APOSTILA-DO-CURSO-DE-RADIESTESIA-COMPLETO-doc.pdf

65 

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)
(2)

1a. AULA O que é?

Radius (latim) – radiações Aesthesis (grego) – sensibilidade

Radiestesia – sensibilidade à radiações

Radiestesia é a arte de se sensibilizar com radiações. É cientificamente provado que todos os corpos emitem radiações na forma de ondas (vibrações), que nos rodeiam e estimulam o nosso sistema nervoso. Este registra essas ondas em nosso inconsciente que emite ondas internas através da sensibilidade neuromuscular, provocando a reação externa em movimentos radietésicos como a varinha, o pêndulo, aurameter, etc.

Sendo assim, o instrumento radiestésico funciona como amplificador e passa a ser um prático instrumento de conhecimento e autoconhecimento, respondendo a questões, tais como diagnósticos médicos, existência de jazidas, águas subterrâneas, pessoas e objetos desaparecidos entre outras.

Dá-se o nome de ressonância, a sintonia entre as radiações dos objetos ou anomalias e o nosso sistema neuromuscular. O objeto da pesquisa será o emissor, o cérebro será o receptor e o instrumento radiestésico, um amplificador.

Radiestesia a ciência milenar do uso da intuição História

(3)

Segundo historiadores e pesquisadores, a radiestesia é utilizada desde a pré-história, conforme provam desenhos em grutas e paredes de cavernas. Documentos arqueológicos da civilização peruana, datados de 9000 A.C. e em cavernas do subsolo dos Pirineus confirmam esta antiguidade. Existe referências na Bíblia como na passagem em que Oséias reclama ao povo judeu, que ao invés de consulta-lo, utilizava-se da varinha para descobrir as coisas. E, não podemos deixar de citar Moisés (êxodo 17:5-6), Salomão e a Rainha de Sabá.

Há 4200 anos era praticada na China. Existe uma xilografia onde aparece o Imperador Kwang Yu segurando um objeto parecido com um diapasão. Esse Imperador ficou conhecido por descobrir jazidas minerais, fontes, objetos ocultos, aplicações na agricultura.

No Egito, a radiestesia era privilégio da alta classe, ignorada pelo povo e ensinada aos sacerdotes de uma forma oral e transmitida de século em século, e de forma mais completa do que na China. Os egípcios conheciam os segredos das ondas nocivas telúricas naturais de subsolo. Dominavam a arte de potencializar as ondas de um estado natural do subsolo, tornar nocivo um lugar são e de imunizar contra esta nocividade.

Na mesma época, os índios na América, também se utilizavam da radiestesia.. Essa descoberta foi feita nos Andes de Tiahuanaco. Tem – se ainda registro dessa prática por hindus, persas, etruscos, peruanos, polinésios, hebreus, gregos, romanos e gauleses.

Na Idade Média, na Europa, a radietesia teve a sua fase áurea. Os instrumentos radistésicos eram aplicados largamente para a descoberta de jazidas minerais. No final do século XVIII, através de novas pesquisas, houve o renascimento do pêndulo e a partir do século seguinte, alguns cientistas passaram a se dedicar a este estudo.

Durante o século XX, aprimoraram-se as persquisas de subsolo, ampliaram-se o nível de experiências, testes e observações. Na Primeira Guerra Mundial, a radiestesia foi amplamente usada na buscava de cavidades subterrâneas e minas. Também começaram-se a se formar Associações internacionais de radiestesia e diversos congressos sobre o tema.

No Brasil, a radiestesia foi praticada principalmente por padres da Igreja Católica, que mantiveram esses conhecimentos dentro dos mosteiros e templos. O primeiro autor brasileiro foi o Dr. Alfredo Becker que publicou um livro em 1935. O padre Jean Louis Bourdoux começou a estudar as qualidades medicinais das plantas através da radiestesia e iniciou muitos padres entre eles o frei Francisco Maria Herail. Este desenvolveu atividades missionárias no Mato Grosso e em São Paulo. Outros nomes como Maria Luisa Azevedo, José de Castelo Branco e o 3

(4)

prof. JF.M. Palhoto se destacaram na atividade da radiestesia e publicação de seus estudos no Brasil.

A Radiestesia é um caminho espiritual, é uma prática que permite buscar dentro de si respostas as suas perguntas. Ela é a nível espiritual, o aprendizado do uso de sua intuição. Usando a radiestesia, a mente inferior se torna canal da mente superior. À milênios, sacerdotes e cientistas da antigüidade a usavam. Hoje, ela é conhecida e praticada no mundo inteiro.

RADIÔNICA

A Radiônica é a ciência que usa de diversos recursos para a captação e manipulação de energia através de diversos equipamentos, desde máquinas ligadas a rede elétrica, passando por outros que embora tenham circuito eletrônico não possuem fonte elétrica de alimentação para finalmente chegar a aparelhos realmente muito simples compostos de figuras geométricas.

Sempre houve grandes polêmicas envolvendo esta arte desde sua criação na década de 20 pelo Dr. Abrams, cuja foto vemos à esquerda, os opositores deste sistema sempre a ridicularizaram como algo místico e espiritual, aludem ao fato de que na maioria das vezes estas máquinas são compostas por esquemas elétricos infantis etc...

Embora simples a Radiônica funciona, através de seus aparelhos podemos resolver diversos problemas de saúde, existem aparelhos que conseguem injetar um floral ou homeopático diretamente na aura de uma pessoa, sem que esta tenha a necessidade de ingerir o medicamento, existem ainda aparelhos que podem aplicar agrotóxicos em toda uma plantação sem que se tenha que derramar tal elemento nocivo no solo, basta colocar uma amostra da terra em um lugar pré-determinado e uma amostra do agrotóxico para ser transmitido.

(5)

Este aparelho que vemos ao lado é na verdade um simulador de potência homeopática, coloca-se o medicamento na cavidade e se programa o aparelho para a potência desejada, após o tempo necessário o remédio está pronto. Este aparelho foi e continua sendo muito usado por médicos para evitar a necessidade de manter grandes estoques.

Os fundamentos desta ciência se encaixam cada vez mais nas teorias da Física, é só analisar as últimas descobertas e teorias para podermos ver que existem conexões de pensamentos.

Um ponto que não pode passar despercebido é o seguinte:

Não é o equipamento de Radiônica o verdadeiro causador dos efeitos mencionados acima, o aparelho não age por si mesmo, é a mente do operador que direciona o aparelho para o fim almejado, mas ao mesmo tempo Radiônica não é um jogo mental, o que ocorre é que o aparelho serve como um amplificador dos padrões cerebrais e mentais do operador, assim como um microfone serve como amplificador da voz.

Alguns críticos podem alegar que quando uma ciência depende da mente do cientista ela não merece este nome, a isto pode-se responder que dentro das próprias ciências oficiais já está se descobrindo cada vez mais o papel do cientista como observador, já se sabe que os átomos não se comportam da mesma forma quando sozinhos e quando na presença do cientista, confirmando mais uma vez a inter-relação existente entre a mente e a matéria.

2a. AULA

O QUE A RADIESTESIA FAZ E O QUE ELA NÃO FAZ?

UM ARTIGO NO http://www.abradcongresso.hpg.ig.com.br/page3.html

RADIESTESIA É O MEIO... NÃO O FIM...

Entendendo que a radiestesia é simplesmente um amplificador da própria percepção dos seres humanos, deve-se utilizá-la nos campos de conhecimento que cada um tem. O geólogo pode aplicá-la na busca de estruturas anômalas que afetaram as rochas e que podem acumular água subterrânea. O geógrafo pode

(6)

aplicar na ocupação humana e distinguir os locais insalubres, o economista e o administrador de empresa podem aplicar essa técnica na análise da produção de uma indústria, o psicólogo e o médico nos diagnósticos de doenças que afetam as pessoas, bem como o agricultor, o agrônomo no estudo da lavoura, dos solos adequados, na alimentação e na distinção dos agrotóxicos, o arquiteto nas construções tornando-as mais harmônicas, os engenheiros civis na busca de materiais adequados e naturais para as construções. O massagista na análise do cliente, antes e depois da aplicação das massagens. Pode-se aplicá-la na

cromoterapia, na detecção de desequilíbrios energéticos nas pessoas e nos locais, na avaliação da ressonância, cura e indicação da terapia adequada a cada individuo, ou animal, vegetal. Na aromaterapia e na infinidade de técnicas

alternativas que ajudam os seres vivos viverem melhor no planeta Terra. Um dos aspectos mais importantes no estudo da geobiologia é a forma de medição das anomalias nocivas. Utiliza-se o meio mais eficaz e prático que se conhece: a Radiestesia. A radiestesia é imprescindível na pesquisa dos locais de estudo, pois somente através dela pode-se diagnosticar correta e rapidamente os fenômenos microvibratórios. Os aparelhos existentes no mercado são úteis para a identificação de uma série de anomalias que afetam os seres vivos, mas são limitados e sofrem influências das adjacências ao problema buscado, além de custarem caros e necessitarem conhecimentos técnicos.

