Top PDF O gênero Evolvulus L. (CONVOLVULACEAE) no estado da Paraíba, Brasil

O gênero Evolvulus L. (CONVOLVULACEAE) no estado da Paraíba, Brasil

O gênero Evolvulus L. (CONVOLVULACEAE) no estado da Paraíba, Brasil

This work aims to carry out the taxonomic study of the genus Evolvulus L. (Convolvulaceae) for the state of Paraiba, Brazil. Monthly excursions were carried out throughout the state between August/2016 and April/2018, and samples were collected in vegetative and reproductive stages. The specimens were identified based on morphological analysis through the specialized bibliography, as well as the consultations and analyzes of the collections belonging to the EAN and JPB herbaria, both from the Federal University of Paraíba (UFPB) and ACAM, from the State University of Paraíba (UEPB), and Virtual Herbarium of the Flora and Fungi (REFLORA) and the platform of Species Link. In the study area, a total of 15 species were recorded: E. alopecuroides Mart., E. cressoides Mart., E. filipes Mart., E. elegans Moric.,
Mostrar mais

43 Ler mais

Registros da fauna de Collembola (Arthropoda, Hexapoda) no Estado da Paraíba, Brasil.

Registros da fauna de Collembola (Arthropoda, Hexapoda) no Estado da Paraíba, Brasil.

RESUMO. Registros da fauna de Collembola (Arthropoda, Hexapoda) no Estado da Paraíba, Brasil. No presente trabalho são listadas as espécies de Collembola encontradas no Estado da Paraíba, Região Nordeste do Brasil. Os espécimes foram coletados em seis municípios: João Pessoa, Cabedelo, Mataraca, Bananeiras, Cacimba de Dentro e Araruna. Os espécimens foram coletados através do processamento de material em funis de Berlese-Tullgren, armadilhas do tipo pitfall e aspiradores entomológicos. Em seguida foram montados entre lâminas e lamínulas de vidro para identificação sob microscópio. Foram identificadas 54 espécies de colêmbolos, distribuídas em 25 gêneros, em 13 famílias. Entomobryidae foi a mais diversa, com 22 espécies e Seira foi o gênero mais diverso, com 15 espécies. A maior parte das espécies foi encontrada em remanescentes de Mata Atlântica e Mata de Restinga. Foram encontradas 20 novas espécies de colêmbolos e serão descritas posteriormente. Os dados aqui apresentados indicam que a Paraíba é um hotspot de diversidade para o gênero Seira.
Mostrar mais

5 Ler mais

Leguminosae na APA do Cariri, Estado da Paraíba, Brasil.

Leguminosae na APA do Cariri, Estado da Paraíba, Brasil.

RESUMO - (Leguminosae na APA do Cariri, Estado da Paraíba, Brasil). Leguminosae Juss. é uma família amplamente distribuída, sendo dominante em alguns ecossistemas, como na Caatinga. Este trabalho trata do levantamento taxonômico de Leguminosae na Área de Proteção Ambiental (APA) do Cariri, semiárido paraibano, nordeste do Brasil. Foram encontradas ao todo 31 espécies, 22,6 % das quais acreditadas como endêmicas da Caatinga. O gênero mais diverso taxonomicamente foi Senna, com cinco espécies. Sete espécies foram referidas pela primeira vez para o Estado da Paraíba (C. belemii var. belemii, D. violacea, I. blanchetiana, P. microphilla, V. halophila, Z. echinocarpa e Z. myriadena). O hábito arbustivo foi o mais representativo, com 45,2% do total de espécies registradas, seguido pelos hábitos herbáceo e arbóreo, com 22,6 e 16,1% respectivamente. As trepadeiras e lianas perfizeram respectivamente 9,7 e 6,5% das espécies. O tratamento taxonômico inclui chaves de identificação para subfamílias e respectivas espécies, dados de distribuição geográfica e ilustrações.
Mostrar mais

