• Nenhum resultado encontrado

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2022

Share "Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro"

Copied!
67
0
0

Texto

(1)

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

Estratégias de Gestão da Saúde e Bem-Estar

Dissertação de Mestrado em Gestão dos Serviços de Saúde

Maria Gloria Lopes Povoa

Orientação:

Professora Doutora Maria João Filomena dos Santos Pinto Monteiro Professor Doutor Vítor Manuel Costa Pereira Rodrigues

Vila Real, 2020

(2)

Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

Estratégias de Gestão da Saúde e Bem-Estar

Dissertação de Mestrado em Gestão dos Serviços de Saúde

Maria Gloria Lopes Povoa

Orientação:

Professora Doutora Maria João Filomena dos Santos Pinto Monteiro Professor Doutor Vítor Manuel Costa Pereira Rodrigues

Constituição do Júri:

Presidente do Júri: Professora Doutora Carla Susana da Encarnação Marques

Vogal (Arguente Principal): Professora Doutora Maria da Conceição Alves Rainho Soares Pereira

(3)

Dissertação elaborada para a obtenção do Grau de Mestre em Gestão dos Serviços de Saúde, sendo apresentada à Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro.

(4)

Resumo

A importância da saúde e bem-estar numa sociedade é determinada pela visão cultural e intelectual dos indivíduos. Isso determina que as organizações de saúde compreendam que devem englobar comportamentos estratégicos de gestão onde o ambiente é um fator competitivo. A qualidade e a sustentabilidade incorporam as inovações que constituem o processo para o desenvolvimento de valor em serviços de saúde.

Neste sentido, a análise efetuada no estudo tem o objetivo geral de descrever a importância no setor da saúde, de dois espaços (ambientes) diferentes; com a finalidade de propor uma inovação em dois modelos de negócios, sobre a vigilância de saúde e bem-estar para o indivíduo. A primeira análise efetuada no Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro (CHTMAD), dando origem ao Artigo 1: Performance de um Serviço de Saúde Ocupacional;

tem o objetivo descrever o desempenho da atividade do serviço de saúde ocupacional na prestação de vigilância da saúde e bem-estar interna dos profissionais; e a segunda análise, dando origem ao Artigo 2: Viabilidade da existência de Serviços de Saúde nos Cruzeiros da Via Navegável do Douro; está integrado no projeto SAICT-POL/23434/2016 – “Health TuriDouro - Intervenções dirigidas às necessidades de saúde dos turistas dos cruzeiros do rio Douro”, com referência NORTE-01-0145-FEDER-023434, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia e cofinanciado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional através do Programa Operacional Regional do Norte (NORTE2020), tem como objetivo conhecer a perceção do turista da Via Navegável do Douro sobre a sua segurança em saúde quando realiza cruzeiros no rio Douro.

A metodologia utilizada é um estudo de caso retrospetivo, de abordagem quantitativa. A colheita de dados para este estudo foi elaborada da seguinte forma para o artigo 1: a recolha de dados do desempenho da atividade do serviço de saúde ocupacional no CHTMAD foi efetuada em 2019, referente aos anos de 2016/2017/2018, utilizando dados de fontes secundários (administrativos); para o estudo do artigo 2: a recolha de dados efetuou-se com a aplicação de

(5)

cruzeiros da Via Navegável do Douro (necessidade de cuidados de saúde, que serviços gostaria de solicitar se voltasse a realizar cruzeiros, opinião sobre a presença de um profissional de saúde a bordo), em função das variáveis descritas. Para a análise dos dados recorreu-se a técnicas estatísticas através da utilização do programa Statistical Package for the Social Sciences (SPSS), versão 25.

Na conclusão do estudo pretendeu-se sugerir uma proposta de inovação para o setor da saúde, logo obter informação que possa coadjuvar os profissionais de saúde gestores, sobre estratégias de gestão a incorporar em dois espaços diferentes de negócio para a vigilância de saúde e bem- estar do indivíduo.

Palavras chave: saúde e bem-estar, serviço de saúde ocupacional, turista da via navegável do Douro.

(6)

Abstrat

The importance of health and well-being in a society is determined by the cultural and intellectual vision of individuals. This determines that health organizations understand that they must encompass strategic management behaviors where the environment is a competitive factor. Quality and sustainability incorporate the innovations that constitute the process for the development of value in health services.

In this sense, the analysis carried out in the study has the general objective of describing the importance in the health sector, of two different spaces (environments); with the purpose of proposing an innovation in two business models, on health surveillance and well-being for the individual. The first analysis carried out in the Hospital Center of Trás-os-Montes and Alto Douro (CHTMAD), giving rise to Article 1: Performance of an Occupational Health Service;

has the objective of describing the performance of the occupational health service activity in the provision of health surveillance and internal well-being of professionals; and the second analysis, giving rise to Article 2: Viability of the existence of Health Services on Douro's Waterway Cruises; is part of the SAICT-POL/23434/2016 project - "Health TuriDouro - Interventions aimed at the health needs of tourists on Douro River cruises", with reference NORTE-0145-FEDER-023434, financed by the Foundation for Science and Technology and co-financed by the European Regional Development Fund through the Northern Regional Operational Programme (NORTE2020), aims to learn the tourist's perception of the Douro Waterway about their health safety when cruising on the Douro River.

The methodology used is a retrospective case study, with a quantitative approach. The data collection for this study was elaborated as follows for article 1: the data collection on the performance of the occupational health service activity in the Chtmad, was carried out in 2019, referring to the years 2016/2017/2018, using data from secondary (administrative) sources; for the study of article 2, it was carried out in 2019: the data collection was carried out with the application of an interview/questionnaire (Appendix A), to tourists over 18 years of age who

(7)

went on cruises again, opinion on the presence of a health professional on board), according to the variables described. Statistical techniques were used to analyse the data using the Statistical Package for the Social Sciences (SPSS), version 25.

The purpose of the study is to suggest a proposal for innovation in the health sector, thus obtaining information that can assist health professionals managers, on management strategies to be incorporated into two different business spaces for health surveillance and individual well- being.

Keywords: health and well-being, occupational health service, Douro waterway tourist.

(8)

Índice

INTRODUÇÃO GERAL ... 1

ARTIGO 1 PERFORMANCE DE UM SERVIÇO DE SAÚDE OCUPACIONAL ... 4

ARTIGO 2 VIABILIDADE DA EXISTÊNCIA DE SERVIÇOS DE SAÚDE NOS CRUZEIROS DA VIA NAVEGÁVEL DO DOURO ... 21

SINTESE CONCLUSIVA... 42

BIBLIOGRAFIA GERAL ... 45

APÊNDICES ... 47

Apêndice A – Questionário ... 48

Apêndice B – Consentimento informado, livre e esclarecido para a participação em investigação de acordo com a Declaração de Helsínquia e a Convenção de Oviedo ... 51

ANEXOS ... 52

Anexo A – Autorização da comissão de ética para o estudo no CHTMAD ... 53

Anexo B – Pedido de autorização do estudo na BARCADOURO ... 54

Anexo C – Parecer da Comissão de Ética da UTAD ... 55

(9)

Lista de Figuras

ARTIGO 1

Figura 1. Legislação - Serviço Saúde Ocupacional ... 9 Figura 2. Orientação, normativa e lei dos serviços de saúde ocupacional ... 9

ARTIGO 2

Figura 1. Vantagens da existência de um protocolo de saúde ... 37

SÍNTESE CONCLUSIVA

Figura 1 - Pontos convergentes dos dois estudos - Promoção da saúde e bem-estar ... 43

(10)

Lista de Tabelas

ARTIGO 1

Tabela 1 - Caracterização da população por sexo e idade ... 11

Tabela 2 - Atividade do serviço de saúde ocupacional por número de consultas ... 12

Tabela 3 - Absentismo no CHTMAD ... 12

ARTIGO 2 Tabela 1 - Número de passageiros e a taxa de crescimento dos turistas que realizaram cruzeiros, na Via Navegável do Douro ... 25

Tabela 2 - Percentagem de turistas por nacionalidade, na Via Navegável do Douro ... 25

Tabela 3 - Caracterização sociodemográfica e profissional da amostra em estudo ... 29

Tabela 4 - Caracterização das dimensões da perspetiva do turista ... 30

Tabela 5 - Variáveis independentes para comparação das médias com as dimensões da perspetiva do turista ... 30

Tabela 6 - Comparação das médias entre a perspetiva do turista e a variável independente sexo .... 31

Tabela 7 - Comparação das médias entre a perspetiva do turista e a variável independente nível de instrução ... 32

Tabela 8 - Comparação das médias entre a perspetiva do turista e a variável independente ... 33

Tabela 9 - Caracterização dos serviços de saúde na perspetiva do turista ... 34

Tabela 10 - Comparação da média entre como veria a presença de um profissional de saúde a bordo dos cruzeiros e se alguma vez necessitou de cuidados de saúde a bordo enquanto realiza cruzeiros ... 35

(11)

Lista de Abreviaturas e Siglas

ACT - Autoridade para as Condições do Trabalho

CHTMAD - Centro Hospitalar de Trás-os-Montes e Alto Douro cit. - citado

DGS - Direção-Geral da Saúde

ECHI - Indicadores Básicos de Saúde Europeus

FEDER - Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional INE - Instituto Nacional de Estatística

n.º - número

OIT - Organização Internacional do Trabalho OMS - Organização Mundial da Saúde ONU - Organização das Nações Unidas p. - página

SHST - Serviço de Higiene e Segurança no Trabalho SNS - Serviço Nacional de Saúde

SPSS - Statistical Package for the Social Science SSO - Serviço de Saúde Ocupacional

UTAD - Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro

(12)

INTRODUÇÃO GERAL

(13)

As inovações e as transformações na atividade económica apoiam-se numa base fundamental constituída pelo potencial técnico e intelectual da população, na medida em que todos os atos económicos se traduzem em termos numéricos. A sociedade tem necessidade constante de produzir para satisfazer as suas aspirações, também as organizações de saúde necessitam desta competitividade, sendo essencial a qualidade e a sustentabilidade da mesma.

Em Portugal, nos últimos anos, o setor da saúde tem manifestado um crescimento significativo, transformando-se num pilar económico de grande importância. ”Em geral, nove décimos da nossa felicidade baseia-se exclusivamente na saúde, com ela tudo se transforma em fonte de prazer” (Arthur Schopenhauer, 1788/1860), a saúde pública é tão antiga quanto o homem,

“houve povos sem médicos, mas nunca houve povos sem medicina” (Sousa, 1981, cit. por Almeida, 2005); nos últimos quarenta anos, nos países industrializados existiu uma “explosão de custos” (cost explosion) no setor da saúde (Zweifel & Dreyer, 1997, cit. por Almeida, 2005).

Os serviços de prestação de cuidados de saúde em Portugal encontram-se organizados no Serviço Nacional de Saúde (SNS), e instituições privadas de saúde, coexistindo o acesso em regime de SNS, subsistemas de saúde (em determinadas profissões) e os seguros de saúde privados. Apesar do Word Health Report ter avaliado o sistema de saúde português na 9ª melhor da Europa e 12ª posição do ranking da Organização Mundial de Saúde (OMS), ainda existe espaço para um melhoramento na acessibilidade aos cuidados de saúde (OMS, 2018).

A promoção da saúde foi abordada na Conferência Internacional da Saúde, efetuada em Otava, (Canadá, 1986), onde a OMS refere que a saúde é um objetivo de vida no nosso dia a dia.

