• Nenhum resultado encontrado

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO"

Copied!
22
0
0

Texto

(1)

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL

MEC - INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO

RESOLUÇÃO “AD REFERENDUM” Nº 058/2018, DE 28 DE DEZEMBRO DE 2018

Dispõe sobre aprovação do Projeto Pedagógico do Curso de Formação Inicial e Continuada de Língua Brasileira de Sinais Intermediário I e II do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro

O PRESIDENTE SUBSTITUTO DO CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO, no uso das atribuições que lhe confere a Lei nº 11.892 de 29/12/2008, publicada no DOU de 30/12/2008, o Estatuto aprovado pela Resolução nº 01/2009, do dia 17/08/2009, publicada no DOU de 21/08/2009 e Portaria nº 284 de 17 de fevereiro de 2017, publicado no DOU de 24/02/2017, Seção 2, página 26 RESOLVE:

Art. 1º - Aprovar “ad referendum” o Projeto Pedagógico do Curso de Formação Inicial e Continuada de Língua Brasileira de Sinais Intermediário I e II do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro, conforme anexo.

Art. 2º - Esta Resolução entra em vigor nesta data.

Uberaba, 28 de dezembro de 2018.

José Antônio Bessa

(2)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E

CONTINUADA DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS

INTERMÉDIARIO I E II

UBERABA – MG 2018

(3)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO

PRESIDENTE DA REPÚBLICA Michel Miguel Elias Temer MINISTRO DA EDUCAÇÃO

Rossieli Soares da Silva

SECRETÁRIO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

Romero Portella Raposo Filho

REITOR

Roberto Gil Rodrigues de Almeida

PRÓ-REITOR DE EXTENSÃO

Eurípedes Ronaldo Ananias Ferreira

PRÓ- REITOR DE ENSINO

Danielle Freire Paoloni

COORDENAÇÃO GERAL DO CENTRO DE IDIOMAS E RELAÇÕES INTERNACIONAIS

Juliana Vilela Alves Pacheco

UBERABA – MG 2018

(4)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO

PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE FORMAÇÃO INICIAL E

CONTINUADA DE LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - BÁSICO

ELABORAÇÃO

Cláudia Helena Rezende Lemes IFTM - Reitoria Eleni de Oliveira Ramos IFTM – Campus Uberaba Juliana Vilela Alves Pacheco IFTM – Reitoria/Campus Uberlândia Centro Liciane Mateus da Silva IFTM - Reitoria Loraine Vidigal Lisboa IFTM – Campus Uberaba Mayara Laura Rocha Rossi Martins IFTM - Reitoria Tâmara Favarato Abdanur Resende

IFTM - Reitoria

UBERABA– MG 2018

(5)

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO MINEIRO

NOSSA MISSÃO

Ofertar a Educação Profissional e Tecnológica por meio do Ensino, Pesquisa e Extensão promovendo o desenvolvimento na perspectiva de uma sociedade inclusiva e democrática.

NOSSA VISÃO DE FUTURO

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro (IFTM) busca ser referência regional pela qualidade de seus cursos, relevância de sua produção científica e mérito de suas atividades na formação de profissionais competentes e comprometidos com a comunidade a qual pertencem.

(6)

A música mais perfeita da história foi composta por um homem surdo: Beethoven (9.ª Sinfonia). Isso prova que ninguém pode deter uma pessoa, a não ser ela mesma.

(7)

Sumário

1- Dados da instituição de ensino 6

2- Dados do curso 6 3- Justificativa 6 4-Objetivos 8 4.1- Objetivos gerais 8 4.2 Objetivos específicos 8 5-Público-alvo 9

6-Perfil profissional e área de concentração 9

7-Matriz curricular 9

8- Pré-requisitos de acesso ao curso 10

8.1-Estruturação 10

8.2.1- Ementas e carga horária dos módulos/disciplinas 12 8.2.2. Atividades acadêmicas, científicas e culturais ou atividades complementares 13

9- Avaliação do processo ensino/aprendizagem 13

10- Quadro dos docentes envolvidos no curso. 13

11- Infraestrutura 14

(8)

6

1 DADOS DA INSTITUIÇÃO DE ENSINO

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, RAZÃO SOCIAL CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TRIÂNGULO

MINEIRO CNPJ 10.695.891/0001-00

ESFERA ADMINISTRATIVA FEDERAL

ENDEREÇO Av. Doutor Randolfo Borges Júnior, 2900 - Bairro: Univerdecidade.

CIDADE/UF/CEP CEP: 38064-300 - Uberaba/MG

RESPONSÁVEL PELO CURSO Centro de idiomas DDD TELEFONE (34)3326-1141 DDD FAX (34) 3326-1101 E-MAIL idiomas@iftm.edu.br SITE www.iftm.edu.br/internacional 2 DADOS DO CURSO

CURSO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC) DE LIBRAS INTERMEDIARIO I E II

EIXO TECNOLÓGICO LINGUÍSSTICA, LETRAS E ARTES

CERTIFICAÇÃO FORMAÇÃO INICIAL E CONTINUADA (FIC)

NÚMERO DE VAGAS 30

FREQUÊNCIA OFERTA SEMIPRESENCIAL

CARGA HORÁRIA TOTAL 160h/aula

PERIODICIDADE DAS AULAS SEMANAL

TURNO E HORÁRIO MATUTINO-VESPERTINO-NOTURNO

LOCAL TODOS OS CAMPI

3- JUSTIFICATIVA

A formação inicial e continuada é concebida como uma oferta educativa e de muita importância para os alunos, professores e toda comunidade por ser específica para um bom desenvolvimento profissional, social e tecnológico. Além de favorecer a qualificação, a requalificação, o desenvolvimento profissional, a integração com toda a sociedade e diversidade dos trabalhadores em diversos níveis de escolaridade, de formação e de

(9)

7 necessidade especial. Nesse sentido, consolida-se em iniciativas que visam integrar, formar, qualificar, requalificar e possibilitar tanto atualização quanto aperfeiçoamento profissional a cidadãos em atividade produtiva ou não. Devemos, enquanto Instituição formadora, trazer de volta, ao ambiente educacional, pessoas que estão em pleno desenvolvimento educacional e social, sendo preparadas para fazerem a socialização e integração de pessoas com necessidades especiais que foram excluídas dos processos educativos formais e que necessitam dessa ação educativa para dar início a seus estudos. Ancorada no conceito de politecnia e na perspectiva crítico-emancipatória, a formação inicial e continuada, ao se estabelecer no entrecruzamento dos eixos sociedade, cultura, trabalho, educação e cidadania, compromete-se com a elevação da escolaridade, sintonizando formação humana e formação profissional, com vistas à aquisição de conhecimentos científicos, técnicos, tecnológicos e ético políticos, propícios ao desenvolvimento integral do sujeito. A partir da década de noventa, com a publicação da atual Lei de Diretrizes e Bases da Educação (Lei n. 9.394/96), a educação profissional passou por diversas mudanças nos seus direcionamentos filosóficos e pedagógicos, passando a ter um espaço delimitado na própria lei, configurando-se em uma modalidade da educação nacional. Mais recentemente, em 2008, as instituições federais de educação profissional, foram reestruturadas para se configurarem em uma rede nacional de instituições públicas de EPT, denominando-se de Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia. Portanto, tem sido pauta da agenda de governo como uma política pública dentro de um amplo projeto de expansão e interiorização dessas instituições educativas. Nesse sentido, o IFTM ampliou sua atuação em diferentes municípios com a oferta de cursos em diferentes áreas profissionais, conforme as necessidades locais. A oferta do Curso FIC em Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) – Intermediário I E II, na modalidade semipresencial, aparece como uma opção para a qualificação de profissionais para atuar em diversas áreas em que a comunicação por meio da Língua de Sinais (LIBRAS) representa um significativo avanço,constatando que o ano de 2017 para o IFTM vem sendo significativo com a entrada de tradutores Intérpretes de Libras e de alunos surdos, modificando a forma como todos os profissionais se organizam dentro dos espaços, a opinião dos mesmos perante pessoas com diferenças comunicacionais , trazendo à tona novos processos, novas opiniões e adaptações para que todos sejam recebidos de forma coerente a tão sonhada Inclusão. Nessa perspectiva, o IFTM propõe-se, através do curso de formação Inicial e continuada em Língua Brasileira de Sinais –Intermediário, na modalidade semipresencial, momentos de interação e construção de