Por exemplo, um magnetômetro pode indicar a presença de campo magnético em um local, no entanto é perigoso ter um cano enferrujado sob o piso e

automaticamente o aparelho acusa e as pessoas podem supor que tem um enorme perigo e na verdade não tem nada.

A radiestesia pode descobrir desequilíbrios energéticos (mal de Ki como

chamamos nas terapias orientais) do corpo humano que podem causar doenças ou que já estejam alojadas; a radiestesia pode localizar pessoas, coisas perdidas. A radiestesia não pode fazer mágica. Ela trabalha com você e não para e por você.

O radiestesista e o pêndulo trabalham em conjunto e não há nenhuma coisa mágica ou do além que faça com que o pêndulo responda, mostre, gire, vibre. No começo, o radiestesista, até por ansiedade de ver resultados rápidos, pode manipular o pendulo para que ele vibre ou gire, mas com o tempo e a prática isso para de acontecer e a seriedade e confiança se instalam.

Aprender que a honestidade é a base de todo e qualquer trabalho é o primordial aqui!

(7)

Não devemos mentir para nós mesmos.

No decorrer do curso você poderá constatar para você mesmo o quanto o pendulo é funcional e como realmente atua sem sua interferência.

Um pouco mais de história!!!!

HISTÓRIA

Pêndulo Egípcio

A radiestesia é uma ciência milenar.

Numerosos pêndulos foram encontrados no Egito; no vale dos Reis. Na china, 2000 anos antes de nossa era, os radiestesistas usavam essa arte para encontrar fontes de água, minérios, e usavam também na agricultura. Roma foi construída sobre um lugar escolhido por um radiestesista etrusco que determinou a zona de influências, favoráveis para a implantação da cidade. Cada exército romano tinha um pelotão de radiestesistas, que usando varas de madeira detectavam fontes de água subterrâneas necessárias à alimentação das tropas, enquanto os sacerdotes da Roma Imperial preferiam usar o pêndulo.

Durante a Idade Média o uso da radiestesia foi confundido com as práticas de magia negra e assim foi condenado pela inquisição, mas desde 1546, instrumentos de madeira (forquilhas) são usadas novamente, principalmente na exploração do subsolo em toda a Europa.

(8)

De 1610 a 1638 mais de 150 minas foram descobertas pelo Marquês de

Beausoleil e sua esposa Martine de Bertereau.

No século XVIII o interesse dos cientistas pela rabdomancia (nome antigo da radiestesia, rhabdos = vara /mancia =

adivinhação) foi crescendo, Bleton, francês da região do Dauphiné pratica a radiestesia sem usar nenhum instrumento, quando ele passa sobre o leito de um rio subterraneo, seu corpo treme, sua respiração se torna ofegante e ele tem a sensação de estar com febre, ele é chamado pela rainha da França , Marie Antoinette,para achar as fontes que

abasteceriam o palácio doTrianon (Versailles). Em 1780, um médico de Nancy, o doutor Thouvenel, convida Bleton para fins de

pesquisa, e escreve um livro: memória física e medicinal mostrando as relações óbvias entre a forquilha, o magnetismo e a eletricidade, dez anos mais tarde ele continua suas pesquisas junto aos cientistas italianos, Spalanzani, Albert Fortis e Charles Amoretti. Desde do início do século XIX os radiestesistas começam à usar mais o pêndulo que a forquilha. Em 1890, os abades franceses Mermet e Bouly inventam o termo Radiestesia do latim radius (raio) e do grego aisthêsis (sensibilidade). Eles começam à fazer detecção à distância, comprovando esse progresso cientificamente.

(9)

Em 1904 o radiestesista Grisez descobre as minas de potássio na região da Alsácia

especificando a profundidade exata da camada: 400 metros. E recebe em pagamento a quantia de três milhões de Francos-ouro, uma fortuna na época. Em 1929 é criado: A Associação francesa e internacional dos amigos da radiestesia, que conta em seu comitê de honra vários cientistas das academias de ciências e medicina da época . Quatro radiestesitas famosos do século XX: o Abade Bouly (1865 -1958) pai da radiestesia, o Abade Mermet (1866 - 1937) filho e neto de radiestesista conhecido como o príncipe dos radiestesistas, Henry de France (1872 - 1947) o aristocrata da radiestesia, ele é o primeiro à falar de intuição e, Joseph Treyve (1877 - 1946) mais de 840 fontes de água descobertas.

Desde de então a prática da radiestesia se expande no mundo inteiro crescendo muito no domínio da medicina, da psicologia, na

harmonização de casas e terrenos, na agricultura e localização de fontes de água.

No Brasil o número de radiestesistas profissionais ou não aumenta à cada ano.

(10)

3a. AULA

COMO ELA AGE????

O homem tem buscado respostas a tudo que transcende o palpável e o impessoal. Através do avanço científico, da multiplicidade de conhecimentos, da globalização das informações e do próprio indivíduo enquanto ser responsável por seu caminho, por sua vida e por suas ações. Perdido entre o fanatismo de algumas práticas religiosas e o mais puro materialismo, o homem procura através da leitura, reforçar suas conclusões teóricas, pois nunca, como agora surgiram tantas seitas, tantos grupos de estudos, tantos cursos, tanta literatura, deixando o homem oscilar entre a crença e o descaso, o orgulho e a angustia, a necessidade e a razão. Se antes era vexatória a curiosidade, hoje o alternativo passa para a rotina, para o consumo e, muitas vezes, para o currículo do homem que se permite viver o dia de hoje com os pés no chão. Podemos afirmar, sem sombra de dúvida, que a mente realmente controla o corpo e a própria vida, fato este reconhecido pelos próprios cientistas, logo, através da leitura da mente podemos detectar toda e qualquer anomalia que o corpo possa ter. A prática, a pesquisa e o 10

(11)

estudo da Radiestesia participam desta realidade como contribuição, sem propor soluções milagrosas nem impor deduções, pois o pêndulo nada mais é do que uma interação ou prolongamento do inconsciente do operador, que esta em contato energético com a pessoa a ser examinada. Os princípios curativos utilizados, nada mais são do que os já existentes na natureza, ou seja, tudo é energia sutil, logo utilizamos todo processo que esteja a nossa disposição ou alcance. O Radiestesista têm a capacidade de interpretar e utilizar os mecanismos de cura que a própria mente solicita, por isso qualquer atitude de trabalho, sempre será de escolha e indicação do inconsciente da pessoa pesquisada, cabendo ao Radiestesista desenvolver técnicas ou procurar ficar a par de todas que já foram criadas, desenvolvidas ou desvendadas por ele ou não e na hora da energização colocá-las à disposição do inconsciente, para ser definida qual; a melhor e mais eficaz a ser aplicada, não se preocupando com a quantidade de técnicas a serem apresentadas e sim com as que já foram testadas e comprovadas sua eficácia.

Radiestesia é a arte e a ciência de captar e perceber radiações e vibrações emitidas por diferentes corpos. É ciência porque possui técnica e método, e é arte porque se baseia na intuição. Nosso cérebro se divide em dois hemisférios:- o esquerdo que governa nossas capacidades analíticas e o direito que controla nossas habilidades subjetivas e intuitivas. Vivemos num mundo que enaltece em excesso o lado racional, enquanto o lado subjetivo é deixado na dormência. Na verdade somos deficientes mentais, porque usamos uma parcela mínima de nossas capacidades mentais. A Radiestesia utiliza método racional para obter um resultado intuitivo. Usa como instrumento o Pêndulo que é por definição uma massa suspensa por um fio. Através de um processo linear de perguntas ele oscila determinando um resultado. Esse movimento de oscilação é gerado por um processo intuitivo, provocado pelo inconsciente do operador, que utiliza a parte subjetiva de sua mente. Tudo o que existe em nosso mundo irradia e capta energia. E é nesse fabuloso campo de energias de seres vivos, objetos e acontecimentos, que atua e se desenvolve a radiestesia. A Radiestesia é um desdobramento da Medicina Vibracional, que leva em conta não apenas o corpo físico, mas também corpos energéticos sutis que estão associados a este corpo físico, entendendo que a alteração vibracional destes corpos energéticos sutis, resulta na cura do corpo físico.

