AGRUPAMENTO VERTICAL DE ESCOLAS DO AMIAL

75  Download (0)

Full text

(1)

ESCOLAS DO AMIAL

PLANOS de ESTUDO

e de

(2)

Índice

Introdução 2

1 Planos de Estudo 3

1.1 Desenho Curricular 3

1.2 Desenho Curricular do Curso Básico de Música 5

2 Desenvolvimento do Currículo 7

2.1 Competências Gerais – Educação Pré-Escolar 7

2.2 Competências gerais do 1º Ciclo 10

2.3 Competências específicas por área, no 1.º Ciclo. 11

3 Competências a desenvolver transversalmente 24

4 Articulação das competências essenciais por ciclo 25

5 Opções e estratégias metodológicas 64

5.1 Critérios gerais de organização 64

5.2 Critérios de elaboração de horários 65

5.3 Horário das turmas 66

5.4 Horários dos professores 66

6 Orientações para elaboração dos Planos Próprios 68

6.2 Definição das finalidades educativas do PP 69

6.3 Articulação Curricular 69

6.4 Formas de organizar a Integração Curricular 70

6.5 Recursos humanos e materiais 71

6.6 Metodologias, experiências educativas e situações de aprendizagem a concretizar na turma 71

6.7 Avaliação do Plano Próprio de Turma 72

7 Procedimentos de avaliação 72

7.1 Modalidades de avaliação 73

(3)

Introdução

Pretende-se, com este documento explicitar práticas e estratégias de ação educativa a implementar que sejam inovadoras, formativas, motivadoras e de qualidade, com o objetivo de transmitir aos alunos uma escolaridade parametrizada nos currículos mas acrescida de conhecimentos sólidos e de uma aprendizagem com um carater humanista, empreendedora e criativa.

Os Planos de Estudo foram elaborados de acordo com as matrizes curriculares e pretendem estabelecer a ligação entre o Currículo Nacional e as opções do Projeto Educativo.

As matrizes curriculares apresentam a carga horária semanal organizada em períodos de tempo respeitando os totais por área curricular e ciclo, assim como o máximo global indicado para cada ano de escolaridade.

Os programas das disciplinas e áreas curriculares disciplinares, bem como as metas curriculares foram alvo de uma reflexão para que possam contribuir para a qualidade do serviço educativo prestado e garantir a articulação das competências de todo o trabalho a desenvolver, explicitado nos Planos Próprios de cada turma.

Foram implementadas opções e estratégias de concretização do Currículo, ao nível dos Critérios de elaboração de horários, constituição de turmas de acordo com os normativos legais vigentes, respeitando no entanto a autonomia das escolas.

No que diz respeito à articulação das competências essenciais, estas são apresentadas de modo a implementar a Ação educativa numa perspetiva de inter-relação de saberes a partir de áreas temáticas e/ou ideias-chave e domínios do saber ao nível das áreas curriculares disciplinares e não disciplinares e das atividades de enriquecimento curricular.

(4)

1- Planos de Estudo

1.1-

Desenho Curricular

Tendo em conta os princípios orientadores sobre a organização e gestão do currículo expressos no Decreto-Lei nº.139/2012 de 5 de julho, o Agrupamento, através dos seus Órgãos de Gestão, definiu o seguinte desenho curricular:

1.1.1- Desenho Curricular da Educação Pré-Escolar

O desenho curricular perfila-se em função de três Áreas de Conteúdo

Áreas de conteúdo

F

or

m

ão

P

es

soal

e

Soc

ial

E

du

caç

ão

par

a

a

cid

ad

an

ia Área de Formação Pessoal e Social

Área de Expressão e Comunicação - Domínio das expressões:

Exp. Motora. Exp Dramática, Exp. Plástica e Exp. Musical. - Domínio da linguagem oral e abordagem à escrita.

- Domínio da Matemática.

Área do Conhecimento do Mundo

O desenvolvimento curricular engloba 25 horas letivas semanais, distribuídas por 5 horas diárias, gerindo-se a ação educativa em torno das áreas de conteúdo.

O Educador assegura a Supervisão da Componente de Apoio Social à Família e o atendimento aos Encarregados de Educação no horário de Estabelecimento.

1.1.2- Desenho Curricular do 1º Ciclo

Componentes do currículo

Ed

uc

ão p

ar

a a C

id

ad

an

ia

Áreas Curriculares Disciplinares:

- Português 8h - Matemática 7h - Estudo do Meio 5h - Expressões: Artísticas; Físico-Motoras 5h

Áreas Curriculares não Disciplinares:

- Área de Projeto; - Estudo Acompanhado; - Educação para a Cidadania. - TIC.

Sub-Total: 25 horas Atividades de Enriquecimento Curricular (AEC)

- Atividades de apoio ao estudo - Ensino de Inglês;

- Atividade física e desportiva; - Ensino da Música;

(5)

1.1.3- Desenho Curricular do 2º Ciclo

Áreas Curriculares Carga horária semanal (x 90 min.) (a)

5º Ano 6º Ano

Português 90’ + 90’ + 90’ 90’ + 90’ + 90’

Língua Estrangeira - Inglês 90’ + 90’ 90’ + 45’

História e Geografia 45’ + 45’ 90’ + 45’

Matemática 90’ + 90’+ 90’ 90’ + 90’+ 90’

Ciências da Natureza 90’ + 45’ 90’ + 45’

Ed. Visual 90’ 90’

Ed. Tecnológica 90’ 90’

Educação Musical 90’ 90’

Educação Física 90’ + 45’ 90’ + 45’

Ed. Moral e R. Católica 45’ 45’

Educação Cívica 45’(b) 45’(b)

Apoio ao Estudo 90’ + 90’ + 45’ 90’ + 90’ + 45’

(a) A carga horária semanal refere-se a tempo útil de aula e está organizada em períodos de 90 minutos.

(b) Na oferta complementar a escola decidiu optar por Educação Cívica

1.1.4- Desenho Curricular do 3º Ciclo

Áreas Curriculares Carga horária semanal (x 90 min.) (a)

7º Ano 8º Ano 9º Ano

Português 90’ + 90’ + 45’ 90’ + 90’ + 45’ 90’ + 90’ + 45’

Língua Estrangeira I 90’ + 45’ 90’ + 45’ 90’ + 45’

Língua Estrangeira II 90’ + 45’ 90’ + 45’ 45’ + 45’

História 45’ + 45’ 90’ + 45’ 90’ + 45’

Geografia 90’ + 45’ 45’ + 45’ 90’ + 45’

Matemática 90’ + 90’ + 45’ 90’ + 90’ + 45’ 90’ + 90’ + 45’

Ciências Naturais 90’ + 45’ 90’ + 45’ 90’+ 45’

Ciências Físico-Químicas 90’ + 45’ 90’ + 45’ 90’ + 45’

Educação Visual 90’ 90’ 90’ + 45’

Educação Tecnológica 90’ 90’

Educação Física 90’ + 45’ 90’ + 45’ 90’ + 45’

I. Tec. de Inf. Comunicação 90’ 90’ 90’(b)

Educação Moral e Religiosa 45’ 45’ 45’

Educação Cívica 45’(c) 45’(c) 45’(c)

(a) A carga horária semanal refere-se a tempo útil de aula e está organizada em períodos de 90 minutos.

