JOANA VASCONCELOS: I M YOUR MIRROR

Texto

(1)

JOANA VASCONCELOS: I’M YOUR MIRROR

MECENAS EXCLUSIVO DA EXPOSIÇÃO: BPI

Museu e Parque de Serralves 19 FEV 2019 a 24 JUN 2019

Serralves, em parceria com o Museo Guggenheim Bilbao, apresenta entre 19 de fevereiro e 24 de junho de 2019 I’m Your Mirror, uma retrospetiva da obra de Joana Vasconcelos que assinala o seu regresso ao Museu onde expôs em 2000.

A mostra reúne mais de trinta trabalhos produzidos entre 1997 e a atualidade.

Além de algumas das mais icónicas obras de Vasconcelos — como Cama Valium (1998), A noiva (2001 – 05), Burka (2002), Coração independente vermelho (2005), Marilyn (2011) e Lilicoptère (2012) —, a exposição inclui peças especificamente criadas para esta mostra — caso de Finisterra, I’ll Be Your Mirror e Solitário (todas de 2018). A exposição estende-se até aos jardins do Parque de Serralves através de monumentais esculturas de exterior.

Entrelaçando referências à cultura popular portuguesa com alusões à história da arte, a produção artística de Joana Vasconcelos aborda, com um desarmante sentido de humor, questões tão sérias quanto a exploração das mulheres, as migrações e os impactos do colonialismo. O processo criativo de Joana Vasconcelos assenta na apropriação, descontextualização e subversão de objetos pré-existentes e realidades do quotidiano. Esculturas e instalações, reveladoras de um agudo sentido de escala e domínio da cor, assim como o recurso à performance e aos registos vídeo ou fotográfico, contribuem para a materialização de conceitos desafiadores das rotinas programadas do quotidiano. Partindo de engenhosas operações de deslocação, reminiscência do ready-made e das gramáticas nouveau realiste e pop, a artista oferece-nos uma visão cúmplice, mas simultaneamente crítica, da sociedade contemporânea e dos vários aspetos que compõem a identidade coletiva, apontando com especial acutilância para o estatuto da mulher, diferenciação classista, ou identidade nacional. Resulta desta estratégia um discurso atento às idiossincrasias contemporâneas, onde a dicotomia artesanal/industrial, privado/público, tradição/modernidade e cultura popular/cultura erudita surgem investidas de afinidades aptas a renovar os habituais fluxos de significação característicos da contemporaneidade.

A exposição Joana Vasconcelos: I’m Your Mirror é organizada pelo Museo Guggenheim Bilbao em parceria com o Museu de Arte Contemporânea de Serralves, e a Kunsthall Rotterdam, Roterdão, e comissariada pelo curador Enrique Juncosa.

OBRAS EXPOSTAS:

A exposição inclui mais de trinta obras, realizadas de 1997 até à atualidade, reunindo algumas das obras mais conhecidas e emblemáticas da artista, como as já referidas Cama

(2)

Valium (1998); Burka (2002); A noiva (2000 – 05); Coração independente vermelho (2005); Marilyn (2011); ou Lilicoptère (2012).

Além destas, a mostra integra também um considerável número de obras novas, incluindo vários animais em cerâmica desenhados por Rafael Bordalo Pinheiro e revestidos de croché essencialmente proveniente da ilha do Pico e de Nisa. Esta mesma técnica é ironicamente usada por Vasconcelos numa série de urinóis, também revestidos de croché, à qual pertence Ni te tengo, ni te olvido [Nem te tenho, nem te esqueço] (2017), peça em que a artista se apropria do célebre urinol de Marcel Duchamp. Finisterra (2018), outra obra inédita, pertence à série Pinturas em croché, através da qual a artista desafia declaradamente o conceito modernista da autonomia dos diferentes meios artísticos - pintura e escultura dialogam invocando simultaneamente o corpo e a paisagem, o figurativo e a abstração. A sua escala é monumental, mas a técnica com que foi elaborada é doméstica e feminina: volumes de tecidos são cosidos de modo a configurar imagens ou estruturas abstratas multicolores e são a seguir encaixilhados em molduras douradas, que sublinham o seu aspeto paródico, e pendurados na parede como quadros. Joana Vasconcelos: I’m Your Mirror inclui ainda várias obras de escala monumental

instaladas ao ar livre no Parque de Serralves, como Néctar (2006), Pavillon de thé (2012) e Solitário (2018). Esta obra, apresentada pela primeira vez em Portugal, tem a forma de um anel de sete metros de altura, realizado com jantes douradas e coroado por um suposto enorme diamante constituído por copos de whisky de cristal, sendo o todo acoplado sobre uma estrutura de ferro e aço.

Link para lista de obras em exposição: https://we.tl/t-SA1VyfAWJb

OUTRAS OBRAS DA ARTISTA A DESCOBRIR:

Porto — Avenida Marechal Gomes da Costa Portugal a Banhos, 2010

Aeroporto Francisco Sá Carneiro Obra e data a definir

Barcelos — Avenida da Liberdade Pop Galo, 2016

A Câmara Municipal do Porto, a ANA Aeroportos de Portugal, S.A. e a Câmara Municipal de Barcelos são Fundadoras de Serralves.

