Top PDF Geografia da população: o processo migratório no Brasil

Geografia da população: o processo migratório no Brasil

Geografia da população: o processo migratório no Brasil

Em nosso trabalho, tivemos a chance de conhecer um pouco os reais motivos que levam as pessoas a migrarem em buscas de novas oportunidades de vida, seja por razões pessoais, e mais freqüentemente, por motivos econômicos. Tentamos conhecer e entender as causas e as conseqüências dos processos migratórios já ocorridos historicamente, bem como os que estão tão presentes no momento atual e, dos quais freqüentemente não nos damos conta.Concluímos que fazemos parte desse grande processo, que a pesquisa nos mostrou que se iniciou com a chegada dos portugueses ao Brasil no século XVI. Por fim, conhecendo os diversos fluxos migratórios no tempo e espaço já no século XX. Identificamos e estudamos os elementos que fizeram com que determinadas regiões significassem pontos de atração, enquanto outras representaram áreas de repulsão. Esta dinâmica populacional traduz regiões mais urbanizadas e desenvolvidas e, portanto, mais procuradas pelos migrantes, geralmente oriundos da zona rural e/ou de Estados economicamente mais pobres, como os do Nordeste. O fluxo migratório está intimamente relacionado às melhores condições de investimentos em políticas desenvolvimentistas, feitos pelo governo ou pela iniciativa privada, estabelecendo melhores condições econômicas, de modo que os migrantes tenham oportunidades de emprego, moradia e uma boa qualidade de vida para as famílias.
Mostrar mais

31 Ler mais

GEOGRAFIA Geral e do Brasil

GEOGRAFIA Geral e do Brasil

2. (UFLA – MG) Uma análise recente do comportamento da população mundial tem demons- trado duas evidências: a primeira é a diminuição da taxa de fecundidade global (o número de filhos que uma mulher tem ao longo de sua vida); a segunda evidência é a elevação da expecta- tiva de vida da população, o que significa na prática que as pessoas estão efetivamente vivendo mais no planeta e isso vale para as pessoas dos países mais pobres (50 para 67 anos), dos países mais ricos (76 para 86 anos) e dos países menos desenvolvidos (63 para 73 anos).

6 Ler mais

POPULAÇÃO EM GEOGRAFIA: UMA ANÁLISE DOS PERIÓDICOS GEOGRÁFICOS

POPULAÇÃO EM GEOGRAFIA: UMA ANÁLISE DOS PERIÓDICOS GEOGRÁFICOS

Para a análise quantitativa dos dados, estabelecemos temáticas que fizessem referência aos estudos populacionais. Após analisarmos as propostas de temas encontradas na “Revista DOCPOP – Resumos Sobre População no Brasil”, decidimos quais seriam os de maior utilidade para as análises; assim, 16 temáticas foram indicadas para que os artigos pudessem ser categorizados e melhor analisados. São elas: Teorias e métodos demográficos e estudos gerais de população; Coleta de dados, mensuração, tendências e projeções; Relações sócio-econômicas; Políticas, planos e programas; Dados Estatísticos; Demografia Histórica; Mortalidade; Fecundidade; Migração; Migração Interna; Migração Internacional; Distribuição Espacial; População Economicamente Ativa; Nupcialidade e Família; Características e
Mostrar mais

21 Ler mais

Convivências e casamentos no processo migratório. Trabalhadores Brasileiros na Região Centro de Portugal

Convivências e casamentos no processo migratório. Trabalhadores Brasileiros na Região Centro de Portugal