(b) A disciplina de Tecnologias de Informação e Comunicação só será lecionada no ano letivo 2012/2013

(6)

1.2- Desenho Curricular do Curso Básico de Música

Tendo em conta os princípios orientadores sobre a organização e gestão do currículo expressos no Decreto-Lei 225/2012 de 30 de Julho, a Escola, através dos seus Órgãos de Gestão, definiu o seguinte desenho curricular:

1.2.1- Desenho Curricular do 2º Ciclo do Curso Básico de Música

Áreas Curriculares Carga horária semanal (x 90 min.) (a)

5º Ano 6º Ano

Português 90’ + 90’ + 90’ 90’ + 90’ + 90’

Língua Estrangeira - Inglês 90’ + 45’ 90’ + 45’

História e Geografia 90’ + 45’ 90’ + 45’

Matemática 90’ + 90’+ 90’ 90’ + 90’+ 90’

Ciências da Natureza 90’ + 45’ 90’ + 45’

Ed. Visual 90’ 90’

Educação Física 90’ + 45’ 90’ + 45’

Ed. Moral e R. Católica 45’ 45’

Educação Cívica 45’(b) 45’(b)

Apoio ao Estudo 90’ + 90’ + 45’ 90’ + 90’ + 45’

Formação Musical 90’ + 45’ 90’ + 45’

Instrumento 90’(c) 90’(c)

Classes de Conjunto 90’ 90’

(a) A carga horária semanal refere-se a tempo útil de aula e está organizada em períodos de 90 minutos.

(b) Na oferta complementar a escola decidiu que era Educação Cívica

(7)

1.2.1- Desenho Curricular do 3º Ciclo do Curso Básico de Música

Áreas Curriculares Carga horária semanal (x 90 min.) (a)

7º Ano 8º Ano 9º Ano

Português 90’ + 90’ + 45’ 90’ + 90’ + 45’ 90’ + 90’ + 45’

Língua Estrangeira I 90’ + 45’ 90’ + 45’ 90’ + 45’

Língua Estrangeira II 90’ 90’ 90’

História 45’ + 45’ 90’ + 45’ 90’ + 45’

Geografia 90’ + 45’ 45’ + 45’ 90’ + 45’

Matemática 90’ + 90’ + 45’ 90’ + 90’ + 45’ 90’ + 90’ + 45’

Ciências Naturais 90’ 90’ + 45’ 90’

Ciências Físico-Químicas 90’ + 45’ 90’ 90’ + 45’

Educação Física 90’ + 45’ 90’ + 45’ 90’ + 45’

Educação Moral e Religiosa 45’ 45’ 45’

Educação Cívica 45’(b) 45’(b) 45’(b)

Formação Musical 90’ 90’ 90’

Instrumento 90’(c) 90’(c) 90’(c)

Classes de Conjunto 90’ + 45’ 90’ + 45’ 90’ + 45’

(a) A carga horária semanal refere-se a tempo útil de aula e está organizada em períodos de 90 minutos.

(b) Na oferta complementar a escola decidiu que era Educação Cívica

(8)

2. Desenvolvimento do Currículo

2.1 Competências Gerais

Educação Pré-Escolar

2.1.1 - Área da formação pessoal e social

 Descobrir, conhecer e controlar progressivamente o próprio corpo, formando uma imagem positiva de si mesmo, valorizando a sua identidade sexual, as suas capacidades e limitações de acção e expressão, adquirindo hábitos básicos de saúde e de bem estar.

 Actuar de forma cada vez mais autónoma nas suas actividades habituais, adquirindo progressivamente segurança afectiva e emocional, desenvolvendo as suas capacidades de iniciativa e confiança em si mesmo.

 Utilizar a linguagem verbal de forma ajustada às diferentes situações de comunicação habitual, para compreender e ser compreendido pelos outros, expressar as suas ideias, sentimentos, experiências e desejos.

 Enriquecer e diversificar as suas possibilidades expressivas mediante a utilização dos recursos e meios ao seu alcance, assim como apreciar diferentes manifestações artísticas próprias da sua idade.

 Participar nos diferentes grupos com que se relaciona no decurso das diversas actividades, tomando progressivamente em consideração os outros.

 Conhecer e vivificar as normas e modos de comportamento social dos grupos a que pertence, de forma a estabelecer vínculos afectivos e equilibrados da relação interpessoal, identificando a diversidade de relações que mantém com os outros.

 Saber orientar-se e actuar autonomamente nos espaços quotidianos, sabendo utilizar adequadamente os termos básicos relativos à organização do tempo e espaço em relação às suas experiências periódicas habituais

.

2.1.2 - Área do conhecimento do mundo

 Conhecer o meio envolvente onde se desenvolve a sua vida quotidiana.

 Observar os espaços habituais onde vive e compreender a organização do tempo e do espaço, de forma a poder ser autónoma nesses mesmos espaços.

 Observar as mudanças e transformações do meio ambiente, identificando alguns dos factos que influem sobre elas.

 Observar e compreender as necessidades e cuidados de plantas e animais – os seres vivos.

 Adquirir hábitos de ordem, limpeza e conservação do meio ambiente.

(9)

 Promover uma atitude crítica e participativa na observação e experimentação de algumas experiências vividas pela criança, valorizando desse modo uma atitude científica

2.1.3 - Área da Expressão e Comunicação

Domínio das Expressões Expressão Motora

 Desenvolver e vivenciar formas de utilizar e sentir o corpo – trepar, correr e outras formas de locomoção, bem como deslizar, baloiçar, rodopiar etc.

 Desenvolver a expressão motora global utilizando materiais e espaços próprios apetrechados para a prática da actividade (ginásios, aparelhos, material de ginástica etc.).

 Conhecer, interiorizar e vivificar o esquema corporal.

 Favorecer uma adequada lateralização.

 Desenvolver a coordenação e dinâmica geral.

 Adquirir uma correcta percepção e estruturação espacial.

 Desenvolver a motricidade fina relacionando-se com a utilização dos diferentes segmentos corporais – manipulando os diversos objectos do seu quotidiano.

 Adquirir uma adequada organização e estruturação temporal

Expressão Dramática

 Vivenciar situações de jogo simbólico através do corpo como forma de representar e de se apropriar de situações sociais.

 Desenvolver a actividade dramática, descobrindo formas de representar através do corpo (mímica, representação de papéis, etc.).

 Desenvolver actividades na área da expressão dramática utilizando vários recursos e materiais (fantoches, sombras chinesas, adereços, máscaras, etc.).

Expressão Plástica

 Desenvolver formas de expressão: pintura, desenho, digitinta, rasgagem, modelagem, corte e colagem, diversificando as técnicas e os materiais potencializando a criatividade e a imaginação.

 Desenvolver o espírito crítico e a sensibilidade estética, observando e falando sobre as suas produções e as dos outros.

 Tomar contacto com diferentes formas de manifestação artística, conhecendo obras de pintores, escultores etc.

(10)

Expressão Musical

 Explorar sons e ritmos

 Identificar e produzir sons: intensidade, altura, timbre, duração.

 Desenvolver a capacidade de reproduzir mentalmente fragmentos sonoros.

 Identificar e produzir sons da natureza e da vida corrente.

 Utilizar alguns instrumentos musicais.

 Desenvolver o gosto por cantar enriquecendo a produção de diferentes formas de ritmo.

 Usar a dança como forma de ritmo produzido pelo corpo.

Desenvolver a sensibilidade estética no domínio musical, ouvindo vários tipos de sons e músicas

Área da Linguagem e Abordagem à escrita

 Desenvolver a capacidade de comunicação oral expressiva.

 Desenvolver a consciência fonológica (descriminar e articular os sons da língua).

 Desenvolver a complexidade da construção frásica.

 Contactar com códigos simbólicos: pictográficos da vida corrente e criação de símbolos próprios de identificação.

 Contacto com diversos tipos de textos escritos (informativos, jornal, livros, etc.).

