preocupação com a saúde

Top PDF preocupação com a saúde:

Preocupação com a saúde medeia a relação entre alegação de saúde e aceitação de barras alimentícias / Health concern mediation relationship between health claim and acceptance of food bars

Preocupação com a saúde medeia a relação entre alegação de saúde e aceitação de barras alimentícias / Health concern mediation relationship between health claim and acceptance of food bars

Foi observado que a aceitação foi dependente das interações sessão*produto, preocupação com a saúde*produto e preocupação com a saúde*sessão (p<0.0001). Maior preocupação com a saúde acarretou em maior aceitação sensorial, dependendo do tipo de alegação informada, estando ou não associada a modismos alimentares. A idade relacionou-se com as alegações “fonte de proteínas”, “fonte de ômega-3” e “sem conservantes/aromas/corantes”; o sexo com as alegações “livre de gorduras trans”, “baixo em sódio”, “sem açúcar” e “baixo em gordura saturada”; enquanto a escolaridade relacionou-se com as alegações “sem lactose” e “light” ou “diet”.
Mostrar mais

6 Ler mais

ESTUDO SOBRE A PREOCUPAÇÃO DAS EMPRESAS COM A SAÚDE DOS FUNCIONÁRIOS.

ESTUDO SOBRE A PREOCUPAÇÃO DAS EMPRESAS COM A SAÚDE DOS FUNCIONÁRIOS.

RESUMO: A produtividade do funcionário está diretamente ligada com sua condição física, mental, espiritual e social. As empresas estão lentamente caminhando para essa conclusão, já comprovada em pesquisas. Neste trabalho buscamos transformar em números a preocupação destas para com a saúde do funcionário analisando a disponibilidade de atividades físicas e de intervalos periódicos, a qualidade da alimentação fornecida, as condições de trabalho e o acompanhamento à saúde do empregado. As micro e pequenas empresas apresentam menor evolução nesse sentido, mas em geral no Brasil a maturidade nestes quesitos continua insuficiente. O ponto em que os empregadores mostram-se mais relapso foi o acompanhamento médico, odontológico e psicológico ao funcionário.
Mostrar mais

6 Ler mais

Os medos das pessoas idosas e a influência na sua qualidade de vida

Os medos das pessoas idosas e a influência na sua qualidade de vida

Apoio da família: não tem família. Nasceu, em 1929, na Maternidade Alfredo da Costa, mas foi criado pela avó. A sua mãe faleceu, quando era pequenino, com 28 anos de idade. Foi batizado na igreja de Arroios. Referiu ter muita Fé em Deus. Não foi aprender a ler, porque a sua avó estava doente e não podia pagar a escola. Quando a avó faleceu, sofreu muito, chegou a ter que dormir no vão das escadas. Referiu nunca ter casado, porque não ganhava suficiente para duas pessoas viverem. Tinha um trabalho muito duro, como estivador, carregava pesos de 50 Kg e 100 Kg. Vive sozinho, num quarto, no Bairro Alto, desde há 30 anos, sentindo-se muito bem no seu quarto, por ser muito bem tratado pela dona da casa. Tem diabetes e tensão arterial alta, desde há 16 anos, mas não tem preocupação com a saúde, porque é seguido no Centro de Saúde. Referiu, ainda, que gostava que as pessoas fossem amigas umas das outras e o Governo também fosse melhor, para que não houvesse falta de dinheiro e para que as pessoas tivessem melhor alimentação.
Mostrar mais

113 Ler mais

há preocupação com a competência informacional? :: Brapci ::

há preocupação com a competência informacional? :: Brapci ::