Moro em Leiria, cheguei em 2000. Sou de Governador Valadares, Minas Gerais. Tenho 30 anos. Minha família é muito pobre, tenho 9 irmãos, sou um dos mais velhos, estudei até o 8º ano. Depois tive que trabalhar para ajudar meus pais. Sinto muito orgulho do pai e da mãe. Aqui em Portugal comecei a frequentar a igreja Assembléia de Deus. Gosto muito. Nesta igreja reúnem-se muitos brasileiros, a maioria, inclusive o pastor também é brasileiro. Aqui um ajuda o outro, tem muitos jovens, é mais alegre. Eu gosto de tocar bateria, lá pronto eu me encontrei. As músicas evangélicas são diferentes, alegres, cantando estamos orando. Formamos uma família, por isso sou frequentador desta igreja (S, 2005). O depoimento de S evidencia a importância da igreja na sociabilidade dos imigrantes e constitui um ponto de encontro para os imigrantes ou pessoas não integradas socialmente, como é o caso da população portuguesa de origem cigana. Na trajetória da pesquisa, foi identificado um casal brasileiro, oriundo de Minas Gerais, que se conheceram em Leiria. Após dois anos de convivência, S e J, resolveram casar-se. Como o custo da viagem é elevado, a família dos noivos não participou da cerimônia, mas o vestido de noiva foram os pais que enviaram do Brasil. Nessa igreja, encontraram-se muitos casais brasileiros, que se conheceram em Leiria. Após o casamento, aconteceu a recepção no salão da própria igreja, cujo lanche foi a própria comunidade brasileira que confeccionou e ofereceu aos noivos. Quando se está longe de casa, são os amigos e os conterrâneos que dão o suporte familiar, formando uma nova família. Quando se está inserido numa dessas “famílias”, um tenta ajudar o outro, com orientações, conseguindo emprego, emprestando dinheiro e outras formas de demonstração de solidariedade.
Mostrar mais

17 Ler mais

A GEOGRAFIA CULTURAL NO BRASIL

A GEOGRAFIA CULTURAL NO BRASIL

a geografi a cultural tem muito mais a fazer do que já foi feito. Especialmente porque rápidos e intensos processos de transformação econômica, social e cultural alteram a distribuição espacial da população, valores, hábitos e crenças, a paisagem cultural e os signifi cados atribuídos à natureza e às formas social- mente produzidas. E ainda há áreas a serem efetivamente povoadas. País industrializado e urbanizado, com moderna atividade agropecuária e áreas de fronteira de povoamento, o Brasil oferece contrastes que incluem desde a região metropolitana de São Paulo, com 18 milhões de habitantes, até selvagens vales da bacia amazônica, áreas de colonização alemã e áreas de decadentes plantações canavieiras, entre outras. Envolve ainda áreas com fortes confl itos pela terra.
Mostrar mais

6 Ler mais

A TEMÁTICA DOS REFUGIADOS NA GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO

A TEMÁTICA DOS REFUGIADOS NA GEOGRAFIA DA POPULAÇÃO

A década de 1990 inaugura um outro contexto na solicitação do refúgio, ou seja, estimulado por considerações humanitárias, o Brasil reconhece o direito de associação e de trabalho remunerado, em função do número reduzido de refugiados no território nacional. Mas entre 1992 e 1994, o país acolhe cerca de mil e duzentos angolanos que deixaram o seu país devido à violência generalizada e, como o Brasil era o único Estado que lhes conferia o visto de turista, os angolanos solicitaram a condição de refugiados. Apesar de não se enquadrarem à definição clássica de 1951, o governo brasileiro aplicando a Declaração de Cartagena de 1984, concedeu-lhes o status de refugiados. Essas medidas abriram espaço para que fosse apresentado o Projeto de Lei que incorporava a Convenção de 1951 ao Direito Brasileiro juntamente com o Plano Nacional de Direitos Humanos. Aprovado pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal, o projeto foi assessorado pelo ACNUR e transformado na Lei 9.474/97.
Mostrar mais

16 Ler mais

Ocupação do Sítio Serra de Inácio Pereira, Barra de Santana - PB e processo migratório

Ocupação do Sítio Serra de Inácio Pereira, Barra de Santana - PB e processo migratório

