• Nenhum resultado encontrado

ADAIL MARCOS LIMA DA SILVA (UFCG)

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "ADAIL MARCOS LIMA DA SILVA (UFCG)"

Copied!
14
0
0

Texto

(1)

PONTO DE EQUILÍBRIO ECONÔMICO

SEGUNDO O RETORNO SOBRE O

CAPITAL PRÓPRIO SETORIAL:

CONTRIBUIÇÃO ÀS EXECUÇÕES DO

PLANEJAMENTO E DO CONTROLE DO

DESEMPENHO DAS EMPRESAS

ADAIL MARCOS LIMA DA SILVA (UFCG) adail.marcos@hotmail.com

Este trabalho tem por objetivo explicar a contribuição do ponto de equilíbrio econômico, aferido com o retorno sobre o capital próprio setorial, às execuções do planejamento e do controle do desempenho econômico das empresas. Sobre a metodoologia: trata-se de uma pesquisa do tipo explicativa, quanto ao objetivo; a técnica de pesquisa empregada refere-se à classificação bibliográfica. A versão do ponto de equilíbrio econômico derivada do retorno sobre o capital próprio setorial pode ser tratada por ponto de equilíbrio de mercado, devendo ser utilizada no esclarecimento do volume de vendas necessário à obtenção de um desempenho econômico semelhante à média verificada no mercado de atuação de uma empresa. Por exprimir uma referência primária às execuções do planejamento e do controle do desempenho econômico das organizações, a identificação do ponto de equilíbrio de mercado deve ser considerada obrigatória, assim como a do tradicional ponto de equilíbrio operacional, principalmente em se tratando de sociedades anônimas de capital aberto, onde as pressões oriundas do mercado de capitais - investidores e credores - exigem informações precisas acerca do potencial de cumprimento dos objetivos econômicos, expressos na remuneração do capital - juros ao passivo oneroso e dividendos aos proprietários - e na criação de riqueza - valor econômico agregado.

Palavras-chaves: Ponto de equilíbrio econômico, retorno sobre o capital próprio setorial, ponto de equilíbrio de mercado

(2)

2 1. Introdução

Na elaboração e no monitoramento do planejamento econômico das organizações a análise custo/volume/lucro contribui com a definição do nível de atividade mais adequado aos cumprimentos da remuneração do capital e da criação de riqueza. Tratado por ponto de equilíbrio econômico, o referido nível de atividade exprime o volume de vendas onde se dá por viável a execução de todos os objetivos econômicos das empresas – pagamento de juros, ao passivo oneroso, distribuição de lucros, aos proprietários, e formação de valor econômico agregado (ASSAF NETO, 2003; DAMODARAN, 2004).

A utilização da análise custo/volume/lucro no planejamento e no controle do desempenho, fundamentada na realização de simulações envolvendo valores variados ao volume de vendas, com base na observação igualmente diversificada aos valores da remuneração e da riqueza, exige a compreensão da participação do retorno sobre o capital próprio no processamento do ponto de equilíbrio econômico.

Por conter a remuneração dos proprietários e o resíduo encarregado da riqueza o retorno sobre o capital próprio é quem subsidia a construção do conjunto de projeções ao ponto de equilíbrio econômico: para cada valor especificado ao retorno sobre o capital próprio, existe um volume ideal de vendas a ser buscado.

Nos cumprimentos do planejamento e do controle da performance econômica uma empresa deve levar em consideração a expectativa de desempenho médio atrelada ao seu próprio setor de atuação, como forma de se ter por esclarecido o nível de atividade – vendas – capaz de torná-la equivalente à concorrência em termos de remuneração e de riqueza.

Ao aferir o ponto de equilíbrio econômico com o valor de mercado do retorno sobre o capital próprio, tem-se por constituído um nível de atividade capaz de encerrar o seguinte questionamento: caso uma empresa apresente pretensões de remuneração e de riqueza equivalentes às possibilidades de seu próprio setor de atuação, qual o patamar de vendas a ser alcançado?

Com base no exposto, este trabalho tem por objetivo esclarecer a contribuição do ponto de equilíbrio econômico processado com o retorno sobre o capital próprio setorial às execuções do planejamento e do controle do desempenho econômico das empresas.

O alcance do objetivo geral aludido considerou o ambiente fiscal das empresas adeptas ao regime do lucro real, justificando a compreensão dos objetivos específicos descritos a seguir: explicar a participação do retorno sobre o capital próprio na aferição do ponto de equilíbrio econômico das empresas brasileiras inseridas no regime fiscal do lucro real; apresentar os benefícios do ponto de equilíbrio econômico aferido com o retorno sobre o capital próprio setorial; demonstrar o processamento do ponto de equilíbrio econômico com o retorno sobre o capital próprio setorial.