(12)

4a. AULA

O QUE É UM PENDULO?

Seus elementos principais: o operador (vc) e o pêndulo.

Em princípio podemos afirmar que qualquer pessoa é capaz de usar o pêndulo. É tudo uma questão de vontade e treino.

O que é pêndulo?

É um instrumento de radiestesia. Por definição, o pêndulo é qualquer massa suspensa por um fio qualquer. No entanto, para que possa ser usado na radiestesia, vários aspectos precisam ser levados em conta, como a forma, o material, a simetria, o peso e o comprimento do fio. Desta forma o pêndulo pode ser utilizado para traduzir as informações do inconsciente que chegam ao consciente.

Não é preciso ser radiestesista, nem bruxa para usar o pêndulo, pois se trata de um simples amplificador de energias que geralmente só são registradas no inconsciente.

Com o pêndulo na mão, agora é hora de testar seu desempenho. Atenção: Não estamos programando o pêndulo, mas testando seu desempenho e só.

Desenhe, numa folha de papel branco, um sinal de mais (+) numa ponta e um sinal de menos (-) na outra, para que fique sinal de positivo no canto esquerdo da página (ou direito à sua escolha) e o de negativo no canto direito da página (ou esquerdo, sempre em sentido oposto ao negativo). Segure o pêndulo pela extremidade do fio, sobre o sinal de mais. Mantenha a mão e o pêndulo imóveis por alguns instantes.

(13)

Pouco a pouco, ele começará a girar - no sentido horário ou

anti-horário. Suponha que gire no sentido horário; você já sabe, então, que toda vez que o pêndulo girar nessa direção estará apontando uma

energia positiva. Faça o teste também com o sinal de menos - o pêndulo deve girar no sentido oposto.

Agora comece a testar aqueles cantos de sua casa onde você mais gosta de ficar. O pêndulo, evidentemente, funcionará do mesmo jeito sem o papel! Se, porém, revelar que sua cama está recebendo energia

negativa, nada de pânico: é só mudá-la de posição (nem precisa chamar um decorador) e repetir o teste. Alias, repita quantas vezes seja

necessário até que você consiga colocar a cama no melhor canto do quarto. A confirmação do seu acerto virá com sono sossegado, bons sonhos!

O uso do pêndulo exige atenção, sensibilidade e concentração. Só o empregue quando estiver tranqüilo (a), relaxado (a) e sem pressa - o seu astral pode influenciar os resultados. E mais: utilizar o pêndulo pode ser cansativo. Por isso, não exagere. Procure sentir qual o melhor

momento de começar e, principalmente, de parar.

Aqui estamos demonstrando só uma das funções do pêndulo, mas existem inúmeras que veremos no decorrer do curso!

(14)

5a. AULA

VARA DE JACÓ

A Bíblia Sagrada reúne numerosas alusões sobre o uso da vara conhecida na antigüidade por Vara de Jacó. Um deles e o mais significativo faz referência a Moisés.

“Toma pois esta vara na tua mão , com que farás os sinais” Êxodo 4:17 “Quando o Faraó vos falar, dizendo:´Farei por vós algum milagre´ dirás à Aarão: ´ Toma a tua vara e lança-a diante do Fara´; e se tornarará serpente.” Êxodo 7:9

Por outro lado, questionava-se o poder da vara como não sendo oriundo dos céus, como é o caso do profeta Oséias (século IX a.C.) manifestando sua indignação no texto que versa sobre o juízo do Senhor ao povo Judeu e diz: “O meu povo consultou um pedaço de pau, e seu bordão lhe predisse as coisas; porque o espírito da fornicação os enganou e eles se prostituíram deixando ao seu Deus.” (Oséias 4,12).

A história documentada da radiestesia conta, no entanto, com registros bastante precisos sobre esta arte (arte?). Segundo Ribaut há documento, gravuras que datam de 2.200 a. C., uma delas, encontra-se na China, é uma xilografia, onde o imperador Kuang Yü aparece segurando um objeto parecido com um diapasão. Esse imperador foi célebre por seus conhecimentos em descobrir jazidas minerais, fontes, objetos ocultos e saber determinar qual deveria ser o trabalho adequado à terra de acordo com as estações do ano. Os chineses sempre foram habilidosos em detectar o que eles chamam de Cauda do Dragão, e, utilizando-se de uma varinha em forma de forquilha “Y”, detectavam as emanações oriundas do subsolo que eles entendiam como sendo maléficas para a saúde do indivíduo. Desta forma tomam o cuidado de não construir no local onde existem essas emanações. No Egito, onde o grau de civilização era bastante elevado, a radiestesia era utilizada com maestria, sendo que estas práticas eram destinadas a realeza, nobreza e aos sacerdotes. De acordo com Morel, é nesse período que se encontram os primeiros registros de fabricação de 14

(15)

equipamentos de emissão de radiação, ou emissores de ondas de forma, bem como de instrumentos que neutralizavam essas emissões. Foi no Egito também que os princípios da radiestesia começaram a ser utilizados como forma de diagnóstico, logicamente tendo uma conotação divinatória.

É bem possível que a radiestesia seja mais antiga que isso. Na parede de algumas grutas pré-históricas, foram encontradas caricaturas humanas gravadas em pedra representando bruxos.

Segundo os especialistas, naqueles tempos, os bruxos, eram um título conferido aos membros mais inteligentes de uma tribo e, de certa forma, os únicos a encontrarem água , em torno da qual a comunidade ou a tribo se estabeleceria, assim como o melhor lugar para o plantio. A HISTÓRIA DA VARA DE JACÓ

“O ar estava seco, em conseqüência do calor da árida região de Canaã. A grama rala e ressecada era buscada com empenho pelas poucas reses que vagueavam pelas pastagens. Um homem robusto, de largas espáduas e olhos inteligentes, pastoreava as suas esquálidas vacas, conduzindo-as com sua vara-de-ferrão. Vagarosamente, elas começaram a se mover, instadas pelo poderoso cajado, em direção a uma área verde do norte. O sol calcinava o solo rochoso e crestava até se racharem os lábios do pastor. O maltratado gado se movia, pastando, como um rebanho em direção ao oásis. Seus focinhos também estavam ressecados e suas sensíveis narinas farejavam a doce umidade da água próxima. Logo chegaram à fresca sombra dos ciprestes, no centro, entre os quais havia uma úmida cacimba. Então Jacó se deteve à beira do poço e mergulhou a ponta do cajado na água. Com o seu braço apontado e o corpo em postura de comando, o gato soube da água e se pôs a beber.”

Desde esses dias antigos até hoje, a vara de Jacó evoluiu para o pêndulo. As misteriosas origens estão veladas para todos, exceto para alguns “videntes” do passado. Mas existem alguns registros atuais, estórias e contos gravados em pergaminhos e documentos históricos, que procuramos transmitir durante o curso.

(16)

6a. AULA

POR QUE O PÊNDULO TRABALHA? VIVEMOS NUM UNIVERSO ENERGÉTICO

(Radiestesia - radius = raio, em latim; aisthesis = percepção, em grego)

“Vivemos num universo energético. E cada organismo se acha cercado de toda espécie de energia. Algumas são benéficas e outras são totalmente destrutivas. Para sobreviver, o organismo tem que desenvolver meios através dos quais possa beneficiar-se das primeiras e evitar as ultimas e proteger-se delas. Semelhante capacidade de distinguir e selecionar entre energias diferentes é uma propriedade inerente ao protoplasma. As plantas desviam-se de pessoas que são dotadas de radiações hostis a elas, como ficou demonstrado pelos experimentos de Cleve Backster. Os animais também percebem quando o perigo está próximo. Mesmo os seres humanos vacilam ou retrocedem ante uma sensação desagradável ou dolorosa. Toda a matéria parece possuir uma inteligência inata que se manifesta sob a forma de uma percepção primária acerca do que é bom ou mau para a sua estrutura particular.

