Concurso Internacional Santa Cecília

Texto

(1)

Prova Final

Concurso

Internacional

Santa Cecília

ORQUESTRA FILARMONIA DAS BEIRAS

Vasco Pearce de Azevedo direcção musical

Finalistas:

Lei Meng

[China]

Levon Avagyan

[Arménia]

Lucas De Nichile Thomazinho

[Brasil]

23 Jul 2016

(2)
(3)

3

Júri:

Álvaro Teixeira Lopes/ Carles Lama/ Fu Hong / Josep Colom / Justas Dvarionas / Miguel Borges Coelho / Vovka Ashkenazy

1ª PARTE

Robert Schumann

Concerto para piano e orquestra em Lá menor, op.54 (1845; c.32min.)

1. Allegro affettuoso

2. Intermezzo: Andantino grazioso

3. Allegro vivace

[Lei Meng]

Ludwig van Beethoven

Concerto para piano e orquestra n.º 3, em Dó menor, op.37 (1802; c.35min.)

1. Allegro con brio

2. Largo

3. Rondo: Allegro

[Levon Avagyan]

Fryderyk Chopin

Concerto para piano e orquestra nº 1, op.11 (c.39min.)

1. Allegro maestoso

2. Romance

3. Rondó (Vivace)

[Lucas De Nichile Thomazinho]

2ª PARTE

(4)

Vasco Pearce de Azevedo

direcção musical

Iniciou os estudos musicais aos 4 anos na Aca‑ demia dos Amadores de Música. Interessou ‑se pela direcção desde a entrada para o Coro da Universidade de Lisboa, em 1981, onde desem‑ penhou as funções de ensaiador de naipe. Fre‑ quentou vários cursos de direcção de orquestra e de direcção coral em Portugal, Espanha, França e Bélgica, tendo trabalhado com Jean‑ ‑Sébastien Béreau, Ernst Schelle, Jenö Rehak e Octav Calleya (direcção de orquestra) e ainda com Erwin List, Josep Prats, Edgar Saramago e José Robert (direcção coral).

Estudou no Instituto Gregoriano de Lisboa e na Escola Superior de Música de Lisboa onde obteve, em 1989, o Bacharelato em Composi‑ ção, tendo aulas com Christopher Bochmann e Constança Capdeville. Entre 1990 e 1992 foi Assistente na ESML de várias cadeiras do Curso de Composição; entre 1995 e 1998, Professor de Análise e Técnicas de Composição no Conser‑ vatório Nacional, e entre 1995 e 2002, Professor de Análise e Orquestração na Academia Supe‑ rior de Orquestra (Orquestra Metropolitana de Lisboa). Desde 1998, é Professor de Orquestra, Direcção Coral, Coro, Técnicas de Composição, Análise Musical e Harmonia na ESML.

Em 1985 fundou o Coro de Câmara Syn‑ tagma Musicum, com o qual conquistou o 1º Prémio no Concurso Novos Valores da Cultura (1988) na área de Música Coral, o que lhe con‑ cede o direito à gravação de um C.D. intitulado

Música Coral do Século XX. No mesmo ano

da qual foi Maestro Titular e Director Musical até 1995. Desde 1995 é o Maestro Titular e Director Musical da Sinfonietta de Lisboa, orquestra com a qual tem realizado estreias absolutas de obras de Eurico Carrapatoso, Sérgio Azevedo, Car‑ los Fernandes e Ivan Moody, entre outros. Tem dirigido, na qualidade de Maestro Convidado, as Orquestras Sinfónica Portuguesa, Metropo‑ litana de Lisboa, Nacional do Porto, Filarmonia das Beiras, Orquestra do Algarve, Orquestra da Escola Profissional de Música de Viana do Cas‑ telo, Orquestra da Artave, Sinfónica Juvenil e Orquestra Portuguesa das Escolas de Música. Dirigiu com a Companhia Nacional de Bailado a estreia de Dançares de Lopes ‑Graça e a estreia em Portugal de Agon de Stravinski. Em Feve‑ reiro de 1999, a convite do Teatro Nacional de S. Carlos, dirigiu a Ópera La Borghesina do com‑ positor português Augusto Machado, obra que não era apresentada ao público desde a sua estreia em 1909. Foi jurado da 3ª e 6ª edição do Concurso de Interpretação do Estoril (1996 e 2002). Foi membro do Coro Gulbenkian.