17 Ler mais

Escorpiões de importância médica no Estado da Paraíba, Brasil

Escorpiões de importância médica no Estado da Paraíba, Brasil

Resumo: Entre os agentes tóxicos que podem ameaçar a saúde do homem, os escorpiões são os que mais provocam acidentes em território paraibano. Para o ministério da saúde, quatro espécies do gênero Tityus possuem importância médica no Brasil, devido à sua capacidade de adaptação em ambientes urbanos, reprodução partenogenética e a toxicidade de sua peçonha. O objetivo desse trabalho foi apresentar as espécies de escorpião que possuem importância médica no estado da Paraíba. Trata-se de uma revisão de literatura, descritiva e qualitativa, com base em documentos obtidos nos bancos de dados Scielo, Lilacs, Repositório UnB, Fiocruz e Ministério da Saúde. Foram considerados os documentos publicados no período de 2014 a 2019. Também foram coletados dados de intoxicação disponibilizados pelo SINITOX referentes ao período de 2009 a 2013. Duas espécies são responsáveis pelos acidentes escorpiônicos: T. serrulatus e T. stigmurus, sendo este último considerado o principal agente etiológico no estado. No período de 2009 a 2013, a Paraíba foi o estado da região Nordeste que mais notificou a ocorrência de acidentes envolvendo escorpiões, com 11.243 casos. O maior número de notificações ocorreu em 2012 (2.467) e o menor em 2013 (1.946). Os acidentes escorpiônicos são a principal causa de intoxicações no estado, enquanto no Brasil os medicamentos são os principais responsáveis. Palavras-chave: Paraíba, Tityus. Escorpião.
Mostrar mais

12 Ler mais

Grewioideae Dippel (Malvaceae) no Estado da Paraíba, Brasil

Grewioideae Dippel (Malvaceae) no Estado da Paraíba, Brasil

RESUMO - (Grewioideae Dippel (Malvaceae) no Estado da Paraíba, Brasil). Malvaceae Juss., enquadrada na ordem Mal- vales, é uma família de distribuição cosmopolita. Compreende aproximadamente 4.300 espécies alocadas em 243 gêneros. Está subdividida em nove subfamílias, dentre elas Grewioideae, que reúne aproximadamente 25 gêneros e 700 espécies associadas às regiões tropicais. No Brasil, essa subfamília encontra-se representada por nove gêneros e aproximadamente 60 espécies. Este trabalho compreende o levantamento taxonômico de Grewioideae no Estado da Paraíba. Foram realizadas consultas em bases digitalizadas, visitas a herbários físicos e excursões para coletas e observações ‘in loco’. Na área de estudo, foram registradas sete espécies em quatro gêneros: Apeiba tibourbou Aubl., Corchorus argutus Kunth, C. hirtus L., Luehea ochrophylla Mart., L. paniculata Mart., Triumfetta rhomboidea Jacq. e T. semitriloba Jacq.. Corchorus argutus compreende uma nova ocorrência para o Estado da Paraíba, sendo encontrada exclusivamente em área de Caatinga. Porém, o domínio de Mata Atlântica apresentou maior riqueza no Estado, sendo todas as demais espécies observadas no mesmo, enquanto apenas três foram registradas na Caatinga.
Mostrar mais