(10)

8 novos conhecimentos acerca da cultura e língua natural da comunidade surda contribuindo para a elevação da qualidade dos serviços prestados à sociedade, por meio de um processo de apropriação, difusão de produção de conhecimentos científicos e tecnológicos. Por meio deste curso, poderá contribuir com a formação humana integral e com o desenvolvimento socioeconômico da região articulado aos processos de democratização e justiça social e Inclusão de pessoas com necessidades Especiais.

4 OBJETIVOS 4.1 GERAL

Atender às necessidades de alunos, servidores e comunidade em geral, no que diz respeito à aprendizagem de línguas, neste caso a Língua Brasileira de Sinais-Libras, dentro de uma formação profissional e cidadã, competente e comprometida com a comunidade na qual o aprendiz está inserido, construindo nos discentes um perfil solidário, consciente e aberto às diversidades e à Inclusão de pessoas com necessidades especiais.

4.2 ESPECÍFICOS

•Oferecer o curso de Língua de Sinais Brasileira- nível Intermediário de acordo com a necessidade da comunidade interna e externa e de acordo com a estrutura institucional; • ampliar o universo cultural e linguístico, a fim de gerar o progresso da ciência e da tecnologia em ambientes acadêmicos e profissionais, integrando a sociedade majoritária a uma comunidade minutária;

• promover a integração e a socialização entre pessoas com necessidades especiais promovendo a interculturalidade e a internacionalização no IFTM;

(11)

9

5 PÚBLICO-ALVO

O curso FIC de Libras – nível Intermediário , na modalidade semipresencial, é destinado aos integrantes da comunidade interna do IFTM e externa a partir de 13 anos de idade.

6 PERFIL PROFISSIONAL E ÁREA DE CONCENTRAÇÃO

Após a conclusão do curso de Libras básico, o discente egresso deve ter desenvolvido competências básicas na Língua de Sinais Brasileira suficientes para uma comunicação mais autônoma e confiante no exercício de suas atividades laborais, culturais, sociais e interpessoais. Dessa forma, contribuindo para uma (re) inserção no mundo de trabalho, para socialização e interação com a comunidade surda por meio da elevação de escolaridade e atualização e formação profissional. Assim, ao concluir o curso de formação inicial, o egresso deverá:

• entender estruturas básicas da Língua Brasileira de Sinais;

• conhecer temas em Língua de Sinais e sua utilização em diversos contextos;

• expressar-se na Língua de Sinais Brasileira, em nível básico, em contextos formais e informais;

• adotar uma postura ética e profissional no ambiente de trabalho, interagindo com algum servidor ou aluno que possuir surdez;

• entender a importância da comunicação de formas diferentes em diversos espaços tanto formais e informais.

7 EQUIPAMENTOS E MATERIAL DE CONSUMO PRÉ-REQUISITOS DE ACESSO AO CURSO

Os candidatos com interesse em participar do processo de seleção para o curso FIC Espanhol Básico deverão atender os seguintes pré-requisitos:

• ter no mínimo 13 anos no ato da matrícula;

• disponibilidade de, no mínimo, 6 horas semanais sendo 3 para as aulas regulares presenciais e 3 para as atividades teórico-práticas de aperfeiçoamento profissional.

(12)

10 Os critérios para o ingresso no curso serão publicados em edital. As etapas da seleção consistem em duas fases:

1ª – inscrição no site do curso atendendo aos pré-requisitos;

2ª – o candidato sendo sorteado deverá entregar os documentos necessários à Coordenação de Controle de Registro Acadêmico para efetuar a matrícula. Caso o candidato não entregue os documentos necessários ele será automaticamente eliminado do processo seletivo.

Após a efetivação da matrícula, caso o estudante se ausente nas primeiras duas semanas do curso, ele será automaticamente desligado.

Para ingressar no curso Avançado os alunos deverão submeter ao processo seletivo de vagas remanescentes conforme critérios publicados em edital.