 Desenvolver formas de interpretação como forma de “leitura” (gravuras, banda

desenhada, fotografia, etc.).

 Desenvolver a apropriação da especificidade do código escrito, contactando de forma lúdica com letras, números, palavras, frases etc..

 Reproduzir e inventar histórias.

 Desenvolver a capacidade de escutar e saber intervir a seu tempo.

 Aprender rimas, lengalengas, trava-línguas, poesias, adivinhas, canções.

 Contactar com as novas tecnologias da informação e comunicação, desenvolvendo a atitude crítica – educação para os media – introdução ao código informático – visionamento de vídeos.

 Desenvolver o gosto e o interesse pelo livro e pela palavra escrita.

Área da TIC

(11)

Área da Matemática

 Desenvolve o sentido do número e estabelecimento de relações numéricas (contagem, cálculo mental)

 Desenvolver conceitos geométricos e o raciocínio espacial.

 Manipular objectos aprendendo a diversidade das formas e as características dos objectos- seriar, classificar, agrupar de acordo com uma ou várias propriedades: tamanhos, formas, cores ou outros atributos.

 Desenvolver noções de quantidade: grandeza, peso, de propriedades e relações entre objectos – agrupamentos tendo em conta semelhanças e diferenças.

 Observar e tomar consciência do tempo – calendários, relógios, ampulhetas etc..

 Vivenciar e experimentar situações de deslocação no espaço, do próprio corpo e de objectos, verbalizando as acções através da representação gestual ou gráfica.

 Tomar contacto, de forma lúdica, com medidas de capacidade (brincadeiras com água etc.).

 Tomar contacto, de forma lúdica, com medições (altura dos meninos, etc.).

 Desenvolver o conceito numérico.

2.2 Competências gerais do 1º Ciclo

3.1

Competências gerais a desenvolver nos alunos:

 Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas do quotidiano.

 Usar adequadamente linguagens das diferentes áreas escolares do saber cultural, científico e tecnológico para se expressar.

 Usar correctamente a língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar pensamento próprio.

 Usar línguas estrangeiras para comunicar em situações do quotidiano e para apropriação de informação.

 Adoptar metodologias personalizadas de trabalho e de aprendizagens adequadas a objectivos visados.

 Pesquisar, seleccionar e organizar informação para a transformar em conhecimento mobilizável.

 Adoptar estratégias adequadas à resolução de problemas e à tomada de decisões.

 Realizar actividades de forma autónoma, responsável e criativa.

 Cooperar com os outros em tarefas e projectos comuns.

(12)

2.3 Competências específicas por área, no 1.º Ciclo.

Português

Introdução

“A língua materna é um importante factor de identidade nacional e cultural.

No espaço nacional, o Português é a língua oficial, a língua de escolarização, a língua materna da esmagadora maioria da população escolar e a língua de acolhimento das minorias linguísticas que vivem no País. Por isso, o domínio da língua portuguesa é decisivo no desenvolvimento individual, no acesso ao conhecimento, no

relacionamento social, no sucesso escolar e profissional e no exercício pleno da cidadania.In Currículo Nacional do Ensino Básico

Competências específicas

“Na disciplina de Língua Portuguesa, é necessário garantir a cada aluno, em cada ciclo

de escolaridade, o desenvolvimento de competências específicas no domínio do modo oral (compreensão e expressão oral), do modo escrito (leitura e expressão escrita) e do conhecimento explícito da língua.” (…) “No desenvolvimento de cada uma das

competências específicas é indispensável estabelecer com clareza metas de desenvolvimento por ciclo de escolaridade (e não por ano de escolaridade), assegurando, simultaneamente, a continuidade do processo ao longo dos três ciclos da

educação básica.” In Currículo Nacional do Ensino Básico

Competências Específicas do Português no 1.º Ciclo

Compreensão do oral

Alargamento da compreensão a discursos em diferentes variedades do Português, incluindo o Português padrão

 Capacidade de extrair e reter a informação essencial de discursos em diferentes variedades do Português, incluindo o Português padrão.

 Familiaridade com o vocabulário e as estruturas gramaticais de variedades do Português e conhecimento de chaves linguísticas e não linguísticas para a identificação de objectivos comunicativos.

Expressão oral

Alargamento da expressão oral em Português padrão

 Capacidade de se exprimir de forma confiante, clara e audível, com adequação ao contexto e ao objectivo comunicativo.

(13)

Leitura

Aprendizagem dos mecanismos básicos de extracção de significado do material escrito

 Capacidade para decifrar de forma automática cadeias grafemáticas, para localizar informação em material escrito e para apreender o significado global de um texto curto.

 Conhecimento de estratégias básicas para a decifração automática de cadeias grafemáticas e para a extracção de informação de material escrito

Expressão escrita

Domínio das técnicas instrumentais da escrita

 Capacidade para produzir textos escritos com diferentes objectivos comunicativos

 Conhecimento de técnicas básicas de organização textual

Conhecimento explícito

Desenvolvimento da consciência linguística com objectivos instrumentais

 Capacidade de usar o conhecimento da língua como instrumento na aprendizagem da leitura e da escrita

 Conhecimento de paradigmas flexionais e de regras gramaticais básicas

Língua Estrangeira

Introdução

“O percurso na aprendizagem de línguas estrangeiras ao longo do ensino básico requer

modelos integradores das aprendizagens essenciais previstas para cada um dos ciclos. Assim, considera-se fundamental criar condições para que o aprendente possa, nesse percurso, ir construindo uma competência que, progressivamente, o estimule a implicar-se, com renovada confiança, em cada etapa.

No 1.º ciclo, as competências cujo desenvolvimento se considerou adequado a esta fase determinam que o processo de ensino se centre na promoção de uma relação afectiva com a língua estrangeira. A sensibilização à diversidade linguística e cultural exige que aos aprendentes sejam dadas oportunidades de se envolverem em tarefas e actos comunicativos que lhes proporcionem vivências estimulantes.” In Currículo Nacional do Ensino Básico

Competências específicas

Sensibilização à diversidade linguística e cultural

(14)

Agir e comunicar

A promoção de uma relação positiva com a iniciação à(s) língua(s) estrangeira(s) deverá ser sustentada por uma dinâmica interactiva a nível do agir e do comunicar. A criação de condições para que os aprendentes se impliquem na execução de determinadas tarefas favorecerá a emergência de necessidades e de actos comunicativos e o uso das diversas linguagens. O uso da língua permitir-lhes-á agir e a acção estimulará os desempenhos verbais.

Matemática

Introdução

“A matemática constitui um património cultural da humanidade e um modo de pensar.

A sua apropriação

é um direito de todos. Todas as crianças e jovens devem ter possibilidade de:

• Contactar, a um nível apropriado, com as ideias e os métodos fundamentais da

matemática e apreciar o seu valor e a sua natureza;

• Desenvolver a capacidade de usar a matemática para analisar e resolver situações

problemáticas, para raciocinar e comunicar, assim como a auto-confiança necessária para fazê-lo.” In Currículo Nacional do Ensino Básico

A matemática apresenta-se dividida em quatro grandes domínios temáticos: Números e Cálculo; Geometria; Estatística e Probabilidades; Álgebra e Funções, esta divisão tem como objectivo tornar a Matemática mais inteligível e de mais simples articulação.

Competências Específicas Números e Cálculo

 A compreensão do sistema de numeração de posição e do modo como este se relaciona com os algoritmos das quatro operações;

 O reconhecimento dos números inteiros e decimais e de formas diferentes de os representar e relacionar, bem como a aptidão para usar as propriedades das operações em situações concretas, em especial quando aquelas facilitam a realização de cálculos.

Geometria

 O reconhecimento de formas geométricas simples, bem como a aptidão para descrever figuras geométricas e para completar e inventar padrões;

 A aptidão para realizar construções geométricas simples, assim como para identificar propriedades de figuras geométricas;

(15)

Estatística e Probabilidades

 A predisposição para recolher e organizar dados relativos a uma situação ou a um fenómeno e para os representar de modos adequados, nomeadamente através de tabelas e gráficos e utilizando as novas tecnologias;

 A aptidão para ler e interpretar tabelas e gráficos à luz das situações a que dizem respeito e para comunicar os resultados das interpretações feitas;

Álgebra e Funções

 A predisposição para procurar padrões e regularidades e para formular generalizações em situações diversas, nomeadamente em contextos numéricos e geométricos;

 A aptidão para analisar as relações numéricas de uma situação, explicitá-las em linguagem corrente e representá-las através de diferentes processos, incluindo o uso de símbolos;

 A aptidão para construir e interpretar tabelas de valores, gráficos, regras verbais e outros processos que traduzam relações entre variáveis, assim como para passar de umas formas de representação para outras, recorrendo ou não a instrumentos tecnológicos;

 A aptidão para concretizar, em casos particulares, relações entre variáveis e fórmulas e para procurar soluções de equações simples;

Estudo do Meio

Introdução

“O Meio pode ser entendido como um conjunto de elementos, fenómenos,

acontecimentos, factores e ou processos de diversa índole que ocorrem no meio envolvente e no qual a vida e a acção das pessoas têm lugar e adquirem significado. O Meio desempenha um papel condicionante e determinante na vida, experiência e actividade humanas, ao mesmo tempo que sofre transformações contínuas como resultado dessa mesma actividade.

Nesta perspectiva, o conhecimento do Meio deverá partir da observação e análise dos fenómenos, dos factos e das situações que permitam uma melhor compreensão dos mesmos e que conduzam à intervenção crítica no Meio. Intervir criticamente significa ser capaz de analisar e conhecer as condições e as situações em que somos afectados pelo que acontece no Meio e significa também intervir no sentido de o modificar, o que

implica processos de participação, defesa, respeito, etc.” In Currículo Nacional do

Ensino Básico

Competências específicas

(16)

 Participa em actividades de grupo, adoptando um comportamento construtivo, responsável e solidário, valoriza os contributos de cada um em função de objectivos comuns e respeita os princípios básicos do funcionamento democrático;

 Exprime, fundamenta e discute ideias pessoais sobre fenómenos e problemas do meio físico e social com vista a uma aprendizagem cooperativa e solidária;  Utiliza formas variadas de comunicação escrita, oral e gráfica e aplica técnicas

elementares de pesquisa, organização e tratamento de dados;

 Participa em actividades lúdicas de investigação e descoberta e utiliza processos científicos na realização de actividades experimentais;

 Identifica os principais elementos do meio físico e natural, analisa e compreende as suas características mais relevantes e o modo como se organizam e interagem, tendo em vista a evolução das ideias pessoais na compreensão do meio envolvente;

 Reconhece as mudanças e transformações no homem e na sociedade e através desse conhecimento interpreta e compreende diferentes momentos históricos;  Analisa criticamente algumas manifestações de intervenção humana no Meio e

adopta um comportamento de defesa e conservação do património cultural próximo e de recuperação do equilíbrio ecológico;

 Preserva a saúde e segurança do seu corpo de acordo com o conhecimento que tem das suas potencialidades e limitações e respeita e aceita as diferenças individuais (idade, sexo, raça, cor, personalidade...);

 Concebe e constrói instrumentos simples, utilizando o conhecimento das propriedades elementares de alguns materiais, substâncias e objectos;

 Identifica alguns objectos e recursos tecnológicos, reconhece a sua importância na satisfação de determinadas necessidades humanas e adopta uma postura favorável ao seu desenvolvimento;

 Identifica, compara e relaciona as principais características do Meio Físico e do Meio Social;

 Integra as noções de espaço e de tempo em torno de situações concretas do passado próximo;

 Identifica alguns elementos relativos à História e Geografia de Portugal;

 Aplica, na abordagem da realidade física e social, técnicas elementares de pesquisa, utilizando técnicas simples de comunicação;

 Reconhece e valoriza expressões do património histórico e cultural próximo;  Manifesta respeito por outros povos e culturas.

Ser capaz de:

 Comparar representações diversas da Terra, utilizando imagens de satélite, fotografias aéreas, globos e mapas;

(17)

 Localizar o lugar onde vive, outros lugares, Portugal, continentes e oceanos, completando mapas;

 Descrever a localização relativa dos elementos naturais e humanos da paisagem, utilizando a posição do observador como elemento de referência;

 Localizar os elementos físicos e humanos da paisagem, utilizando os rumos da rosa - dos - ventos

(N.; S.; E.; O.).

 Utilizar o vocabulário geográfico em descrições escritas e orais de lugares e regiões;

 Formular questões geográficas simples (ex: Onde se localiza? Como se distribui? Por que se localiza ou distribui deste modo? Sempre se localizaram ou distribuíram do mesmo modo?) para conhecer e compreender o lugar onde vive;  Recolher informação sobre o território português, europeu e mundial, utilizando

programas de televisão, filmes vídeo, CD-ROM, Internet, enciclopédias, livros e fotografias;

 Utilizar formas variadas de comunicação escrita, oral e gráfica (ex. textos, desenhos, colagens, maquetas simples e mapas) para apresentar a informação geográfica recolhida;

 Reconhecer os aspectos naturais e humanos do meio, recorrendo à observação directa e à realização de actividades práticas e trabalho de campo no meio envolvente à escola;

 Entender semelhanças e diferenças entre lugares, observando diversas formas de ocupação e uso da superfície terrestre.

 Entender como as pessoas podem actuar face às características físicas do território, utilizando histórias reais ou imaginárias, relatos orais de viagens apoiados por fotografias ou filmes, entrevistas com familiares e ou elementos da comunidade;

 Entender o modo como os movimentos de pessoas, bens, serviços e ideias entre diferentes territórios têm implicações importantes para as áreas de partida e de chegada, realizando entrevistas e ou conversando sobre histórias, filmes e fotografias;

 Expressar opiniões sobre características positivas e negativas do meio, sugerindo acções concretas e viáveis que contribuam para melhorar e tornar mais atractivo o ambiente onde os alunos vivem;

 Desenvolver o sentido de pertença e responsabilidade em relação à área de residência, participando em actividades de trabalho de campo na localidade da escola, contactando entidades públicas e associativas de nível local.

 Conhecimento da posição da Terra no espaço, relativamente a outros corpos celestes;

 Compreensão das razões da existência de dia e noite e das estações do ano;  Utilização de alguns processos de orientação como forma de se localizar e

deslocar na Terra;

 Análise de evidências na explicação científica da forma da Terra e das fases da Lua;

 Reconhecimento da importância da Ciência e da Tecnologia na observação de fenómenos.

 Observação da multiplicidade de formas, características e transformações que ocorrem nos seres vivos e nos materiais.

(18)

 Realização de registos e de medições simples, utilizando instrumentos e unidades adequados.

 Reconhecimento da existência de semelhanças e diferenças entre seres vivos, entre rochas e entre solos e da necessidade da sua classificação.

 Explicação de alguns fenómenos com base nas propriedades dos materiais.  Reconhecimento da utilização dos recursos nas diversas actividades humanas.  Reconhecimento do papel desempenhado pela indústria na obtenção e

transformação dos recursos.

 Conhecimento da existência de objectos tecnológicos, relacionando-os com a sua utilização, em casa e em actividades económicas.

 Realização de actividades experimentais simples, para identificação de algumas propriedades dos materiais, relacionando-os com as suas aplicações.

 Reconhecimento que os desequilíbrios podem levar ao esgotamento dos recursos, à extinção das espécies e à destruição do ambiente.

 Conhecimento das modificações que se vão operando com o crescimento e envelhecimento, relacionando-as com os principais estádios do ciclo de vida humana.

 Identificação dos processos vitais comuns a seres vivos dependentes do funcionamento de sistemas orgânicos.

 Reconhecimento de que a sobrevivência e o bem-estar humano dependem de hábitos individuais de alimentação equilibrada, de higiene e de actividade física, e de regras de segurança e de prevenção.

 Realização de actividades experimentais simples sobre electricidade e magnetismo.

 Discussão sobre a importância de procurar soluções individuais e colectivas visando a qualidade de vida.

Educação Artística

Introdução

“As artes são elementos indispensáveis no desenvolvimento da expressão pessoal, social

e cultural do aluno. São formas de saber que articulam imaginação, razão e emoção. Elas perpassam as vidas das pessoas, trazendo novas perspectivas, formas e densidades ao ambiente e à sociedade em que se vive.

A vivência artística influencia o modo como se aprende, como se comunica e como se interpretam os significados do quotidiano. Desta forma, contribui para o desenvolvimento de diferentes competências e reflecte-se no modo como se pensa, no que se pensa e no que se produz com o pensamento.

As artes permitem participar em desafios colectivos e pessoais que contribuem para a construção da identidade pessoal e social, exprimem e enformam a identidade nacional, permitem o entendimento das tradições de outras culturas e são uma área de eleição no âmbito da aprendizagem ao longo da vida.” In Currículo Nacional do Ensino Básico

A educação artística no ensino básico desenvolve-se, maioritariamente, através de quatro grandes áreas artísticas:

• Expressão Plástica e Educação Visual; • Expressão e Educação Musical; • Expressão Dramática/Teatro;

(19)

Expressão Plástica e Educação Visual

“A Educação Visual constitui-se como uma área de saber que se situa na interface da

comunicação e da cultura dos indivíduos tornando-se necessária à organização de situações de aprendizagem, formais e não formais, para a apreensão dos elementos disponíveis no Universo Visual. Desenvolver o poder de discriminação em relação às formas e cores, sentir a composição de uma obra, tornar-se capaz de identificar, de analisar criticamente o que está representado e de agir plasticamente são modos de estruturar o pensamento inerentes à intencionalidade da Educação Visual como

educação do olhar e do ver.” In Currículo Nacional do Ensino Básico

Competências Específicas

 Experimentar a leitura de formas visuais em diversos contextos – pintura, escultura, fotografia, cartaz, banda desenhada, televisão, vídeo, cinema e Internet;

 Ilustrar visualmente temas e situações;

 Explorar a relação imagem -texto na construção de narrativas visuais;  Identificar e utilizar códigos visuais e sistemas de sinais;

 Reconhecer processos de representação gráfica convencional.

 Reconhecer o seu corpo e explorar a representação da figura humana.

 Identificar vários tipos de espaço: vivencial, pictórico, escultórico, arquitectónico, virtual e cenográfico.

 Reconhecer e experimentar representações bidimensionais e tridimensionais.  Exprimir graficamente a relatividade de posições dos objectos representados nos

registos bidimensionais.

 Compreender que a forma aparente dos objectos varia com o ponto de vista.  Relacionar as formas naturais e construídas com as suas funções e os materiais

que as constituem.

 Perceber que a mistura das cores gera novas cores.

 Reconhecer a existência de pigmentos de origem natural e sintética.

 Conhecer e aplicar os elementos visuais – linha, cor, textura, forma, plano, luz, volume – e a sua relação com as imagens disponíveis no património artístico, cultural e natural.

 Criar formas a partir da sua imaginação utilizando intencionalmente os elementos visuais.

(20)

Música

“A música é um elemento importante na construção de outros olhares e sentidos, em

relação ao saber e às competências, sempre individuais e transitórias, porque se situa entre pólos aparentemente opostos e contraditórios, entre razão e intuição, racionalidade e emoção, simplicidade e complexidade, entre passado, presente e futuro.

As competências artístico-musicais desenvolvem-se através de processos diversificados de apropriação de sentidos, de técnicas, de experiências de reprodução, de criação e

reflexão, de acordo com os níveis de desenvolvimento das crianças e dos jovens.” In

Currículo Nacional do Ensino Básico

Competências Específicas

 Cantar as suas músicas e as dos outros, utilizando diversas técnicas vocais simples.

 Tocar as suas músicas e as dos outros, utilizando instrumentos acústicos, electrónicos, convencionais e não convencionais.

 Explorar diferentes códigos e convenções musicais na música gravada e ao vivo

 Explorar diferentes códigos e convenções musicais na música gravada e ao vivo.  Responder a conceitos, códigos e convenções musicais na música gravada e ao

vivo.

 Seleccionar e organiza diferentes tipos de materiais sonoros para expressar determinadas ideias, sentimentos e atmosferas utilizando estruturas e recursos técnico-artísticos elementares, partindo da sua experiência e imaginação.

 Explora ideias sonoras e musicais partindo de determinados estímulos e temáticas.

 Regista em suportes áudio as criações realizadas, para avaliação e aperfeiçoamento.

 Inventa, cria e regista pequenas composições e acompanhamentos simples com aumento progressivo de segurança, imaginação e controlo.

 Manipula conceitos, códigos, convenções e símbolos utilizando instrumentos acústicos e electrónicos, a voz e as Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) para a criação de pequenas peças musicais, partindo de determinadas formas e estruturas de organização sonora e musical.

 Explora e responde aos elementos básicos da música  Identifica e explora a qualidade dos sons.

 Explora e descreve técnicas simples de organização e estruturação sonora e musical.

 Identifica auditivamente mudanças rítmicas, melódicas e harmónicas.

 Utiliza vocabulário e simbologias simples e apropriadas para descrever e comparar diferentes tipos de sons e peças musicais de diferentes estilos e géneros.

(21)

 Identifica diferentes culturas musicais e os contextos onde se inserem.

 Produz material escrito, audiovisual e multimédia ou outro, utilizando vocabulário simples e apropriado.

Expressão Dramática/Teatro

Introdução

“A educação artística é essencial para o crescimento intelectual, social, físico e

emocional das crianças e jovens. Sendo a actividade dramática fortemente globalizadora, contemplando as dimensões plástica, sonora, da palavra e do movimento em acção, torna-se uma área privilegiada na educação artística.

A actividade dramática é uma prática de grupo que se desenvolve a partir dos conhecimentos, experiências e vivências individuais que os alunos detêm e que pode propiciar a aquisição e compreensão de novas aprendizagens através da exploração de conteúdos dramáticos. Isto confere-lhe um estatuto privilegiado de elo de ligação entre a escola, a família e o meio, condição essencial para que a aprendizagem ganhe novos sentidos e se reflicta no prazer de aprender.” In Currículo Nacional do Ensino Básico

Competências Específicas

 Relacionar-se e comunicar com os outros.  Explorar diferentes formas e atitudes corporais.

 Explorar maneiras pessoais de desenvolver o movimento.  Explorar diferentes tipos de emissão sonora.

 Aliar gestos e movimentos ao som.  Reconhecer e reproduzir sonoridades.

 Explorar, individual e colectivamente, diferentes níveis e direcções no espaço.  Utilizar, recriar e adaptar o espaço circundante.

 Orientar-se no espaço através de referências visuais, auditivas e tácteis.  Utilizar e transformar o objecto, através da imaginação.

