Top PDF Composição florística e parâmetros estruturais de um hectare de floresta densa de terra firme no rio Uatumã, Amazônia, Brasil.

Composição florística e parâmetros estruturais de um hectare de floresta densa de terra firme no rio Uatumã, Amazônia, Brasil.

Composição florística e parâmetros estruturais de um hectare de floresta densa de terra firme no rio Uatumã, Amazônia, Brasil.

Na análise comparativa entre as famílias com maior riqueza de espécies e densidade, verificou-se que apenas Caesalpiniaceae, com 12 espécies e 56 indivíduos, mantêm uma relação diret[r]

16 Ler mais

Sustentabilidade ambiental e econômica do manejo em floresta ombrófila densa de terra firme, Amazônia Oriental

Sustentabilidade ambiental e econômica do manejo em floresta ombrófila densa de terra firme, Amazônia Oriental

RESUMO - O estudo teve como objetivos analisar a composição florística e as estruturas horizontal, interna e diamétrica da floresta. A pesquisa foi conduzida na Unidade de Manejo Florestal (UMF) da Fazenda Tracajás (02 o 35’53”S e 47 o 47’10”W), município de Paragominas, Estado do Pará, Brasil. A floresta foi estratificada em três áreas homogêneas, denominadas classes I, II e III de estoques volumétricos, empregando-se análise multivariada: análises de agrupamento e discriminante. Em cada classe de estoque foram instaladas aleatoriamente cinco parcelas de 100 x 100 m (1,0 ha) cada uma, para medição dos indivíduos com dap ≥ 15 cm. No centro de cada parcela de 100 x 100 m foi instalada uma subparcela de 10 x 100 m (0,1 ha), para medição dos indivíduos com 5 cm ≤ dap < 15 cm. Nas classes I, II e III de estoques volumétricos das árvores com dap ≥ 15 cm (nível I de inclusão), respectivamente, estimou-se uma densidade total de 322,4; 309,0; e 313,8 indivíduos por hectare, dominância total de 27,36; 27,45; e 25,88 m 2 /ha e volume de fuste total de 358,69; 328,33; e 308,69 m 3 /ha. Nas classes I, II e III de estoques volumétricos das árvores com 5 cm ≤ dap < 15 cm (nível II de inclusão), respectivamente, estimaram-se densidade total de 846; 854; e 886 indivíduos por hectare, dominância total de 4,80; 4,93; e 5,46 m 2 /ha e volume de fuste total de 93,98; 91,23; e 97,61 m 3 /ha. As espécies de maior valor de importância relativa, Lecythis idatimon (potencial), Rinorea guianensis (não comercial) e Pouteria guianensis (potencial), ocorreram em todos os níveis de inclusão e classes de estoque. As distribuições de diâmetros de todas as espécies e das espécies comerciais com dap ≥ 5 cm, estimadas pela equação de Meyer, confirmaram a tendência exponencial negativa (“J-invertido”). A análise da estrutura da floresta em classes de estoque permitiu melhor conhecimento da composição de espécies e da estrutura fitossociológica, sendo útil na tomada de decisões em planos de manejo de rendimento sustentado. Palavras-chave: Floresta tropical, diversidade, composição florística, estrutura
Mostrar mais

135 Ler mais

Composição e diversidade florístico-estrutural de um hectare de floresta densa de terra firme na Amazônia Central, Amazonas, Brasil.

Composição e diversidade florístico-estrutural de um hectare de floresta densa de terra firme na Amazônia Central, Amazonas, Brasil.

