Texto

(1)

Mooca

O tradicionalíssimo distrito de São Paulo está sendo

repaginado: saem as fábricas e entram ações para

reurbanizar este patrimônio da cidade.

zona Leste

(2)

B

oa infraestrutura, facilidade de locomoção e grande ofer-ta de serviços são algumas das características que fazem da Moo-ca um bom distrito para se morar. Porém, não são apenas tais adjeti-vos que mantém a fi delidade dos moradores – que não o trocam por nada. O segredo desse amor é sua identidade única. Seu sotaque se confunde, ao mesmo tempo, com o de São Paulo e o da Itália. Segundo a pesquisa DNA Paulistano, feita por um jornal de grande circula-ção em 2008, apenas 8% de seus habitantes têm a intenção de se mudar – o segundo menor índice da Capital.

A Mooca foi criada em volta de uma ponte que atravessava o Rio Tamanduateí, em 1556, pou-co mais de meio século após o descobrimento do Brasil e dois anos após a fundação de São Pau-lo. Correm muitas versões para o nome dado à região. Uma delas conta que os índios, ao verem os portugueses construindo casas, diziam “mooca!” (fazer casa).

Nos séculos seguintes, a área foi tomada por chácaras e resi-dências. Foi quando chegaram os imigrantes, a estrada de ferro O Clube Juventus é um

dos xodós do distrito

São Paulo Railway e, curiosamen-te, uma tradicional corrida de ca-valos. Construído pelo fazendeiro Rafael Aguiar Paes de Barros, o Clube Paulista de Corrida de Ca-valo foi uma opção de entreteni-mento para os paulistanos.

No fi nal do século 19, no perío-do da Grande Imigração (1870-90), a presença de operários italianos já era maciça e a natureza do dis-trito tornou-se industrial e revolu-cionária, assim como a de outros que circundavam os ramais da ferrovia. O comunismo e o anar-quismo eram as ideologias pro-pagadas nas plantas das fábricas. O ponto de confl uência entre as ruas da Mooca, Taquari, Oratório e a Avenida Paes de Barros che-gou a ser conhecida como “Praça Vermelha”.

Em poucas décadas, a Mooca era um terreno densamente po-voado e valorizado. No século se-guinte, o distrito viveu o auge e a decadência do desenvolvimento industrial. Após a migração das fábricas, foi a Avenida Paes de Barros que impulsionou o distrito novamente: lá é encontrada uma abundante rede de serviços, que abastece os moradores.

Apresentação

Ninguém troca a Mooca

por nada

F

undado em 1924 por mem-bros da colônia italiana, o Clube Atlético Juventus é uma das grandes paixões de quem mora na Mooca. O nome é uma home-nagem ao time italiano homônimo, sediado na cidade italiana de Tu-rim. Apesar de pouco expressivo no cenário esportivo nacional, o Moleque Travesso, apelido dado por suas vitórias contra grandes clubes de São Paulo, tem torcedo-res fanáticos e histórias curiosas no seu baú. Em 1959, um jovem rapaz de olhos verdes compareceu ao estádio na Rua Javari com o sonho de jogar bola. Dispensado, ele de-sistiu de seguir carreira no futebol e foi atrás de outro ideal, cantar. As-sim, acabava a não iniciada carrei-ra esportiva de Chico Buarque.

Moleque travesso

dências. Foi quando chegaram os imigrantes, a estrada de ferro os imigrantes, a estrada de ferro os imigrantes, a estrada de ferro os imigrantes, a estrada de ferro os imigrantes, a estrada de ferro

T

ransformar a cidade, fazer de

São Paulo um melhor lugar pra se viver. E todos nós sabemos de uma coisa: essa mudança só é possível se nascer do lugar em que as pessoas realmente vivem: os bairros, os distritos da nossa metrópole. Neste livrinho, você verá como na Mooca as ideias e as práticas de um Bairro Vivo vêm mudando a vida de quem mora lá. Transformação que surge do co-nhecimento da região, de suas pra-ças e ruas, de seus córregos e par-ques, do que existe e do que falta, do que foi feito e de tudo o que ain-da precisa e pode ser feito. Conhe-cimento do passado, do presente e do futuro. Bairro Vivo.

(3)

O impacto das ações

de Police Neto no

seu distrito

Ao longo de seus dois mandatos como vereador, José Police Neto (PSD), que atualmente é também presidente da Câmara Municipal de São Paulo, criou diversos pro-jetos que se transformaram em lei e que benefi ciam a população de toda a cidade de São Paulo. Veja, no mapa abaixo, qual o impacto delas

no distrito em que você mora.

vo c ê e s t á a q u i

2

LEI DO ALVARÁ CONDICIONADO A lei do alvará condicionado veio para ajudar os pequenos comerciantes. Pequenos em-presários podem abrir suas portas enquanto providenciam a documentação, dentro de um prazo máximo de quatro anos.