Se bem que os seres humanos tenham desenvolvido essa capacidade até o mais alto nível, nós entretanto não nos achamos conscientes dela durante a maior parte do tempo. Ora, por causa de uma excessiva auto-identificação com as nossas faculdades intelectuais, acabamos por ignorar essa sensibilidade e desconhecer o que se passa nos outros níveis da consciência.

Você nunca passou pela experiência de entrar num quarto e sentir imediatamente uma sensação de desconforto? Você reparou como a pessoa então se encolhe, se sente inquieta, irritada e temerosa? Normalmente, não experimentamos tais sentimentos e tocamos para a frente com o que estamos fazendo. Mas essa reação é um sinal do nosso sistema nervoso, dizendo-nos que a atmosfera e a energia do local não são favoráveis. A mesma coisa nos pode acontecer em relação a uma outra pessoa. Com uma determinada pessoa, sentimos como se o nosso corpo todo estivesse cantando. Sentimo-nos leves, relaxados e confortáveis, enquanto que com uma outra pessoa sentimos a barriga e os ombros se contraírem, o corpo nos parece pesado, a respiração se torna irregular e difícil, e depois de uns poucos minutos de conversação estamos exaustos. E isto apesar de que, exteriormente, nossos cinco sentidos nada tenham acusado que justifique a sensação de desconforto. A outra pessoa inclusive pode ser saudável, educada e ter mesmo as maneiras de um nobre inglês, mas ainda assim persistimos no 16

(17)

nosso desagrado. Qualquer coisa de mais profundo em nós, qualquer coisa de mais básico e real, está registrando a presença de uma energia negativa e nos comunica esta informação através do sistema nervoso.

O sistema nervoso do homem é ainda, na sua maior parte, um mistério. Sabemos que ele é o sistema de comunicação do nosso corpo. Através do sistema nervoso, o cérebro obtém todos os seus dados dos órgãos internos e em seguida transmite as mensagens apropriadas de retorno a esses órgãos. Este é o processo da coordenação organísmica.

As possibilidades do sistema nervoso humano parecem infinitas. E o Conde Alfred Korzybski chega a definir a vida como sendo a soma de energia que um sistema nervoso dado contém. O sistema parece funcionar como um computador cósmico, acoplado a uma aparelhagem receptora cósmica de alta sensibilidade. Um sistema nervoso sensível e adequadamente adestrado não precisa de nenhum recurso externo para obter as informações que deseja. A pessoa que tiver uma tal sensibilidade terá apenas que pensar na questão ou problema, para que o seu cérebro emita radiações para explorar o infinito exterior, trazendo a seguir as desejadas informações. Ela receberia ou perceberia a resposta como uma sensação física.

Infelizmente, porém, a maioria das pessoas não chega a desenvolver-se até esse ponto. Geralmente necessitamos de meios auxiliares concretos para amplificar e interpretar os sinais que os nossos nervos desejam comunicar-nos. E esta é precisamente a função do pêndulo.

Não é o pêndulo em si mesmo, então, que nos dá as respostas. É a nossa própria inteligência superior, mais intima que se comunica através do sistema nervoso, que nos dá os sinais. O pêndulo se limita a amplificar a sinalização e a permitir-nos interpretar o sentido através dos códigos estabelecidos entre a permitir-nossa alma consciente e a subconsciente.

Um bom radiestesista ou operador de pêndulo não vê as suas respostas diretamente no movimento da vara ou do pendulo. Ele também sente a resposta – em termos de freqüência de registro – na sua mão ou braço, ou no corpo inteiro. Mas isto só lhe ocorre após um prolongado adestramento.

Assim, quando um operador de pêndulo segura seu instrumento sobre um objeto, ou pessoa (por exemplo, na radiestesia médica), o que ele está fazendo é medir a interação de um dado campo de força com o do seu próprio sistema nervoso. Mas, como os primeiros experimentadores radiestesistas descobriram, não é necessário ter os objetos ou as pessoas materialmente presentes para conseguir leituras precisas. Mesmo que o operador se encontre a centenas ou mesmo a milhares de quilômetros de distância, isto não faz nenhuma diferença. O Abade Mermet, sacerdote francês e um dos maiores pioneiros nesse campo, era capaz 17

(18)

de descobrir água e minerais na África, confortavelmente sentado à sua mesa, numa aldeia francesa. Ele simplesmente mantinha o pêndulo suspenso sobre o mapa de um determinado território, e onde quer que houvesse água ou os minerais procurados, o pêndulo se movimentava como o de um relógio.

Verme Cameron, um famoso localizador de água, foi impedido de deixar o País, porquanto isto foi considerado um risco para a segurança nacional. Por que? É que ele, utilizando a técnica de prospecção de mapas com o pêndulo, numa demonstração para almirantes da Marinha norte-americana, localizava com precisão as posições e profundidades de todos os nossos submarinos e bases de submarinos no Pacífico. E não somente isso: ele também era capaz de distinguir entre submarinos americanos e russos.

Como ele conseguia isso? Há uma variedade de teorias e explicações propostas. Uma autoridade no assunto, Max Freedom Long, diz que se trata de um fenômeno consciente. O próprio Verne Cameron sustenta que se trata de energias superconscientes. Outros propõem uma quantidade de explicações metafísicas e religiosas para o fenômeno – anjos que fazem o pêndulo mover-se, ou Deus que o põe em movimento, e assim por diante.

Mas a importância de qualquer procedimento ou capacidade não está no porque, mas no como. Uma vez que o como se torna conhecido, o conhecimento do porque faz pouca diferença. As teorias unicamente são úteis para satisfazer a insaciável curiosidade do intelecto que não pode tolerar incertezas. O intelecto deve ter suas razões.

Assim, para explicar a telerradiestesia (efeito à distância) aqui está uma explicação tão boa quanto outra qualquer: a mente opera algo assim como uma combinação de rádio ou TV, na função receptora e transmissora. Uma pessoa apropriadamente treinada, que pode concentrar poderosamente e manter a concentração do seu pensamento sobre um objeto particular, isto é, pensamento, pessoa, substância ou idéia, entra em sintonia com esse objeto. A pessoa atinge o objeto na faixa mesma da freqüência (taxa de vibração) e um comprimento de onda que lhe dão uma quantidade única de colorido e tom. Isidore Friedman, um mestre do pêndulo, sustenta que tais freqüências também se distinguem por uma certa forma característica. O sistema nervoso traduz então essa qualidade, o que determina um certo tipo de movimento do pêndulo.

E como toda pessoa se encontra suficientemente familiarizada com as faixas do rádio e com as freqüências da TV, este principio não deve ser difícil de compreender. Atenção e concentração são os instrumentos de sintonização da mente. As estações transmissoras são os objetos ou as próprias pessoas, que estão constantemente irradiando freqüências de energia. O único problema é quando há muita estática ou interferência, ou em nossas cabeças ou no ambiente ao redor. Nesse caso as leituras através do pêndulo podem falhar.

(19)

Levando um pouco mais adiante a nossa analogia com o rádio e a TV, todos nós sabemos que quando há perturbações elétricas (por exemplo, tempestade e relâmpagos na atmosfera), ocorrem interferências na nossa recepção de rádio e de TV. O som e as imagens se alteram, os sons sibilam, estalam, as imagens saltam, etc. A onda foge, sofre distorção. Uma coisa semelhante acontece quando tempestades elétricas têm lugar dentro de nossas próprias mentes e corações, ou quando certas influências planetárias perturbam o equilíbrio elétrico da atmosfera mental.

Resolver o problema da estática no meio ambiente é fácil. Basta que adiemos nossa leitura para quando a situação for mais tranqüila. Felizmente tais perturbações atmosféricas são passageiras. Mas, resolver o problema da estática em nossas mentes é bem diferente. Requer adestramento e disciplina. Exige capacidade de concentrar e focalizar. E esta é realmente a parte mais árdua do uso do pêndulo.

Qualquer pessoa que tenha um certo treino da mente e, em conseqüência, um razoável poder de concentração, e que seja também emocionalmente estável, está em condições de usar o pêndulo e de adquirir uma grande precisão com ele, num prazo relativamente curto. Os que não possuem estas qualidades necessárias não se sairão muito bem com o pêndulo. Nosso conselho é no sentido de que se adquira o indispensável controle mental e emocional antes de depositar muita confiança nas leituras do pêndulo.