O ponto de equilíbrio econômico aferido com o retorno sobre o capital próprio setorial deve ser tratado por ponto de equilíbrio de mercado, representando uma alternativa primária à elaboração de projeções ao desempenho por meio da análise custo/volume/lucro. Em função da capacidade de encerramento do questionamento anteriormente mencionado, a participação do ponto de equilíbrio de mercado no conjunto dos equilíbrios tratados na análise de custos deve ser compreendida como indispensável, assumindo o mesmo nível de relevância despendido ao tradicional ponto de equilíbrio operacional.

(3)

3 Para esclarecer a utilidade do ponto de equilíbrio de mercado, este trabalho encontra-se distribuído como segue: fundamentação teórica, contendo explanações referentes ao estudo do desempenho econômico e à participação da análise custo/volume/lucro no planejamento da remuneração da estrutura de capital e da criação de riqueza; metodologia, contemplando descrições quanto à abordagem, ao objetivo e aos procedimentos de coleta de dados; apresentação e análise dos resultados, onde constam a explicação e a demonstração prática da importância do processamento do ponto de equilíbrio econômico com o retorno sobre o capital próprio setorial.

2. Fundamentação Teórica 2.1 Desempenho Econômico

A qualidade do desempenho econômico de uma empresa deve ser averiguada a partir do encerramento de dois questionamentos:

 as fontes de financiamento, empenhadas na montagem da estrutura de capital, encontram-se devidamente remuneradas?

 após a remuneração das fontes de capital, tem-se por auferido um resíduo de lucro capaz de gerar riqueza equivalente ao patamar almejado?

Os questionamentos mencionados fazem alusão aos objetivos econômicos das empresas (ASSAF NETO, 2003; DAMODARAN, 2004): remuneração do capital e criação de riqueza. O objetivo econômico remuneração engloba os compromissos assumidos junto aos tipos de capital utilizados na implementação dos investimentos, exprimindo o pagamento pelo desfrute da liquidez proporcionada. O capital de origem onerosa, identificado no total do crédito contratado junto ao mercado financeiro, tem como remuneração o pagamento de juros (ASSAF NETO, 2006; 2009; ASSAF NETO; LIMA, 2009). O capital próprio pode ser remunerado através da distribuição de lucros, expressa no total de dividendos (DIV) pagos por uma organização (ASSAF NETO, 2009; ASSAF NETO; LIMA, 2009; DAMODARAN, 2002).

O objetivo econômico riqueza encontra-se fundamentado no conceito de lucro econômico, originalmente elaborado pelo economista Alfred Marshall – Principles of Economics, de 1890 (COSTANTINI, 2006; COPELAND; DOLGOFF, 2008): o valor do lucro líquido deve ser capaz de cumprir a remuneração dos proprietários, conforme o custo de oportunidade previamente definido, e de gerar um resíduo – o lucro econômico – suficiente à concretização da expansão do valor de mercado da própria empresa. Assim sendo, a criação de riqueza sugere o recrudescimento do valor de mercado de uma organização por meio da formação de lucro econômico (MARTINS, 2000) – igualmente tratado por lucro residual, seu tratamento mais comum refere-se ao conceito de valor econômico agregado (EVA, economic value added).

Para analisar o desempenho econômico das empresas são empregados diversos indicadores de lucratividade e de rentabilidade, destacando-se o retorno sobre o investimento (ROI, return on investment). O ROI divulga a fração do investimento (INV) reproduzida pelo lucro operacional e empregada no esclarecimento da intensidade com a qual os objetivos econômicos foram cumpridos. A fórmula 01 apresenta a versão de cálculo do ROI mais adequada à compreensão de sua responsabilidade no alcance dos objetivos econômicos, onde:

kd, custo da dívida onerosa – exprime a remuneração do capital contratado no mercado

(4)

4 contribuição social, justificando as participações das alíquotas %IR e %CS (ASSAF NETO, 2006; 2009; ASSAF NETO; LIMA, 2009; BRIGHAM; EHRHARDT, 2007);

ke, custo do capital próprio – divulga a remuneração dos proprietários (COSTANTINI,

2006; DAMODARAN, 2004; WHITE; SONDHI; FRIED, 2003);

RROE, resíduo ou spread do retorno sobre o capital próprio (ROE, return on equity) – apregoa a parcela da rentabilidade alcançada sobre o capital próprio desvinculada da remuneração, sinalizando a fração do patrimônio líquido (PL) reproduzida pelo lucro líquido e destinada à formação do EVA (COSTANTINI, 2006; KASSAI; KASSAI; ASSAF NETO, 2002);

wi e we, participações da dívida onerosa e do capital próprio no total do INV –

respectivamente.

d e e e

d 1 %IR %CS w k w RROE w

k

ROI         (01)

Para visualizar os valores das remunerações efetuadas: o valor do DIV pode ser extraído do produto entre o ke e o PL, como ilustra a fórmula 02; o valor da despesa onerosa (DON),

despesa total resultante da contratação do crédito oneroso – juros, encargos operacionais (tarifas diretas e indiretas vinculadas à contratação de empréstimos e financiamentos) e encargos fiscais (imposto sobre operações financeiras) –, pode ser encontrada a partir do produto envolvendo o kd e o passivo oneroso (PO), segundo a fórmula 03.

PL k DIVe (02) PO k DONd (03)

Para visualizar o valor da riqueza, expressa no EVA, pode ser aplicada a formulação financeira do RROE (KASSAI; KASSAI; ASSAF NETO, 2002): produto entre o RROE e o PL, como mostra a fórmula 04.

PL RROE

EVA   (04)

Portanto, a qualidade do desempenho econômico das empresas deve ser aferida com base no estudo da relação entre os valores planejados e executados aos objetivos identificados na DON, no DIV e no EVA.

2.2 Análise Custo/Volume/Lucro e Planejamento do Desempenho Econômico

Tradicionalmente, a análise custo/volume/lucro tem sua definição atrelada à estimação de níveis de atividade encarregados de prover equivalências entre receitas de vendas e dispêndios de ordem diversificada (HANSEN; MOWEN, 2000; LEONE, 2009; SANTOS, 2009; STARK, 2008) – deduções, custos diretos e indiretos, despesas comerciais e administrativas. Sob a perspectiva da equivalência mencionada, o lucro resultante das atividades fins, tratado por lucro antes dos juros e do imposto de renda (LAJIR), assume valor nulo, sinalizando o início da incursão das operações em níveis favoráveis à lucratividade.

Como forma de se ampliar a contribuição da análise custo/volume/lucro ao planejamento do desempenho das empresas, outros equilíbrios passaram a sugerir o envolvimento de valores positivos ao LAJIR, viabilizando o esclarecimento de volumes de vendas onde se dão por conquistados resultados considerados satisfatórios (HANSEN; MOWEN, 2000; LEONE, 2009; SANTOS, 2009; STARK, 2008) – além da superação dos dispêndios correntes, atrelados ao exercício das atividades fins, tem-se igualmente tratado como objetivo um lucro meta estabelecido dentro de parâmetros econômicos aceitáveis (HANSEN; MOWEN, 2000).

(5)

5 Finalmente, a análise custo/volume/lucro deve ser compreendida como uma ferramenta auxiliar dedicada aos cumprimentos do planejamento e do monitoramento do desempenho econômico das empresas. Portanto, remuneração e riqueza, os objetivos econômicos das empresas, devem ser contemplados nas simulações envolvendo estimações de equilíbrios. O LAJIR – igualmente conhecido por EBIT, de earnings before interest and taxes – encarrega-se do alcance dos objetivos econômicos, justamente por conter o resultado operacional a ser empregado simultaneamente nos cumprimentos da remuneração da estrutura de capital e da geração de riqueza.

Após as exclusões do imposto de renda (IR) e da contribuição social (CS) do valor expresso no LAJIR, restará exatamente o resultado a ser empregado nos pagamentos da DON e do DIV e no aprimoramento do valor de mercado de uma organização. A porção do LAJIR encarregada do aperfeiçoamento do valor de mercado de uma empresa refere-se exatamente ao EVA.

Segundo os destinos a serem assumidos pelo valor do LAJIR, a fórmula 05 divulga sua composição elementar – no lado direito da igualdade as variáveis encontram-se distribuídas conforme a prioridade observada em suas respectivas execuções.

EVA DIV CS IR DON LAJIR      (05)

A fórmula 06 apresenta o LAJIR segundo a perspectiva da contabilidade de custos, podendo ser utilizada no entendimento da origem dos recursos empenhados na superação da DON, do IR, da CS, do DIV e do EVA, onde: ROB, receita operacional bruta – resultante das vendas; MC%, margem de contribuição percentual – devendo figurar na fórmula 09 sob a forma unitária, seu valor exprime o percentual do resíduo das vendas após as exclusões das deduções e dos custos e despesas operacionais variáveis; CGF, custo gerencial fixo – exprime o valor fixo do total dos custos e das despesas operacionais.