Foram inventariadas todas as árvores, lianas e palmeiras com DAP ≥ 10 cm de um hectare (dois transectos paralelos de 500 x 10 m) de floresta densa de terra firme sobre platô de Latossolo, 90 km a nordeste de Manaus (02º35'45" S e 60º12'40" W). A fitofisionomia local é exuberante e homogênea, com grande número de árvores altas e finas. Foram encontrados 670 indivíduos distribuídos em 48 famílias, 133 gêneros e 245 espécies. Do total amostrado, 70% ou 467 indivíduos apresentaram DAP ≤ 22,1 cm. Abarema mataybifolia (Sandw.) Barneby & Grimes, Leonia glycycarpa Ruiz & Pav., Swartzia reticulata Ducke e Aspidosperma oblongum A. DC., foram as únicas espécies a apresentarem valores superiores a 90 cm de DAP. Fabaceae, Sapotaceae e Lecythidaceae constituíram as três famílias com maior riqueza de espécies e maiores índices de valor de importância aos níveis de família e espécie. Os índices de diversidade (H’ = 5,1) e de equitabilidade (E’ = 0,92), ambos de Shannon-Wiener, indicam que a floresta é bem diversificada, com uma abundância relativamente uniforme das espécies. Nesse ambiente florestal, as espécies não tem distribuição espacial uniforme, porém, quanto menor a distância geográfica entre as subparcelas, maior sua similaridade florística (teste de Mantel, p<0,001).
Mostrar mais

16 Ler mais

ESTRUTURA DO COMPONENTE ARBÓREO EM 15 HA DE PARCELAS PERMANENTES DE FLORESTA DENSA DE TERRA FIRME NA AMAZÔNIA CENTRAL

ESTRUTURA DO COMPONENTE ARBÓREO EM 15 HA DE PARCELAS PERMANENTES DE FLORESTA DENSA DE TERRA FIRME NA AMAZÔNIA CENTRAL

Most studies in the Amazon uses, on average, one sample area of one (01) hectare for studies of floristic composition and structure. This study contributes to this subject, using a large data set. Thus, the objective of this study was to describe the horizontal structure of 15 hectares of terra firma dense forest in central Amazonia, Manaus, state of Amazonas, in order to contribute to enhance the knowledge on the organization of species in the community, therefore, helping in forest conservation actions and forest management in the Amazon.

13 Ler mais

Plano anual de outorga Florestal

Plano anual de outorga Florestal

A FLONA do Amana tem previsto, em seu plano de manejo, uma zona para manejo florestal de 210.000 ha. O acesso pode ser terrestre, pela BR-230 (Transamazônica), fluvial (partindo de Itaituba pelo rio Tapajós ou partindo de Maués pelo rio Amana) ou aéreo (partindo de qualquer centro urbano até algumas das 27 pistas de pouso no interior da unidade). A FLONA contém áreas de três sub-bacias: Tapajós, Parauari e Amana. O rio Amana tem nascentes no interior da floresta. A temperatura média varia entre 25°C e 26°C e a precipitação média entre 1.750 e 2.750 mm. O potencial madeireiro identificado foi de 188 espécies com DAP ≥ 10 cm e 98 espécies com DAP ≥ 50 cm, com características apropriadas para o manejo. O volume total apresentado no inventário foi de 198 m³/ha e o volume comercial de 69,5 m³/ha. As espécies de maior valor comercial são: cumaru, maçaranduba, angelim-vermelho, andiroba, sucupira-preta, sucupira e rouxinho. As espécies não madeireiras que foram identificadas com potencial para uso sustentável e geração de renda são: açaí, babaçu, buriti, patauá, tucum, cipó- titica, timbó, andiroba, castanha-do-brasil, copaíba e seringueira. Os principais meios de suprimento da população existente no entorno da FLONA são provenientes da extração de ouro por garimpagem, criação de aves, agricultura de subsistência, pecuária e extração vegetal.
Mostrar mais

116 Ler mais

Diferenças florísticas e estruturais entre duas cotas altiduninais da Floresta Ombrófila Densa Submontana Atlântica, do Parque Estadual da Serra do Mar, município de Ubatuba/SP, Brasil.

Diferenças florísticas e estruturais entre duas cotas altiduninais da Floresta Ombrófila Densa Submontana Atlântica, do Parque Estadual da Serra do Mar, município de Ubatuba/SP, Brasil.