8- MATRIZ CURRICULAR

8.1 ESTRUTURAÇÃO

8.1.1 Matriz curricular

Curso Módulo Carga horária no modulo

Carga horária total do Curso Libras Intermediário I e II Intermediário I 50hrs presenciais e 30 a distância; Intermediário II 50hrs presenciais e 30 a distância; 160 horas

8.2 EMENTAS E CARGA HORÁRIA DOS MÓDULOS/DISCIPLINAS

(13)

11

Modulo intermediário Conteúdo Carga horaria

Língua Brasileira de Sinais e classificadores

Tipos de classificadores 10 hrs Fonologia e morfologia Propriedade da Língua Brasileira de

Sinais

Elementos fonológicos Formação de palavras

05 hrs

Sintaxe da Língua de Sinais Uso das expressões faciais Nível da sintaxe

05 hrs Libras IV Utilização dos classificadores em

diferentes contextos; Verbos;

Tipos de verbos;

Maquiagem e cuidados especiais

30 hrs

Libras V Vestuário

Personagens de histórias Infantis; Times de futebol Religião; Saúde e medicina; 30 hrs Libras VI Profissões; Economia; Especialidades medicas; 20 hrs Atividades teórico-práticas de aperfeiçoamento profissional Participação em eventos; Visita a entidade de surdos; Portfólio com apresentação teatral; Confecção de atividade para uso tecnológico;

60 hrs cada modulo;

(14)

12 Língua Brasileira de Sinais e classificadores

Modulo I e II Carga Horária 10h

Ementa

Nesta unidade daremos início ao aprendizado dos alunos na estrutura gramatical da Libras, iremos introduzir conceitos, e significados importantes para maior eficácia na hora de realizar os sinais, para que assim os mesmos possam comunicar com por pares surdos em qualquer lugar que os encontrarem.

Bibliografia

PERLIN, Gladis T.T. Identidades surdas. In Skliar. A Surdez; um olhar sobre as diferenças. Carlos (org.) Porto Alegre: Editora Mediação, 1998.

QUADROS, Ronice Müller de; KARNOPP, Lodenir. Língua de sinais brasileira: estudos lingüísticos. Porto Alegre: ARTMED, 2004. Capítulo 1.

GESSER, Audrei – LIBRAS?: Que língua é essa?:crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009

Fonologia e morfologia

Módulo I e II Carga Horária 10h

Ementa

Daremos início nesta unidade o aprendizado em relação a fonologia e Morfologia. Dentre os temas a serem estudados temos: Processos fonológicos da Libras. Teorias e métodos de análise fonológica. Relação entre a fonética e a fonologia das línguas orais e da LIBRAS. Modelos de análise morfológica. Identificação e classificação de morfemas. Formação e classe de palavras em diversas línguas. Relação entre a morfologia das línguas orais e da LIBRAS.

Bibliografia

PERLIN, Gladis T.T. Identidades surdas. In Skliar. A Surdez; um olhar sobre as diferenças. Carlos (org.) Porto Alegre: Editora Mediação, 1998.

(15)

13 QUADROS, Ronice Müller de; KARNOPP, Lodenir. Língua de sinais brasileira: estudos lingüísticos. Porto Alegre: ARTMED, 2004. Capítulo 1.

GESSER, Audrei – LIBRAS?: Que língua é essa?:crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009

Sintaxe

Módulo I e II Carga Horária 10h

Ementa

Iniciaremos nesta unidade os estudos sobre: Teorias sintáticas com base na análise de fenômenos linguísticos de línguas naturais. Relação entre a sintaxe das línguas orais e da LIBRAS.

Bibliografia

PERLIN, Gladis T.T. Identidades surdas. In Skliar. A Surdez; um olhar sobre as diferenças. Carlos (org.) Porto Alegre: Editora Mediação, 1998.

QUADROS, Ronice Müller de; KARNOPP, Lodenir. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: ARTMED, 2004. Capítulo 1.

GESSER, Audrei – LIBRAS? Que língua é essa? crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009

Libras IV

Módulo I e II Carga Horária 10h

Ementa

A partir deste módulo iniciaremos a parte pratica do nosso curso onde veremos temas como: Utilização dos classificadores em diferentes contextos; Verbos; Tipos de verbos; Maquiagem e cuidados especiais.

(16)

14 Bibliografia

PERLIN, Gladis T.T. Identidades surdas. In Skliar. A Surdez; um olhar sobre as diferenças. Carlos (org.) Porto Alegre: Editora Mediação, 1998.

QUADROS, Ronice Müller de; KARNOPP, Lodenir. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: ARTMED, 2004. Capítulo 1.

GESSER, Audrei – LIBRAS?: Que língua é essa?:crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009

Libras V

Módulo I e II Carga Horária 10h

Ementa

Daremos continuidade na parte prática do curso, nesta unidade veremos: Vestuário Personagens de histórias Infantis; Times de futebol; Religião; Saúde e medicina;

Bibliografia

PERLIN, Gladis T.T. Identidades surdas. In Skliar. A Surdez; um olhar sobre as diferenças. Carlos (org.) Porto Alegre: Editora Mediação, 1998.

QUADROS, Ronice Müller de; KARNOPP, Lodenir. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: ARTMED, 2004. Capítulo 1.

GESSER, Audrei – LIBRAS? Que língua é essa? crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009

Libras VI

Modulo I e II Carga Horária 10h

(17)

15 Finalizado mais um modulo, nesta unidade estaremos aprendendo sinais referentes aos temas: Profissões; Economia; Especialidades medicas.

Bibliografia

PERLIN, Gladis T.T. Identidades surdas. In Skliar. A Surdez; um olhar sobre as diferenças. Carlos (org.) Porto Alegre: Editora Mediação, 1998.

QUADROS, Ronice Müller de; KARNOPP, Lodenir. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: ARTMED, 2004. Capítulo 1.

GESSER, Audrei – LIBRAS?: Que língua é essa?:crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009

Atividades a distância

Modulo I Carga Horária 30H

Ementa

Na unidade de Atividades á Distância o aluno terá oportunidade de estar em contato com a comunidade surda, cultura e as diferentes identidades construídas dentro e fora de um ambiente linguístico rico e com regras próprias de apropriação de conhecimento. Bibliografia

PERLIN, G.T.T. Identidades surdas. In: SKLIAR, C. (Org.). A surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Mediação, 1998.

POCHE, B. A construção social da língua. In: VERMES G.; BOUTET, J. (Org.). Multilinguístico. Campinas: Editora da UNICAMP, 1989.

QUADROS, R.M. Educação de surdos: a aquisição de linguagem. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

(18)

16

8.2.1 CONCEPÇÃO METODOLÓGICA

Os cursos serão ministrados com base na Abordagem Comunicativa, visando o domínio da Libras, como segunda língua oficial do nosso país, priorizando as competências: gramatical, sociolinguística, discursiva e estratégica. A abordagem comunicativa como opção metodológica se deve a inúmeros fatores. O enfoque na apresentação visuo-espacial está voltado para os interesses e necessidades dos alunos em uma situação que tende a se aproximar do uso real da língua. Dessa maneira, proporcionam condições para o desenvolvimento da competência linguístico – comunicativa, dentro de situações que simulem a interação com falantes- usuários da língua-alvo (ALMEIDA FILHO, 1993). Outro ponto importante na utilização desta abordagem é que a forma tradicional de ensino de línguas tem se mostrado ineficaz, já que busca a competência por meio da gramática e do léxico, em estruturas que privilegiam o ensino sobre a língua e suas respectivas regras gramaticais. Já na Abordagem Comunicativa, o ensino da gramática se dá de forma indutiva. Widdowson (1991:25-37) pontua que o ensino do uso da língua acaba por garantir também a aprendizagem de formas, pois elas são parte integrante dele, e defende a ideia de que para o aprendiz de uma língua como estrutura diferente é mais importante saber usá-la do que discorrer sobre regras e formas lexicais. Esse reconhecimento sobre a importância da utilização da língua possibilita uma mudança nos papeis tanto do aluno quanto do professor. O aluno passa a ser mais ativo, pois está inserido em atividades que envolvem dramatizações dentro do círculo vivo de trocas sociais, ganhando mais responsabilidade e autonomia sobre o seu processo de aprendizagem. Já o professor aparece nesse cenário como negociador de significados e facilitador da aprendizagem e coparticipante desse contexto construído.

8.2.2. Atividades teórico-práticas de aperfeiçoamento profissional

Para aprimorar a formação integral dos estudantes nas línguas–alvo, serão realizadas atividades culturais e complementares, com carga horária, objetivos, avaliação e certificação previstos em projeto próprio. Poderão ser organizados eventos diversos como feiras, festivais, seminários ou saraus, que favoreçam a interculturalidade e a integração entre docentes e discentes do Centro de Idiomas. As atividades oferecidas também contemplarão os docentes, por meio de treinamentos e momentos que propiciem a formação continuada dos profissionais envolvidos no processo de ensino-aprendizagem de línguas.

(19)

17

9- AVALIAÇÃO DO PROCESSO ENSINO/APRENDIZAGEM

A avaliação deverá ser feita de forma diversa e múltipla, de modo que o número de atividades de avaliação a serem aplicadas deverá ser de, no mínimo, 03 (três) unidades curriculares sendo divididas em:

1. 1ª avaliação: valor 35,0 para avaliação formativa, escrita e/ou de compreensão visual. 2. 2ª avaliação: valor 35,0 sendo 21 pontos para avaliação escrita e 14 pontos de compreensão visual;

3. 3ª avaliação: valor 30,0 pontos: para avaliação formativa e entrega das atividades a distância podendo ser individual, em dupla ou em grupo.

Dessa forma, o módulo letivo totalizará 100 pontos e o aluno deverá atingir média de 60% da nota e frequência de 75% para aprovação. Caso o estudante não atinja o índice mínimo de frequência (75%), ele poderá ser aprovado se obtiver nota final igual ou superior a 80%. O estudante que perder alguma avaliação durante o semestre, poderá requerer segunda chamada, desde que apresente justificativa protocolada na Coordenação de Controle e registro acadêmico, que será encaminhada e avaliada pela Coordenação do Centro de Idiomas no campus e/ou Assessoria pedagógica. Se o aluno não atingir a nota mínima de 60% para aprovação no módulo, deverá repeti-lo assim que houver turma ofertada nesse módulo. As avaliações deverão primar pela verificação da capacidade de aprendizado dos alunos, em sintonia com a matriz curricular, levando-se em conta os princípios da avaliação formativa. A certificação dar-se-á apenas ao final de cada nível (Básico, Intermediário e Avançado). Ao concluir cada semestre/módulo, o aluno terá direito a uma declaração constando carga horária, aproveitamento e nível cursado. Para os estudantes dos cursos de Libras, a certificação acontecerá da seguinte forma: ao final do primeiro nível, o aluno receberá um certificado de conclusão que corresponde ao nível de conhecimento Básico, conforme disposto neste Projeto.

Ao concluir cada semestre/módulo, o aluno terá direito a uma declaração constando carga horária, aproveitamento e nível cursado. Para os estudantes dos cursos de Libras, a certificação acontecerá da seguinte forma: ao final do primeiro nível, o aluno receberá um certificado de conclusão que corresponde ao nível de conhecimento Intermediário, conforme disposto neste Projeto.

(20)

18

10- QUADRO DOS DOCENTES ENVOLVIDOS NO CURSO DOCENTES

Nome Formação acadêmica Campus

Carlos Eduardo de Campos Florêncio Ensino médio completo Uberlândia Angelita Barbosa Martins Licenciada em pedagogia Campina Verde Alisson Barcelar Cardoso Pós-graduado em Libras Paracatu Eleni de Oliveira Ramos Licenciada em letras/português

Pós-graduada em Libras

Uberaba Kátia Aparecida de Souza Costa

Matias

Bacharel em tradução e Interpretação da Língua Brasileira de Sinais- Pós-graduada em tradução e Interpretação e docência da Língua Brasileira de Sinais.

Uberlândia centro

Kelley Aparecida de Sampaio Alves Pedra

Licenciada em

Letras/Português/Inglês

Patos de Minas Marina Beatriz Ferreira Valim Licenciada em Pedagogia com

Habilitação em Educação Especial- Pós-graduada em Educação Especial e Deficiência Auditiva.

Parque tecnológico

Mayara Laura Rocha Rossi Martins Licenciada em Pedagogia-Pós-Graduada em Libras

Reitoria

Professor com graduação em Letras ou Pedagogia e Pós-graduado na área de Libras ou tradução e Interpretação e/ou Professor com qualquer graduação acrescido de Prolibras e ou CAS.

02

EQUIPE PEDAGÓGICA

(21)

19 pedagógica ao coordenador de curso e aos professores, no que diz respeito à

implementação das políticas educacionais da Instituição e o acompanhamento pedagógico do processo de ensino e aprendizagem.

EQUIPE ADMINISTRATIVA

Profissional de nível médio para prover a organização e o apoio administrativo da secretaria do Curso.

01

11 INFRAESTRUTURA

Este item especifica a infraestrutura necessária ao Curso, como salas de aula, biblioteca, laboratório de informática, sala dos professores e banheiros.

Os docentes e estudantes matriculados no curso também poderão solicitar, por empréstimo, títulos cadastrados na Biblioteca. Nessa situação, os usuários estarão submetidos às regras do Sistema de Biblioteca do IFTM.

O quadro abaixo apresenta detalhamentos referentes a instalações e equipamentos necessários ao funcionamento do Curso de FIC em Libras.

QUANTIDADE ESPAÇO FISICO DESCRIÇÃO

1 Sala de aula Com 30 carteiras e 01 projetor multimídia. 2 Materiais específicos 1 apostila e vídeos em Libras

1.1 EQUIPAMENTOS E MATERIAL DE CONSUMO

Para que se obtenha um bom resultado na aprendizagem das línguas-alvo, o conteúdo deve ser apresentado de maneira significativa com aulas expositivas e dialogadas, atividades variadas, visando a atender às diferentes necessidades dos alunos. O professor deve ser mediador e o aluno o agente do processo ensino/aprendizagem. O conteúdo será apresentado de forma gradativa para que o aluno seja capaz de reconhecer e, também, de aplicar as estruturas aprendidas em diálogos simples. A apostila será utilizada e, posteriormente, complementada com atividades orais e comunicativas que envolvam aluno/professor, aluno/aluno,

(22)

20 aluno/grupo, músicas, jogos, encenações, DVDs, CDs, livros literários e, também, exercícios escritos. Os principais recursos a serem utilizados são:

ESPECIFICAÇÃO UNID. QUANT.

Sala de aula com carteiras 1 30

Data show 1 1

Quadro branco

11.2 MATERIAL DIDÁTICO

ESPECIFICAÇÃO UNID. QUANT.

Referências

Documentos relacionados

A empresa GMV Recycle, registrada sob a denominação de GMV Gerenciamento de Transportes LTDA-ME, inscrita no CNPJ sob nº 09.548.787/0001-03, situada na Avenida

Atividades de lazer; fazer, aceitar e recusar um convite; verbos, complementos e relações de sentido; hábitos de lazer recorrentes no passado; expressão de sentimentos; verbo

As despesas operacionais em 2011 apresentaram uma evolução de R$1.295 milhões, 37,4% maior que em 2010, influenciadas, principalmente, pelo aumento das despesas de provisão para

Belo Horizonte 20/05/2015.. A apresentação faz referências e declarações sobre expectativas, sinergias planejadas, planos de crescimento, projeções de resultados e estratégias

Esses riscos e incertezas incluem, mas não são limitados a, nossa habilidade de perceber a dimensão das sinergias projetadas e seus cronogramas, bem como aspectos

Esses riscos e incertezas incluem, mas não são limitados a, nossa habilidade de perceber a dimensão das sinergias projetadas e seus cronogramas, bem como aspectos

A metodologia de cálculo destes números gerenciais é demonstrada no relatório trimestral (MD&A) do Itaú Unibanco Holding. Para obter informações adicionais sobre fatores que

1º - Aprovar “ad referendum” o Projeto Pedagógico do Curso de Formação Inicial e Continuada de Língua Brasileira de Sinais (Libras) – Básico, do Instituto