou a tempo parcial

6.1 Capital humano da SOJA DE

PORTUGAL S/V 8 M F Colaboradores com direito a licença parental 1 1 6 Colaboradores que usufruíram a licença parental 1 1 6 Colaboradores que retornaram ao trabalho após conclusão da licença parental 1 1 6 Colaboradores que retornaram ao trabalho após conclusão da licença parental e que continuam na Empresa após 12 meses de terem retornado 1 1 5 Taxa de retorno Avicasal 4 4 4 4 3 3 3 3 5 5 5 5 M F M F Savinor Sorgal M F Outros 6 6 6 6 0 0 0 0 n.a

Taxa de retenção 100%100% 83%100% 100% 100% 100% n.a 100% 100%

100% 100% 100% 100% 100%

(10)

10

Tabela GRI 2019

Os temas materiais da SOJA DE PORTUGAL tiveram como base o cruzamento dos resultados da auscultação de Stakeholders com a perspetiva interna do Grupo. Com relação direta com a Formação e educação, os temas “Ética e respeito pelos Direitos Humanos” e “Desenvolvimento do Capital

Humano” foram considerados temas de materialidade elevada (ver matriz de materialidade – 1.2 Materialidade).

103-1 Explicação do tema material e dos seus limites

S/V

103-2

A SOJA DE PORTUGAL tem promovido diversas iniciativas relacionadas com o “Desenvolvimento do Capital Humano” (ver capítulo: 6.3 Desenvolvimento do Capital Humano A forma de gestão e os seus componentes 403-4 Temas de saúde e segurança abrangidos por acordos coletivos de trabalho

S/V 8

6.4 Saúde e segurança no trabalho).

403-3

Colaboradores com elevada incidência ou risco de doenças relacionadas com o trabalho

S/V

Avicasal Savinor Sorgal

Colaboradores cujo trabalho, ou local de trabalho, é controlado pela organização, envolvidos em atividades ocupacionais que têm elevada incidência ou elevado risco de doenças específicas/graves (n.º) 0 0 0 3,8 6.4 Saúde e segurança no trabalho).

Os temas materiais da SOJA DE PORTUGAL tiveram como base o cruzamento dos resultados da auscultação de Stakeholders com a perspetiva interna do Grupo. Com relação direta com a Saúde e Segurança Ocupacional, o tema “Saúde e Segurança no Trabalho” foi considerado um tema de materialidade elevada (ver matriz de materialidade 1.2 Materialidade).

103-1 Explicação do tema material e dos seus limites

S/V

Formas de Gestão

103-2

A SOJA DE PORTUGAL tem promovido diversas iniciativas relacionadas com a “Saúde e Segurança no Trabalho” (ver capítulo: 6.4 Saúde e segurança no trabalho).

A forma de gestão e os seus componentes

103-3

A SOJA DE PORTUGAL realiza a medição e monitorização dos indicadores associados a este aspeto e reporta-os neste Relatório (ver capítulo: 6.4 Saúde e segurança no trabalho).

Evolução da forma de gestão

GRI 403 – SAÚDE E SEGURANÇA NO TRABALHO (ASPETO MATERIAL)

DIVULGAÇÕES E FORMAS DE GESTÃO LOCALIZAÇÃO VERIFICAÇÃO PRINCÍPIOSUNGC ODS

403-2

Tipos e taxas de acidentes, doenças ocupacionais, dias perdidos, absentismo e obtidos relacionados com o trabalho

6.4 Saúde e segurança no trabalho). S/V 3,8

Outros

0

Avicasal Savinor Sorgal Acordos formais que

abordam tópicos de saúde e segurança (%)

100% 100% 86% Outros

100% Acordos formais que

não abordam tópicos de saúde e segurança(%)

0% 0% 14% 0%

GRI 404 - FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO (ASPETO MATERIAL)

(11)

11

Tabela GRI 2019

indicadores associados a este aspeto e reporta-os neste Relatório (ver capítulo: 6.3 Desenvolvimento do Capital Humano

103-3 Evolução da forma de gestão

404-1* Média de horas de formação anual por

colaborador 6.3 Desenvolvimento do Capital Humano S/V 6 4, 5, 8 404-2 Programas de melhoria de competências e de apoio a transição 6.3 Desenvolvimento do Capital Humano S/V 8

Avicasal Savinor Sorgal Programas para gestão de competências e aprendizagem contínua (n.º de ações) 108 82 164 Outros 71 404-3 Percentagem de colaboradores que recebem, regularmente, análises de desempenho e de desenvolvimento de carreira 6.3 Desenvolvimento do Capital Humano S/V 5, 8

Avicasal Savinor Sorgal Percentagem de colaboradores sujeitos a avaliação de desempenho 0% 0% 0% Outros 0% 6 M F Total Dirigentes/Diretores 2 0 2 Quadros superiores 2 0 2 Quadros médios e intermédios 4 4 8 Profissionais altamente qualificados 75 53 128 Profissionais semiqualificados 1 11 12 Avicasal <30 0 0 0 23 3 30-50 0 2 5 66 3 >50 2 0 3 39 6 405-1

