• Nenhum resultado encontrado

A N I M A D O R E S D E G R U P O S

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "A N I M A D O R E S D E G R U P O S"

Copied!
27
0
0

Texto

(1)

A N I M A D O R E S D E G R U P O S

(2)

O animador no

grupo de Oração

(3)

 Uma pessoa de muita oração e intimidade com Deus.  Servo (antes de ser animador é servo).

 Alegre

 Atencioso  Equilibrado  Motivador  Sábio

 Livre no Espírito Santo  Aberto a acolher a todos  Desinibido/extrovertido  Direto e dinâmico

 Conhecedor de músicas(se possível), pois se precisa das

letras das mesmas para conduzir e adequá-las ao tema do grupo.

(4)

Sabemos que o grupo de Oração é uma benção na vida de todos, tanto dos que participam, como dos que servem.

(5)

Os grupos do:

Movimento Familiar Cristão,

Além de ser um grupo de oração,

tem a missão de projetar os casais:

Na vida espiritual, social e familiar.

São dimensões que complementam o

crescimento de um grupo de oração.

(6)

NO MOMENTO EM QUE VIVEMOS em COMUNIDADE, onde, pela ação

PODEROSA

do Espírito Santo, CELEBRAMOS PENTECOSTES COM PESSOAS QUE TAMBÉM DESEJAM caminhar em direção à Jerusalém celeste.

(7)

VEJA A RESPONSABILIDADE

DO ANIMADOR DE GRUPOS

As pessoas têm sede de Deus,

todos nós somos sedentos Dele

(Salmo 41).

Nem todos têm a oportunidade de

ir a um grupo de oração, onde se

pode experimentar da presença

Santa e acolhedora do Criador.

(8)

 1. PEDIDO  2. SÚPLICA

 3. SERVIR- Que posso fazer por você?  4. AJUDA/PARTILHA/COMUNIDADE

 5. OBEDIÊNCIA

 6. TRABALHO EM FAMÍLIA

 7. RECEBIMENTO DA GRAÇA DE DEUS  8. LIBERTAÇÃO E VIDA EM FAMÍLIA

(9)

 A presença de Deus

nos alimenta e

fortalece. Podemos

vivenciar essa graça no grupo de oração,

ouvindo da palavra e em oração com os

irmãos, alimentando a alma com a palavra

Dele e a convivência fraterna com os

irmãos.

 No grupo de oração, os

servos todos precisam saber acolher, e

acolher bem os

amados de Deus, mas nem todos são

dirigentes de oração. Temos um Deus muito organizado que, por Sua vez, nos deixou a graça e a sabedora de como ajudar nossos irmãos a entrarem em comunhão com Deus

(10)

 Aquele que anima é a pessoas que dá vida ao

grupo. É evidente que nenhum grupo poderá nascer sem um animador.

 O animador é a pessoa que acolhe, em geral,

as pessoas no grupo de oração. É o que dá “boa noite”, “bom dia”, “boa tarde”, dando início ao grupo.

 Suas palavras são as que abrem o grupo (as

(11)

 Por isso, o animador precisa estar cheio de

Deus para dá-Lo aos que estão no grupo.

 Ele precisa estar convicto do que irá anunciar

e conduzir a reunião ao encontro com o Dono do grupo de oração, Jesus.

 O dirigente precisa conhecer bem o Senhor

que irá anunciar, por isso, precisa ser uma pessoa de muita comunhão com Deus, ter uma vida de oração firme.

(12)

 1. CIÊNCIA  2. CONSELHO  3. ENTENDIMENTO  4. FORTALEZA  5. PIEDADE  6. SABEDORIA  7. TEMOR DE DEUS

(13)

 É o dom de saber interpretar e explicar a

Palavra de Deus. Por este dom, o Espírito

Santo nos revela interiormente o pensamento de Deus sobre nós, pois "os mistérios de

Deus ninguém os conhece, a não ser o Espírito Santo" (1 Cor 2,10-15).

(14)

 É o dom de saber discernir caminhos e

opções, de saber orientar e escutar, de

animar a fé e a esperança da comunidade. Mas o Senhor disse-lhe: "Não te deixes

impressionar pelo seu belo aspecto, porque eu o rejeitei. O que o homem vê não é o que importa: o homem vê a face, mas o Senhor vê o coração" (1 Sm 16,7).

(15)

 É o dom divino que nos ilumina para aceitar

as verdades reveladas por Deus. Mesmo não compreendendo o mistério, entendemos que ali está a nossa salvação, porque procede de Deus, que é infalível. O Senhor disse: "Eu lhes darei um coração capaz de me conhecer e de entender que Eu sou o Senhor" (Jr 24,7).

