Paróquia Divino Espírito Santo

13 

Loading.... (view fulltext now)

Loading....

Loading....

Loading....

Loading....

Texto

(1)

M C J – Núcleo Divino Espírito Santo – EDIÇÃO XVii – OUTUBRO/2015

Página 4

CONFIRA TAMBÉM:

• Catequese do Papa Francisco

Página 03

• Mensagem da Coordenação

Geral – Página 02

• Página 04 – Setembro Mês da

Bíblia

• Páginas 05 e 06 - Como escolher

padrinhos de batismo para meus

filhos.

• Aniversariantes e Bodas de

Setembro Página 07

• Espaço KIDS Páginas 08 até 13

(Provérbios 3,5)

(2)

Querida Família MCJ:

Estamos entrando no último trimestre do ano e em

nosso penúltimo mês a frente da coordenação de nosso núcleo,

pedimos a todos que coloquem em suas orações desde já que neste

ano tenhamos vários casais dispostos a continuar esta missão no

próximo ano, que todos que foram indicados sejam tocados e se

entreguem a vontade de Deus e não as suas.

Também neste mês teremos muitas atividades em todos os finais de

semana, mantenham-se atentos aos avisos e convites.

Por fim lembramos ainda que este é o mês que nossa amada Santa

Igreja dedica ao Rosário e a Nossa Senhora Aparecida nossa

padroeira, esta é nossa arma mais eficiente para a salvação, a

ORAÇÃO.

Paz e Bem!!!

Alex e Fabi

(Arthur e Miguel)

(3)

A família nos salva da colonização do dinheiro

Para Francisco, diante de uma sociedade administrada pela

tecnocracia econômica, é necessária uma nova aliança do homem e

da mulher para emancipar os povos da “colonização do dinheiro”. Esta

aliança, defendeu o Papa, deve voltar a orientar a política, a economia e a

Convivência civil.

Desta aliança, a comunidade conjugal-familiar do homem e da mulher é a gramática

gerativa. Deus confiou à família não o cuidado de uma intimidade fim em si mesma, mas o

projeto de tornar “doméstico” o mundo.

“Propriamente a família está no início, na base desta cultura mundial que nos salva; nos

salva de tantos ataques, destruições, colonizações, como a do dinheiro e a das ideologias

que tanto ameaçam o mundo. A família é a base para defender-se”, disse o Papa.

Francisco salientou que tudo o que acontece entre o homem e a mulher deixa marcas na

criação. Em concreto, o pecado original – a rejeição à bênção de Deus – adoeceu o mundo.

Mas, recordou, Deus nunca abandonou o homem; no livro do Gênesis, a promessa feita à

mulher parece garantir a cada nova geração uma bênção especial para defender-se do

maligno. “Existem muitos clichês, às vezes ofensivos, sobre a mulher sedutora que inspira o

mal. Ao invés, há espaço para um teologia da mulher que seja à altura desta bênção de Deus

para ela e para a geração!”, defendeu.

Cristo, recordou o Papa, nasceu de uma mulher. “É a carícia de Deus sobre as nossas chagas,

nosso erros e pecados. Mas Deus nos ama como somos e quer levar-nos avante com este

projeto, e a mulher é a mais forte a levá-lo avante.”

Por fim, Francisco ressaltou que a promessa que Deus faz ao homem e à mulher inclui todos

os seres humanos até o fim da história. “Se tivermos fé suficiente, as famílias dos povos da

Terra se reconhecerão nesta bênção. Caminhando juntos, sem fazer proselitismo”, disse o

Papa, pedindo a bênção de Deus às famílias de todos os ângulos da Terra.

(4)

Você sabe porque setembro é o Mês da Bíblia?

O mês de setembro, para nós católicos do Brasil é o mês dedicado à Bíblia, isso desde 1971.

Mas desde 1947, se comemora o Dia da Bíblia no ultimo domingo de setembro. O mês de

setembro foi escolhido como mês da Bíblia porque no dia 30 de setembro é dia de São

Jerônimo (ele nasceu em 340 e faleceu em 420 dC).

São Jerônimo foi um grande biblista e foi ele quem traduziu a Bíblia dos originais (hebraico e

grego) para o latim, que naquela época era a língua falada no mundo e usada na liturgia da

Igreja. Hoje a Bíblia é o único livro que está traduzido em praticamente todas as línguas do

mundo e está em quase todas as casas, talvez nem fazemos ideia, mas a Bíblia é o livro mais

vendido, distribuído e impresso em toda a história da humanidade.

A Bíblia – Palavra de Deus – é o fruto da comunicação entre Deus que se revela e a pessoa

que acolhe e responde à revelação. Por isso a Bíblia é formada por histórias de um povo, o

Povo de Deus, que teve o dom de interpretar sua realidade à luz da presença de Deus e

compreender que a vida é um projeto de amor que parte de Deus e volta para Ele.

Nesse mês da Bíblia somos convidados a estudar e refletir sobre esse maravilhoso livro que

têm tanto a nos revelar e instruir.

Fonte: http://blog.cancaonova.com/

(5)

Fonte: http://formacao.cancaonova.com/

A escolha dos padrinhos vão além do fato de ser amigo, parente ou rico

“O santo batismo é o fundamento de toda a vida cristã, o pórtico da vida no Espírito e a porta que abre o acesso aos demais sacramentos. Pelo batismo somos libertados do pecado e regenerados como filhos de Deus, tornamos-nos membros de Cristo, e somos incorporados à Igreja e feitos participantes da sua missão: o batismo é o sacramento da regeneração pela água na Palavra” (CIC § 1213).

Veja o quanto é importante esse sacramento! O batismo torna a pessoa filha de Deus e ela passa a fazer parte da família de Jesus, que é a Igreja. O batizado se torna um membro ativo, uma testemunha que vive a missão de anunciar Cristo aos povos. Por isso, aqueles que serão escolhidos para acompanhar os batizados precisam ter algumas características importantes. Não basta ser alguém conhecido, amigo, parente, rico ou “uma pessoa boa que faz parte da minha história”, pode até trazer as caraterísticas citadas, mas vejamos o que o Código de Direito Canônico diz:

Cân. 872 – Ao batizando, enquanto possível, seja dado um padrinho, a quem cabe acompanhar o batizando adulto na iniciação cristã e, junto com os pais, apresentar ao batismo o batizando criança. Cabe também a ele ajudar que o batizado leve uma vida de acordo com o batismo e cumpra com fidelidade as obrigações inerentes.

Cân. 873 – Admite-se apenas um padrinho ou uma madrinha, ou também um padrinho e uma madrinha.

Cân. 874 – Para que alguém seja admitido para assumir o encargo de padrinho, é necessário que:

1º seja designado pelo próprio batizando, por seus pais ou por quem lhes faz as vezes, ou, na falta deles, pelo próprio pároco ou ministro, e tenha aptidão e intenção de cumprir esse encargo;

2º tenha completado dezesseis anos de idade, a não ser que outra idade tenha sido determinada pelo bispo diocesano ou pareça ao pároco ou ministro que se deva admitir uma exceção por justa causa;

3º seja católico, confirmado (seja crismado), já tenha recebido o sacramento da Eucaristia e leve uma vida de acordo com a fé e o encargo que vai assumir;

4º não se encontre atingido por nenhuma pena canônica legitimamente irrogada ou declarada; 5º não seja pai nem mãe do batizando;

6º quem é batizado e pertence a uma comunidade eclesial não-católica só seja admitido junto com o padrinho católico, e apenas como testemunha do batismo;

Como é sério ser padrinho ou madrinha, não é verdade? Conforme o ensinamento da Igreja, a pessoa

precisa viver o batismo, ou seja, ser católica, ser crismada e ter uma vida de comunhão eucarística. Uma pessoa assim está, provavelmente, inserida na vida da igreja paroquial, vai à Missa aos domingos, busca confissão periódica, é uma pessoa que busca, a todo custo, a santidade. Essa pessoa é santa? Não! Mas se percebe nela a sede de ser santa.

(6)

Fonte: http://formacao.cancaonova.com/

O sacramento do batismo é tão importante, por isso o cuidado com aquele que vai apadrinhar o batizando. Costuma-se dizer que o padrinho ou a madrinha faz as vezes do pai ou da mãe. O que o pai e a mãe fazem ou deveriam fazer? Educar o filho na fé católica, no bons costumes, nos bons valores, deve educar para a responsabilidade e para a vida. O padrinho deve acompanhar o seu afilhado com a presença, com o bom testemunho de cristão, fazer as vezes dos pais ou auxiliar os pais em suas faltas.

Costuma-se dizer que o padrinho ou a madrinha faz as vezes do pai ou da mãe. O que o pai e a mãe fazem ou deveriam fazer? Educar o filho na fé católica, no bons costumes, nos bons valores, deve educar para a responsabilidade e para a vida. O padrinho deve acompanhar o seu afilhado com a presença, com o bom testemunho de cristão, fazer as vezes dos pais ou auxiliar os pais em suas faltas.

Padre Marcio

Padre Márcio do Prado, natural de São José dos Campos (SP), é sacerdote na Comunidade Canção Nova. Ordenado em 20 de dezembro de 2009, cujo lema sacerdotal é “Fazei-o vós a eles” (Mt 7,12), padre Márcio cursou Filosofia no Instituto Canção Nova, em Cachoeira Paulista; e Teologia no Instituto Mater Dei, em Palmas (TO). Twitter: @padremarciocn

06

(7)

Dia: Casal:

Bodas:

4

Mateus & Mariane 1 ano - Bodas de Papel

10 Edenir & Ana Paula 6 anos – Bodas de Perfume

17 Cassio & Arleia 6 anos – Bodas de Perfume

17 Rodrigo & Candida 6 anos – Bodas de Perfume

17 Élton & Catia

17 anos – Bodas de Rosa

29 Gilmar & Débora 4 anos – Bodas de Cera

(8)
(9)
(10)
(11)
(12)
(13)

Imagem

Referências

temas relacionados :