Diversidade dos órgãos de governance e dos

colaboradores S/V 6 5, 8

GRI 404 - FORMAÇÃO E EDUCAÇÃO (ASPETO MATERIAL)

6.3 Desenvolvimento do Capital Humano

Profissionais não qualificados 1 1 2 0 0 2 Praticantes/Aprendizes 13 13 26 13 6 7 M F Total Dirigentes/Diretores 2 0 2 Quadros superiores 1 2 3 Quadros médios e intermédios 2 4 6 Profissionais altamente qualificados 48 43 91 Profissionais semiqualificados 0 4 4 Savinor <30 0 0 1 14 0 30-50 1 3 5 43 2 >50 1 0 0 34 2 Profissionais não qualificados 0 0 0 0 0 0 Praticantes/Aprendizes 9 8 17 3 13 1 M F Total Dirigentes/Diretores 1 0 1 Quadros superiores 6 3 9 Quadros médios e intermédios 11 5 16 Profissionais altamente qualificados 50 37 87 Profissionais semiqualificados 36 1 37 Sorgal <30 0 0 1 13 6 30-50 1 6 11 57 13 >50 0 3 4 17 18 Profissionais não qualificados 44 0 44 18 14 12 Praticantes/Aprendizes 0 0 0 0 0 0

(12)

12 Tabela GRI 2019 412-2 Formação em políticas e práticas de Direitos Humanos Em 2019, zero colaboradores receberam formação nas políticas e procedimentos referentes a aspetos de Direitos Humanos

S/V 1

409-1

Operações e fornecedores com risco significativo de incidentes de trabalho forçado ou análogo ao escravo

Em 2019, nenhuma operação, nem nenhum fornecedor da AVICASAL, SAVINOR e SORGAL, estiveram sob risco de trabalho forçado ou análogo ao escravo.

S/V 4 8

408-1

Operações e fornecedores com risco significativo de incidentes de trabalho infantil

Em 2019, nenhuma operação da AVICASAL, SAVINOR e SORGAL

estiveram sob risco de trabalho infantil. S/V 5 8, 16

GRI 408 - TRABALHO INFANTIL 407-1

Operações e fornecedores em que o direito à

liberdade de associação e negociação coletiva pode estar em risco

Em 2019, nenhuma operação, nem nenhum fornecedor da AVICASAL, SAVINOR e SORGAL viram o exercício da liberdade de associação e a realização de acordos de negociação coletiva em risco.

S/V 3 8

GRI 407 - LIBERDADE DE ASSOCIAÇÃO E NEGOCIAÇÃO COLETIVA

406-1 Casos de discriminação e medidas tomadas Em 2019, não se registaram casos de discriminação na AVICASAL, SAVINOR

e SORGAL.

S/V 6 5, 8, 16

GRI 406 - NÃO DISCRIMINAÇÃO

DIVULGAÇÕES E FORMAS DE GESTÃO LOCALIZAÇÃO VERIFICAÇÃO PRINCÍPIOSUNGC ODS

M F Total Dirigentes/Diretores 1 1 2 Quadros superiores 1 2 3 Quadros médios e intermédios 7 1 8 Profissionais altamente qualificados 130 1 131 Profissionais semiqualificados 18 7 25 Outros <30 0 1 0 8 4 30-50 1 2 8 67 12 >50 0 3 0 56 9 Profissionais não qualificados 3 1 4 1 1 2 Praticantes/Aprendizes 0 0 0 0 0 0 405-2

Rácio entre os salário base e remuneração da

mulher e do homem S/V

5, 8, 10 6

Avicasal Savinor Sorgal

Dirigentes/ Diretores 0,00 0,00 0,00

Outros 0,60

Salário base médio por categoria funcional

Rácio F/M Quadros superiores 0,00 0,72 0,79 0,69 Quadros médios e intermédios 0,73 1,13 0,75 0,78 Profissionais altamente qualificados 0,95 0,93 1,02 1,02 Profissionais semiqualificados 0,97 0,00 0,48 1,01 Profissionais não qualificados 1,00 0,00 0,00 1,01 Praticantes/ Aprendizes 1,00 1,00 0,00 0,00 Dirigentes/ Diretores 0,00 0,00 0,00 0,69 Remuner ação média

por categoria funcional

Quadros superiores 0,00 0,55 0,79 0,71 Quadros médios e intermédios 0,63 1,64 0,85 0,77 Profissionais altamente qualificados 0,90 0,83 0,96 0,82 Profissionais semiqualificados 0,96 0,00 0,32 0,95 Profissionais não qualificados 0,86 0,00 0,00 1,00 Praticantes/ Aprendizes 1,15 0,89 0,00 0,00

GRI 409 – TRABALHO FORÇADO OU ANÁLOGO AO ESCRAVO

412-1

Operações submetidas a avaliações de Direitos Humanos

Em 2019, nenhuma operação da AVICASAL, SAVINOR e SORGAL foi objeto de reavaliações dos Direitos Humanos e/ou avaliações de impacto.