Este sítio localizado no município de Barra de Santana, mesorregião do Agreste Paraibano com suas raízes históricas está ligados a presença de moradores que vieram de localidades vizinhas, pois seu nome desde o início é em homenagem a seu primeiro habitante. Essas pessoas, saiam de seus locais de origem e se apropriavam de terras, mais adiante compravam e alí construíam casas e famílias, pessoas que vinham de lugares como, Riacho de Santo Antônio, Boqueirão, entre outros .Desde a história e ocupação populacional, nota-se que esta é uma localidade muito habitada que ao decorrer dos anos, vem ocorrendo uma diminuição no número de pessoas devido ao forte movimento de migração das últimas décadas, causados pela falta de emprego para seus moradores, onde pode-se observar que a economia local gira em torno de aposentadorias, programas de governo e alguns comércios internos e durante os períodos chuvosos a agricultura de subsistência. Um dos pontos onde pode-se destacar na comunidade é a forte influência religiosa, onde pode ser notado uma maioria católica como de tradição em todo interíor da Paraíba e no Brasil, onde a primeira Igreja foi construída a pedido dos moradores, tendo como padroeira local Nossa Senhora de Fátima, mas, o catolicismo não é a única religião no lugar, pois uma pequena parte da população é evangélica. Outro ponto que merece destaque é o esporte, que de certa forma movimenta a economia local nos finais de semana com a prática do Futebol e anualmente a tradicional subida a Pedra do Cruzeiro, no dia de São João que se tornou um marco cultural para o lugar, com subida de trilha por motoqueiros e as homenagens religiosas à imagem.
Mostrar mais

41 Ler mais

A EDUCAÇÃO ESCOLAR, O ENSINO DE GEOGRAFIA E OS ASPECTOS SOCIOCULTURAIS DA POPULAÇÃO DO CAMPO

A EDUCAÇÃO ESCOLAR, O ENSINO DE GEOGRAFIA E OS ASPECTOS SOCIOCULTURAIS DA POPULAÇÃO DO CAMPO

Mediante este estudo, compreende-se que é impossível pensar a educação escolar sem se referir aos seus sujeitos concretos e históricos. Por isso, é fundamental considerar sua cultura específica quanto à maneira de ver e se relacionar com o mundo. Através da leitura e análise da Lei de Diretrizes e Bases (LDB) de 1996 e das Diretrizes Operacionais para a Educação Básica do Campo aprovadas em 2001 verificou-se que há uma enorme distância entre os direitos conquistados e a realidade da educação no Brasil. Os legisladores brasileiros, no que se refere às questões rurais, não conseguem o devido distanciamento do paradigma urbano. A idealização da cidade que inspira a maior parte dos textos legais encontra na palavra adaptação, utilizada repetidas vezes, a recomendação de tornar acessível ou de ajustar a educação escolar, nos termos da sua oferta na cidade às condições de vida do campo. Nesse sentido, salienta-se que as escolas do campo ou da cidade podem contribuir decisivamente neste processo lento e incompleto de mudanças de mentalidade e de práticas.
Mostrar mais

25 Ler mais

A geografia social do zika no Brasil.

A geografia social do zika no Brasil.

Doenças transmitidas por mosquitos afetam desproporcionalmente a maioria menos privilegiada da população brasileira, de várias maneiras. A cri- se atual é indicativa de disparidade existente não só em termos de classe, mas de uma variedade de outras questões ligadas à estrutura de classes. O vírus do zika teve impacto maior no Nordeste, nos estados de Bahia, Pernambuco e Rio Grande do Norte, onde uma percentagem maior da população é pobre e as condições climáticas são mais favoráveis à propagação de vírus transmitidos por mosquitos do que no Sul, mais rico e menos tropical. O impacto de questões éticas relacionadas ao vírus do zika também foi diferenciado: afinal, quem só tem condições de se tratar no Sistema Único de Saúde (SUS) depara com escolhas reprodutivas muito diferentes das de quem usa o sistema privado de saúde. Em alguns casos extremos, mulheres ricas simplesmente deixam o Brasil durante a gravidez, visto que o aborto no país só é legal se a gravidez colocar em risco a vida da mãe ou for resultado de estupro. Como acontece com todas as questões ligadas à reprodução humana, o gênero tem papel importante em termos de impactos e responsabilidades, e o discurso atual em torno do zika no Brasil é pri- mordialmente dirigido às mulheres. Por exemplo, as autoridades de saúde têm recomendado que mulheres em áreas de risco evitem engravidar e até evitem ter relações sexuais, mas basicamente ignoram o papel dos homens na transmissão. O susto provocado pelo zika também levantou questões éticas no âmbito da ciência, por exemplo, o uso apropriado de produtos químicos para pulverização dentro das casas e os possíveis perigos de desenvolver mosquitos geneticamente modificados com vistas a interromper a transmissão do vírus.
Mostrar mais