Além da grande diversidade de espécies arbóreas encontrada em cada uma das altitudes (aos 190 e 350 m), muitas espécies foram observadas em apenas uma das altitudes, sendo, igualmente, observado um grande número de espécies ameaçadas de extinção. Considerando-se conjuntamente as duas parcelas estudadas (2 ha), a riqueza (252 espécies) foi maior do que em 10 ha, em Carlos Botelho (215 espécies – Souza et al. 2006). A grande ocorrência de espécies raras, pouco abundantes e pouco frequentes nesta região contribui para a grande diferença florística entre as áreas. Adicionalmente aos fatores ambientais, interações biológicas (polinização, dispersão, predação, doenças) podem ter papel relevante para determinar a diversidade em uma área, sendo que perdas em uma comunidade biótica (tal como entre os dispersores) tendem a levar ao empobrecimento de outras comunidades (tal como das árvores dispersas – Silva & Tabarelli 2000). Grandes áreas protegidas, tal como é o caso do Parque Estadual da Serra do Mar, têm condições de garantir a sobrevivência de um grande conjunto de organismos, incluindo mamíferos de grande porte e espécies raras da fauna e flora (Conservation International do Brasil 2000), sendo que perdas de diversidade, tal como entre as árvores podem ser percebidas apenas depois de longa data (Metzger et al. 2009). A restauração e restabelecimento de florestas com grande diversidade embora sejam possíveis, envolvem altos custos, além de pré-condições adequadas, tal como fonte de sementes e diversidade na paisagem circundante (Rodrigues et al. 2009), ou seja, envolvem a necessidade da própria conservação de áreas com grande biodiversidade.
Mostrar mais

15 Ler mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIHORIZONTES Programa de Pós-graduação em Administração Mestrado Flávio José de Araújo Mateus

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIHORIZONTES Programa de Pós-graduação em Administração Mestrado Flávio José de Araújo Mateus

Tudo que você precisa, todas coisas você tem, tanto instrumental, operacional, didática e pedagógica. Tudo isso você tem. O suporte que precisar você tem. É tudo uma estrutura grande e tal... recursos didáticos e coisas assim. Por exemplo, se você precisa passar um slide ou se precisa dar uma aula no quadro, todas as condições estão lá, disponíveis. Toda estruturais, entendeu? Pedagógicas e tal... Nunca precisei de resolver nada com pais e essas coisas, mas se eu precisar eu tenho suporte para isso. Então, as condições de trabalho lá são adequadas para gente (DPR-04). A gente não tem suporte nenhum. Tudo é a gente que precisa criar, é a gente que tem que comprar. Falta recurso material mesmo. Eu tenho uns jogos ali, por exemplo, mas eu que fui lá e comprei. E como eu dou aula em mais escolas, aí eu fico carregando uma sacolada pra baixo e pra cima, porque é a mesma falta na outra escola. Aí, tem os jogos que eu crio, que eu mesma faço. Falta tudo, falta luz, falta recurso, falta espaço, falta muito para chegar no que precisa. Acho que falta também um psicólogo, que isso é primordial em qualquer escola pública. Ou melhor, acho que em qualquer escola. Falta um psicólogo. Tinha que ter um psicólogo, porque isso a gente não é. Precisa para cuidar desses meninos. E tinha que ter uma assistente social também (DPU-03).
Mostrar mais

112 Ler mais

Regeneração natural de três hectares de floresta ombrófila densa de terra firme na região do rio Urucu-AM, Brasil.

Regeneração natural de três hectares de floresta ombrófila densa de terra firme na região do rio Urucu-AM, Brasil.

Já em relação ao número de gêneros, as famílias que mais se destacaram foram Annonaceae com 8, Arecaceae, Caesalpiniaceae, Moraceae e Sapotaceae com 7 gêneros respectivamente, repr[r]

16 Ler mais

Índice de expansão florística na floresta equatorial de terra-firme.