ISENÇÃO DE ISS PARA A CULTURA

Police Neto também é autor da lei que isenta serviços artísticos, como peças de teatro, espetáculos de dança, concertos, entre outros, do pagamento do ISS (Imposto Sobre Serviços), um grande incentivo à arte popular.

6

PROCON DO SERVIÇO PÚBLICO

Esta lei de Police Neto equipara o usuário de serviços públicos ao consumidor comum, assegurando-lhe o di-reito de acompanhar e fi scalizar a qualidade de qual-quer serviço oferecido pelo poder público. Exemplo: há mau atendimento do hospital da Mooca? Vá até a subprefeitura e reclame! Sua observação chegará até o setor competente e o serviço será checado e pode haver até punição para falhas graves.

7

INDICADORES DE DESEMPENHO

Os indicadores de desempenho foram criados por Poli-ce Neto para avaliar a qualidade do serviço público da cidade de São Paulo. O morador da Mooca, por exem-plo, pode acessar o site da Prefeitura para saber qual o desempenho do serviço de educação do seu bairro, em comparação com outros.

8

READEQUAÇÃO DE EDIFICAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL

O projeto de Police Neto, quando for aprovado, vai estabelecer diretrizes para orientar o mercado imobiliário na cons-trução e recuperação de empreendimen-tos voltados para Habitações de Interesse Social (HIS). Os galpões abandonados da Mooca serão benefi ciados com a iniciati-va. As ocupações irregulares darão lugar à moradia digna.

3

LEI DA FUNÇÃO SOCIAL DA PROPRIEDADE URBANA

A lei busca combater a especulação imobiliária de imóveis ociosos ou subuti-lizados em Zonas Especiais de Interesse Social (ZEIS). A iniciativa de Police Neto permite, caso eles não sejam readequa-dos, que o IPTU desses imóveis aumente progressivamente, em um prazo de até cinco anos. Se nada mudar, a Prefeitura pode pedir a desapropriação para trans-formar o local em moradia para as popu-lações de baixa renda.

4

VÁ DE BIKE

A cidade já não comporta mais tantos carros como transporte individual. Po-lice Neto apoia modais de transportes alternativos, como a bicicleta, por meio de projetos como as ciclofaixas e o Bike Sampa (www.mobilicidade.com. br), que empresta bicicletas para uso em vários pontos de São Paulo. Ele próprio usa bike diariamente, inclusive no trabalho.

5

TELECENTROS

Desde 2009, o acesso gratuito à internet tem crescido em São Paulo graças à lei que ins-tituiu a Política Municipal de Inclusão Digital, de autoria de Police Neto. Por conta dela, as empresas de TI podem destinar parte do ISS (Imposto sobre Serviços) ao Fundo Municipal de Inclusão Digital, custeando os telecentros existentes e proporcionando a criação de ou-tros em comunidades carentes. É a democrati-zação do acesso à informação.

1 2 6 5 4 1 3 7

(4)

A presença de plantas fabris e de residências transformou a Mooca em um distrito de con-trastes. Construções antigas, com as mais diversas fachadas e usos, ainda sobrevivem ao lado de mo-dernos edifícios e casas. Segundo dados do mercado imobiliário, entre os 31 distritos da Zona Les-te, a Mooca foi a vice-campeã de lançamentos entre 2006 a 2009: fo-ram construídos 35 novos prédios, gerando um total de 4.220 novos apartamentos no período.

O número de faculdades e cen-tros de compras crescem na mes-ma medida. O impulso para o de-senvolvimento vem do fácil acesso às avenidas do Estado, Radial Les-te e Ricardo Jaffet, além da Margi-nal Tietê, e a presença da estação Mooca da Linha 10-Turquesa da Companhia Paulista de Trens Me-tropolitanos (CPTM).

O rápido crescimento aliado à características peculiares, como o alto número de vias estreitas, re-sultam em problemas. Há pesado tráfego nos horários de pico, que piora quando há enchentes. Já as antigas edifi cações, que pode-riam ser cartões-postais da cida-de, estão degradadas ou foram

proposta da Operação Urbana. A faixa, que ocupa 1.591 hectares, foi dividida em três perímetros. Os parques poderão solucionar o problema da impermeabilidade e baixa drenagem do solo, dando fi m às enchentes.

transformadas em estabelecimen-tos comerciais que nem sempre preservam seu signifi cado históri-co. O Poder Público, por sua vez, procura meios para solucionar os entraves. A Mooca já faz parte das Zonas de Interesse Especiais (ZEIS), áreas mapeadas pela Pre-feitura e destinadas à recuperação urbanística, e do programa Ope-ração Urbana Mooca-Vila Cario-ca. O projeto conta com o apoio do vereador José Police Neto (PSD), autor da Lei da Função Social da Propriedade Urbana.

Dessa forma, os galpões aban-donados poderão se transformar em Habitações de Interesse Social (HIS). Na prática, os donos desses endereços serão notifi cados e te-rão um prazo de cinco anos, no qual o IPTU será progressivamen-te aumentado, para readequar seu uso ou poderão perdê-lo.