Terminou em Junho de 1995, na quali‑ dade de bolseiro da Comissão Fulbright e da Fundação Calouste Gulbenkian, o Mestrado em Direcção de Orquestra e Coro no College‑ ‑Conservatory of Music da Universidade de Cincinnati (EUA), estudando com Gerhard Samuel e Christopher Zimmermann (direc‑ ção de orquestra) e ainda com Elmer Thomas, John Leman e Earl Rivers (direcção coral). Foi Bolseiro da Universidade de Cincin‑ nati (Graduate Scholarship) entre 1992 e 1995 e Bolseiro da Secretaria de Estado da Cultura (1994–95). Conquistou o 3º Prémio no

(5)

5

Lei Meng piano

Lei Meng começou a estudar piano aos 5 anos. Em 2009, recebeu uma bolsa e foi estudar com Klaus Kaufmann na Universidade Mozarteum. A partir de 2012 trabalha como assistente de Klaus Kaufmann na mesma universidade. Lei Meng é detentora de prémios em diver‑ sas competições internacionais, incluindo: ‘Yun Wu Hei Bai’(2º Prémio, China, 2007), ‘Hailun Cup’ (1º Prémio na categoria Sénior de Peças chinesas para Piano e 5º Prémio no Grupo Jovem; Hongkong, 2008), Competi‑ ção para Jovens Pianistas Yamaha (1º Prémio, 2009), Mozartpreis (2º Prémio, Áustria, 2009), BANG&OLUFSEN PianoRAMA (4º Prémio, Dinamarca,2011). Em 2011, recebeu a bolsa Huebel e foi premiada com o Zonta Award no Mozarteum. Apresentou ‑se em diversas cida‑ des na China e outros países, incluindo Áustria, Alemanha, Estados Unidos da América, Itália, etc. Participou nas gravações dos Concertos de Piano e Variações Goldberg de Bach, Estu‑ dos op.10 e 24 Prelúdios de Chopin, DVDs de Scriabin e Debussy com professores e estu‑ dantes do Mozarteum.

Levon Avagyan piano

Levon Avagyan nasceu em 1990, na Armé‑ nia. A partir de 2010 estuda com Milana Cher‑ nyavska na Universidade de Música e Artes Performativas de Graz (Áustria). Desde 2011 é membro da Academia Internacional de Música em Fürstentum Liechtenstein. Levon Avagyan é laureado em diversas competições interna‑ cionais, destacando ‑se: Concurso para Jovens Pianistas (Grécia, 2005); Competição para Jovens Pianistas Arno Babajanyan (2006);

Jeunes Talents (França, 2012); Komitas Festival‑ ‑Competition (Berlim, 2013); San Donà di Piave (Itália); Martha ‑Debelli (Áustria, 2012); Prémio Yamaha e bolsa da Fundação YMFE (2014); Forum per Tasti (Eslováquia, 2015); Roberta Gallinari (Itália, 2015). O pianista já se apresen‑ tou em festivais como Komitas Festival, Kissin‑ ger Sommer, Junge Künstler e “Next Generation Classic Festival Bad Ragaz”, na Suíça.