CGF %

MC ROB

LAJIR    (06)

A figura 01 apresenta a evolução do nível de atividade das empresas a partir da observação conjunta das perspectivas – origem e destino – inerentes ao LAJIR, onde: ROB1, nível de

atividade inexistente, onde o valor nulo das vendas promove um LAJIR igual ao valor negativo do CGF; ROB2, nível de atividade correspondente ao tradicional ponto de equilíbrio

operacional (PEO), onde o valor arrecadado com as vendas promove um LAJIR nulo devido à igualdade entre a ROB e a soma entre deduções, custos e despesas operacionais; ROB3,

nível de atividade correspondente ao tradicional ponto de equilíbrio econômico (PEE), onde o valor arrecadado com as vendas promove um LAJIR capaz de tornar viáveis os cumprimentos da remuneração da estrutura de capital e da riqueza almejada, em virtude da igualdade entre a ROB e a soma envolvendo deduções, custos, despesas operacionais, DON, IR, CS, DIV e EVA.

(6)

6 Com o auxílio da fórmula 06, encarregada da explicação da origem do LAJIR, o PEO pode ser estimado por meio dos seguintes passos: substituir o LAJIR por zero; isolar a ROB, a ser tratada por PEO. A fórmula 07 divulga o cálculo do PEO.

% MC

CGF

PEO (07)

Para ser possível identificar o PEE a partir de valores planejados para os objetivos econômicos, faz-se necessário utilizar simultaneamente as fórmulas encarregadas das explicações da origem e do destino do LAJIR, como segue: igualar o lado direito da fórmula 05 com o lado direito da fórmula 06; isolar a ROB, a ser tratada por PEE, como ilustra a fórmula 08. % MC EVA DIV CS IR DON CGF PEE       (08)

Com base no exposto, a contribuição primária da análise custo/volume/lucro ao planejamento do desempenho econômico das empresas reside na possibilidade de se realizar diversas simulações envolvendo o nível de atividade exigido à consecução dos objetivos econômicos, expressos na remuneração do capital e na formação de lucro residual, a partir de manipulações envolvendo o procedimento de estimação do PEE; o PEO deve ser interpretado como uma contribuição secundária, por ser capaz de equacionar o seguinte questionamento: qual o volume de vendas onde se verifica o início da incursão do LAJIR na escala de atividade favorável ao desempenho econômico?

3. Metodologia

Neste trabalho, a abordagem utilizada no alcance do objetivo geral seguiu a triangulação, justamente por ter sido viável o emprego conjunto de procedimentos de ordem quantitativa e qualitativa. A abordagem qualitativa foi utilizada em duas circunstâncias: na explicação da participação do retorno sobre o capital próprio na aferição do ponto de equilíbrio econômico das empresas brasileiras inseridas no regime fiscal do lucro real; e na apresentação dos benefícios oriundos do processamento do ponto de equilíbrio econômico com o retorno sobre o capital próprio setorial. A abordagem quantitativa se deve à demonstração prática pertinente ao cumprimento do objetivo geral, calcada na aferição do PEE com o ROE setorial em dois exemplos ilustrativos. ROB1 - CGF LAJIR (R$) DON+IR+CS+DIV+EVA ROB2 ROB3 ROB (R$)

Figura 08 – comportamento do LAJIR segundo a análise custo/volume/lucro – adaptado de Leone (2009).

(7)

7 Devido à iniciativa de tornar inteligível a contribuição do PEE processado com o ROE setorial aos cumprimentos do planejamento e do controle do desempenho econômico das empresas, quanto ao objetivo este trabalho pode ser classificado por explicativo. Segundo o procedimento técnico, a pesquisa pode ser classificada como bibliográfica.

A compreensão da classificação bibliográfica conta com o argumento a seguir: as explicações teóricas da participação do ROE no cálculo do PEE e dos benefícios inerentes à utilização do PEE processamento com o ROE setorial, considerando o ambiente fiscal das empresas brasileiras inseridas no regime do lucro real, foram subsidiadas a partir de dados secundários coletados em manuais e artigos de periódicos.

Ao cumprimento da intenção de contribuir com o aprimoramento do planejamento e do controle do desempenho econômico das empresas, foram seguidos os passos abaixo:

passo 1 – apresentação do processamento do PEE com o ROE, em empresas inseridas no regime fiscal do lucro real;

passo 2, explicação dos benefícios oriundos da utilização do PEE com o ROE setorial às execuções do planejamento e do controle do desempenho econômico das empresas inseridas no regime fiscal do lucro real;

passo 3, demonstração da aferição do PEE com o ROE setorial nas empresas enquadradas no regime fiscal do lucro real.

4. Apresentação e Análise dos Resultados 4.1 PEE segundo o ROE

Para tornar ainda mais viável o emprego do PEE no planejamento do desempenho econômico, faz-se necessário desenvolver a fórmula 08, sob a intenção de esclarecer as ingerências exercidas pelos valores projetados das seguintes variáveis-chave: alíquotas do IR (%IR) e da CS (%CS); percentual do kd; percentual do ROE.