Índice de expansão florística na floresta equatorial de terra-firme.

pecieÁ qae. ^lofuJtica, òcndo e&t>eJ> doiÁ Qhsxpoò neòpon- òáveM) peZai) vaniacoeJò &lonlòticaé na anca* estudada. Um outAo guapo de. peZa manutenção da {sij>i.onomia eÁ[r]

10 Ler mais

A Comuna de Paris no Brasil — Outubro Revista

A Comuna de Paris no Brasil — Outubro Revista

Na imprensa imperial, de matriz nitidamente conservadora, que acompanhou diariamente a guerra, com o atraso da circulação – por cartas da França e telegramas de Lisboa – de informações da época, isto se materializava em posições como a do Diário do Rio de Janeiro, comentando a entrada das tropas alemães em Paris (ocorrida em 1º de março): “Pensávamos até aqui que o governo alemão, inspirado em sentimentos de moderação e de sensatez, se abstivesse de infligir ao povo francês a grave humilhação de ver desfilar pelos boulevards de Paris o Exército prussiano em marcha ostentosa de triunfo.(...) Em todo o caso parece-nos que o ato, se é que na verdade serve para abater a vaidade do povo francês, tem por principal resultado aumentar a indignação do vencido, e este é um germe de
Mostrar mais

10 Ler mais

JOSIANE CRISTINA DA COSTA SILVA UM ESTUDO SOBRE A POLÍTICA E O MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE

JOSIANE CRISTINA DA COSTA SILVA UM ESTUDO SOBRE A POLÍTICA E O MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DE

Esta dissertação analisa a política e o material de divulgação dos resultados da Prova Brasil, com o objetivo de propor um aprimoramento nas estratégias e no material elaborado para a disseminação desses resultados. A justificativa é que os mecanismos e o material de disseminação de dados da Prova Brasil ainda não são suficientemente compreendidos e utilizados pelos profissionais da educação. Como metodologia de pesquisa, adotaram-se análise documental, pesquisa bibliográfica, entrevistas de roteiro semiestruturado e questionários. A investigação empreendida evidencia, no primeiro momento, o contexto de surgimento das avaliações em larga escala no Brasil, cujo marco inaugural foi a implantação do Saeb. Na sequência, descreve o funcionamento deste sistema, englobando sua criação e sua reformulação, que resultou na incorporação da Prova Brasil. Expõe elementos como as matrizes de referência, as disciplinas avaliadas, as fases da política e as áreas responsáveis por sua execução. O foco é, sobretudo, a análise do processo e do material utilizado para a disseminação dos dados, trazendo à tona informações sobre esse modelo. Esta análise foi validada mediante um questionário respondido por gestores da área de avaliação educacional de alguns estados brasileiros. Os achados da pesquisa demonstraram que, embora a apreciação do material e do modelo de divulgação pelos gestores tenha sido positiva na maioria dos aspectos, algumas mudanças foram sugeridas e podem ser empreendidas com o intuito de uma eficiência maior no entendimento e no uso dos dados. Ao final, são propostas algumas alterações tanto nas estratégias de disseminação dos resultados da Prova Brasil (modificações no livreto e nos cartazes, instituição de um “Dia D”) quanto no material (criação de um vídeo explicativo e de uma revista) as quais poderão contribuir para facilitar a compreensão e a apropriação destes por parte de profissionais da área educacional.
Mostrar mais