Lucas de Nichile Thomazinho

piano

O pianista brasileiro Lucas Thomazinho come‑ çou a estudar piano com oito anos. Recente‑ mente, recebeu o 1º Prémio na 4ª Competição Internacional Para Jovens Pianistas Rachmani‑ noff, além do prémio para melhor interpretação de uma peça de Rachmaninoff. Em 2015, rece‑ beu o 2º Prémio na Competição Internacional para Piano de obras do compositor brasileiro Osvaldo Lacerda. Apresentou ‑se como solista convidado com a Filarmónica de Minas Gerais, interpretando Mendelssohn e Saint ‑Saëns. Tocou em diversos locais, incluindo MUBE – Museu de Escultura Brasileiro, MASP ‑ Museu de Arte de São Paulo, Fundação Maria Luisa e Oscar Americano e Centro Cultural São Paulo. Com 13 anos apresentou ‑se ao compositor brasileiro Almeida Prado, tocando obras da sua autoria. Lucas Thomazinho estudou com uma bolsa na Fundação Magda Tagliaferro, orien‑ tado por Zilda Candida dos Santos, Armando Fava Filho e Flavio Varani. Actualmente estuda na Universidade de São Paulo sob orientação de Eduardo Monteiro.

(6)

Orquestra Filarmonia das Beiras

António Vassalo Lourenço

director artístico

A Orquestra Filarmonia das Beiras (OFB) deu o seu primeiro concerto no dia 15 de Dezembro de 1997, sob a direcção de Fernando Eldoro, o seu primeiro director artístico. Criada no âmbito de um programa governamental para a constituição de uma rede de orquestras regionais, tem como fundadores diversas instituições e municípios da região das beiras, associados da Associação Musical das Beiras que tutela a orquestra.

A OFB é composta por 23 músicos de cordas de diversas nacionalidades, com uma média etária jovem e é, desde 1999, dirigida artisticamente pelo Maestro António Vassalo Lourenço. Norteada por princípios de promo‑ ção e desenvolvimento da cultura musical, através de acções de captação, formação e fidelização de públicos e de apoio na forma‑ ção profissionalizante de jovens músicos, democratizando e descentralizando a oferta cultural, a OFB tem dado inúmeros concer‑ tos, além de desenvolver frequentes e cons‑ tantes actividades pedagógicas (programas pedagógicos infanto ‑juvenis, cursos interna‑ cionais vocais, instrumentais e de direcção de orquestra, etc.). Também sob estes princípios, apresenta, desde 2006, produções de ópera diversas (infantil, de repertório ou portuguesa).

A OFB tem participado nos principais festi‑ vais de música do país e do estrangeiro, ou em importantes cooperações e co ‑produções

nacional. Simultaneamente, tem procurado dar oportunidade à nova geração de músicos portugueses, sejam eles maestros, instrumen‑ tistas ou cantores.

Do repertório da OFB constam obras que vão desde o séc. XVII ao XXI, tendo a Direcção Artística dado particular importância à inter‑ pretação de música portuguesa, quer ao nível da recuperação do património musical, quer à execução de obras dos principais composito‑ res do século XX e XXI.

(7)

Violino I André Fonseca Agnese Bravo Elitza Mladenova Andriy Slabodukh Flávio Azevedo Kinga Switaj Violino II Daniel Matys Mafalda Pires Luís Trigo Ana Rufino Juliana Sousa Nuno Vasconcelos Viola Judit Bank Carina Rocha João Tiago Dinis Daniel Leão Eva Brandão Violoncelo Aliaksandr Znachonak Alberto Restivo Raquel Andrade Fátima Neto Contrabaixo Hugo Correia Bruno Rodrigues Flauta Samuel Couto Tiago Santos Oboé Leandro Alves Tiago Ribeiro Clarinete Sérgio Neves Ivo Pinho Fagote Cláudia Torres Rita Pereia Trompa Filipa Jordão Daniel Canas Ricardo Costa Sara Lima Trompete Pedro Tavares Filipe Esteves Trombone Ricardo Gonçalves Tímpanos Hélder Roque

(8)

Imagem

Referências

temas relacionados :