A soma entre DIV e EVA subsidia a compreensão da participação do ROE no cálculo do PEE, de acordo com a explicação da fórmula 09.

PL ROE EVA

DIV   (09)

O percentual correspondente ao valor da %CS não exige maiores esforços, por estar fixado em 9% – por lei (NEVES; VICECONTI, 2007). A especificação da alíquota correspondente ao valor do %IR no cálculo do PEE pode assumir dois valores (NEVES; VICECONTI, 2007): 15%, para um lucro antes do imposto de renda (LAIR) de até R$240.000,00 ao ano; 25%, para o valor do LAIR situado acima do limite de R$240.000,00 ao ano; ou seja, sobre o valor total do LAIR deve ser utilizado 15%, mais 10% sobre a parcela acima de R$240.000,00. Portanto, se o LAIR pretendido por uma organização não ultrapassar o patamar de R$240.000 em um ano, ao cálculo do PEE deve-se fazer uso da alíquota de 15%; todavia, quando acima de R$240.000, a alíquota a ser trabalhada deve ser estimada a partir de ponderações.

O entendimento definitivo das participações das alíquotas %IR e %CS exige a exposição preliminar do cálculo do LAIR, exatamente como mostra a fórmula 10. Quando o LAIR não ultrapassar o valor de R$240.000,00, a soma entre IR e CS pode ser identificada segundo a fórmula 11. Quando o LAIR superar a marca limite à incidência da alíquota de 15%, a soma entre IR e CS pode ser esclarecida conforme a fórmula 12. Substituindo a soma da fórmula 11 na fórmula 10, o isolamento do LAIR resultará na fórmula 13, a ser manipulada somente nas

(8)

8 circunstâncias onde seja necessária apenas a alíquota de 15% para o %IR. Substituindo a soma da fórmula 12 na fórmula 10, o isolamento do LAIR indicará o procedimento de cálculo a ser empregado quando da necessidade de aplicação do adicional de 10% do IR – fórmula 14. EVA DIV CS IR LAIR     (10)

1 0,15 0,09

LAIR CS IR     (11)

1 0,15 0,09

 

LAIR 240000

0,10 LAIR CS IR        (12) 76 , 0 EVA DIV LAIR   (13) 66 , 0 24000 EVA DIV LAIR    (14)

Considerando as fórmulas encarregadas da compreensão do destino atribuído ao LAJIR e dos esclarecimentos das possibilidades de projeção do LAIR: quando uma empresa tributada pelo lucro real projetar um LAIR inferior ou igual ao limite de R$240.000,00, o PEE deve ser aferido de acordo com a fórmula 15; nos casos onde se verificar a obrigação de uso do adicional de 10%, para o cálculo do IR, a aferição do PEE deve seguir a fórmula 16.

% MC 76 , 0 EVA DIV DON CGF PEE     (15) % MC 66 , 0 24000 EVA DIV DON CGF PEE      (16)

Considerando as substituições cabíveis nas fórmulas 15 e 16, as fórmulas 17 e 18 apresentam as versões de cálculo mais adequadas ao PEE, quando da utilização da análise custo/volume/lucro no auxílio à construção do planejamento do desempenho econômico das brasileiras inseridas no regime fiscal do lucro real.

% MC 76 , 0 PL ROE PO k CGF PEE d      (17) % MC 66 , 0 24000 PL ROE PO k CGF PEE d       (18)

Como última observação às fórmulas do PEE: quando o LAIR assumir o valor de R$240.000,00, a soma entre DIV e EVA será de R$182.400,00. Assim sendo, quando o produto entre o ROE e o PL apresentar um valor inferior ou igual ao limite de R$182.400,00, deve-se utilizar a fórmula 17 para estimar o PEE; acima de R$182.400,00, emprega-se a fórmula 18.

(9)

9 No início do planejamento do desempenho econômico a maioria das variáveis inseridas nos processamentos dos equilíbrios – expressos no PEO e no PEE – é levantada a partir de dados extraídos de relatórios gerenciais – deduções, custos, despesas e estrutura de capital, por exemplo; as demais variáveis resultam de estimações atreladas às intenções de remuneração e de riqueza, identificadas nos diversos valores atribuídos ao ROE – antes de definir o valor do ROE considerado ideal, as empresas podem realizar simulações variadas.

Antes mesmo da escolha do ROE ideal à especificação do PEE, a ser buscado por meio da execução de suas atividades fins, uma empresa deve considerar prudente o encerramento do seguinte questionamento: com base no desempenho econômico médio observado em seu próprio setor atuação, qual o PEE a ser buscado? Dito de outra forma: caso seja considerado o ROE médio de mercado (ROEM) nas simulações envolvendo o desempenho econômico, qual o valor assumido pelo PEE?