9 Ler mais

A MECANIZAÇÃO DAS SALINAS E O PROCESSO MIGRATÓRIO DA POPULAÇÃO TOTAL E URBANA DE MACAU/RN ENTRE 1970 E 2000

A MECANIZAÇÃO DAS SALINAS E O PROCESSO MIGRATÓRIO DA POPULAÇÃO TOTAL E URBANA DE MACAU/RN ENTRE 1970 E 2000

Portanto, os dados obtidos no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE evidenciam o processo de estagnação no crescimento demográfico da população total e urbana macauense, advindo desta menor necessidade de mão de obra nas atividades salineiras mecanizadas, dado as maiores possibilidades de lucratividade obtidas com a mecanização, associado ao insuficiente surgimento de outras atividades que pudessem absorver a população desempregada com o processo mecanizador da produção salineira.

11 Ler mais

O desenvolvimento agrícola e o processo migratório no Brasil

O desenvolvimento agrícola e o processo migratório no Brasil

Na sociedade brasileira, os movimen- tos populacionais ocorridos em diferentes momentos da sua história influenciaram sua formação econômica, sua estrutura social e na constituição da mão de obra. Durante os períodos colonial e imperial, a principal mão de obra utilizada na agricultura brasileira era a escrava, importada principalmente do continente africano, do qual eram trazidos à força, muitas vezes, enganados por falsas promessas de terem uma vida mais digna. Inicialmente, tentou-se o uso do indígena como escravo, mas essa experiência não foi bem sucedida em todas as províncias do país devido à dificuldade em dominá-los. Essa população drasticamente diminuiu de- vido ao enfrentamento com colonizadores, às doenças e, muitas vezes, pelo trabalho forçado. Posteriormente, a migração euro- peia preencheu as necessidades de mão de obra. Assim, pode-se afirmar que a rápida expansão da população brasileira deveu- -se, em grande parte, à imigração. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o censo geral de 1872, quando da contagem da população que vivia no Brasil, aponta para 9.930.478 pessoas; já em 1890 esse número sobe para 14.333.195, ou seja, um aumento de 44%. Desses, 1.129.317 eram imigrantes.
Mostrar mais

18 Ler mais

Fluxo migratório e o processo de urbanização na cidade de Guarabira - PB

Fluxo migratório e o processo de urbanização na cidade de Guarabira - PB

Segundo Cassago (2005), esse sistema de ordem migratória é observado nos países subdesenvolvidos, essencialmente após a Revolução Industrial 1 , que impulsionou o crescimento industrial e econômico com maior relevância nos países desenvolvidos consolidando assim, o processo de urbanização que, ainda de acordo com o autor citado, resultou no inchaço urbano principalmente nos países subdesenvolvidos que não possuíam como base, estruturas econômicas e um plano de crescimento territorial definido. Esse crescimento de movimento migratório, da propagação populacional e regional constitui-se num problema mundial de grande importância, tendo proporções mais relevantes a partir da década de 1960. No Brasil, como resultado da modernização e industrialização da agricultura, a partir do período de 1960-1970, a população rural deixou de ser predominante, enquanto o crescimento constante da população urbana passou a representar demograficamente a redistribuição da população e o início da transformação do país, intensificando o processo de êxodo rural. Houve grandes
Mostrar mais

42 Ler mais

Impasse entre o Processo de Urbanização no Brasil e a População em Situação de Rua: uma Análise Crítica

Impasse entre o Processo de Urbanização no Brasil e a População em Situação de Rua: uma Análise Crítica

As atribuições deste Comitê consistem em: decidir após reflexão e análise sobre a forma de condução dos seus trabalhos; elaborar periodicamente planos de ação detalhados sobre estratégias de implementação da Política, enfatizando metas, objetivos e responsabilidades à luz das propostas elaboradas pelo Grupo de Trabalho Interministerial instituído pelo Decreto s/nº de 25 de outubro de 2006; acompanhar e monitorar o desenvolvimento da Política, indicando formas e mecanismos para sua divulgação; seguir de perto as diversas instâncias governamentais na implementação da Política, considerando as diferenciações territoriais e locais; preparar sistematicamente encontros nacionais para avaliação e formulação de ações visando à consolidação da Política; criar, em parceria com os órgãos federais competentes, indicadores para o monitoramento e avaliação das ações da Política; apresentar alternativas que assegurem a articulação intersetorial das políticas públicas federais para o atendimento da população em situação de rua; designar grupos de trabalho temáticos, especialmente para discorrer sobre as condições de vulnerabilidade socioeconômica a que a população em situação de rua foi submetida historicamente no Brasil e refletir sobre propostas interventivas, que busquem sua inclusão na sociedade. Particularmente, quanto às realidades que evidenciam possíveis maus tratos, estas são de competência
Mostrar mais

11 Ler mais

Geossistemas e Geografia no Brasil
							| Revista Brasileira de Geografia

Geossistemas e Geografia no Brasil | Revista Brasileira de Geografia

Não obstante, o tratamento das unidades de paisagem como complexos dinâmicos, abertos e hierarquicamente organizados, demandou mudanças metodológicas no sentido de abarcar a demanda por uma compreensão integrada das paisagens. Neste sentido, a geografia física inte- grada, como Ciência da Terra, passa a estar circunscrita dentro de quatro enfoques ou direciona- mentos de pesquisa principais: genético-estrutural, dinâmico-funcional, evolutivo e antropogênico. O enfoque genético-evolutivo trata da investigação da expressão espacial resultante das in- terações entre elementos e processos que compõem a superfície da Terra. A estrutura da paisa- gem é, pois, representada por conjuntos de relevo, drenagem, solos e biota, sob um mesmo clima e estrutura geológica. A cartografia das paisagens é um dos métodos fundamentais aplicados pa- ra este fim. Este é o enfoque tradicional, mas não menos importante, da análise da paisagem que, a partir da teoria dos sistemas, passa a integrar, principalmente a preocupação com a dimensão temporal das paisagens. A vegetação e os solos, por exemplo, passam a ser compreendidos co- mo estados vegetacionais e estados pedológicos, revelando a consideração da paisagem dentro de uma trajetória e não apenas como um quadro de natureza.
Mostrar mais

31 Ler mais

Processo migratório uruguaio: percepções, significados e desdobramentos em Santa Maria (RS – Brasil)

Processo migratório uruguaio: percepções, significados e desdobramentos em Santa Maria (RS – Brasil)

A  questão  migratória  no  Uruguai  tem  sido  alvo  constante  de  interesse acadêmico, uma vez que este país tem demonstrado saldo  migratório  negativo  desde  a  década  de  60,  ou  seja,  o  contingente  emigratório  tem  superado  o  imigratório  nos  últimos  50  anos.  Partindo  das  narrativas  e  das  trajetórias  e  vivências  experienciadas  por 14 migrantes uruguaios residentes na cidade de Santa Maria (RS –  Brasil),  foi  possível  observar  como  retratam,  percebem  e  significam  os seus processos migratórios. Foi constatada uma multicausalidade  atribuída  aos  elementos  considerados  motivadores  do  fenômeno,  além  de  algumas  questões  específicas,  como:  a  situação  política  e  econômica  do  Uruguai,  oportunidades  proporcionadas  pela  Universidade  Federal  de  Santa  Maria  e  relatos  de  migrações  por  amor. 
Mostrar mais

33 Ler mais

JAPONESES NO BRASIL OU BRASILEIROS NO JAPÃO? A TRAJETÓRIA DE UMA IDENTIDADE EM UM CONTEXTO MIGRATÓRIO

JAPONESES NO BRASIL OU BRASILEIROS NO JAPÃO? A TRAJETÓRIA DE UMA IDENTIDADE EM UM CONTEXTO MIGRATÓRIO

Além disto, uma vez no Japão, estes descendentes de japoneses passam a resgatar valores patrióticos em relação ao Brasil, que aqui estavam ausentes. Segundo os próprios entrevistados colo- cam, no Japão, tudo o que vem do Brasil é extremamente valorizado. Por vezes, hábitos que no Brasil não eram apreciados, no Japão se tornam práticas preciosas, como o ocorrido com alguns dekasseguis que passam a ouvir pagode e samba no Japão, estilos musicais que não faziam parte do universo cultural destas pessoas aqui no Brasil. O carnaval promovido pelos dekasseguis no Japão é um momento explí- cito de afirmação de uma identidade que tem nesta manifestação cultural um de seus maiores marcos (inclusive internacionalmente). Os exemplos poderiam seguir-se à exaustão, pois são muitos. Entre- tanto, aponto apenas estas manifestações como ilustração do fato, que por hora necessita ser resumido.
Mostrar mais