17 Ler mais

A família Acanthaceae Juss. no Estado da Paraíba - Brasil

A família Acanthaceae Juss. no Estado da Paraíba - Brasil

Acanthaceae abrange cerca de 3.250 espécies distribuídas em 240 gêneros, estendendo-se desde as regiões tropicais até regiões temperadas, tendo como principais centros de distribuição e diversidade a África, América Central, Brasil e Indomalásia. No Brasil, está representada por 40 gêneros dispersos em todas as formações vegetais, principalmente em ambientes sombreados e úmidos. Na Paraíba, havia, até o momento, sido registradasoito espécies e cinco gêneros. No entanto, apesar de sua representatividade, a família ainda necessitade uma maior atenção do ponto de vista taxonômico, especialmente pelo fato de que muitas espécies são utilizadas para fins medicinais e ornamentais. Este estudo engloba o estudotaxonômicode Acanthaceae na Paraíba, nordeste brasileiro, visando enriquecer e ampliar o conhecimento sobre a família no Estado. Para obtenção dos espécimes em estado reprodutivo (flores e frutos), foram realizadas coletas mensais entre Novembro/2014 eNovembro/2015. O material obtido em campo foi herborizado e incorporado ao acervo do Herbário Manuel de Arruda Câmara (ACAM), Campus I, da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Também foram analisadas as exsicatas do Herbário Jayme Côelhode Moraes (EAN), Campus II,da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).As identificações foram fundamentadas naliteratura especializada. Na área de estudo, foram registradas 16espécies e sete gêneros, sendo Ruellia L. (setespp.), JusticiaL. (trêsspp.) e Hygrophila R. Br. (duasspp.) os maisrepresentativos. Os demais gêneros registrados são representados apenas por uma espécie cada. Para o reconhecimentodestas, foram elaboradas chaves de identificação. Também são apresentadasdescrições taxonômicas, ilustrações,dados de distribuição geográfica, hábitat, floração e frutificação.
Mostrar mais

62 Ler mais

EStADo DA PARAíbA, bRASIL

EStADo DA PARAíbA, bRASIL

Os materiais linguísticos utilizados para este estudo de variação social foram recolhidos na cidade de Areia, Estado da Paraíba, no Brasil, em Agosto de 2006, aquando da nossa deslocação para realizar os inquéritos linguísticos sobre a produção açucareira actual de cariz tradicional e artesanal, no âmbito do projecto de Pós-Doutoramento intitulado “Terminologia açucareira no Atlântico: património linguístico-cultural madeirense”. Depois de termos aplicado o questionário sobre a cultura açucareira na Madeira, tendo realizado entrevistas aos cultivadores de cana-de-açúcar e aos trabalhadores de engenho, nos anos 1999 e 2000, e de nos termos deslocado a Cabo Verde, Canárias e S. Tomé e Príncipe, percorremos o Brasil de Norte a Sul, desde o Estado da Paraíba até o Estado do Rio Grande do Sul, realizando entrevistas aos cultivadores de cana-de-açúcar e aos trabalhadores de engenho.
Mostrar mais

23 Ler mais

Algodão colorido no Brasil, e em particular no nordeste e no Estado da Paraíba.

Algodão colorido no Brasil, e em particular no nordeste e no Estado da Paraíba.

lançadas neste ano de 2004 e nos próximos anos. Neste trabalho os autores, ambos pesquisadores da Embrapa, sendo um deles fisiologista da produção e o outro geneticista de plantas, procuraram reunir informações sobre os algodões de fibra de cor, o que já foi feito, o que esta sendo realizado e quais as pesquisas e produtos que deverão ser colocados a disposição da cadeia de algodão colorido no Brasil, em especial no Nordeste e em particular no Estado da Paraíba.

18 Ler mais

Parasitas de Psittaciformes e Accipitriformes no estado da Paraíba, Brasil

Parasitas de Psittaciformes e Accipitriformes no estado da Paraíba, Brasil

Centrorhynchidae) (1/2, 50 %). Todos os parasitos encontrados neste estudo são relatados pela primeira vez em aves Psittaciformes e Accipitriformes no estado da Paraíba. No Brasil, Diopsittaca nobilis e A. aestiva são apresentados pela primeira vez como hospedeiros da A. hermaphrodita e Raillietina sp., respectivamente. Concluiu-se que aves Psittaciformes e Accipitriformes de cativeiro são afetadas por nematóides, cestóides e acantocéfalos, e que a implementação de medidas de controle é imprescindível.