(16)

É o dom de resistir às seduções, de

ser coerente com o Evangelho, de

enfrentar riscos na luta por justiça, de

não temer o martírio. São Paulo

confiava no dom da fortaleza. Ele

disse: "Se Deus está conosco, quem

será contra nós?" (Rm 8,31).

(17)

 É o dom de estar sempre aberto à vontade de

Deus, procurando agir como Jesus agiria e

identificando no próximo o rosto de Cristo. É o dom pelo qual o Espírito Santo nos dá o

gosto de amar e servir a Deus com alegria. "O Reino de Deus não consiste em comida e

bebida, mas é justiça, paz e alegria no Espírito Santo" (Rm 14,17).

(18)

 É o dom de perceber o certo e o errado, o

que favorece e o que prejudica o projeto de Deus. Por este dom buscamos não as

vantagens deste mundo, mas o Bem Supremo da vida, que nos enche o coração de paz e

nos faz felizes. Diz o Senhor: "Feliz o homem que encontrou a sabedoria... Ela é mais

(19)

 Não quer dizer "medo de Deus", mas medo

de ofender a Deus. Sendo Ele o nosso melhor amigo, temos o receio de não lhe estarmos retribuindo o amor que lhe é devido. Mais do que temor, é respeito e estima por Deus.

"Ouve, ó Israel! O Senhor, nosso Deus, é o

único Senhor. Amarás o Senhor, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma e com todas as tuas forças" (Dt 6,4-5).

(20)

 O animador precisa ser uma pessoa com

característica motivacional e alegre.

 É ele que leva o grupo de oração, que conduz

a reunião ao iniciar seu encontro com Senhor. Também anima, através da acolhida verbal, mensagens, das músicas (se possível) que vão ajudar ao grupo a rezar.

(21)

 É importantíssimo que o animador tenha

consciência de que a animação já é oração, a oração através do roteiro (temário) que

recebe para conduzir a reunião.

 Ele vai acolher o grupo todo, e ajudá-lo a se

colocar na presença de Deus, a rezar, a se soltar, entrar em oração, se desinibir.

(22)

 Muitas pessoas têm dificuldade de se soltar

diante do grupo, por isso o dirigente precisa estar atento a todos do grupo de oração.

 O animador não deve “Arrastar” a animação,

isto não é bom, acaba por afetar o progresso geral do grupo.

 A reunião precisa ser centrada em Jesus, no

tema proposto a ser vivenciado naquele

grupo. Não se deve forçar ninguém a viver a animação, mas motivá-los a vivê-la.

(23)

 A animação ajuda ao longo do tempo fazer

com que os membros do grupo se soltem, comecem a falar no grupo, facilitando assim a sua abertura para oração, porém, não pode ser forçada.

 A animação precisa ser acolhedora antes de

(24)

 1. Horário marcado, horário cumprido.  2. Iniciar a reunião no horário marcado.  3. Não faltar as reuniões.

 4. Ler antes o texto da reunião.  5. Não perder tempo com casos.  6. Objetividade no texto.

 7. Não ser dominador.  8. Não fugir do texto.

(25)

 Ninguém pode receber alguma coisa se esta

não lhe for dada do céu. João 3,27.

 Reveja os pontos que você pode melhorar.  Entregue-se a oração antes de sua tarefa.  Vocês são escolhidos de DEUS.

 Em JESUS, não tenha medo e nem receio.  Acredite no poder de JESUS.

 Conduza seu grupo para a confissão.  Realize os propósitos sem restrição.  Confie em JESUS.

(26)

 Não se irrite por causa dos maus,  nem tenha inveja dos injustos.

 Eles são como erva: secam depressa,  murcham logo como a relva.

 Confie no Senhor e pratique o bem,  habite na terra e viva tranquilo.

 Coloquem no Senhor o seu prazer,  e ele dará o que seu coração deseja.  Entregue seu caminho ao Senhor, nele  confie, e ele agirá.

(27)

 O que você representa para o grupo que você

Referências

Documentos relacionados

Sumita, que também é diretor-científico da Sociedade Brasileira de Patologia Clínica/Medicina Laboratorial (SBPC/ML) e um dos organizadores de uma recente publicação sobre o

[r]

2- Cartão de Crédito via PAG SEGURO (para pagamento parcelado taxas do PAG SEGURO serão acrescidas) Assim que recebermos sua ficha de inscrição e verificarmos que o

Um estudo de caráter transversal foi realizado durante o primeiro dia da Campanha Nacional de Vacinação de 2004, em Cuiabá, Mato Grosso, Brasil, com o obje- tivo de conhecer

Partindo disso, a redução de danos ganha enfoque, por representar um marco no âmbito da saúde pública, quando aceita que o uso de drogas faz parte de práticas culturais,

Embora em número mais reduzido, a obra de Luísa Ducla Soares conta já com alguns álbuns narrativos para crianças; género este que aposta na narrativização, enquanto forma