Se você quiser, poderá utilizar o próprio pêndulo para desenvolver tais qualidades. Pois quando vc começar a praticar, procurando permanecer emocionalmente neutro, você estará ganhando maior controle e equilíbrio, e você observará que as suas leituras estão se tornando progressivamente mais exatas. E como acréscimo, outros aspectos da sua vida estarão sendo igualmente melhorados.

Em qualquer caso, o que a ciência da radiestesia necessita é de mais pessoal prático que possa ver por si mesmo o que se pode conseguir, e não de mais teorias. São tais pessoas que irão ampliando a pauta de pesquisa, nesta nova idade da ciência. Uma vez que você tenha começado a operar com o pêndulo e tenha verificado as suas vantagens para você próprio, pouco lhe importarão as teorias que se encontrem por trás do seu emprego. Como Edison respondeu quando lhe perguntaram o que era a eletricidade: “Eu não sei o que é, mas ela está ai, então vamos aproveita-la”.”

(Texto retirado do livro O PODER DOS PÊNDULOS – GREG NIELSEN & JOSEPH POLANSKY)

(20)

7a. AULA

O PÊNDULO E A DINÂMICA PARA CURA DE SI MESMO Aqui vai um texto muito bom que deve ser lido por você.

http://www.magiantiga.com/AULAS_ONLINE/RADIESTESIA/memoria.pdf

Num certo dia, na primeira metade deste século, o Dr. Albert Abrams, professor de patologia na Escola de Medicina da Universidade de Stanford, na Califórnia, dava uma demonstração para seus alunos. Ele escolheu entre os jovens o mais corpulento e que parecia mais saudável, colocou-o de pé diante da classe e de frente para o oeste magnético, e começou a percutir o seu abdome. Como se esperava, não havia nenhum som estranho. A percussão produzia sons ocos normais numa pessoa sã.

A seguir, o Dr. Abrams trouxe um paciente canceroso de uns 60 anos de idade e cuja doença se achava em estado muito grave. O doutor percutiu a altura do estômago do paciente, logo abaixo da caixa torácica, na parte superior do abdome, sobre o seu lado esquerdo. O resultado foi um barulho surdo, compacto. Ressoava como se aquela parte do abdome estivesse cheia de uma substância sólida, ao invés de tecidos sãos.

Em seguida, outro paciente foi trazido. Era um paciente tuberculoso. O Dr. Adams percutiu também o seu abdome e encontrou, logo acima do umbigo, os já familiares sons surdos.

Outros pacientes foram colocados diante da classe. Eram doentes de câncer, meningite, peneumonia, simples resfriado, etc. Os resultados da percussão continuavam sempre os mesmos. Toda doença produzia um som surdo em certa área específica do abdome do enfermo. Ao que parece, qualquer doença afeta os reflexos nervosos da pessoa sempre de um mesmo modo.

Só esta descoberta teria assegurado ao Dr. Abrams um lugar importante na história médica. Mas ele foi além. Usando eletrodos ligados a uma caixa que continha resistores variáveis, ele conectou o paciente enfermo de câncer ao jovem estudante sadio. Deixando de lado o doente, ele percutiu o abdome do robusto jovem de vinte anos de idade. E como o doutor esperava, no mesmo ponto da parede abdominal do homem são, obteve sons surdos iguais aos do homem doente. Ou, por outras palavras, uma doença em uma pessoa pode produzir 20

(21)

“reações eletrônicas” no corpo sadio de outra pessoa. E se ele pudesse distinguir entre os comprimentos de onda das várias doenças, uma pessoa sadia poderia ser usada para detectar doenças em outras. O sistema nervoso de uma pessoa sadia pode ser utilizado como instrumento de diagnóstico. E assim a ciência da radiestesia médica e da radiônica acabava oficialmente de nascer.

O pêndulo ou o método radiestésico, quando apropriadamente utilizado, nas mãos de um médico treinado, é talvez a mais precisa e penetrante técnica de diagnóstico conhecida pelo homem. A mesma faculdade que faz com que um adivinho hesite quando próximo da água, e que produziu os reflexos nervosos específicos no estudante de medicina da experiência do Dr. Abrams, é agora empregada para detectar enfermidades.

Há numerosos e variados métodos para o diagnóstico de enfermidades com auxilio do pêndulo. Na Inglaterra, França e Itália, os médicos vêm usando o pêndulo há anos e já o consideram como parte integrante do seu equipamento médico normal. Em conseqüência, a literatura sobre o assunto é vasta, cada praticante defendendo o seu próprio método.

Vamos apresentar aqui os métodos de uso mais simples e mais fáceis de serem empregados por médicos com os seus pacientes ou utilizados por leigos no cuidado da própria saúde.

DESCOBRINDO OS PROBLEMAS

Faça um esboço do corpo humano ou copie a figura abaixo. (não precisa ser uma arte exata e perfeita)

(22)

Concentre-se neste diagrama.

O objetivo do emprego deste diagrama é apenas ajuda-lo a concentrar-se, de modo que o seu pensamento se encontre em estado de forte ressonância com a pessoa que você vai testar.

Escreva o nome da pessoa no alto do diagrama. Muitos dos praticantes gostam de usar amostras do paciente ou testemunhos, como costumam dizer em radiônica. Você pode obter uma madeixa de cabelo, um pouco de urina, uma gota de sangue ou de saliva da pessoa, e colocar a amostra no diagrama. Nós temos, contudo, verificado que uma mente treinada em concentração não precisa de nenhuma amostra a não ser o próprio diagrama. Segure o pêndulo sobre o diagrama e comece a move-lo sobre as diferentes regiões do corpo. A esta altura, você não terá que fazer nenhuma pergunta. Se a área que você está testando se encontra em estado normal, o pêndulo girará suavemente em sentido positivo, e você sentirá uma sensação agradável e branda ao longo de todo o seu braço. Leve o pendulo a oscilar sobre todas as partes do corpo, sobre a cabeça, o pescoço, o tronco, os braços, as pernas e assim por diante. Se sobre um ponto qualquer o pêndulo começar a se mover na direção anti horária, ou se oscilar de modo irregular e violento, pode estar certo de que há energia em desequilíbrio que emana dessa área do corpo.

Como o diagrama não é exato, você não terá certeza sobre qual é o órgão afetado ou estrutura específica que se encontra deficiente. Você terá identificado apenas, de um modo geral, a área em que se dá o problema, o desequilíbrio.

Faça uma lista de todos os órgãos localizados na área em que o pêndulo acusou desequilíbrio. Consiga alguns mapas anatômicos, com desenhos representando os órgãos, assim terá maior precisão.

Pergunte ao pêndulo órgão por órgão “Este órgão está debilitado? Está infeccionado? Com hiper ou hipo funcionamento?” O pendulo lhe dará as respostas necessárias para que possa localizar o órgão e diagnosticar o problema exato.

Como você pode perceber a pessoa não precisa estar presente para que você examine. Esta prática se chama de teleradiestesia – prática de diagnóstico à distância – e segue os mesmos princípios de radio e TV, com a mente do operador funcionando como instrumento transmissor e receptor ao mesmo tempo. Você também poderá fazer isso com seu cliente deitado e relaxado na maca. TAREFA:

(23)

FAÇA ESTE EXERCÍCIO COM UMA PESSOA SAUDAVEL E COM UMA CONHECIDAMENTE DOENTE (PODE SER UMA GRIPE, OU UMA SIMPLES DOR DE CABEÇA) PRATIQUE NO DESENHO.

8a. AULA

GRAFICOS DE RADIESTESIA E RADIÔNICA

(RADIÔNICA: Um método de emissão de energia à distância) Principais Gráficos e Utilização

DESENHO DE LUXOR

Gráfico Radiônico que trabalha com as energias de Forma. Usado principalmente para minimizar as influências negativas oriundas do solo e subsolo.Coloque o gráfico no chão no local mais exposto as ondas nocivas. Verifique radiestesicamente a melhor localização do gráfico. Limpe a placa ou tapete de 30 em 30 dias pelo menos, pois quando sujo ou impregnado pode perder a eficácia.