4 Ler mais

Flora da Reserva Biológica Guaribas, Estado da Paraíba, Brasil: Erythroxylaceae

Flora da Reserva Biológica Guaribas, Estado da Paraíba, Brasil: Erythroxylaceae

RESUMO - (Flora da Reserva Biológica Guaribas, Estado da Paraíba, Brasil: Erythroxylaceae). Erythroxylaceae compreende entre 240-250 espécies distribuídas nas áreas tropicais do globo, quase todas pertencentes ao gênero Erythroxylum. A maior diversidade do gênero está na região Neotropical, tendo o Brasil como principal centro de diversidade e endemismo. No Brasil são registradas 128 espécies, das quais 83 são endêmicas, com maior riqueza no Domínio da Mata Atlântica, tanto na floresta costeira quanto nos ecossistemas associados, especialmente na Região Nordeste do Brasil. A flórula de Erythroxylaceae aqui apresentada é parte do levantamento florístico da Reserva Biológica (REBIO) Guaribas, no Estado da Paraíba, uma importante Unidade de Conservação nos tabuleiros litorâneos do Nordeste do Brasil. O estudo foi baseado na análise de materiais depositados nos herbários CEN, EAN, HUEFS, JPB, RB, UFP e UFRN, além de coletas realizadas na área de estudo. Na REBIO Guaribas foi confirmada a ocorrência de três espécies de Erythroxylum, a saber: Erythroxylum passerinum Mart., E. rimosum O.E.Schulz e E. simonis Plowman. O trabalho consta de chave analítica, descrições morfológicas, comentários sobre distribuição geográfica e hábitats preferenciais e ilustrações dos principais caracteres diagnósticos das espécies. Palavras-chave: Erythroxylum, florística, Malpighiales, Mata Atlântica, taxonomia
Mostrar mais

11 Ler mais

Veranico e a produção agrícola no Estado da Paraíba, Brasil.

Veranico e a produção agrícola no Estado da Paraíba, Brasil.

Fez-se, primeiro, uma divisão das mesorregiões do Esta- do, em relação apenas à estação chuvosa, com base na divi- são de microrregiões da Paraíba, proposta por Silva et al. (2004). O Estado foi dividido em três mesorregiões: a me- sorregião [1], com a estação chuvosa, compreendendo os meses de abril a julho; a mesorregião [2], cuja estação chu- vosa compreende os meses de fevereiro a maio e a mesorre- gião [3], com os meses de janeiro a abril, fazendo parte da estação chuvosa (Figura 1).

6 Ler mais

A Tribo Ingeae Benth. (Mimosoideae, Leguminosae) no Estado da Paraíba - Brasil

A Tribo Ingeae Benth. (Mimosoideae, Leguminosae) no Estado da Paraíba - Brasil

Material examinado: BRASIL. Paraíba: Areia, 20.XII.1958, fl., J.C.Moraes s/n ( EAN 1974); Mata do Pau Ferro, 22.X.1980, fl., V.P.B.Fevereiro 65 (EAN); Mata do Pau Ferro, 01.XII.1980, fl., V.P.B.Fevereiro et al. 143 (EAN); UFPB, CFT, 29.IX.2007, fl., D.D.S.Sousa 03 (EAN). Cabaceiras, Lajedo de Pai Mateus, 22.IX.2007, fr., I.B.Lima et al. 764 (JPB). Monteiro, Serra da Matarina, 11.VI.2008, fr., P.C.Gadelha-Neto 2308 (JPB); Olho D'água dos Silvas, 09.XII. 2009, fr., J.G.Carvalho-Sobrinho et al. 2265 (HUEFS). Patos, Fazenda Nuperárido, 10.XII.2012, fl., E.M.P.Fernando 01 (CSTR). Pombal, Nova Canaã, 15.XI.1952, fr., L.P.Xavier s/n (JPB 1674). Princesa Isabel, Cachoeira das Minas, 12.X.1997, fl.fr., M.R.Barbosa 1599 (JPB). Sapé, Fazenda Pacatuba, 22.XII.2000, fl., G.O.Dionísio 77 (JPB). São João do Tigre, APA das Onças, 06.VII.2005, fr., P.C.Gadelha- Neto et al. 1448 (JPB); APA das Onças, 13.VI.2008, fr., P.C.Gadelha-Neto et al. 2355 (JPB). São José de Piranhas, Serra do Vital, 06.IX.2001, fr., M.R.Barbosa et al. 2166 (JPB). Solânea, 27.IX.2001, fr., T.M.Grisi s/n (JPB 30294); XI.2001, fl., T.M.Grisi-Veloso 320 (JPB). Sousa, 14.V.1994, fl., P.C.Gadelha-Neto 140 (JPB); 02.I.2009, fr., P.C.Gadelha-Neto et al. 2507 (JPB); Fazenda Jangada, 08.VIII.1994, fr., P.C.Gadelha- Neto 189 (JPB).
Mostrar mais