(3)

ATIVIDADES RELACIONADAS:  CONVERSA COM A ARTISTA

19 FEV ÀS 18H30

AUDITÓRIO DE SERRALVES

Conversa no âmbito da exposição JOANA VASCONCELOS: I´M YOUR MIRROR com Joana Vasconcelos e Enrique Juncosa, comissário da exposição

 VISITAS ORIENTADAS 23 FEV FEB | Sáb 15h30

Por Laredo, Associação Cultural 10 MAR | Dom 12h00

Por José Costa, educador 31 MAR | Dom 12h00

Por Rita Faustino, educadora 28 ABR APR | Dom 12h00 Por José Costa, educador 11 MAI | Sáb | 15h30

Por Laredo, Associação Cultural 26 MAI | Dom 12h00

Por Rita Faustino, educadora 09 JUN | Dom 12h00

Por José Costa, educador 16 JUN | Dom 12h00

Por Rita Faustino, educadora

VISITA-OFICINA PARA FAMÍLIAS

19 MAI | Dom | 11h00 Por José Costa e Rita Faustino, educadores  CONVERSAS

19 FEV | Ter 18h30

Com Joana Vasconcelos e Enrique Juncosa, comissário da exposição 10 MAI | Sex 18h30

Conversa sobre "A Máscara na Arte" com Joana Vasconcelos e Alain Grouette, terapeuta e naturopata

 OFICINA

16 MAR | Sáb 10h00

(4)

11 MAI | Sáb 12 MAI | Dom

Workshop "Behind your Mask – A Journey to your Authentic Self" com Alain Grouette, terapeuta e naturopata, e Fausta Rendall, terapeuta

 PERCURSO

15 JUN | Sáb | 17h00 Por José Costa, educador ITINERÂNCIA INTERNACIONAL

Após a sua apresentação em Serralves até ao final de junho a exposição Joana Vasconcelos: I’m Your Mirror, seguirá posteriormente para a Kunsthal Rotterdam, ainda no verão de 2019 (Julho).

CATÁLOGO

O catálogo da exposição é uma coedição da Fundação de Serralves, do Museo Guggenheim Bilbao e da La Fábrica, e inclui textos de Enrique Juncosa, Idalina Conde, Petra Joos e José Luís Peixoto em conversa com Joana Vasconcelos.

BIOGRAFIAS:

Joana Vasconcelos nasceu em 1971. Vive e trabalha em Lisboa. Expõe regularmente

desde meados da década de 1990. O reconhecimento internacional do seu trabalho deu-se com a participação na 51.ª Bienal de Veneza, em 2005, com a obra A noiva (2001-05). Foi a primeira mulher e a mais jovem artista a expor no Palácio de Versalhes, em 2012. Outros momentos relevantes da sua carreira incluem a individual no Museu Guggenheim Bilbao (2018); o projeto Trafaria Praia, para o Pavilhão de Portugal na 55.ª Bienal de Veneza (2013); a participação na coletiva The World Belongs to You, no Palazzo Grassi/François Pinault Foundation (2011); e a sua primeira retrospetiva, apresentada no Museu Coleção Berardo, em Lisboa (2010).

Realizou exposições individuais e projetos em instituições como: Musée d'Art Moderne et Contemporain, Estrasburgo, França (2018); ARoS Aarhus Kunstmuseum, Aarhus, Dinamarca (2016); Waddesdon Manor - The Rothschild Foundation, Buckinghamshire, Reino Unido (2015); Manchester Art Gallery, Reino Unido (2014); Tel Aviv Museum of Art, Israel (2013); CENTQUATRE, Paris, França (2012); Kunsthallen Brandts, Odense, Dinamarca (2011); Es Baluard, Palma de Maiorca, Espanha (2009); Pinacoteca do Estado de São Paulo, Brasil (2008); Palazzo Nani Bernardo Lucheschi, Veneza, Itália (2007); The New Art Gallery Walsall, Reino Unido (2007); CaixaForum, Barcelona, Espanha (2006); Passage du Désir/BETC EURO RSCG, Paris, França (2005); Centro Andaluz de Arte Contemporáneo, Sevilha, Espanha (2003); Museu da Eletricidade, Lisboa (2001); e Museu de Arte Contemporânea de Serralves, Porto (2000).

Participou em múltiplas exposições coletivas, incluindo instituições como as seguintes: Museo di Roma - Palazzo Braschi, Roma, Itália (2016); Museo Nacional Thyssen-Bornemisza, Madrid, Espanha (2015); Kulturhuset Stadsteatern, Estocolmo, Suécia (2014); FRAC Bourgogne, Dijon, França (2013); ARTIUM, Vitoria-Gasteiz, Espanha (2012); National Museum of Women in the Arts, Washington, DC, EUA (2011); Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa (2010); Garage Center for Contemporary Culture, Moscovo, Russia (2009); FRAC Île-de-France/Le Plateau, Paris, França (2008); MUDAM, Cidade do Luxemburgo (2007); Istanbul Modern, Istambul, Turquia (2006); MUSAC, Leão, Espanha (2005); Stenersenmuseet, Oslo,

(5)

Noruega (2004); MARCO, Vigo, Espanha (2003); Műcsarnok, Budapeste, Hungria (2002); e a XXVI Bienal de Arte de Pontevedra, Espanha (2000).