139 Ler mais

GABINETE DO DEPUTADO BETO FARO AQUISIÇÃO DE TERRAS POR ESTRANGEIROS

GABINETE DO DEPUTADO BETO FARO AQUISIÇÃO DE TERRAS POR ESTRANGEIROS

Paraguai O art. 2º da Lei n. 2532 de 2005 definiu que os estrangeiros dos países limítrofes do Paraguai ou pessoas jurídicas integradas majoritariamente por estrangeiros desses países somente por decreto do poder legislativo podem ser proprietários, condôminos ou usufrutuários de imóveis rurais. A medida, com efeitos retroativos, alcançaria em cheio os brasileiros. Por pressão da embaixada do Brasil o Congresso paraguaio aprovou a Lei n. 2647 de 2005 que alterou o art. 2º antes citado. Resultado: ficou assegurado para os estrangeiros residentes no país há mais de 10 anos; garantidos os direitos sucessórios; e assegurado que bancos credenciados pela legislação paraguaia possam adquirir, ou receber como garantia hipotecária, imóveis nas faixas de fronteira. Botsuana Existe na respectiva legislação (Ato sobre o Controle de Transações de Terras Agrícolas, de
Mostrar mais

6 Ler mais

Interpretação fenológica de espécies lenhosas de Campina na Reserva Biológica de Campina do INPA ao Norte de Manaus.

Interpretação fenológica de espécies lenhosas de Campina na Reserva Biológica de Campina do INPA ao Norte de Manaus.

Fenologia de espécies flores- tais em floresta tropical úmida de terra firme na Amazônia Central. Fenologia de essências florestais amazônicas[r]

40 Ler mais

A GIDE NO CONTEXTO DE UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO REGULAR NOTURNO NO RIO DE JANEIRO: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS GESTORAS – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

A GIDE NO CONTEXTO DE UMA ESCOLA DE ENSINO MÉDIO REGULAR NOTURNO NO RIO DE JANEIRO: UMA ANÁLISE DAS PRÁTICAS GESTORAS – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

The research started school failure scenario of education in the state of Rio de Janeiro that resulted from the Government of the State particularly the State Department of Education - SDE measures to reverse this scenario. Among these measures highlights the implementation of the Integrated Management System of School - IMSS. Thus a comparison is made of a scenario before and after its implementation in a high school regular nightly network teaching. It was intended to analyze the changes in the school with IMSS, with the purpose of assessing the difficulties, limitations, perspectives and solutions to the problems faced by the school, where we highlight the issues of abandonment and distorting School. These issues are very common in schools of high school night and require management and faculty measures that result in changing their practices. Demonstrating the data the school has been possible to analyze the changes that occurred from the use of instruments for data collection and documentary research to meet the threats, weaknesses and vulnerability of school research focus; existing forces; assessment SAERJ 2009 to 2011; evaluation of school organization; indicative flow - IF regarding yields and dropout. Thus, there was a design of case management which consisted of the analysis and verification of changes in school management practices with the implementation of the IMSS. As well as the design of the educational plan , which highlight the environmental dimension should be part of the implementation of measures related to school critical variables that imply the maintenance of a school environment clean to reduce school violence prevention using drugs , prevention of early pregnancy and actions that characterize the teaching dimension of learning. The research method is guided by
Mostrar mais

123 Ler mais

Emprego do método BDq de seleção após a exploração florestal em Floresta Ombrófila Densa de Terra Firme, Amazônia oriental.

Emprego do método BDq de seleção após a exploração florestal em Floresta Ombrófila Densa de Terra Firme, Amazônia oriental.

em amplitudes relativamente estreitas, de maneira a manter proporções corretas de indivíduos nas classes diamétricas sucessivas (TROUP, 1966 e MATTHEWS, 1996). A aplicação desse método de manejo está diretamente relacionada ao conhecimento da composição florística, da estrutura fitossociológica e das distribuições diamétrica e espacial das espécies. A integração desses conhecimentos é fundamental para manejar a floresta para uma estrutura balanceada e que, ao mesmo tempo, harmonize os conceitos de fitossociologia com produção sustentável de madeira, bem como das regras impostas pela legislação florestal e ambiental. Embora o conceito de floresta balanceada já tenha sido bastante discutido (MEYER, 1952; ADAMS e EK, 1974; CAMPOS et al., 1983; DAVIS e JOHNSON, 1987; GULDIN, 1991; LEAK, 1996; SCHULTE e BUONGIORNO, 1998; GOODBRURN e LORIMER, 1999; HITIMANA et al., 2004), esse método de manejo em florestas tropicais naturais, em pré ou em pós-colheita, ainda tem pouca aplicação prática. Assim, este estudo teve como objetivos analisar a estrutura diamétrica pós-colheita seletiva em Floresta Ombrófila Densa de Terra Firme, aplicar o método BDq nas atividades de tratamento silvicultural e manejar a floresta em direção a uma estrutura balanceada dos diâmetros.
Mostrar mais