99 Ler mais

Ipomoea L. (Convolvulaceae) na mesorregião agreste do Estado da Paraíba, Nordeste brasileiro

Ipomoea L. (Convolvulaceae) na mesorregião agreste do Estado da Paraíba, Nordeste brasileiro

A obra mais detalhada, abordando exclusivamente as espécies de Ipomoea foi realizada há duas décadas por Simão-Bianchini (1998), para a região Sudeste como um todo e mais recentemente, Wood et al. (2017) publicaram um trabalho que revelou 15 novas espécies para a América do Sul, 13 delas encontradas no Brasil. Entretanto, o tratamento da Flora do Brasil 2020 (em construção) constitui-se, atualmente, na plataforma mais informativa sobre este táxon. Apesar dos esforços envolvendo a família como um todo concentrados na região Nordeste na última década, especialmente no Estado de Pernambuco, como, por exemplos, os trabalhos de Buril & Alves (2011), Delgado-Junior et al. (2014) e Nepomuceno et al. (2016), várias áreas dessa região ainda permanecem inexploradas do ponto de vista taxonômico e uma das principais lacunas no conhecimento sobre a diversidade de Convolvulaceae corresponde ao Estado da Paraíba.
Mostrar mais

21 Ler mais

O Biodiesel no Brasil e no Mundo e o Potencial do Estado da Paraíba

O Biodiesel no Brasil e no Mundo e o Potencial do Estado da Paraíba

Paulo César Ribeiro Lima Consultor Legislativo da Área XII Recursos Minerais, Hídricos e Energéticos.. Paulo César Ribeiro Lima.[r]

33 Ler mais

A megafauna pleistocenica do estado da Paraíba, Brasil

A megafauna pleistocenica do estado da Paraíba, Brasil

The study of prehistory contributes to the understanding of natural events that took place in a particular region, allowing the reconstitution of the environment of the age in which these organisms lived, build hypotheses about the cause of their extinctions and prospect for future imbalances in ecosystems that could affect severely all the region. There is not enough research in the State of Paraíba that covers the study of the local Pleistocene Megafauna, and the existent research available is disperse, which makes it particularly hard to find information. The objective of this study was to describe the specimens of Pleistocene megafauna found in the region through a literature survey of surveys of Pleistocene fossils in Paraíba. The study was exploratory and descriptive. The method was deductive. Were recorded for Paraíba 16 representatives of the Pleistocene megafauna, distributed in 16 families and 7 orders: Xenarthra, Artiodactyla, Notoungulata, Perissodactyla, Carnivora, Proboscidea and Liptoterna.
Mostrar mais

64 Ler mais

O gênero Evolvulus L. (Convolvulaceae) no município de Morro do Chapéu, BA, Brasil.

O gênero Evolvulus L. (Convolvulaceae) no município de Morro do Chapéu, BA, Brasil.

Material selecionado: BRASIL. Bahia: Morro do Chapéu, Cachoeira do Ferro Doido, 11º37’39”S, 41º0’06”W, 8/VI/2001, fl. fr., Souza et al. 101 (HUEFS). Esta espécie é encontrada na Guiana, Venezuela, Bolívia, Paraguai, Argentina, Uruguai e Brasil, onde ocorre em quase todo o território, tendo sido referido para Roraima, Pará, Amazonas, Piauí, Ceará, Paraíba, Pernambuco, Sergipe, Bahia, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. No Morro do Chapéu floresce nos meses de janeiro a junho, tendo sido coletado com frutos em fevereiro e junho. Em outras regiões floresce e frutifica durante todo o ano. Entre as espécies ocorrentes em Morro do Chapéu, E. glomeratus é reconhecida pelo hábito prostrado a semi-prostrado, pela presença de gemas
Mostrar mais

16 Ler mais

Morfologia polínica de espécies de Bonamia thouars, Evolvulus l. e Jacquemontia choisy (Convolvulaceae) ocorrentes numa região de ecótono no município de Caetité, BA, Brasil

Morfologia polínica de espécies de Bonamia thouars, Evolvulus l. e Jacquemontia choisy (Convolvulaceae) ocorrentes numa região de ecótono no município de Caetité, BA, Brasil

Dados referidos na literatura para Evolvulus (Laguardia 1961, Sengupta, 1972, Melhem & Corrêa 1987, Araújo et al. 2000, Tellería & Daners 2003, Vital et al. 2008, Ketjarun et al. 2016, Ashfaq et al. 2017, Saensouk & Saensouk 2018) sobre a morfologia polínica desse gênero, confirmam o tipo apertural pantocolpado, encontrado no presente estudo. Vital et al. (2008) registraram aproximadamente 25 aberturas nos grãos de pólen das espécies que estudaram e observaram a disposição pentagonal para todas as espécies de Evolvulus, enquanto no presente estudo o número de aberturas variou na mesma espécie de oito a 15 colpos e além do padrão geométrico pentagonal também foi observado o quadrangular, evidenciando assim um heteromorfismo quanto ao número e a organização das aberturas para o gênero.
Mostrar mais

12 Ler mais

Desenvolvimento, gênero e cooperativismo: Limites e possibilidades da cooperativa de floricultores do Estado da Paraíba (COFEP)

Desenvolvimento, gênero e cooperativismo: Limites e possibilidades da cooperativa de floricultores do Estado da Paraíba (COFEP)

prefeita que entrou que realmente ela venha com o espírito mesmo para nos ajudar, não só a cooperativa, mas como as outras associações, porque ai é o caminho, se você trabalha com união, com garra e com respeito até o meio ambiente, as coisas dão certo. E os outros prefeitos que entraram deram a sua pequena contribuição, mas não foi tanto do que a gente esperava. Espero que essa que chegou, tenha chegado para dar o apoio mais necessário. E sim já deram, o Governo Federal inclusive já deu, que nós temos um carro 4x4 foi a Fundação Banco do Brasil que nos deu, nós contamos com parte das estufas que foi o Governo Federal e isso para a gente conseguir tem que lutar muito, buscar muito, mostrar o nosso talento e mostrar que realmente a gente quer que a coisa aconteça. O governo federal já deu a sua contribuição, governo do estado junto com o COOPERAR, governo municipal estamos esperando. Agora, veio fez alguma coisa, mas é muito pouco ainda. A gente quer um melhor acesso as estradas, as primeiras chuvas que deu já estão ai, certo. A gente sai com muita dificuldade daqui, então eu espero que o governo municipal, como aqui fica entre Areia e Pilões, eu espero dos dois, das duas cidades, tanto de Pilões como de Areia, porque muitas vezes, fica um governo empurrando para o outro. Pilões diz, eu não beneficio porque tal área é de Areia e Areia fica, eu não vou beneficiar porque a cooperativa é de Pilões, mas onde você tá, está mais em Areia que em Pilões, você anda mais na parte de Areia de que do município de Pilões (Helena, 46 anos. Entrevista concedida em 05/05/2013).
Mostrar mais