 Explorar o uso de máscaras, fantoches e marionetas.  Mimar atitudes, gestos e acções.

 Realizar improvisações e dramatizações a partir de histórias ou situações simples.

 Participar na criação oral de histórias.

(22)

Educação Tecnológica

Introdução

A educação tecnológica deverá concretizar-se através do desenvolvimento e aquisição de competências, numa sequência progressiva de aprendizagens ao longo da escolaridade básica, tendo como referência o pensamento e a acção perspectivando o acesso à cultura tecnológica. Essas aprendizagens deverão integrar saberes comuns a outras áreas curriculares e desencadear novas situações para as quais os alunos mobilizam, transferem e aplicam os conhecimentos adquiridos gradualmente.

A educação tecnológica orienta-se, na educação básica, para a promoção da cidadania, valorizando os múltiplos papéis do cidadão utilizador, através de competências transferíveis, válidas em diferentes situações e contextos. Referimo-nos às competências do utilizador individual, aquele que sabe fazer, que usa a tecnologia no seu quotidiano, às competências do utilizador profissional, que interage entre a tecnologia e o mundo do trabalho, que possui alfabetização tecnológica e às competências do utilizador social, implicado nas interacções tecnologia/sociedade, que dispõe de competências que lhe permitem compreender e participar nas escolhas dos projectos tecnológicos, tomar

decisões e agir socialmente, como cidadão participativo e crítico.” In Currículo

Nacional do Ensino Básico

Competências específicas

 Desenvolver a sensibilidade para observar e entender alguns efeitos produzidos pela tecnologia na sociedade e no ambiente;

 Procurar descobrir algumas razões que levam a sociedade a aperfeiçoar e a criar novas tecnologias;

 Compreender actividades tecnológicas simples e saberes técnicos, de acordo com a sua idade e maturidade;

 Identificar algumas profissões do mundo contemporâneo;

 Relacionar objectos, ferramentas e actividades com as profissões identificadas.  Analisar e comparar objectos de uso diário, antigos e contemporâneos;

 Descrever alguns objectos e sistemas simples que fazem parte do mundo tecnológico e tentar

 Compreender a sua relação com as necessidades do homem;  Reconhecer a importância de não desperdiçar bens essenciais;

 Distinguir alguns materiais utilizados na protecção dos objectos de consumo diário;

 Utilizar materiais reciclados e reciclar outros (papéis, cartões).

 Descrever oralmente um objecto do seu envolvimento, a partir da observação directa,

 Relacionar os objectos de uso diário com as funções a que se destinam.  Reconhecer os materiais de que são feitos os objectos.

(23)

 Observar o meio social envolvente, identificando situações ou problemas que afectam a vida diária das pessoas.

 Identificar no meio próximo actividades produtivas de bens e serviços.  Desenvolver ideias e propor soluções para a resolução de problemas.

 Identificar as principais acções a realizar e os recursos necessários para a construção de um objecto simples.

 Ler e interpretar esquemas gráficos elementares de montagem de objectos (brinquedos, modelos reduzidos, etc.).

 Identificar estruturas nas "coisas naturais" (o tronco da árvore, o esqueleto dos homens e animais, etc.) e nos artefactos construídos pelo homem (pontes, andaimes, edifícios, gruas, pernas de uma mesa ou de uma cadeira, etc.).

 Reconhecer e identificar a presença de estruturas resistentes no meio próximo.  Construir pequenas estruturas através de meios e processos técnicos muito

simples (tubos de papel, perfis de cartolina ou cartão, utilização de embalagens, etc.).

 Ensaiar e experimentar a resistência de pequenas estruturas concebidas com essa finalidade.

 Identificar o movimento em objectos simples comuns no quotidiano.  Realizar um inventário de mecanismos presentes na vida diária.  Descrever o tipo e a função do movimento em objectos comuns.

 Identificar as partes fixas e as partes móveis em objectos do mundo próximo.  Dominar as noções de transmissão e de transformação de movimento.

 Montar e desmontar as partes fixas e móveis de objectos simples.  Compreender o conceito de material combustível e energético.  Enumerar objectos eléctricos utilizados no quotidiano das pessoas.

 Reconhecer e identificar, no espaço público, objectos que funcionam com electricidade.

 Conhecer o esquema e o princípio de funcionamento de um circuito eléctrico.  Conhecer os elementos constituintes de um circuito eléctrico simples.

 Desmontar e montar objectos eléctricos simples (lanternas, brinquedos, etc.).  Conhecer as características e princípios de utilização de materiais condutores e

materiais isolantes.

 Identificar actos de comando em sistemas técnicos comuns.

 Identificar os elementos técnicos do comando, regulação e controlo de sistemas técnicos do quotidiano (em ambiente doméstico, na escola ou em espaços sociais),

(24)

 Conhecer a origem de alguns materiais básicos comuns.

 Identificar diversos materiais aplicados na construção de artefactos do quotidiano (um edifício, uma ponte, um automóvel, uma bicicleta, um lápis, um brinquedo, etc.),

 Reconhecer algumas características de materiais comuns: duro mole, rígido flexível, opaco transparente, rugoso macio, pesado leve, absorvente -repelente, etc..

 Predispor-se para compreender que a maioria dos materiais é comercializada após sucessivas fases de preparação, e não como se encontra na natureza.

 Conhecer as principais actividades tecnológicas, as profissões e algumas das características dos seus trabalhos.

 Identificar algumas das principais actividades produtivas da região.

 Predispor-se a valorizar as precauções de segurança nos processos de fabricação.  Realizar a construção de objectos simples utilizando processos e técnicas

elementares.

 Realizar medições simples.

 Observar e compreender o objecto como um conjunto de componentes ou partes que interagem entre si.

 Observar nos sistemas sociais do meio envolvente a interacção das partes que o constituem.

 Verificar e explicar o que pode acontecer se uma dada parte de um sistema deixa de funciona.

 Classificar e emparelhar objectos a partir das funções que desempenham num dado sistema.

Educação Física

Introdução

“A Educação Física, enquanto área curricular, estabelece um quadro de relações com as

que com ela partilham os contributos fundamentais para a formação dos alunos ao longo da escolaridade.

O essencial do valor pedagógico dessas relações reside nos aspectos particulares da Educação Física, materializado no conjunto de contributos e de riquezas patrimoniais específicas, que não podem ser promovidas por qualquer outra área ou disciplina do currículo escolar.

Trata-se, como em muitas outras facetas do desenvolvimento humano, da partilha geracional de um conjunto de aquisições socialmente relevantes, que se constituem como o património cultural, tendo como referente o corpo e a actividade física, na sua vertente de construção individual e colectiva e de relacionamento e integração na

(25)

“Assim a Educação Física apresenta um conjunto de finalidades na perspectiva da melhoria da qualidade de vida, da saúde e do bem-estar:

• Melhorar a aptidão física elevando as capacidades físicas de modo harmonioso e

adequado às necessidades de desenvolvimento do aluno;

• Promover a aprendizagem dos conhecimentos relativos aos processos de elevação e

manutenção das capacidades físicas;

• Assegurar a aprendizagem de um conjunto de matérias representativas das diferentes

actividades físicas, promovendo o desenvolvimento multilateral e harmonioso do aluno, através da prática de:

• As actividades físicas desportivas nas suas dimensões técnica, táctica, regulamentar e

organizativa;

• As actividades físicas expressivas (danças), nas suas dimensões técnica, de

composição e interpretação.” In Programas Nacionais de Educação Física

3. Competências a desenvolver transversalmente

3.1

-

Segundo e terceiro ciclos

Face ao diagnóstico das características e necessidades da nossa população escolar, as competências a desenvolver transversalmente ao longo dos dois ciclos de escolaridade são as seguintes:

Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas do quotidiano.