A sua obra tem sido destacada em vários livros, dos quais se salientam: Joana Vasconcelos:

Material World (Thames & Hudson, 2015); L'Art Contemporain, de Éloi Rousseau (Larousse,

2015); The Twenty First Century Art Book (Phaidon, 2014); XXL Art: When Artists Think Big (Prestel, 2014); Nature Morte, de Michael Petry (Thames & Hudson, 2013); Sculpture Now, de Anna Moszynska (Thames & Hudson, 2013); Le Dictionnaire Universel des Femmes Créatrices (Des Femmes, 2013); The Naked Nude, de Frances Borzello (Thames & Hudson, 2012); Arte

Portuguesa: História Essencial, de Paulo Pereira (Temas e Debates e Círculo de Leitores,

2011); Tactile: High Touch Visuals, coordenado por Sven Ehmann, Matthias Huebner e Robert Klanten (Gestalten, 2009); e Regard sur la sculpture contemporaine, de Gérard Xuriguera (FVW, 2008).

O seu trabalho tem sido referido em revistas como: Architectural Digest (Madrid, Milão), Art

Actuel (Stains, França); Art+Auction (Nova Iorque); Artforum (Nova Iorque); Art Press (Paris), Beaux Arts (Issy-les-Moulineaux, França); Connaissance des Arts (Paris); Contemporary

(Londres); Flash Art (Milão); Le Quotidien de l’Art (Paris); Tema Celeste (Milão); e The Art

Newspaper (Londres); e também em vários jornais internacionais, dos quais se destacam: El Mundo (Madrid); El País (Madrid); Financial Times (Londres); International Herald Tribune

(Paris); L’Express (Paris); Le Figaro (Paris); Le Monde (Paris); Libération (Paris); The Daily

Telegraph (Londres); e The Independent (Londres).

A sua obra integra inúmeras coleções públicas e privadas, incluindo a Amorepacific Museum of Art, Seul; ARoS Aarhus Kunstmuseum, Aarhus, Dinamarca; Caixa Geral de Depósitos, Lisboa; Centro de Artes Visuales Fundación Helga de Alvear, Cáceres, Espanha; Domaine Pommery, Reims, França; Fondation Louis Vuitton pour la création, Paris; FRAC Bourgogne, Dijon, França; Fundação EDP, Lisboa; Gerard L. Cafesjian Collection, Yerevan, Arménia; MACE – Coleção António Cachola, Elvas, Portugal; MUSAC, Léon, Espanha; Museu Coleção Berardo, Lisboa; National Museum of Women in the Arts, Washington, DC; e Pinault Collection, Paris e Veneza.

Enrique Juncosa (1961), foi diretor do Museu Irlandês de Arte Moderna em Dublin, de 2003 a 2012, cargo pelo qual lhe foi atribuída a Orden del Mérito Civil pelo Governo Espanhol. Anteriormente, tinha sido diretor do Museu Rainha Sofia, em Madrid, e também do Instituto Valenciano de Arte Moderna (IVAM) em Valência, Espanha.

Enrique Juncosa foi curador de mais de 60 exposições em diferentes museus, incluindo a Whitechapel Art Gallery e a Tate Britain, ambas em Londres; Hamburguer Banhoff, Berlim; MAXXI, Roma; Musée des Beaux Arts, Nantes; Kunsthalle Bielefeld; SMAK, Gent; Astrup Fearnley Museet vor Moderne Kunst, Oslo; Museo Guggenheim Bilbao; Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa; MACBA, Barcelona; Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro; e o Pavilhão Espanhol na Bienal de Veneza. Juncosa está, neste momento, a preparar uma retrospetiva de Miquel Barceló para o Museu Nacional em Osaka.

Publicou mais de sete coleções de poesia e um livro de short stories. Escreveu ainda vários ensaios sobre arte contemporânea, alguns dos quais compilados no The Irish Years (Dublin, 2013).

(6)

MECENAS EXCLUSIVO DA EXPOSIÇÃO:

O BPI tem assumido desde a sua constituição um papel muito relevante no apoio à Cultura em Portugal, um compromisso sempre reiterado e agora reforçado com a entrada do Banco no Grupo CaixaBank e a inerente ligação à Fundação La Caixa, uma das três maiores fundações a nível mundial. O BPI é membro fundador de Serralves desde o seu início, é mecenas exclusivo do Museu de Arte Contemporânea desde a sua abertura, em 1999, e também mecenas exclusivo da exposição JOANA VASCONCELOS: I’M YOUR MIRROR

Imagem

temas relacionados :