9 Ler mais

Carla de Barros Reis Diego Resende Martins Lucas Gomes

Carla de Barros Reis Diego Resende Martins Lucas Gomes

De acordo com o modelo de Andersen 28,29 alguns grupos de fatores são importantes para a determinação da utilização de serviços de saúde. O primeiro grupo refere-se aos fatores predisponentes como a composição demográfica. A utilização de serviços de saúde tem um componente forte de ciclo de vida e em geral são percebidas diferenças na longevidade entre grupos socioeconômicos. Além disso, existem diferenças na utilização dos serviços de saúde por sexo: as mulheres tendem a utilizar mais os serviços de saúde tanto por motivos preventivos como em decorrência da função reprodutiva. O segundo grupo refere-se a necessidades de saúde, percebidas ou avaliadas por profissionais de saúde. Indivíduos mais pobres em geral apresentam estado de saúde mais precário do que indivíduos mais favorecidos determinando condições muito diferenciadas de necessidades de cuidados. Nesse sentido, a estimação de um índice de concentração que não considera essas diferenças pode subestimar as desigualdades. O terceiro grupo refere-se aos fatores capacitantes que consistem dos recursos individuais para obter os cuidados da saúde. No contexto brasileiro a cobertura de plano de saúde tem um papel relevante na oferta dos serviços de saúde, sendo importante entender em que medida a presença de cobertura privada é o elemento gerador dessas iniquidades. Os grupos socioeconômicos mais altos têm maior probabilidade de ter plano de saúde determinando dupla entrada no sistema de saúde e, portanto acesso diferenciado.
Mostrar mais

22 Ler mais

Fitossociologia em área de transição da Floresta Amazônica e Cerrado no estado de Mato Grosso

Fitossociologia em área de transição da Floresta Amazônica e Cerrado no estado de Mato Grosso

BRASIL. Departamento Nacional da Produção Mineral. Projeto RADAMBRASIL. Folha SD. 21 Cuiabá: geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação e uso po- tencial da terra. Rio de Janeiro: Ministério das Minas e Energia, 1982. 544 p. CARVALHO, F. A.; RODRIGUES, V. H. P.; KILCA, R. V.; SIQUEIRA, A. S.; ARAÚJO, G. M.; SCHIAVINI, I. Composição florística, riqueza e diversidade de um Cerrado Sensu Stricto no sudeste do Estado de Goiás. Bioscience Journal, v. 24, n. 4, p. 64-72, 2008.

10 Ler mais

Campanha Nacional de Alfabetização

Campanha Nacional de Alfabetização

Os sobrenomes surgiram para diferenciar nomes repetidos – fato comum desde as mais primitivas culturas. Os primeiros que se têm notícia são os patronímicos, nomes que fazem referência ao pai: Simão filho de Jonas. Como esse método era limitado, os sobrenomes passaram a identificar também o local de nascimento: Héron de Alexandria. Os sobrenomes tornaram-se hereditários à medida que a posse da terra era transmitida de geração em geração. O costume se ampliou com a inclusão de características físicas e geográficas ou nomes de profissões. DA ROCHA significa que o patriarca dessa família provavelmente vivia numa região rochosa. DA SILVEIRA vem do latim silvester, da floresta, que também originou o popular SILVA. O registro sistemático dos nomes de família começou no século XVI, por decreto da Igreja Católica, no Concílio de Trento (1563).
Mostrar mais

112 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados