5 RESULTADOS

5.5 APLICAÇÃO DA MATRIZ DE SUSTENTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE

5.5.2 Dimensão política

A gestão eficiente de RSU deve contar necessariamente com programas e planos específicos voltados ao tema (POLAZ; TEIXEIRA 2009). Sendo assim, a dimensão política se inicia abordando a questão da existência de Plano Municipal de Gestão Integrada de Resíduos Sólidos.

Conforme já mencionado, o Município possui PMGIRS publicado no ano de 2012, elaborado pela empresa Ambientar. Além disso, a cidade conta ainda com o PGIRS publicado pelo CISGA, que abrange todos os municípios integrantes do consórcio. Desta maneira, diante do indicador 2a, tem-se uma situação favorável à sustentabilidade em função do Município em estudo contar com PMGIRS implementado.

Em relação à estruturação administrativa, voltada especificadamente à GRSU, o Município conta com um departamento, ligado à Prefeitura Municipal, ao qual incumbe a condução de todas as questões relacionadas ao meio ambiente. Contudo, com base nos descritores elencados junto ao Quadro 2 do Apêndice E, o Município é qualificado em uma situação intermediária, dado que o setor estruturado não é destinado exclusivamente à GRSU.

O indicador 2c, avalia o sistema predominante no Município em relação à sistematização de informações e à disponibilidade das mesmas. De acordo com os responsáveis pelo DMMA, o Município recebe mensalmente informações

sistematizadas, advindas da empresa que atua na coleta e transporte dos resíduos. Tais informações, relacionadas principalmente à pesagem, encontram- se disponíveis junto ao referido departamento, sendo disponibilizas à população a partir de prévia solicitação. A obtenção de informações relativas à gastos e arrecadação de recursos também dependem de solicitação prévia.

Com exceção das mencionadas, o Município não conta com informações sistematizadas, sendo que predomina uma situação análoga à verificada por Milanez (2002) na cidade paulista de Jaboticabal. O autor verificou que em função do quadro reduzido de funcionários e da sobrecarga dos mesmos, as atividades relacionadas à coleta e posterior sistematização dos dados, acabam sendo deixadas em segundo plano.

Sendo assim, como o quadro que prevalece no Município em estudo, não configura um cenário em que predomina necessariamente a ocorrência de informações sistematizadas, o indicador 2c foi avaliado com uma situação desfavorável frente à gestão sustentável.

Os indicadores 2d e 2e se relacionam à percepção da população em relação aos serviços voltados à GRSU ofertados junto ao Município. Conforme já elencado, os resultados obtidos a partir da aplicação do questionário, demonstraram um nível de satisfação razoável, uma vez que 66% dos respondentes consideraram o sistema de GRSU ótimo ou bom.

A estratificação dos respondentes em relação à área urbana e rural, permitiu verificar que o nível de contentamento é maior entre a população residente junto à área rural, que avaliou o sistema como ótimo ou bom em 69% dos casos. Para a área urbana obteve-se resultados semelhantes, dado que a GRSU foi considerada ótima ou boa por 64% dos respondentes. Desta maneira, diante do predomínio da avaliação “ótima” e “boa” para ambos os indicadores, tem-se uma avaliação positiva, atribuindo-se a nota 1, que estabelece uma condição favorável à sustentabilidade.

As ações fiscalizatórias alusivas à área de resíduos no Município de Cotiporã, abordadas através do indicador 2f, são de responsabilidade do DMMA. De acordo com informações obtidas junto ao mesmo, todas as denúncias e solicitações referentes à área de meio ambiente são averiguadas, porém não existem registros documentais das mesmas. Desta maneira, considerando que as ações fiscalizatórias são realizadas em todo o território do Município, ou seja,

contemplam as áreas urbana e rural, avalia-se uma condição favorável em relação ao indicador 2f, atribuindo-se assim, a nota 1.

Para a aplicação do indicador 2g buscaram-se informações a partir da consulta do PSB, elaborado no ano de 2013, tendo sua primeira revisão concluída no mês de agosto de 2018. Sendo assim, o quadro apontado junto ao referido plano qualificou o Município para uma nota intermediária, visto que os serviços de saneamento básico não são oferecidos em sua integralidade. Como já abordado, o município de Cotiporã conta com sistema de gerenciamento de resíduos sólidos, sendo este associado a planos e programas específicos. O sistema de abastecimento de água é totalmente operacionalizado pela Companhia Riograndense de Saneamento (CORSAN), que conta para tanto com represa para captação e estação de tratamento de água. Na área rural, que não é contemplada pela rede de distribuição, o abastecimento de água é realizado por meio de poços.

Em relação ao esgotamento sanitário, o Município conta com Estação de Tratamento de Efluentes (ETE) instalada, porém sua operação ainda depende de obras relacionadas à rede coletora. Para a drenagem e manejo das águas pluviais predomina uma situação intermediária, uma vez que o Município conta com estruturas instaladas, porém não constam quaisquer projetos, estudos ou ao mínimo plantas que contemplem a rede existente.

Dado o exposto, considerou-se que a cobertura dos serviços de saneamento básico não é integral, sendo que essa condição prevalece somente para a área de resíduos sólidos e abastecimento de água. A partir de tal avaliação, atribui-se ao indicador 2g a nota 0, que traduz uma situação intermediária, no qual são prestados de 2 a 3 serviços ligados ao saneamento. A Figura 20 traz a síntese dos resultados obtidos, a partir da aplicação dos indicadores relacionados à dimensão política, abordados a partir de uma representação horizontal. Como pode ser verificado, os picos positivos representam situações favoráveis à sustentabilidade, enquanto que os negativos traduzem uma situação contrária. Para o caso dos indicadores 2b e 2g, os pontos incidentes sobre a porção central indica uma situação mediana, na qual a avalição da panorama existentes conduziu à uma avaliação intermediária.

Figura 21 traz uma abordagem gráfica dos resultados, sendo esta associada ao modelo de radar. Para o caso em tela, observa-se que as áreas não preenchidas se concentram na porção direita, na qual verifica-se a incidência de um indicador com resultado desfavorável, representado pela valor -1, sendo este relacionado à sistematização e disponibilidade de informações. Nos melhores resultados, obtidos a partir da aplicação do indicadores 2e e 2f, se observa o preenchimento do gráfico até a borda, na qual a pontuação é igual a 1.

Figura 20- Resultados obtidos a partir da aplicação dos indicadores vinculados à dimensão política.

Fonte: O autor (2019)

Figura 21- Representação dos resultados obtidos para a dimensão política através de gráfico de radar.

No documento Aplicação de indicadores de sustentabilidade na avaliação do sistema de gestão de resíduos sólidos urbanos do município de Cotiporã-RS (páginas 80-84)