S/V 1

(13)

13

Tabela GRI 2019

416-1

Avaliação dos impactes na saúde e segurança das categorias de produtos e serviços

100% pela HAACP

3.2 Produtos; 3.3 Segurança alimentar S/V Os temas materiais da SOJA DE

PORTUGAL tiveram como base o cruzamento dos resultados da auscultação de stakeholders com a perspetiva interna do Grupo. Com relação direta com a Saúde e Segurança do Consumidor, o tema “Segurança Alimentar” foi considerado de materialidade elevada (ver matriz de materialidade 1.2 Materialidade).

103-1 Explicação do tema material e dos seus limites

S/V

Formas de Gestão 103-2

A SOJA DE PORTUGAL tem promovido diversas iniciativas relacionadas com a “Segurança Alimentar” (ver capítulo: Consumo responsável).

A forma de gestão e os seus componentes

103-3

A SOJA DE PORTUGAL realiza a medição e monitorização dos

indicadores associados a este aspeto e reporta-os neste Relatório

(ver capítulo: Consumo responsável). Evolução da forma de

gestão

413-2

Operações com impactos negativos significativo, atuais e potenciais nas comunidades locais

Controlo dos níveis de ruído e odores. S/V 1

413-1 Operações com envolvimento da comunidade local, avaliação de impactos e desenvolvimento de programas

6.5 Envolvimento com a comunidade

local S/V 1

GRI 413 - COMUNIDADES LOCAIS (ASPETO MATERIAL)

Os temas materiais da SOJA DE PORTUGAL tiveram como base o cruzamento dos resultados da auscultação de Stakeholders com a perspetiva interna da instituição. Com relação direta com a Comunidade, o tema “Envolvimento com a comunidade local” foi considerado um tema de materialidade elevada (ver matriz de materialidade 1.2 Materialidade).

103-1 Explicação do tema material e dos seus limites

S/V

Formas de Gestão

103-2

A SOJA DE PORTUGAL tem promovido diversas iniciativas relacionadas com o “Envolvimento com a Comunidade Local”(ver capítulo: 6.5 Envolvimento com a comunidade local).

A forma de gestão e os seus componentes

103-3

A SOJA DE PORTUGAL realiza a medição e monitorização dos indicadores associados a este aspeto e reporta-os neste Relatório (ver capítulo: 6.5 Envolvimento com a comunidade local).

Evolução da forma de gestão

Em 2019, nenhum acordo de

investimento e contratos significativos incluíam cláusulas de Direitos

Humanos.

305-4

Acordos de investimento e contratos com cláusulas de

Direitos Humanos S/V

DIVULGAÇÕES E FORMAS DE GESTÃO LOCALIZAÇÃO VERIFICAÇÃO PRINCÍPIOSUNGC ODS

2

(14)

14

Tabela GRI 2019

417-1 Requisitos de informação e rotulagem para produtos e

serviços

100% das categorias de produtos têm rotulagem específica.

3.2 Produtos S/V

Os temas materiais da SOJA DE PORTUGAL tiveram como base o cruzamento dos resultados da auscultação de Stakeholders com a perspetiva interna do Grupo. Com relação direta com a Rotulagem de Produtos e Serviços, os tema “Qualidade do produto” foi considerado de materialidade elevada (ver matriz de materialidade 1.2 Materialidade).

103-1 Explicação do tema material e dos seus limites

S/V

103-2

A SOJA DE PORTUGAL tem promovido diversas iniciativas relacionadas com a “Qualidade do produto” (ver capítulo: 3.2 Produtos).

A forma de gestão e os seus componentes

103-3

A SOJA DE PORTUGAL realiza a medição e monitorização dos indicadores associados a este aspeto e reporta-os neste Relatório (ver capítulo: 3.2 Produtos).

Evolução da forma de gestão

GRI 417 - MARKETING E ROTULAGEM (ASPETO MATERIAL)

DIVULGAÇÕES E FORMAS DE GESTÃO LOCALIZAÇÃO VERIFICAÇÃO PRINCÍPIOSUNGC ODS

Formas de Gestão

12, 16

417-3 Não conformidades relativas a comunicações

de marketing

Em 2019, não se registaram não conformidades relativas a

comunicações de marketing. S/V

GRI 419 - CONFORMIDADE SOCIOECONÓMICA

Não conformidades com leis e regulamentos na área social e económica

Em 2019, não se registaram não conformidades com leis e regulamentos na área social e económica.

S/V

419-1 16

*Número total de colaboradores que estiveram ao serviço em 2019 (e não apenas a 31 de dezembro de 2019). S/V – Sem Verificação

Princípios UNGC – United Nations Global Compact

(15)
(16)

Tabela GRI 2019

Imagem

Referências