O PEE aferido com o ROEM (PEM, de ponto de equilíbrio de mercado) exprime o nível de atividade capaz de tornar o desempenho econômico de uma empresa semelhante ao desempenho econômico observado em seu próprio setor de atuação.

Assim como os tradicionais equilíbrios tratados por operacional e econômico, o PEM deve ser tratado como uma referência obrigatória ao planejamento do desempenho econômico. Portanto, os processamentos do PEO e do PEM devem anteceder a especificação definitiva do PEE.

O PEM pode até coincidir com o PEE, sugerindo a pretensão de um ROE semelhante ao ROEM, todavia, o tratamento mais adequado ao PEM deve ser o de uma meta a ser superada pelas atividades fins de uma empresa, apregoando o início da incursão do LAJIR em uma escala de vendas capaz de promover a superação do desempenho econômico médio do próprio setor de atividade.

A figura 02 divulga a relação ideal a ser observada nos tratamentos despendidos ao PEO, PEM e PEE, quando da elaboração do planejamento do desempenho econômico das empresas.

As fórmulas 19 e 20 divulgam o processamento do PEM – para um produto entre ROE e PL igual ou inferior ao valor de R$182.400,00, deve-se fazer uso da fórmula 19, acima desse patamar, aplica-se a fórmula 20.

DON + LAIR de mercado

- CGF

LAJIR (R$)

DON + LAIR desejado

PEO PEEM PEE

ROB (R$)

Figura 08 – comportamento do LAJIR segundo a análise custo/volume/lucro – Fonte: adaptado de Leone (2009).

(10)

10 % MC 76 , 0 PL ROEM PO k CGF PEM d      (19) % MC 66 , 0 24000 PL ROEM PO k CGF PEM d       (20)

A figura 03 simula duas situações hipotéticas, passíveis de observação durante a execução das atividades fins de uma empresa:

 em um dado momento, os gestores receberam uma informação, atinente à qualidade da execução das atividades fins – a receita de vendas, ROB1, conseguiu inserir o LAJIR em

uma área propícia ao conseguimento dos objetivos econômicos, exatamente por ter suplantado o PEO, todavia, o desempenho ainda encontra-se abaixo do desempenho médio observado no mercado de atuação da própria empresa;

 em um segundo momento, os gestores foram informados acerca da iminente consecução dos objetivos econômicos – a receita de vendas, ROB2, ainda não conseguiu atingir o

PEE desejado, entretanto, em relação ao mercado de atuação, o desempenho econômico auferido já consegue tornar a empresa superior à concorrência.

Como pode ser observado, o PEM exprime uma informação de importante valia às empresas, devendo ser utilizado como referência primária ao cumprimento do planejamento do desempenho econômico.

Em relação ao monitoramento dos objetivos econômicos: durante a execução das atividades fins, o PEM pode ser utilizado no controle do planejamento econômico, contribuindo decisivamente com o aprimoramento do processo de acompanhamento dos objetivos identificados na remuneração da estrutura de capital e na maximização do valor de mercado das organizações.

Finalmente, à consolidação de um satisfatório planejamento do desempenho econômico, as empresas devem obrigatoriamente considerar em seus estudos o equilíbrio identificado no PEM.

DON + LAIR de mercado

- CGF

LAJIR (R$)

DON + LAIR desejado

PEO PEM PEE

ROB1 ROB2

ROB (R$)

Figura 08 – comportamento do LAJIR segundo a análise custo/volume/lucro – adaptado de Leone (2009).

(11)

11 4.3 Demonstração

Com o intuito de demonstrar a viabilidade prática do PEM, deste ponto em diante do trabalho serão explorados dois exemplos. No primeiro, referente ao início do planejamento econômico da Empresa A, será trabalhado o tratamento convergente ao entendimento da utilização de uma única alíquota ao IR, exatamente de 15%, não sendo necessário fazer uso da alíquota adicional de 10%. No segundo, referente à Empresa B, será adotada a hipótese de um lucro real situado acima do limite de R$240.000,00, onde se tem por obrigatório o uso das alíquotas de 15% e 10% para o IR.