A construção de parques linea-res ao longo da linha férrea é outra

A Mooca renasce

Com as leis de

Police Neto, antigas

indústrias ganharão

novos usos

T

ransformar a cidade a partir de quem conhece a cidade. Esse é o grande desa-fi o de quem vive em São Paulo, uma grande metrópole, habitada por mais de 11 milhões de pessoas. Cidade pensada e administrada desde há muito de cima para baixo. Mas São Paulo não é só isso. É também um conjunto de comunidades, onde vive quem conhece, e muito bem, a megacidade: seus habitantes.

Essa é a proposta que transparece nestes cadernos, nestes retratos dos Bairros Vivos de São Paulo: alguns de seus problemas e muitas de suas soluções. Que passam pelas leis produzidas e votadas pela Câmara Mu-nicipal, mas que sempre nascem do conhe-cimento que os habitantes de São Paulo têm do seu bairro. Leis como a que trata do uso da propriedade e de seu principal fundamen-to, a função social. Ou a lei que permite uma organização maior das atividades produtivas, através do Alvará Condicionado. Ou a que tornou permanentes os Telecentros, fonte de informação e conhecimento, base do proces-so de inclusão moderna, digital. E é no bairro que essas leis adquirem vida. Bairro Vivo.

Sou e quero continuar sendo um agente a serviço dos habitantes de cada bairro, para que, juntos, possamos transformar para me-lhor o espaço em que as pessoas moram e convivem. Contem comigo sempre: um par-ceiro para ajudá-los nessa empreitada.

José Police Neto

Quem conhece a cidade,

transforma a cidade

Mobilização sempre foi o forte dos moradores da Mooca. Unidos, os cidadãos podem mudar seu destino. É o que defende Police Neto. E a melhor ferramenta para fazer isso é a criação de planos de bairro. Previstos no Plano Diretor do Munícipio, eles trazem a po-pulação para o debate das ques-tões que mais os afl igem e lhes dá poder para sugerir soluções. A ideia foi implantada em Perus e já é discutida na Bela Vista e Vila Ma-dalena. A complexidade dos dis-tritos pede planos específi cos e ninguém melhor que os próprios moradores para debatê-los.

(5)

Dados estatísticos de MOOCA

População total 75.724 habitantes

Densidade

demográfi ca 9.843 habitantes/ km2 Área geográfi ca total 7,7 km2

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) 0,909 (22º lugar entre os 96 distritos da capital)

serviços

Acidentes de trânsito ...156 Ambulância ...192 Auxílio à lista ...102 Bombeiros ...193 CET ... 1188

Guarda civil metropolitana ...3396-5830 Correios ...0800 725 7282 Defesa civil ...199

Delegacia de defesa da mulher ...2742-1701 Delegacia do idoso ...3237-0666 Disque-denúncia ...0800 156 315 ou 181 Disque saúde ...136 Hora certa ...130 Informações de trânsito ...156 Ouvidoria da câmara ...0800 322 6272 Ouvidoria do município ...0800 175 717 Polícia civil ...147 Polícia militar ...190 Prefeitura ...156 Previsão do tempo ...132 Procon ...151 PSIU ...156 ou 3101-3737 Receita federal...146 Vigilância sanitária...3397-8278 AES Eletropaulo ...0800 72 72 196 Sabesp...195 Itinerários de ônibus ...156 Metrô ...0800 770 7722 CPTM ...0800 055 0121 Telefones úteis em SP

Mande suas sugestões e reclamações, participe!

Expediente

Nome:

Tel: End:

Sugestões

fonte: Censo IBGE, 2010.

Impr essão 05.755.600/0001-83 – Contr atação 16.174.681/0001-44 – Tir ag em 2.000 e xemplar es

Telefones úteis no distrito de MOOCA

Hospital Municipal Doutor Ignácio Proença de

Gouveia (11) 3394-7810 Assistência Médica

Ambulatorial (AMA) Hospital Ignácio Proença de Gouveia

(11) 2069-9923

Subprefeitura da Mooca (11) 2292-2122

Batalhão Polícia Militar (11) 2605-1114

Guarda Civil

Metropolitana Inspetoria

Regional Mooca (11) 2697-2999 18o Distrito Policial (11) 2273-5751

Telecentro: Telecentro

Biblioteca Affonso Taunay (11) 2291-6243

Jornalistas | Regina Terraz (mtb 50144/SP) André Vargas Arthur Guimarães Camila Belotti Danilo Rodrigues Ivan Torraca Marianna Sanfelicio Fotografi a | Maurício Maranhão Ricardo Bakker Design editorial | Daniela N. Secondo Design on-line | Débora Ferro

Mariel Meira

Participe de nossa campanha e ajude a construir uma cidade mais justa

Escritório político

Edifício Praça da Bandeira Rua Santo Antônio, 184 - 18º - sala 181 CEP 01314-000 - São Paulo - SP tel: (11) 3105-9966

site: www.policeneto.com.br

ouvidoria: ouvidoria@policeneto.com.br

e-mail: policeneto@policeneto.com.br

Imagem

Referências

temas relacionados :