(24)

LOSANGO

Pesquisado e idealizado pelos radiestesistas Henrinck e irmãos Servanx é utilizado em radiônica para tratamento de deficiências físicas e energéticas, bem como trabalhos radiônicos à distância. È formado por 4 losangos coaxiais, tendo no centro o círculo solar, o qual significa a forma do gráfico, e um ponto. Este gráfico constitui a representação simbólica do Sol. Para sua utilização é necessário posicionar seu eixo maior no sentido Norte/Sul. Coloque o testemunho da pessoa no centro do círculo central. Se for fotografia, coloque a cabeça na direção Norte. Se o testemunho for outro (cabelo, unha, escrita, etc.) convém

(25)

lo no Decágono por 2 horas. Escreva o pedido de forma objetiva em papel branco, utilizando sempre lápis ou grafite preto.

TURBILHÃO

É utilizado para a realização e agilização de objetivos materiais: sucesso nos negócios, prosperidade, empregos, compras e vendas. Também é indicado para problemas de saúde.

Trabalhamos da seguinte forma:

• Colocamos o objetivo (já potencializado no Decágono) no centro

do Turbilhão.

• Em cima do objetivo colocamos o testemunho.

• No caso de saúde, podemos colocar sobre eles o nome do

remédio.

• Nos pedidos materiais, podemos colocar pedras ou metais.

(26)

IOSHUA

Nome cabalístico de Jesus. Formado por 4 letras hebraicas as quais os estudiosos na área atribuem muita energia. Inscrito em Losango, esse nome é símbolo sagrado. Pode ser usado como talismã e proteção contra o baixo astral, bem como, contra visitantes indesejados, quando carregado no bolso ou colocado no lado de dentro da porta. Na prática de meditação, num local tranqüilo, sem ser interrompido, acomodado confortavelmente e na penumbra, acenda uma vela de maneira que sua chama ilumine o desenho. Fixe o olhar nele, observando com a máxima atenção. Isto o ajudará a expandir a sua consciência e então... COMECE A MEDITAR.

(27)

TETRAGRAMATON

É o nome de DEUS ou JEHOVAH escrito em hebraico, dentro de um triângulo. O nome de Deus em hebraico que simboliza tempo, espaço, ciclos de existência, tudo que nasce, cresce, se reproduz e desaparece. Modo de usar:

Colocar o adesivo na porta da casa, escritório, carro, bolsa, etc.

Afasta as energias negativas e da proteção divina para aqueles que o usam.

(28)

LABIRINTO DE AMIENS

Réplica do desenho existente no piso da antiga Catedral de Amiens (França). Em seu centro encontramos poderosas energias com vibrações de até 18.000 angstrons (a mesma vibração encontrada na Câmara do Rei na Grande Pirâmide do Egito). É uma energia poderosa, que permite o restabelecimento da saúde física e psíquica. O labirinto atua como catalisador das energias telúricas que em conjunto com as vibrações cósmicas, cria um ambiente perfeito e sagrado de meditação, introspecção e harmonia.

Modo de Usar:

- Em radiônica, colocar o testemunho e o objetivo a ser alcançado, por 3 horas no Decágono e após vitalizado, colocar no centro do Labirinto por mais 10 horas. Repetir a operação quantas vezes for necessária.

- Colocado na sala, servirá de proteção contra vibrações negativas, principalmente de visitas indesejadas.

- Para energizar a água, coloque um copo com água sobre o Labirinto durante a noite e tome a água em jejum. Poderá também ser colocado embaixo do bebedouro para vitalizar e energizar a água.

(29)

- Para rejuvenescer as células mortas da pele, tratamento de espinhas, rugas, etc., passar a água energizada no rosto.

- Para insônia e desdobramento astral, colocar a noite o gráfico debaixo do travesseiro.

PIRÂMIDE DE TAO

Este gráfico canaliza as energias de forma, tendo grande aplicação no campo da Radiônica. É usado nas áreas de cura, eliminação de energias negativas ou deletérias.

Auxilia a acalmar ambientes de trabalho, neutralizar as energias telúricas provenientes de condutores elétricos, veios subterrâneos, etc. Propicia iluminação e clareza mental na busca de causas espirituais e materiais.

(30)

Usar colocando um papel branco escrito com o objetivo, no centro do gráfico e sobre o mesmo, o testemunho (foto, cabelo, saliva, unha, etc.)

S.C.A.P.

SÍMBOLO COMPENSADOR ANDRÉ PHILIPPE

Este emissor radiônico teve origem nas pesquisas sobre ondas de forma de JEAN DE LA FOYE, complementadas pelo radiestesista francês ANDRÉ PHILIPPE. Ele se baseia na lei de compensação das forças a partir da qual se pode neutralizar energias e radiações nocivas. A dualidade e a trindade estão conjugadas neste símbolo, de modo a gerar uma perfeita harmonia das forças sutis. É representado em duas versões, uma com as letras hebraicas e a agregora expressa pela palavra Jeová “IAVE”. A outra, estilizada, proporciona os mesmos efeitos.

Seu uso não exige orientação especial, podendo ser utilizada inclusive na vertical. A sua potência e raio de ação são diretamente proporcionais ao seu tamanho. Suas emissões ocorrem simultaneamente nos níveis físico, vital e espiritual. O espectro das energias (espectro de Chaumery-Bélizal) é emitido a um só tempo, nas fases magnética-elétriaca. Se colocado sobre um ponto geopatogênico ou foco de energias negativas, ele absorve e acumula parte de sua nocividade. Elimina Raios X, Gama, Verde Negativo Elétrico, emitidos por aparelhos elétricos ou eletrônicos, tais como: relógios elétricos, computadores, monitores, impressoras, vídeo cassetes, televisores, telefones, celulares, micro-ondas, refrigeradores, etc. É usado terapeuticamente como auxiliar de tratamento de doenças e vícios, pois toda cura é conseguida através do equilíbrio do espectro de energias sutis do organismo doente. Age também a distância, desde que colocado sobre ele o testemunho.

(31)

HARMONIA

Gráfico emissor formado por círculos e seis pétalas representando o movimento de circulação da vida, da sua transformação e regeneração através da cura holística.

Promove a confraternização entre os seres, harmoniza interesses e afetos, pedidos para resolver problemas difíceis, pedir inspiração, o equilíbrio e também fornece proteção.

Trabalha-se com o gráfico da seguinte maneira:

Num pedido individual, coloca-se o testemunho e o pedido no centro e nas pétalas podem-se colocar pedras de acordo com a indicação do pêndulo.

Para um trabalho de harmonização entre a família ou entre amigos, colocamos nas pétalas o testemunho de cada pessoa que se deseja harmonizar. No centro do gráfico coloca-se o pedido com um cristal programado e sobre os testemunhos uma pedra (rodocrosita).

(32)

DESIMPREGNADOR

Aparelho radiônico composto de Decágono, quatro círculos e setas no sentido da força centrífuga. Utilizado na limpeza, proteção e valorização do plano físico e material da pessoa. Proteção contra energias sutis, deletérias ou negativas.

Usado na desimpregnação e limpeza de testemunhos, cristais, bastões utilizados na radiônica, empregados na cura, auxílio ou harmonização de pessoas e animais.è utilizado também para desimpregnar a aura de pessoas que estejam sob influência negativa

(33)

Pesquisar radiestesicamente outras formas de uso e tempo de aplicação, que deverá ser de no mínimo 03 horas.

DESEMBARAÇADOR

Aparelho radiônico potente, para dentro do possível, resolver situações e problemas para os quais não vemos saída imediata ou julgamos estar fora de nosso alcance. Procure utilizar somente em casos extremos, quando o assunto aparentemente estiver fora de nosso alcance.

Coloque sobre o centro do gráfico o testemunho (foto, cabelo, unha, etc.) e sobre o mesmo, uma folha de papel em branco onde será escrito, a lápis, o pedido ou problema de forma objetiva e sucinta. Verifique (com o pêndulo) radiestesicamente como está o pedido, suas possibilidades e tempo de exposição.

(34)

DIAFRAGMA

Gráfico radiônico que permite a neutralização de todo tipo de energias negativas. Para seu uso coloque primeiramente o testemunho (foto, cabelo, unha, assinatura em papel branco) no centro do Diafragma e sobre o mesmo um cristal cor de rosa, o qual, antes de ser utilizado, deverá ser lavado em água corrente, para limpá-lo, retirando qualquer tipo de energia nele remanescente pelo uso anterior. Após 1 hora, a pessoa estará neutralizada de qualquer energia. Convém deixar este 34

(35)

gráfico radiônico, de tempos em tempos, posicionado num local discreto, com o testemunho energizando e protegendo a pessoa.