81 Ler mais

O gênero Evolvulus L. (Convolvulaceae) na Região Sul do Brasil

O gênero Evolvulus L. (Convolvulaceae) na Região Sul do Brasil

rio das Perdizes, 21.III.1968, G. Hatschbaach 18832 (MBM); Campo Mourão, aeroporto, 20.X.1973, G. Hatschbach 32941 (MBM); Curitiba, Barigy, 4.X.1946, G. Hatschbach 400 (PACA, MBM); Guaíra, Sete Quedas, 17.III.1982, M. Kirizawa 698 (SP); Jaguariaíva, Parque Estadual do Cerrado, 5.XI.1994, S.M. Silva s.n. (UPCB 24532, NY 485388, MBM 197352); Lapa, Reserva Florestal Passa Dois, 12.XI.1990, I.F. Barbola (UPCB 18776); Laranjeiras do Sul, Rincão Grande, 12.X.1974, G. Hatschbach 35217 (RB, MBM); Palmeira, Lago, 10.XI.1951, G. Hatschbaach 2601 (MBM); Ponta Grossa, Passo do Pupo, 10.X.1967, fl . fr., G. Hatschbach 17381 (RB, MBM). RIO GRANDE DO SUL, Amaral Ferrador, 30°54’49.1”S 53°06’21.5”W, 11.I.2010, P.P.A. Ferreira et al. 315 (ICN); Bagé, Arroio Piraí, 13.I.2010, P.P.A. Ferreira et al. 330 (ICN); Barra do Quaraí, Parque do Espinilho, 10.II.1990, D.B. Falkenberg & M. Sobral 5143 (FLOR, ICN, PEL, PACA, MBM); Bom Jesus, rio das Antas, 8.X.2003, C.T. Blum et al. 95 (MBM); Capivari do Sul, II.1954, J. Vidal IV-707 (R); Erechim, Quatro Irmãos, 15.XI.1995, A. Butzke s.n. (HUCS 11388, HERBARA 7912); Guaíba, Fazenda São Maximiano, 20.XII.2009, N.I. Matzenbacher s.n. (ICN 164835); Ijuí, próximo à cidade, 19.III.1980, J. Mattos 21965 (HAS); Itaqui, BR 472, 29°09’48.0”S 56°30’28.9”W, 7.XII.2007, P.P.A. Ferreira 100 (ICN); Lavras do Sul, Cabanha Macanudo, Rincão do Inferno, 30°51’25.5”S 53°42’41.7”W, 13.I.2010, P.P.A. Ferreira et al. 329 (ICN); Porto Alegre, Praia de Belas, 9.XI.1974, L. Arzivenco s.n. (ICN 44546); Quaraí, estrada para o Passo da Guarda, 30°18’05.2”S 56°02’18.6”W, 4.XII.2010, P.P.A. Ferreira & J. Durigon 516 (ICN); Ronda Alta, Natalino, 6.XII.1974, L.R. Baptista et al. s.n. (ICN 26869); Roque Gonzales, Rincão Vermelho, 27°56’20.7”S 55°12’51.6”W, 7.I.2011, P.P.A. Ferreira & J. Durigon 592 (ICN); Santa Vitória do Palmar, Estação Ecológica do Taim, 13.XII.1986, F.A. Silva 738 (ICN); Santana do Livramento, Cerro da Vigia, 30°51’21.5”S 55°31’19.4”W, 9.XII.2007, P.P.A. Ferreira 114 (ICN, CTES); Santo Antônio das Missões, 28°27’13.1”S 55°15’24.9”W, 6.XII.2007, P.P.A. Ferreira 94 (ICN); São Borja, caminho para Garruchos, 28°30’14.2”S 55°49’23.9”W, 6.I.2011, P.P.A. Ferreira & J. Durigon 580 (ICN); São Miguel, 27.I.1964, G. Pabst 7927 (PEL); Sarandi, caminho para Carazinho, km 140,
Mostrar mais

14 Ler mais

Show all 10000 documents...