“O Ministério da Saúde fará uma campanha nacional para alertar a população para o perigo da dengue. Alceni Guerra disse que o presidente Collor autorizou a abertura de licitação para a contratação de uma agência de publicidade que fará a campanha. O dia municipal de combate ao dengue será dia 15/01. O trabalho de conscientização da população para a gravidade do problema é prioridade no momento. Entre as medidas acertadas durante reunião entre Prefeitura e órgãos envolvidos, merecem destaque: formação de rede de emissoras de rádio, entrevistando técnicos de Saúde Pública e para pronunciamento do prefeito; envio de uma carta elaborada pela Sucen aos comerciantes para que vitrines mostrem criadouros e cartazes sobre o combate; participação da empresa de distribuição de gás Ultragás, com seus caminhões com alto-falantes passarão mensagens sobre o combate pela manhã do dia 15 na esplanada do Pedro II. Os moradores serão orientados pelos meios de comunicação a colocarem pneus velhos, latas, garrafas nas calçadas das casas para que sejam recolhidos. A Ultragás começará a distribuir folhetos explicativos com o calendário do mutirão para que os moradores dos bairros saibam em que dia a sua casa será visitada. O Disk Dengue, serviço que funciona 24 horas por dia informando a população sobre os meios de combater e evitar a doença, chegou a atender 100 chamados por dia de pessoas interessadas em conhecer os sintomas e tratamento da dengue. Campanhas foram feitas, com cartazes explicativos. Folha entrevista Aedes aegypti: em "entrevista exclusiva" à Folha, a elegante Aedes aegypti se defendeu das acusações que tem sofrido pela imprensa. Ela negou ser responsável pela epidemia de dengue no Estado e disse que o culpado é o próprio homem, porque as fêmeas do mosquito apenas transmitem. De barriga cheia e pernas listradas à mostra, ela acusou o ser humano de ser "facínora" por estar cometendo um infanticídio com a sua espécie. Disponibilização de um quadro intitulado "Tire suas dúvidas" no jornal. A Sucen vai criar o mosquito transmissor da dengue em cativeiros, para montar mostruários do Aedes que serão distribuídos aos postos de saúde. As pessoas estão conscientes da gravidade da doença”. (1 a quinzena – janeiro/1991) – (7 notícias)
Mostrar mais

13 Ler mais

Consumo de medicamentos em adolescentes escolares: uma preocupação.

Consumo de medicamentos em adolescentes escolares: uma preocupação.

O uso de medicamentos foi mais comum entre as alunas, o que está de acordo com os resultados da maioria dos estudos 13,24,25-28 . Entre as possíveis explicações para esse fenômeno, pode-se citar o estresse e a ansie- dade gerados pelos múltiplos papéis intra e extradomici- liares assumidos pelas mulheres, muitas vezes já na adolescência. Além disso, sabe-se que as mulheres pro- curam mais os serviços de saúde, expõem mais seus sentimentos e têm mais sintomas depressivos e interna- ções hospitalares do que os homens 24 . Todos esses fatores podem contribuir para um maior consumo de medicamentos pelas mulheres.
Mostrar mais

7 Ler mais

Preocupação Ambiental e Consumo Consciente: Os Meus, os Seus e os Nossos Interesses

Preocupação Ambiental e Consumo Consciente: Os Meus, os Seus e os Nossos Interesses

Na realidade, os três grupos mostraram o egoísmo relacionado às suas preocupações, pois temem pelos impactos negativos que podem afetar sua própria saúde ou também interferir na sua qualidade de vida e no bem-estar almejados, já que manter a sobrevivência dos seres humanos torna-se um fim em si mesmo, quando se trata de proteger o meio ambiente. Neste contexto, o desafio da sustentabilidade em desvincular o crescimento econômico e a prosperidade da exploração dos recursos naturais, ainda não tem respostas claras de como será alcançado. Para comprovar este fato, o entrevistado E5 (54 anos) mencionou, resumidamente, o que esta pesquisa constatou: “A preocupação ambiental é total, mas a atitude é zero”.
Mostrar mais

28 Ler mais

A experiência da saúde coletiva na formação profissional: retrato da extensão universitária

A experiência da saúde coletiva na formação profissional: retrato da extensão universitária

As Diretrizes Curriculares Nacionais para os Cursos de Odontologia explicitam a necessidade de formação de um profissional capaz de analisar os problemas de uma comunidade, avaliar as necessidades e obter soluções para os mesmos. A atividade de extensão pode ser considerada uma ferramenta eficaz de ensino-aprendizagem, pois favorece a diversificação dos ambientes de aprendizagem, permitindo a inserção dos alunos de graduação e pós-graduação em cenários reais. O objetivo, neste trabalho, foi verificar projetos e programas, na área de saúde coletiva, relatando as experiências de integração academia-serviços de saúde na formação profissional desenvolvidos pela UNESP-FOA. Foi realizada uma pesquisa histórica, documental, descritiva, com consulta aos arquivos institucionais, considerando: textos oficiais, relatórios, documentos, banco de dados da pró-reitoria de extensão e artigos publicados, no período de 1964 a 2011. Verificaram-se as seguintes experiências: Serviço Extra-Muro Odontológico (SEMO), criado em 1964, objetivando a atenção odontológica à população rural, evidenciando que naquela época já havia o entendimento da inclusão social de grupos negligenciados. Em 1972, o serviço foi ampliado para zona urbana, para várias populações especificas. Nos anos 60, foram realizadas várias campanhas educativas: Filtro caseiro e Construção de poços e fossas, demonstrando a preocupação com os determinantes do processo saúde-
Mostrar mais

15 Ler mais

Diferenças de género na promoção da educação para a saúde sexual e reprodutiva : um estudo com utentes e enfermeiros/as das consultas de planeamento familiar e saúde materna

Diferenças de género na promoção da educação para a saúde sexual e reprodutiva : um estudo com utentes e enfermeiros/as das consultas de planeamento familiar e saúde materna

lidar com o impacto na saúde do aborto não seguro, como a maior preocupação de saúde pública (ponto 106j); reduzir o recurso ao aborto, assegurar que em nenhum caso o aborto será promovido como um método de planeamento familiar, fazer todas as tentativas para eliminar a necessidade de aborto, assegurar o aconselhamento pós-aborto (de acordo com a legislação do país), ou considerar a revisão das leis punitivas contra a mulher que realizou um aborto ilegal, prevenir as gravidezes não desejadas e assegurar que as mulheres que têm gravidezes não desejadas, têm a informação e o aconselhamento adequado através do alargamento e melhoria dos serviços de planeamento familiar (ponto 106K); promover a informação pública sobre os benefícios do aleitamento materno (ponto 106r); dar prioridade a programas educativos formais e informais que apoiem e capacitem a mulher a desenvolver a sua auto-estima, a adquirirem conhecimento, a tomarem decisões e a serem responsá- veis com a sua própria saúde, a adquirirem respeito mútuo na sexualidade e fertilidade e a educarem o homem sobre a importância da saúde e bem estar da mulher (ponto 107a); encorajar o homem a partilhar com igualdade os trabalhos de casa e o cuidar das crianças e partilhar o apoio financeiro da família, mesmo quando não vivem com ela (ponto 107c); encorajar o homem e a mulher a serem responsáveis pelo seu comportamento sexual e reprodutivo (ponto 107d); desenvolver programas e estratégias multissectoriais sensíveis às questões de género para educar e capacitar o homem a assumir a sua responsabilidade na prevenção do VIH/SIDA e outras doenças sexualmente transmissí- veis (ponto 107e); e dar a todas as mulheres e profissionais de saúde toda a informação relevante e educação sobre as doenças sexualmente transmissíveis incluindo o VIH/SIDA na gravidez e as impli- cações para o/a bebé, incluindo a amamentação (ponto 107i).
Mostrar mais

245 Ler mais

Avaliação da preocupação com a forma corporal: um desafio

Avaliação da preocupação com a forma corporal: um desafio

Striegel-Moore et al. (2009) analisaram a prevalência de sintomas de transtornos alimentares e da preocupação com a imagem corporal entre os sexos. Participaram do estudo 5.522 indivíduos adultos (67% mulheres) membros de uma organização americana de manutenção da saúde. Foram coletadas informações sobre o peso e a altura. Para avaliar a compulsão alimentar e os comportamentos compensatórios foi utilizado o Patient Health Question- naire (PHQ) e para avaliação da preocupação com a forma do corpo foi aplicado o Body Shape Questionnaire (BSQ). O estudo revelou uma diferença altamente significativa (p < 0,001) entre os sexos no que se refere à preocupação com a forma do corpo e à compulsão alimentar, apontando maior acometimento das mulheres. Laus, Costa e de Almeida (2009) avaliaram a insatisfação com a forma do corpo de 118 estudantes adolescentes de escolas públicas, da cidade de Ribeirão Preto – SP, de ambos os sexos (52% homens). Os investigadores observaram que as meninas apresentaram maior insatisfação com a forma corporal (61%) quando comparadas com os meninos (14%), segundo os valores médios do BSQ.
Mostrar mais

17 Ler mais

Rev. Saúde Pública  vol.24 número3

Rev. Saúde Pública vol.24 número3

"Nós, participantes do Grupo de Trabalho sobre Violência e Saúde na América Latina, a partir da análise da violência e seu impacto na saúde, vimos manifestar nossa preocupação e decl[r]

1 Ler mais

O nexo nacional-internacional na saúde pública: o Uruguai e a circulação das políticas e ideologias de saúde infantil, 1890-1940.

O nexo nacional-internacional na saúde pública: o Uruguai e a circulação das políticas e ideologias de saúde infantil, 1890-1940.

O lugar do Uruguai na globalização do sistema de saúde foi ao mesmo tempo peculiar e previsível. Como os países da Europa Cen- tral e Oriental naquele tempo, o Uruguai compartilhava intensa- mente a construção do Estado moderno e os valores culturais com a Europa Ocidental, mas sob uma economia basicamente rural. Como em outros países latino-americanos, o Uruguai não estava atrelado a um único mandato internacional; ao contrário, interagia com vários exemplos de saúde pública. A preocupação européia, em meados do século XIX, em prevenir a propagação de doenças epidêmicas – e as conseqüências econômicas das interrupções do comércio – ecoou em uma série de encontros, realizados em Monte- vidéu e no Rio de Janeiro, iniciados em 1873, visando à padroniza- ção de medidas de quarentena e saneamento marítimo. A economia de exportação de carne e couro da Argentina e do Uruguai atenta- va particularmente para a proteção contra a febre amarela oriunda do Brasil, visto que a maioria dos navios que entravam no Rio da Prata depois de deixar o Brasil paravam em Buenos Aires e Monte- vidéu. Uma Convenção Sanitária de 1887, assinada pelo Brasil, Argentina e Uruguai – a primeira dessa espécie a ser ratificada nas Américas –, discriminava períodos de quarentena para navios que propagassem febre amarela e peste, e teve efeito por cinco anos, antes de ser descartada. Uma convenção semelhante, em 1904, in- cluía a notificação recíproca. Esses tratados antecipavam os esfor- ços pan-americanos posteriores na prevenção de surtos de infec- ções oriundos de navios comerciais e de imigrantes (Moll, 1940).
Mostrar mais

34 Ler mais

Saber e prática contraceptiva e prevenção de DST/HIV/AIDS em universitários da área da saúde.

Saber e prática contraceptiva e prevenção de DST/HIV/AIDS em universitários da área da saúde.

A anticoncepção é um tema extremamente relevante, especialmente se considerarmos os aspectos psicossociais advindos de uma gravidez precoce ou não planejados, além da possibilidade sempre existente de exposição às DST/HIV/AIDS. Da mesma forma, o sexo não pode ser vivenciado de forma saudável sem o conhecimento dos diversos métodos contraceptivos, maneira correta de uso e riscos advindos de uma relação sexual desprotegida. É importante destacar que as estudantes que adotam a pílula como forma de anticoncepção, fazem uso desse método de forma exclusiva, ou seja, não há associação desta com nenhuma outra forma de contracepção o que corrobora com o que foi dito anteriormente: a falta de preocupação com a prevenção e controle da AIDS e de outras doenças sexualmente transmissíveis. Em contrapartida, no universo feminino, a contracepção propriamente dita surgiu como aspecto mais relevante.
Mostrar mais

5 Ler mais

Ciênc. saúde coletiva  vol.18 número3

Ciênc. saúde coletiva vol.18 número3

nas os anseios futuros do campo da saúde do tra- balhador, mas principalmente as conquistas que foram obtidas nos últimos anos. Assim, fica claro que apesar de existirem lacunas e falhas a serem superadas na construção dos conceitos, nos méto- dos de pesquisa e nos fundamentos das políticas públicas, um olhar retrospectivo revela que parte significativa desse caminho já foi trilhado, o que aumenta o otimismo em seguir adiante. Preocupa- ções e referências comuns permeiam os capítulos do livro. A preocupação sistemática com a saúde do trabalhador que tem início com a modernidade industrial e com as peculiaridades da organização taylorista-fordista da produção tem na sociologia do trabalho uma matriz na qual é avaliada histori- camente, os processos de saúde, os riscos e o ado- ecimento nas atividades reconhecidas como traba- lho (ainda que existam pequenas diferenças de con- cepção em torno do caráter universal do trabalho nas sociedades capitalistas e sua caracterização ape- nas como processo produtor de mercadorias, po- sição que traz importantes consequências para se pensar o trabalho doméstico e outras atividades que não são voltadas para o mercado e que estão na base de diversas atividades que constituem hoje o setor de serviços, em especial o da área da saúde). As transformações nos processos produtivos, a difusão do trabalho imaterial, o predomínio no setor de serviços, a precarização do trabalho am- plificada pelas perdas de direitos trabalhistas, as diferentes lógicas de contratação que levam ao tra- balho informal e demais mudanças percebidas hoje levam os autores a assumirem duas posições socio- lógicas principais: um reconhecimento que essas mudanças ainda ocorrem no modo de produção capitalista e que representam um exacerbamento da lógica de produção de valor nos processos de produção fabris, tal como teorizados por Marx. Nesse sentido a matriz de análise ainda é valida e deve ser ampliada a fim de dar conta dos avanços tecnológicas da atualidade através de pesquisas e renovação conceitual que não neguem a matriz ló- gica da compreensão da organização da economia capitalista. Uma segunda posição entende como superado o modelo fabril, substituído como refe- rência de organização da produção e, mais do que isso, do próprio sentido do trabalho na compre- ensão dos processos sociais atuais (o que inclui como se pensa os processos de saúde, acidentes, adoecimento) referidos em torno não de uma epis- temologia econômica ou sociológica, mas ampa- rados no debate filosófico sobre outra ontologia social do trabalho.
Mostrar mais

2 Ler mais

QRP Tribunal de Contas  012017

QRP Tribunal de Contas 012017

ROMEU GERALDO SILVA DE FREITAS 2023 Pessoal de Cargo Comissionado DIRETOR DE DEPARTAM.[r]

12 Ler mais

Boas novas na indústria; preocupação com a inflação

Boas novas na indústria; preocupação com a inflação

Como já apontado no Boletim Macro de junho, o maior otimismo com a retomada da atividade econômica tem-se baseado principalmente na melhora do desempenho da indústria [r]

27 Ler mais

QRP Tribunal de Contas  042017

QRP Tribunal de Contas 042017

CARLA APARECIDA CORREA DE SOUZA 2029 Pessoal de Cargo Comissionado DIRETOR DE DEPARTAM.[r]

15 Ler mais

QRP Tribunal de Contas  05 2017

QRP Tribunal de Contas 05 2017

Total Outros Descontos, Incluindo os de Ordem Pessoal (7). Contribuição Previdênciária[r]

16 Ler mais

QRP Tribunal de Contas  06 2017

QRP Tribunal de Contas 06 2017

EDVANDRO CARLOS ANUNCIATI UMEZU 2014 Pessoal de Cargo Comissionado DIRETOR DE DEPARTAM.. MUNICÍPIO: CACHOEIRA DA PRATA[r]

15 Ler mais

Show all 10000 documents...