Baseado neste conceito, a saúde pública tem como “objetivo o estudo e a resolução dos problemas de saúde dos indivíduos integrados no seu meio ambiente” (Ferreira, 1963, cit. por Almeida, 2010), e considerando que agrega o conhecimento proveniente de diversas áreas, a sua estratégia de saúde consiste na prevenção e tem como resultado o não acontecimento. A prática da saúde ocupacional assenta sobre essa conceção de vigilância de saúde dos profissionais (Plasencia Soler, Marrero Delgado, Bajo Sanjuán & Nicado García, 2018), visão que sustenta a teoria da multicausalidade, ou seja, o processo saúde-doença (Mendes & Dias, 1991). Também a procura da promoção de saúde e bem-estar inserida no turismo permite mais que oferecer serviços de saúde, contribui para a satisfação de uma necessidade dos turistas (Brito, 2015).

Segundo Del Nero (1995), a economia tem uma relação árdua com as profissões de saúde, pois elas concentram-se na ética individualista, segundo a qual a saúde não tem preço e uma vida

(14)

salva justifica o custo; a economia, por seu lado, orienta-se na ética do bem comum ou ética social. Estas diferenças residem na utilização dos recursos, pelo que existe pouca concorrência entre os prestadores de serviços de saúde dentro do SNS. A política de concorrência e de competição entre os fornecedores de serviços de saúde tem mais relevância para situações de competição pelo mercado do que para a concorrência no mercado (Barros, 2017).

É neste modelo económico de consumo de cuidados de saúde que se insere o estudo para esta dissertação de mestrado, que tem o objetivo geral de descrever a importância no setor da saúde, de dois espaços (ambientes) diferentes; com a finalidade de propor uma inovação em dois modelos de negócios, sobre a vigilância de saúde e bem-estar para o indivíduo. Neste contexto, emerge a avaliação de espaços de vigilância da saúde e bem-estar, “Não podes gerir o que não medires” (You can´t manage what you don´t measure) (Brynjolfsson & McAfee, 2012), no sentido de consciencializar os gestores para a implementação de estratégias que visem a promoção da saúde e bem-estar no dia a dia do indivíduo. Quando nos referimos a um modelo de negócios, devemos em primeiro lugar responder às seguintes questões: Quem é o cliente? O que que é que o cliente valoriza? e também responder à questão dos gestores: Como é que faremos dinheiro neste negócio? (Drucker, 2008, cit. por Maçães, 2018).

Nesta perspetiva, este trabalho de dissertação descreve a análise de dois contextos de promoção da saúde e bem-estar, estruturados em dois artigos o estudo, dado serem dois ambientes diferentes que inserem o mesmo objetivo de promoção da saúde e bem-estar. O primeiro estudo efetuado no CHTMAD, dando origem ao Artigo 1: Performance de um Serviço de Saúde Ocupacional; tem o objetivo descrever o desempenho da prestação interna do serviço de saúde ocupacional (SSO) num hospital público, no âmbito de consulta médica de promoção da saúde e bem- estar dos profissionais; e o segundo estudo, dando origem ao Artigo 2: Viabilidade da existência de Serviços de Saúde nos Cruzeiros da Via Navegável do Douro; encontra-se integrado no projeto SAICT-POL/23434/2016 – “Health TuriDouro - Intervenções dirigidas às necessidades de saúde dos turistas dos cruzeiros do rio Douro”, com referência NORTE-01- 0145-FEDER-023434, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia e cofinanciado

(15)

termos demográficos da amostra (género e nível de instrução); ii) descrever a perceção do turista em relação à sua segurança nos cruzeiros da Via Navegável do Douro (necessidade de cuidados de saúde, que serviços gostaria de solicitar se voltasse a realizar cruzeiros, opinião sobre a presença de um profissional de saúde a bordo), em função das variáveis descritas.

A metodologia utilizada é um estudo descritivo, transversal, retrospetivo com uma abordagem quantitativa e correlacional das variáveis, os dados são apresentados em forma de tabelas, sendo que, no segundo estudo, ao seja, no Artigo 2, a análise de dados foi efetuada com recurso a técnicas estatísticas através da utilização do programa Statistical Package for the Social Sciences (SPSS), versão 25.

Pretende-se com os estudos sugerir uma proposta de inovação para o setor da saúde, ou seja, obter o maior número de informação que possa coadjuvar os profissionais de saúde gestores, sobre estratégias de gestão a incorporar em dois espaços diferentes de negócio para a promoção da saúde e bem-estar do indivíduo.

(16)

ARTIGO 1

Performance de um Serviço de Saúde Ocupacional

(17)

Performance de um Serviço de Saúde Ocupacional Performance of an Occupational Health Service

Póvoa, M., Monteiro, M. J., Rodrigues, V.

Resumo

Em Portugal, a estratégia de promoção da saúde no local de trabalho é definida por legislação própria, sendo também um processo de capacitação para melhorar a qualidade de saúde do trabalhador. A produção no sistema de saúde requer que a atividade laboral do trabalhador seja eficaz, e a saúde do profissional de saúde é acompanhada pela consciência da responsabilidade de escolher um modo de vida saudável.

O foco deste estudo incide de forma direta na avaliação de desempenho da atividade do SSO, feita sob duas conjunturas: a produção orientada para um produto – consulta médica de vigilância de saúde, e para o processo de produção de um bem – promoção da saúde e bem- estar. Tem como objetivo descrever o desempenho da prestação interna do SSO num hospital público, no âmbito de consulta médica. A metodologia utilizada foi um estudo retrospetivo de abordagem quantitativa, sendo a fonte de informação o CHTMAD, onde a recolha de dados foi efetuada no primeiro trimestre do ano de 2019 de fontes secundários (estatística interna), referentes ao ano de 2016/2017/2018. A análise dos dados permitiu identificar que apenas 1/3 dos profissionais efetua consulta de vigilância clínica anualmente, mostrando a persistência da ineficiência do desempenho do SSO durante o período estudado.

O desafio na área da vigilância da saúde do trabalhador deverá ser alargado na perspetiva da superação do impasse da falta de consulta médica de vigilância a todos os trabalhadores, logo será a inovação a implementar na nova forma de gestão do serviço, perante a fragilidade da falta de recursos humanos alocados na região norte, a introdução de uma cooperação de recursos humanos com a uma especialidade médica e simultaneamente a autorização da (Direção-Geral da Saúde (DGS) para o exercício da medicina no trabalho.

Palavra chaves: saúde e bem-estar, serviço de saúde ocupacional.

(18)

Abstrat

In Portugal, the strategy to promote health in the workplace is defined by its own legislation and is also a process of empowerment to improve the quality of health of the worker. Production in the health system requires that the worker's work activity be effective, and the health of the health professional is accompanied by an awareness of the responsibility to choose a healthy lifestyle.

This study focuses directly on the performance evaluation of the occupational health service activity, done under two conditions: production oriented to a product - health surveillance medical consultation, and to the production process of an asset - health promotion and well- being. It aims to describe the performance of the internal provision of the occupational health service in a public hospital, in the scope of medical consultation. The methodology used was a retrospective study of quantitative approach, being the source of information the CHTMAD, where the data collection was made in the first quarter of the year 2019 from secondary sources (internal statistics) for the year 2016/2017/2018. The data analysis allowed identifying that only one third of the professionals perform clinical surveillance consultations annually, showing the persistence of the inefficiency of the occupational health service performance during the studied period.

The challenge in the area of worker health surveillance should be broadened from the perspective of overcoming the impasse of the lack of medical consultation of surveillance to all workers, so it will be the innovation to implement in the new form of management of the service, given the fragility of the lack of human resources allocated in the northern region, the introduction of cooperation of human resources with a medical specialty and simultaneously the authorization of the DGS (Direção-Geral da Saúde) for the exercise of medicine at work.

Keywords: health and well-being, occupational health servisse.

(19)

Introdução

Serviço de Saúde Ocupacional

O SSO focaliza-se no indivíduo no seu local de trabalho, onde se eleva a promoção da saúde, como área de intervenção. O espaço tem o objetivo de comunicar, informar e divulgar a promoção da saúde em contexto laboral e o acesso para a vigilância clínica da saúde (Reis, 2019).

Carvalho, Costa-Amaral, Mattos e Larentis (2017), referem que Georg Bauerem, em 1556, divulgou a sua primeira obra descrevendo a associação entre o trabalho de mineração e a mani- festação de doença respiratória, chamada de - re metallica -. Também, Bernardino Ramazzini em 1700, em Itália, no seu livro “De morbis artificum diatribe” (as doenças dos trabalhadores), descreve 54 doenças relacionadas com o trabalho e introduz na anamnese clínica a pergunta:

“qual é a sua ocupação?” (Bagatin et al., 2005). E em 1845, Friedrich Engels também denunciou as condições dos trabalhadores em “A situação da classe trabalhadora na Inglaterra” (Engels, 1975. Mendes e Dias (1991), descrevem no seu artigo – Da medicina à saúde do trabalhador – as práticas da especialidade de medicina no trabalho, após referir a origem deste conceito.

Iniciou o primeiro registo deste serviço no mundo, em 1830, com a iniciativa do empresário do setor têxtil Robert Dernham, que na época da Revolução Industrial inglesa colocou o seu médico pessoal na fábrica para verificar o efeito do trabalho sobre as pessoas e estabelecer as formas de prevenção. Tornou esta atitude como modelo que expandiu a outros países, paralelamente ao processo de industrialização. O acesso aos serviços médicos para os trabalhadores começa a refletir-se no cenário internacional.

A promoção da saúde dos trabalhadores mobilizou duas grandes organizações em âmbito mundial: a origem da Organização Internacional do Trabalho (OIT), em 1919, para a proteção dos trabalhadores; e a OMS, em 1948, inclui no conceito de saúde, que o indivíduo deve ter bem-estar físico, social e mental e não considerar só a ausência de doença, o que permitiu o envolvimento da promoção da saúde (OMS, 2018). O objetivo da saúde ocupacional deverá contribuir para adaptar o trabalho ao homem e cada homem à sua atividade (Silva, 2019), depois de revisto e ampliado pelo Comitê Misto OIT-OMS, refere que o conceito da “Saúde Ocupacional” ou “Saúde no Trabalho” deve estabelecer que o foco da saúde no trabalho deve ter três objetivos:

A promoção da saúde dos profissionais;

(20)

Melhorar as condições de trabalho;

O desenvolvimento de culturas empresariais na organização de trabalho que promovam um clima social, favorecendo também a melhoria da produtividade.

A OIT, no seu site descreve que a importância económica da segurança e saúde no trabalho nunca foi tão evidente como atualmente. As novas estimativas sobre os custos e benefícios do serviço indicam que as lesões e as doenças relacionadas com o trabalho custam à União Europeia cerca de 476 mil milhões de euros por ano. Só o custo do cancro relacionado com o trabalho chega aos 119,5 mil milhões de euros (OIT, 2018).

Para a OMS é importante hoje o conhecimento das relações saúde e trabalho, as intervenções de promoção da saúde e do bem-estar no local de trabalho e as medidas preventivas de doenças e lesões que estejam relacionadas com o local de trabalho e com o trabalho. E é claro que a sociedade e as suas estruturas políticas e económicas adotem a saúde ocupacional como objetivo prioritário e criem as condições legais, técnico-profissionais e materiais para a sua aplicação.

Também a Organização das Nações Unidas (ONU) refere que muitos trabalhadores encaram uma grande pressão para cumprir as exigências das tarefas nos seus empregos e que todos os anos, aproximadamente 2 milhões de homens e mulheres, cerca de 5,4 mil por dia, morrem devido a acidentes e doenças relacionados ao seu local de trabalho.