A tabela 01 apresenta os esboços dos planejamentos econômicos das empresas A e B. Em relação ao estudo da situação da empresa A:

ao mercado de atuação estima-se um ROEM em torno de 28% ao ano;

com um ke de 20%, a criação de riqueza, com base no ROEM, alcançaria a marca de 8%

do PL;

o total das despesas vinculadas à contratação do crédito oneroso resultará em um kd de

15% ano, a ser aplicado sobre o PO;

com base no produto envolvendo o ROEM e o PL, os gestores utilizaram a fórmula do PEM para o LUDIR até R$182.400,00;

com uma MC% de 25%, o PEO e o PEM foram estimados em R$1.400.000,00 e R$ 2.524.210,53, respectivamente;

assim sendo, quando a empresa A conseguir superar a marca de R$2.524.210,53 em suas vendas, tem-se por viável a incursão do desempenho econômico em um nível superior à concorrência. Empresa A Empresa B PL 600.000,00 700.000,00 PO 400.000,00 500.000,00 ROEM 28% 40% kd 15% 18% ke 20% 25% CGF 350.000,00 450.000,00 MC% 25% 35% DIVi 120.000,00 175.000,00 EVAii 48.000,00 105.000,00 LUDIRiii 168.000,00 280.000,00 LAJIR 281.052,63iv 477.878,79v PEO vi 1.400.000,00 1.285.714,29

PEM 2.524.210,53vii 2.651.082,25viii i PL x ke ii PL x (ROEM - ke) iii PL x ROEM iv PO x kd + (PL x ROEM) / 0,76 v PO x kd + (PL x ROEM - 24000) / 0,66

(12)

12 vi CGF / MC% vii (CGF + PO x kd + (PL x ROEM) / 0,76) / MC% viii (CGF + PO x kd + (PL x ROEM - 24000) / 0,66) / MC% Fonte: formulação própria.

Tabela 01: cálculo do ponto de equilíbrio de mercado nas empresas brasileiras inseridas no regime fiscal do lucro real

Em relação ao estudo da situação da empresa B:

ao mercado de atuação estima-se um ROEM de 40% ao ano;

com um ke de 25%, a criação de riqueza, com base no ROEM, alcançaria a marca de 15%

do PL;

o total das despesas vinculadas à contratação do crédito oneroso resultará em um kd de

18% ano, a ser aplicado sobre o PO;

o produto envolvendo o ROEM e o PL sugerem a utilização da fórmula ao PEM para um LUDIR de valor superior a marca de R$182.400,00;

com uma MC% de 35%, o PEO e o PEM foram estimados em R$1.285.714,29 e R$ 2.651.082,25, respectivamente;

quando a empresa B atingir um valor de vendas acima de R$2.651.082,25, seu desempenho econômico situar-se-á em um patamar superior a média de seus concorrentes diretos e indiretos.

Para evitar dúvidas acerca da precisão com a qual o PEM pode ser aferido, segundo os procedimentos adotados para o preenchimento da tabela 01, a tabela 02 apresenta as demonstrações dos resultados a serem apurados pelas empresas A e B, exatamente quando conseguirem alcançar o ROEM de seus respectivos setores de atuação.

Empresa A Empresa B ROB 2.524.210,53 2.651.082,25 MCi 631.052,63 927.878,79 (-) CGF 350.000,00 450.000,00 LAJIRii 281.052,63 477.878,79 (-) DO 60.000,00 90.000,00 LAIRiii 221.052,63 387.878,79 (-) IR 33.157,89iv 72.969,70v (-) CSvi 19.894,74 34.909,09 LUDIRvii 168.000,00 280.000,00 (-) DIVviii 120.000,00 175.000,00 EVAix 48.000,00 105.000,00 i ROB x MC% ii MC - CGF iii LAJIR - DO iv LAIR * 0,15 v LAIR * 0,15 + (LAIR - 240000) * 0,1 vi LAIR * 0,09

(13)

13 vii LAIR - IR - CS viii PL x ke ix LUDIR - DIV

Fonte: formulação própria.

Tabela 02: apuração do resultado quando alcance do ponto de equilíbrio de mercado nas empresas inseridas no regime

fiscal do lucro real

5. Considerações Finais

Com a explicação e a demonstração prática da utilidade do ponto de equilíbrio de mercado, este trabalho conseguiu alcançar seu objetivo geral, calcado no esclarecimento da contribuição do processamento do ponto de equilíbrio econômico com o retorno sobre o capital próprio setorial aos cumprimentos do planejamento e do controle do desempenho econômico das empresas.

Uma das principais vantagens do ponto de equilíbrio de mercado reside no fato de sua interpretação ser muito simples:

 proprietários controladores podem aferir as qualidades da remuneração e da riqueza de suas empresas somente com a observação do valor alcançado pelas vendas;

 credores do mercado financeiro podem analisar a capacidade de pagamento a qualquer momento, sendo necessário observar somente o faturamento de seus clientes do tipo pessoa jurídica;

 executivos de áreas alheias à gestão econômica passam a contar com mais um parâmetro à avaliação do posicionamento das empresas em termos de competitividade;

 até o estudo da participação dos funcionários nos lucros das empresas pode ser facilitado com o processamento do ponto de equilíbrio de mercado.