NOVE CÍRCULOS

Gráfico idealizado pelos irmãos Servanx, na Bélgica. È usado para proteção das pessoas, animais e propriedades. Deve ser colocado em local discreto, no interior da casa, escritório ou automóvel. No centro dos círculos, coloque numa folha de papel branco, escrito o nome, endereço e propósito (proteção total) a lápis. Este papel, testemunho, deve ser energizado e preparado por 2 horas no Decágono, e após, colocado no centro do aparelho. Lembre-se: “Toda vez que estiver em viagem (ônibus, avião ou carro) procure mentalizar os Nove Círculos, protegendo-se contra acidentes”.

(36)

DECÁGONO

Em radiônica, o Decágono é um dos gráficos mais importantes. Utilizado para ativar, ampliar, potencializar e sintonizar a energia dos pedidos. Deve ser utilizado sempre, antes de qualquer trabalho, para desimpregnar o testemunho (foto, cabelo, saliva, escrita, etc). É um polígono regular de 10 lados, estudado pelos Irmãos Servanx. No campo da radiônica está sendo utilizado para a criação de testemunhos artificiais e na valorização dos testemunhos naturais. Para a criação de um testemunho artificial, uma vez escrita a palavra ou nome é colocado no Decágono, só após 1 hora ele estará impregnado e pronto, pelo raio da união da pessoa ou do objeto representado. Esta ligação se dará por ressonância. O Decágono elimina as vibrações e energias indesejadas e 36

(37)

valoriza e aumenta as energias do próprio testemunho. Para desimpregnar e eliminar somente vibrações nocivas, coloque o testemunho no centro do Decágono por 1 hora, pelo menos. Quanto maior o Decágono, mais rápido e eficaz será o processo. Segundo os pesquisadores, a criação das palavras é sugerida pelo que elas representam, impregnando-se da essência daquilo que foi simbolizado.

TRÍGONO

Gráfico formado por um Decágono potencializador de energia, um Turbilhão energético (força) e círculos protetores de energias sutil, desenvolvido para penetrar no âmago do sub-consciente. Utilizado para proteção pessoal contra terceiros, na melhoria de negócios, saúde, dores, prosperidade, etc. Aconselha-se levá-lo em viagens como forma de proteção, para tanto, encoste-o na parte interna de sua mala principal. Para atenuar dores, colocá-lo debaixo do colchão na direção do ponto da dor. Colocar o pedido e o testemunho por 2 horas no Desimpregnador e após, no centro do Trígono. Se for remédio ou receita médica, coloque sobre o testemunho e sobre ele, um cristal. Deixe atuar enquanto perdurar o problema de saúde.

(38)

OM

Este gráfico representa o símbolo do mantra OM. Este mantra tem a vibração idêntica à do Universo. Essa vibração é medida em graus (-273º Kelvin). Em astrofísica é conhecida como vibração de fundo e existe em todo o Universo (pode-se dizer que esse é o som do Universo) Este gráfico colocado numa parede harmoniza o ambiente, tornando-o muito agradável, além de nos abençoar e nos proteger.

(39)

Anti Magia

(40)

A mesma função do decágono simples.

(41)
(42)

Desembaraçador Material

(43)

Him harmoniza casais em conflito.

(44)

Mesa de amiens, para envio de energias à distância na radiestesia cônica

(45)

Dados numéricos para curas pessoais

(46)

Programador físico de cura física. Age a nível celular

(47)

Psicométrico, avalia qualidade pessoal, ótimo para avaliar personalidade e qualidades de pessoas que desejam trabalhar conosco, etc.

(48)

Quadrado mágico; reequilibra ambientes saturados por energias nocivas.

(49)

Atua como rede de trabalho manifestando uma dinâmica energética à viagem interdimensional e interconexão comunicativa

(50)

9a. AULA

Testemunho

Em Radiestesia, é comum usarmos uma representação do cliente atendido, a invés de trabalharmos diretamente sobre o mesmo. Dessa forma, o tratamento empregado pode ser continuado, à distância, sem interrupção.

Um testemunho, entretanto, só terá valor e realmente representará a pessoa em questão se esta estiver ciente e concordar com o tratamento que estiver sendo empregado. Isso quer dizer que, mesmo para outros gráficos não relacionados à cura, ele perderá muita de sua eficácia quando o receptor não estiver sabendo do que se passa.

Para confeccionar um testemunho, normalmente empregamos uma fotografia da pessoa. Uma outra forma de preparar um testemunho é escrevendo o nome completo e data de nascimento, sempre à lápis, sobre um papel com cerca de 2 cm de diâmetro. Neste caso, precisa ser escrito pelo receptor do gráfico, ou seja, aquele que receberá o tratamento.

O passo seguinte é desimpregnar o testemunho das vibrações que não nos interessam. Para isso, passe-o algumas vezes na fumaça do incenso e coloque-o por cerca de 10 minutos no Gráfico Decágono. Gire o pêndulo rapidamente, no sentido horário, 21 vezes, sobre o testemunho. Pergunte, com o pêndulo, se este testemunho já se encontra potencializado. Repita o processo de girar o pêndulo no sentido horário por 21 vezes até que a reposta seja “sim”. A partir deste instante, aquele testemunho passa a representar a pessoa em questão, contendo uma vibração igual ou semelhante a ela. Antes de usar um gráfico, lembre-se de desimpregná-lo, passando-o repetidas vezes na fumaça do incenso. Os gráficos devem ser potencializados diariamente, girando-se o pêndulo 21 vezes, rapidamente, sempre no sentido horário.

(51)

COMO FAZER SEU PENDULO?

Hoje no mercado temos pêndulos de vários tamanhos e materiais diferentes. Mas, é simples ter um pêndulo que funcione, e que lhe traga as respostas que precisa!

É lógico que um pêndulo de madeira ou cristal, com medidas perfeitas e centro bem calculado fará com que ele funcione perfeitamente e com mais precisão, porém um pendulo feito por você mesmo também funciona e vale a pena experimentar.

1. AMARRAR UMA LINHA EM UM ANEL OU ALIANÇA;

2. AMARRAR UM FIO DE NYLON EM UM BOTÃO GRANDE OU PEDRA DE QUALQUER TIPO.

3. UMA LINHA COM AGULHA ESPETADA NO CENTRO DE UMA ROLHA. Essas maneiras são maneiras simples e eficientes de fabricar rapidamente um pendulo, que lhe trará resultados rápidos e tão eficientes quanto pêndulos mais detalhados e trabalhados.

EXEMPLOS DE PÊNDULOS EXISTENTES HOJE NO MERCADO

(52)

Este tipo de pêndulo é o mais usado: de cristal de quartzo de várias cores e modelos.

(temos para venda – entre em contato com

admin@magiantiga.com)

(53)

10a. AULA

Instrumentos Radiestésicos Forquilha ou Varinha

Usado principalmente para localizar a existência ou característica de objetos que estão sendo pesquisados. Seu maior emprego é na localização de veios d’água e prospecção de jazidas. Pode ser de madeira ou aço e geralmente tem a forma de um Y.

Segura-se no “Y” mantendo a parte única voltada para baixo. Anda-se pelo terreno apontando a Forquilha para o chão até que oscile e trema nas mãos. Tremendo indicará a presença de água ou jazidas no terreno.

Pêndulo Cromático

É um pêndulo que possui um cilindro oco de madeira, com dois cones nas suas extremidades. É empregado para nos sintonizar com as cores do espectro visível e a localização de campos de forma.

Aurameter

Instrumento de precisão utilizado em experiências científicas e na prospecção da energia e equilíbrio dos chakras.

(54)

Dual Rod

A expressão quer dizer “dupla varinha” e a sua finalidade principal é a caracterização de uma fonte energética. Uma vez caracterizada, será preciso interpretar se é de natureza positiva ou negativa. É geralmente utilizado na prospecção dos chakras.

Segura-se o dual na parte mais grossa e paralelamente, de maneira que permita o movimento espontâneo do dual. Geralmente movimentos leves e simétricos indicam natureza positiva.