Usar adequadamente linguagens das diferentes áreas do saber cultural, científico e tecnológico para se expressar.

Usar correctamente a língua portuguesa para comunicar de forma adequada e para estruturar o pensamento próprio.

Para que os princípios orientadores do projecto curricular de escola possam nortear o desenvolvimento curricular e actividades afins na prática quotidiana desta escola, torna-se necessário adoptar:

Metodologias personalizadas de trabalho e de aprendizagem adequadas; Estratégias adequadas à resolução de problemas e à tomada de decisões; Formas de cooperação com outros em tarefas e projectos comuns.

3.2 - Segundo ciclo

No 2º ciclo considera-se prioritário o desenvolvimento do relacionamento interpessoal e de grupo (conhecimento e actuação de acordo com as normas, regras e critérios de actuação pertinente, convivência, trabalho, responsabilização e sentido ético definidos no projecto educativo/cultural e no regulamento interno) e de :

métodos de trabalho e de estudo, nomeadamente em contextos onde sejam desenvolvidas actividades e aprendizagens, individuais e colectivas, de acordo com regras estabelecidas;

(26)

3.3 - Terceiro ciclo

No 3º ciclo dá-se continuidade aos princípios orientadores do 2º ciclo e adquire relevância especial o seguinte:

mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e problemas do quotidiano.

No sentido deste princípio se traduzir no desenvolvimento curricular e atividades afins, torna-se necessário promover:

o tratamento da informação, em função das necessidades, problemas a resolver e dos contextos e situações nas suas diversas etapas ( pesquisar, organizar, tratar e produzir);

o desenvolvimento das estratégias cognitivas que permitam a identificação dos elementos constitutivos das situações problemáticas, a escolha e a aplicação de estratégias de resolução bem como a explicitação, o debate e a avaliação das soluções encontradas em relação aos problemas e às estratégias adoptadas.

4 - Articulação das competências essenciais por ciclo

A listagem das competências essenciais consideradas fundamentais quer no final do 2º ciclo, quer no final do 3º, para o prosseguimento de estudos, tendo em conta as caraterísticas, necessidades e potencialidades dos nossos alunos, é da responsabilidade dos respetivos departamentos curriculares.

4.1- Português

2º CICLO

Compreensão oral

Saber ouvir pequenas narrativas e exposições informativas;

Seleccionar e reter o essencial do que ouve;

Compreender o discurso expositivo;

Distinguir diferentes géneros do oral: - diálogo, entrevista e inquérito.

Expressão oral

Falar de uma forma clara e audível;

Adequar o discurso ao objectivo comunicativo e a diferentes auditórios;

Formular perguntas com clareza, de forma adequada à situação e ao interlocutor e com pertinência relativamente ao assunto;

Formular pedidos, dar ordens e informações, tendo em conta a situação e o interlocutor;

Narrar situações vividas e imaginadas;

(27)

Leitura

Ler com clareza em voz alta;

Executar leitura silenciosa;

Identificar as ideias importantes de um texto e as relações entre as mesmas;

Identificar num texto a informação necessária à concretização de uma tarefa a realizar;

Expressão escrita

Escrever legivelmente, gerindo correctamente o espaço da página;

Escrever com correcção ortográfica palavras do vocabulário fundamental, usar os principais sinais de pontuação e as letras maiúsculas e assinalar a mudança de parágrafo;

Elaborar respostas curtas a perguntas em contexto escolar;

Responder a questionários com finalidades escolares;

Escrever histórias curtas e relatos de experiências pessoais;

Recontar histórias lidas ou ouvidas;

Respeitar as regras elementares de concordância (sujeito-verbo; nome-adjectivo-determinante).

Conhecimento explícito

Distinguir sílabas tónicas e átonas e identificar os elementos que as constituem;

Distinguir vogais e ditongos orais e nasais;

Explicitar regras ortográficas e de pontuação;

Identificar classes e subclasses de palavras (determinante, nome, adjectivo e verbo);

Reconhecer funções sintácticas (sujeito, predicado e complementos pedidos pelo verbo);

Distinguir frases simples de frases complexas;

Usar instrumentalmente dicionários.

Participação/cooperação Escutar os outros;

Intervir de forma adequada.

Sociabilidade

Relacionar-se com os outros sem causar situações de conflito.

Responsabilidade Ser pontual e assíduo;

Trazer os materiais necessários;

Manifestar hábitos de trabalho na escola;

Organizar/actualizar o caderno diário;

(28)

3º CICLO

Compreensão oral

Seguir e apreender o fio condutor de uma exposição;

Seleccionar do que ouve a informação necessária ao objectivo visado;

Reter a informação que lhe permita intervir construtivamente aquando do seguimento de uma discussão e de uma exposição;

Compreender géneros formais do oral, mantendo a atenção por períodos prolongados;

Identificar a intenção comunicativa do interlocutor: - informar vs. brincar, mentir,

troçar, ironizar, seduzir;

Sintonizar com o interlocutor a partir do vocabulário e da estrutura frásica que este utiliza;

Desfazer ambiguidades e deduzir sentidos implícitos, a partir de chaves linguísticas.

Expressão oral

Falar de uma forma clara e audível;

Utilizar Português padrão nas situações de interacção social que o exigem;

Formular perguntas com clareza, de forma adequada à situação e ao interlocutor e com pertinência relativamente ao assunto;

Narrar situações vividas e imaginadas;

Descrever cenas e objectos observados;

Fazer exposições orais com ou sem guião;

Usar vocabulário preciso e diversificado;

Exprimir pontos de vista, sumariar, argumentar, destacar unidades informativas relevantes de forma correcta e adequada.

Leitura

Ler com fluência, conservando em memória o significado do texto;

Ler textos cuja complexidade ou dimensão requeira alguma persistência;

Identificar as ideias importantes de um texto e as relações entre as mesmas;

Identificar num texto a informação necessária à concretização de uma tarefa a realizar;

Resumir um texto com objectivo de estudo;

Distinguir as formas naturais de literatura (narrativa, dramática e lírica).

Estabelecer relações temáticas entre textos;

Reconhecer valores culturais, estéticos, éticos, políticos e religiosos que perpassam nos textos.

Expressão escrita

Escrever com total correcção ortográfica, recorrendo, se necessário, a prontuários e correctores ortográficos e usar a pontuação de acordo com os objectivos visados;

Escrever textos com diversos objectivos (expor, comentar, questionar, convencer alguém de um ponto de vista);

Escrever textos narrativos subordinados a temas impostos ou por livre iniciativa;

Escrever cartas formais, tendo em conta o objectivo e o destinatário;

Resumir textos narrativos;

(29)

Escrever com correcção morfológica e sintáctica;

Usar frases complexas para exprimir sequências e relações;

Usar vocabulário variado e preciso, recorrendo, se necessário, a processos figurativos.

Conhecimento explícito

Ter um conhecimento sistemático das regras ortográficas e de pontuação;

Reconhecer funções sintácticas (sujeito, vocativo, predicado, complementos pedidos pelo verbo, atributo, complemento determinativo, complementos circunstanciais, predicativo do complemento directo e aposto);

Distinguir e identificar diferentes classes e subclasses de palavras;

Descobrir e identificar processos de inovação lexical;

Distinguir as diferentes espécies de orações subordinadas (consecutivas e concessivas; relativas restritivas);

Reconhecer alguns usos figurativos da linguagem (adjectivação, personificação, comparação, metáfora, enumeração, hipérbole, antítese e ironia);

Tomar consciência das propriedades de polissemia e de ambiguidade;

Descobrir e identificar processos fonéticos de supressão, acrescentamento e alteração de segmentos que actuam diacrónica e sincronicamente;

Usar instrumentalmente dicionários de verbos e gramáticas escolares.

Participação/cooperação Escutar os outros;

Intervir de forma adequada;

Colaborar nas actividades propostas;

Contribuir com o seu trabalho e as suas ideias para tarefas comuns.

Sociabilidade

Relacionar-se com os outros sem causar situações de conflito;

Respeitar as opiniões dos outros;

Aceitar as decisões do grupo, mesmo que sejam diferentes das suas;

Reconhecer o valor da posição colectiva.

Responsabilidade Ser pontual e assíduo;

Trazer os materiais necessários;

Manifestar hábitos de trabalho na escola;

Organizar/actualizar o caderno diário;

Cumprir o prazo de entrega de trabalhos;

Assumir as suas acções;

Reconhecer as consequências dos seus actos.

Autonomia

Ultrapassar as suas dificuldades sem a ajuda contínua de outras pessoas;

Intervir adequada e espontaneamente;

(30)

Espírito Crítico

Questionar situações concretas;

Expressar ideias próprias (simples e precisas) sobre pessoas, problemas...

Justificar, argumentando, os seus pontos de vista.

4.2 - Língua Estrangeira

Inglês

2º CICLO

Compreender (ouvir/ver/ler)

Identificar uma acção/tarefa a partir de instruções de execução simples.

Retirar informações em função de um objectivo preciso a partir de textos informativos, diálogos do quotidiano e mensagens telefónicas simples.

Identificar uma personagem, objecto, lugar, a partir da sua descrição feita de forma simplificada.

Identificar traços evidentes característicos da cultura inglesa, estabelecendo relações com a cultura portuguesa.

Ler com correcção e em voz alta.

Interagir (ouvir/falar/ler/escrever)

Participar em conversas simples no contexto das actividades da aula.

Auto-apresentar-se e apresentar outras pessoas, manter uma conversa telefónica (autêntica/simulada) a partir de tópicos e/ou elementos linguísticos simples.

Compreender/produzir mensagens simples, em situações de relação interpessoal e social (carta, postal, bilhete, convite) e preencher formulários também simplificados (ficha de identificação, de inscrição, de leitura).

Adequar comportamentos comunicativos simples à situação de comunicação, ao interlocutor, à intenção de comunicação, ao assunto, tendo em conta as características da sociedade e da cultura inglesas e as afinidades/diferenças entre a cultura portuguesa e a inglesa.

Produzir (falar/escrever)

Relatar episódios/acontecimentos da vida quotidiana a partir de tópicos e/ou elementos linguísticos simples.

Descrever, de forma muito simplificada, com o objectivo de dar a conhecer, objectos, lugares, personagens, com ou sem apoio visual ou linguístico.

Reproduzir/recriar textos narrativos (diálogos) e canções simples.

(31)

Conteúdos morfossintácticos

Identificar e aplicar a flexão nominal e adjectival regular.

Identificar e aplicar os determinantes (artigos, numerais, possessivos, demonstrativos) e os pronomes (pessoais e interrogativos what?, who?, how?, when?, what time?, where?, how many?).

Identificar e aplicar a flexão verbal (presente do indicativo, imperativo, infinitivo, gerúndio, present continuous, past simple, future simple) regular e irregular (be, there to be, have got, can e verbos da daily routine).

Aplicar advérbios, preposições e conjunções mais frequentes.

Aplicar a frase complexa (causal-because; conclusiva-so; adversativa-but; copulativa-and).

Atitudes e comportamentos

Participação/cooperação: intervir de forma adequada; colaborar nas actividades; escutar os outros.

Sociabilidade: dar-se bem com os outros; participar nas actividades extra-escolares.

Sentido da responsabilidade: ser assíduo e pontual; trazer os materiais necessários; organizar/actualizar o caderno diário; manifestar hábitos de trabalho; respeitar o material escolar e a limpeza da escola.

Autonomia: intervir espontaneamente; realizar tarefas sozinho.

3º CICLO

Compreender (ouvir/ver/ler)

Identificar uma acção/tarefa a partir de instruções de execução com crescente complexidade.

Retirar informações em função de um objectivo preciso a partir de textos informativos, diálogos do quotidiano e mensagens telefónicas com crescente complexidade.

Identificar uma personagem, objecto, lugar, a partir da sua descrição feita de forma bastante elaborada.

Identificar, numa narrativa não muito longa, transmitida oralmente ou por escrito, sequências de acontecimentos, momentos, personagens e lugares e suas características.

Identificar traços menos evidentes característicos da cultura inglesa, estabelecendo relações com a cultura portuguesa.

Ler com correcção e fluência, em voz alta.

Interagir (ouvir/falar/ler/escrever)

Participar em conversas e responder a inquéritos, sobre assuntos do quotidiano.

Participar em conversas no contexto das actividades da aula.

Auto-apresentar-se e apresentar outras pessoas, manter uma conversa telefónica (autêntica/simulada) e fazer uma entrevista (autêntica/simulada) a partir de tópicos e/ou elementos linguísticos com crescente complexidade.

Compreender/produzir mensagens bastante elaboradas, em situações de relação interpessoal e social (carta, postal, bilhete, convite) e preencher formulários (ficha de identificação, de inscrição, de leitura).

(32)

características da sociedade e da cultura inglesas e as afinidades/diferenças entre a cultura portuguesa e a inglesa.

Produzir (falar/escrever)

Relatar episódios/acontecimentos da vida quotidiana a partir de tópicos e/ou elementos linguísticos com crescente complexidade.

Descrever, de forma bastante elaborada, com o objectivo de dar a conhecer, objectos, lugares, personagens, com ou sem apoio visual ou linguístico.

Reproduzir/recriar lengalengas, adivinhas e canções.

Fazer o registo estruturado de informações recolhidas em fontes diversas e menos acessíveis.

Adequar comportamentos comunicativos com crescente complexidade, à situação de comunicação, ao interlocutor, à intenção de comunicação, ao assunto, tendo em conta as características da sociedade e da cultura inglesas e as afinidades/diferenças entre a cultura portuguesa e a inglesa.

Conteúdos morfossintácticos

Identificar e aplicar a flexão nominal e adjectival regular e irregular.

Identificar e aplicar os pronomes relativos, possessivos e interrogativos.

Identificar e aplicar diversas formas verbais.

Aplicar advérbios, preposições e conjunções mais frequentes.

Identificar tipos (declarativo, interrogativo, imperativo, exclamativo) e formas de frase (afirmativa, negativa, activa, passiva)

Aplicar a frase complexa (condicional I e II).

Identificar e aplicar o discurso directo e indirecto.

Atitudes e comportamentos

Participação/cooperação: intervir de forma adequada; colaborar nas actividades; escutar os outros.

Sociabilidade: dar-se bem com os outros; participar nas actividades extra-escolares.

Sentido da responsabilidade: ser assíduo e pontual; trazer os materiais necessários; organizar/actualizar o caderno diário; manifestar hábitos de trabalho; respeitar o material escolar e a limpeza da escola.

Autonomia: intervir espontaneamente; realizar tarefas sozinho.

Francês

3º CICLO

Compreender (ouvir/ver/ler)

Identificar uma acção/tarefa a partir de instruções de execução com alguma complexidade.

Retirar informações em função de um objectivo preciso a partir de textos informativos, diálogos do quotidiano e mensagens telefónicas com alguma complexidade.

Figure

Updating...

References