20 Ler mais

geografia da população teorias e conceitos básicos em demografia

geografia da população teorias e conceitos básicos em demografia

Texto I: Thomas Malthus (1766-1834) assegurava que, se a população não fosse de algum modo contida, dobraria de 25 em 25 anos, crescendo em progressão geométrica, ao passo que, dadas as condições médias da terra disponíveis em seu tempo, os meios de subsistência só poderiam aumentar, no máximo, em progressão aritmética.

26 Ler mais

POPULAÇÃO E GEOGRAFIA ECONÔMICA: A CONFORMAÇÃO DA POPULAÇÃO NO ESPAÇO EM MINAS GERAIS, NO SÉCULO XIX

POPULAÇÃO E GEOGRAFIA ECONÔMICA: A CONFORMAÇÃO DA POPULAÇÃO NO ESPAÇO EM MINAS GERAIS, NO SÉCULO XIX

Uns poucos decênios foi o suficiente para que se desarticulasse toda a economia da mineração, decaindo os núcleos urbanos e dispersando-se grande parte de seus elementos numa economia de subsistência, espalhados por uma vasta região em que eram difíceis as comunidades e isolando-se os pequenos grupos uns dos outros. Essa população relativamente numerosa encontrará espaço para expandir-se dentro de um regime de subsistência e virá a constituir um dos principais núcleos demográficos do país. Neste caso, como no da economia pecuária do Nordeste, a expansão demográfica se prolongará num processo de atrofiamento da economia monetária. Dessa forma, uma região cujo povoamento se fizera dentro de um sistema de alta produtividade, e em que a mão-de-obra fora um fator extremamente escasso, involuiu numa massa de população totalmente desarticulada, trabalhando com baixíssima produtividade numa agricultura de subsistência. (Furtado, 1959, p. 85)
Mostrar mais

20 Ler mais

A Canção Popular Italiana em um Processo Migratório

A Canção Popular Italiana em um Processo Migratório

Não é objetivo deste estudo relatar o processo imigratório italiano de uma forma completa. No entanto, necessário se faz focalizar alguns aspectos históricos e sociais para contemplar elementos circunstanciadores que vêm inseridos em textos de diversas canções. Como, também, se torna indispensável a referência á certa parte da história da emigração italiana que pouco foi contada, ou seja, uma parte de menor fortuna que veio influenciar — e, ás vezes, definir - um certo modo de vida posterior. Tais aspectos se referem a algumas circunstâncias vividas por camponeses do Norte da Itália que, em meio a privações e sem outras perspectivas de futuro melhor, optaram pela emigração transoceânica. A uma viagem em navio sem condições, para o transporte humano, juntou-se o desencanto ao se perceberem novamente desamparados, desta vez em uma nova pátria e com novas dificuldades ao invés da cuccagna ou fartura prometida no paese da ‘bela Itália’. A obsessão pelo trabalho agrícola, o apego á religiosidade católica e a convivência quase restrita a outros migrantes foram tônicas iniciais de construção de um modo de vida semelhante áquele do país de origem. Com o tempo, para alguns, foi sendo construído também o sonho da terra, da riqueza e de alguma fartura, impossibilitados na primeira pátria.
Mostrar mais

9 Ler mais

Suspensos entre mundos: expressão identitária no processo migratório de dois homens guineenses.

Suspensos entre mundos: expressão identitária no processo migratório de dois homens guineenses.

Ricardo Jorge, de análises Clínicas, e ela veio cá estudar com esse subsidio dom (?) Frazetta e ela começou a viver com os meus irmãos todos num quarto, cozinhava e a m[r]

104 Ler mais

Show all 10000 documents...