Pêndulo (relembrando)

É um peso ligado a um fio flexível, pouco importando o material com o qual é confeccionado. O essencial é que seja simétrico e uniforme. O pêndulo é um instrumento radiestésico que faz com que certas vibrações do Universo sejam percebidas pelo inconsciente do operador. Trata-se de um peso na ponta de um fio flexível e resistente. O seu formato deve ser sempre regular e simétrico e a forma do pêndulo e seu material não interferem na sua sensibilidade. Isso quer dizer que o peso pode ser cónico ou redondo, de bronze, madeira ou cristal, ou qualquer outro material. Existem pêndulos ocos, para que possam ser colocados testemunhos em seu interior. Uma aliança presa através de uma linha resistente de cerca de 17 cm pode ser empregada como pêndulo.

Como funciona?

É o inconsciente que recebe todos os sinais. No entanto, eles serão interpretados pelo consciente. O pêndulo é a expressão física das informações captadas pelo inconsciente. Em outras palavras, funciona como uma espécie de “antena amplificadora” das vibrações sobre as quais se realiza a prospecção. Porém, é preciso deixar claro que a qualidade da informação obtida pelo pêndulo depende inteiramente da neutralidade e receptividade do operador.

Para que serve?

Serve para “medir” campos de energia. Isso faz-se através de movimentos; conforme o movimento do pêndulo, é possível estabelecer respostas do tipo “sim-não”. Não existe um padrão definido de resposta. 54

(55)

O pêndulo pode se movimentar verticalmente, horizontalmente e circularmente (no sentido horário e anti-horário). Um outro movimento é em diagonal, seja da direita para a esquerda como da esquerda para a direita. Como pode ser observado, os movimentos combinam-se em pares contrários.

Através de exercícios e perguntas para as quais o operador já sabe a resposta, ele determinará para cada par de movimentos qual é o “sim” e qual é o “não”. Geralmente, o “sim“ corresponde ao movimento vertical, circular no sentido horário e diagonal da esquerda para a direita. O “não” corresponde ao movimento horizontal, circular no sentido anti-horário e diagonal da direita para a esquerda. Toda vez que o pêndulo se mover no sentido do “não”, você se deparou com uma emissão de vibração negativa. Ela pode ser decorrente de material em decomposição, um veio de água ou mesmo, de uma corrente telúrica negativa no subsolo. Camas e locais onde se fazem refeições devem estar neutros ou positivos. Caso não possa mudar a disposição da mobília, use o Gráfico de Luxor. Cada gráfico cobre cerca de um metro quadrado. Em camas de solteiro, coloque dois gráficos uniformemente sob o colchão, voltados para cima, entre o estrado e o colchão. Use quatro gráficos para camas de casal. A bola preta do gráfico deve ficar voltada para a cabeceira. Sob a mesa, coloque apenas um gráfico, apontado para baixo. Uma outra maneira de neutralizar as energias nocivas é com o uso de cristais de quartzo branco.

Uma outra função do pêndulo, combinada com certos gráficos radiestésicos ou mapas cartográficos, é apontar direções ou localizações. Nesse caso, pode indicar onde se encontram pessoas ou objetos perdidos, a localização de jazidas ou veios de água, ou ainda, a localização de energias de forma que interferem na qualidade da vibração do ambiente. Isso quer dizer, que o pêndulo pode apontar onde se encontram os focos de energia negativa que perturbam a boa vibração de uma casa, escritório ou estabelecimento comercial. Com o auxílio de gráficos ou cristais, realiza-se então a “cura” do ambiente, neutralizando a energia “doente”.

EXERCÍCIOS 1. Preparação

Disponha de uma mesa. Qualquer aparelho elétrico ou eletrônico deve ficar afastado dessa mesa em pelo menos 2 metros. Com o auxílio de bússola, determine o Norte Geográfico. É conveniente ressaltar que 55

(56)

existe uma diferença entre o Norte Geográfico e aquele apontado pela bússola, denominado Norte Magnético. Se puder, com um lápis, risque a direção do Norte Geográfico sobre a mesa. Preferencialmente, a mesa deve estar livre de quaisquer objetos, como toalhas, enfeite, etc. Lave bem as suas mãos, esfregando-as uma na outra. Acenda um incenso. Passe o pêndulo repetidamente sobre o incenso, para desimpregná-lo de qualquer vibração anterior. Com o polegar da mão esquerda, pressione ligeiramente o centro da palma da mão direita, respirando lenta e profundamente por cerca de três minutos, para ativar o chakra da mão direita. Se você for canhoto, use o polegar da mão direita na mão esquerda. Pegue uma folha de tamanho A4, passando-a sobre o incenso. Coloque-a na mesa, no local onde pretende trabalhar. Trabalhe sempre de frente para o Norte Geográfico.

2. Ajustando o Pêndulo

O primeiro passo é encontrar uma posição no fio que se une ao pêndulo, onde este possa oscilar livremente. Isso quer dizer que o comprimento do fio, entre os seus dedos e a extremidade do pêndulo, poderá variar de operador para operador, de acordo com a sua sensibilidade. A média fica em torno de 17 cm. O passo seguinte é limpar totalmente a mente, deixando-a em branco. Quando alcançar este estado, mentalmente ou em voz baixa, faça uma pergunta objetiva para a qual saiba a resposta (deve ser sim ou não). Tendo apenas a pergunta em mente (e nunca uma resposta!), observe o movimento do pêndulo. Para isso, mantenha a extremidade do pêndulo afastada da folha em branco em cerca de 2 cm.. Esvazie a mente e faça uma pergunta cuja resposta seja a inversa da anterior e observe o movimento do pêndulo. Os movimentos devem ser opostos entre si e você estabelecerá o seu “sim” e “não”. Repita o exercício, anotando os resultados, até tomar confiar em suas leituras. Você pode testar a sua influência sobre as leituras do pêndulo. Com o pêndulo parado, pense “sim” e observe o que acontece. Esvazie a mente até o pêndulo parar completamente de se movimentar. Pense “não” e observe o resultado. Com esse teste, você perceberá a importância de esvaziar a mente e manter a neutralidade diante da pergunta que está sendo feita.

A Aura

A aura é uma energia que envolve o corpo físico. É formada por várias camadas que podem ser distinguidas pelo radiestesista ou por pessoas que desenvolveram a sensibilidade para tanto. A aura que mais nos 56

(57)

interessa é a que vamos denominar de “aura da saúde”, que fica a cerca de 25 cm do corpo. A aura possui ainda várias cores e matizes, que são empregadas para a composição de um diagnóstico do paciente. A cor predominante pode ser determinada através do pêndulo cromático e pode variar com o tempo, estado emocional, evolução espiritual, etc. O afastamento e formato da aura podem ser medidos através do dual rod e do aurameter.

(58)

Construindo um Pêndulo (complementando) Qualquer pessoa pode construir um pêndulo

Poderá usar coisas como por exemplo: um aliança amarrada na extremidade de um fio de cabelo que tenha pelo menos 9 cm de comprimento; uma pequena chave de metal dependurada na ponta de um cordão fino; uma agulha atravessada numa rolha, sendo presa na sua extremidade superior, na ponta de um fio de linha.

Essses pêndulos, no começo do aprendizado, darão mais resultado com o fio mais curto.

Exemplos de Experiências

1) Pegue um copo de vidro, ou de cristal, e encha-o com água até ao meio. Prenda o fio de cabelo com os dedos polegar e indicador da mão direita. Nem cotovelo, nem o corpo, devem apoiar-se em qualquer lugar. O braço esquerdo, apesar de não ser usado, deve ficar também no ar como que guiando o pêndulo.

2) Desenhe numa folha de papel branca, usando tinta preta, vários traços verticais, horizontais, círculos e espirais. (existe este exercício no começo do seu curso, relembre) Sustente o pêndulo sobre o primeiro desenho e irá constatar que ele acompanhará os desenhos.

Se nada acontecer, deverá repetir a experiência em outro lugar da casa e algum tempo depois.

A Polaridade do Operador

A radiação humana não é idêntica em todos os indivíduos, sendo uns positivos e outros negativos. Há ainda outros completamente neutros, insensíveis, incapazes, portanto de praticar a radiestesia. A reação do pêndulo, diante do objeto examinado, é realizada de acordo com a polaridade do operador.

Tanto nas pessoas com polaridade positivas como negativas o pêndulo reage da mesma forma. Este é o motivo porque, diante da mesma experiência, o pêndulo move-se de formas diferentes, todavia, são eficientes.

Polaridade Positiva: (70% das pessoas): - o pêndulo gira no sentido dos ponteiros do relógio, isto é, da esquerda para direita.

Imagem

temas relacionados :