As sociedades anônimas de capital aberto são perenemente avaliadas no mercado financeiro. Investidores e instituições financeiras buscam respostas concernentes ao desempenho econômico, tendo como objetivo precípuo estabelecer parâmetros à fundamentação das decisões de investimento e de concessão de crédito. A divulgação da relação observada entre o ponto de equilíbrio econômico e o ponto de equilíbrio de mercado, em diversos momentos durante um exercício social, pode contribuir com o esclarecimento da qualidade da execução do planejamento econômico em relação à concorrência, favorecendo as decisões de investimento e de financiamento implementadas no mercado financeiro. Assim sendo, o ponto de equilíbrio de mercado torna-se ainda mais relevante às sociedades anônimas de capital aberto.

Com base no exposto, a implementação do ponto de equilíbrio de mercado por parte das empresas consegue expandir a contribuição da análise custo/volume/lucro às execuções do planejamento e do controle do desempenho econômico. Devido à sua importância, o ponto de equilíbrio de mercado deve ter seu processamento considerado obrigatório, assim como acontece com o tratamento despendido ao tradicional ponto de equilíbrio operacional.

Referências

ASSAF NETO, A. Contribuição ao Estudo da Avaliação de Empresas no Brasil – uma aplicação prática. Tese

de Livre Docência, FEA-RP/USP, Ribeirão Preto, 2003.

(14)

14

________. Finanças Corporativas e Valor. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

________ & LIMA, F.G. Curso de Administração Financeira. São Paulo: Atlas, 2009.

BRIGHAM, E.F. & EHRHARDT, M.C. Administração Financeira – teoria e prática. 10. ed. São Paulo:

Thomson Learning, 2007.

COPELAND, T.; DOLGOFF, A. Superando Expectativas de Retorno com EBM: a abordagem do expectations-based management para criar e incrementar valor para a empresa e o acionista. Porto Alegre:

Bookman, 2008.

COSTANTINI, P. Cash Return on Capital Invested: ten years of investment analysis with the CROCI economic profit model. New Jersey: Butterworth-Heinemann, 2006.

DAMODARAN, A. Finanças Corporativas: teoria e prática. Porto Alegre: Bookman, 2004.

________. Investment Valuation: tools and techniques for determining the value of any asset. 2. ed. New York: John Wiley, 2002.

HANSEN, D.R.; MOWEN, M.M. Gestão de Custos – contabilidade e controle. São Paulo: Thomson Learning,

2000.

KASSAI, J.R.; KASSAI, S. & ASSAF NETO, A. Índice de Especulação de Valor Agregado – IEVA. Revista

Contabilidade & Finanças - USP, São Paulo, n. 30, p. 32 - 45, setembro/dezembro 2002.

LEONE, G.S.G. Curso de Contabilidade de Custos. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

MARTINS, E. Avaliação de Empresas – da mensuração contábil à econômica. Caderno de Estudos, São Paulo,

FIPECAFI, v.13, n. 24, p. 28 - 37, julho/dezembro 2000.

NEVES, S. N.; VICECONTI, P. E. V. Curso Prático de Imposto de Renda – pessoa jurídica e tributos conexos. São Paulo: Frase, 2007.

SANTOS, J.J. Contabilidade e Análise de Custos. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2009. STARK, J.A. Contabilidade de Custos. São Paulo: Pearson, 2008.

WHITE, G.I.; SONDHI, A.C. & FRIED, D. The Analysis and Use of Financial Statements. 3. ed. New Jersey:

Referências

Documentos relacionados

número de folha por planta (NFP), altura média da colmo (AMC), número de perfilho por touceira (NPT), diâmetro médio do colmo (DMC), brix da cana (BC), tonelada de cana por

A novena do Espírito Santo é momento privilegiado para contemplar o amor misericordioso de Deus por nós9. É tempo oportuno para retomar as promessas feitas por Deus a nossos

Eu acredito que essa versão de Vlastos é outra maneira de dizer que a forma não participa de si mesma, pois, segundo o modo como a teoria da participação das formas é apresen-

a) não ocorreu e a informação está de acordo com a teoria evolutiva de Lamarck, que pressupõe que estruturas do corpo que não são solicitadas desaparecem e

As pontas de contato retas e retificadas em paralelo ajustam o micrômetro mais rápida e precisamente do que as pontas de contato esféricas encontradas em micrômetros disponíveis

As inscrições serão feitas na Comissão Permanente de Vestibular da UFMG (COPEVE), situada no Prédio da Reitoria da UFMG, à Av. Presidente Antônio Carlos, 6627 – Campus da

Um ensaio preliminar para avaliar a atividade larvicida do extrato etanólico bruto das partes aéreas de Helicteres velutina demonstrou excelente atividade frente

Um deles, avaliou idosas entre 60 e 77 anos pós intervenção com um programa de exercícios resistidos, obtendo um Protocolo de Avaliação Funcional do Grupo de