Segundo dados da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT, 2017), em Portugal foram registados nos últimos quatro anos mais de 500 vítimas mortais e 1304 feridos graves. No setor da saúde, os dados de 2016 referem 16.161 acidentes de serviço, sendo a doença profissional com maior prevalência as referentes a lesões músculo-esqueléticas.

Em Portugal, o conceito de serviço de medicina no trabalho também acompanhou a evolução, surgindo o Serviço de Higiene e Segurança do Trabalho (SHST), que é legislado em 1991 pelo Decreto-Lei n.º 441/91, de 14 de novembro. Remete para posteriores regulamentações diversos

(21)

Figura 1. Legislação - Serviço Saúde Ocupacional Fonte: Elaboração própria

Figura 1. Orientação, normativa e lei dos serviços de saúde ocupacional Fonte: Elaboração própria

O SSO, como serviço interno dum centro hospitalar é cada vez mais uma área relevante de gestão, sendo uma prioridade para contribuir para um ambiente de trabalho saudável e produtivo, estratégia que as organizações procuram para satisfazer o acesso a valor em saúde e bem-estar dos profissionais.

De acordo com os dados do Relatório Social do Ministério da Saúde e do SNS 2016 (Ministério da Saúde, 2017), os estabelecimentos hospitalares concentram 70% do total dos trabalhadores do setor da saúde, seguidos das administrações regionais de saúde com cerca de 19%.

As restrições aos gastos públicos constantes nas práticas dos governos conservadores foram mudando a natureza e as fontes de financiamento, apesar dos gastos com a saúde continuarem a crescer, como resultado de fortes pressões de custo de natureza demográfica, tecnologia e de

(22)

gestão. A empresarialização dos hospitais públicos trouxe para a gestão hospitalar novas práticas utilizadas na procura de eficiência e de um desempenho ótimo, onde o objetivo deste trabalho se enquadra perante a descrição do desempenho da prestação interna do SSO num hospital público.

A avaliação no setor da saúde em Portugal utiliza os indicadores europeus de saúde, conhecidos por indicadores básicos de saúde europeus (ECHI), que são o resultado de uma cooperação entre os estados membros da União Europeia e a Comissão Europeia (2017). Com o objetivo de criar um sistema comparável de informação e conhecimento sobre a saúde das populações, em 1998-2001, 2001-2004, e 2005-2008, estes três projetos estabeleceram as primeiras listas de indicadores, e é com base nestes indicadores que é feita a estatísticas da atividade dos serviços médicos.

O conceito de Benchmarking, segundo Singh, Grover e Singh (2013), refere-se a um processo de identificar padrões de excelência de produtos serviços e processos, para possibilitar fazer alterações para atingir esses padrões. O Benchmarking Hospitalar pretende melhorar a transparência da informação em saúde, tendo em conta quatro áreas: acesso, desempenho assistencial, produtividade, económico-financeiro. Para este estudo foram escolhidos indicadores da metodologia de benchmarking do SNS (SNS, 2019), utilizados na análise comparativa do desempenho da saúde nos diferentes hospitais, para descrever o desempenho da atividade do SSO.

Metodologia

Este trabalho insere-se na tipologia de estudo de caso retrospetivo com recurso ao método descritivo com uma abordagem quantitativa (Yin, 2015). A recolha de dados foi efetuada no CHTMAD, no primeiro semestre do ano de 2019. Os dados são de fontes secundárias - estatística interna - da atividade do SSO referente aos anos de 2016/2017/2018. Foi efetuado pedido de autorização para a recolha de dados ao Conselho de Administração do CHTMAD, e

(23)

Resultados

No centro hospitalar, e cumprindo a legislação em vigor em Portugal (Lei n.º 3/2014, de 28 de janeiro), para avaliação de Aptidão para o Trabalho, os profissionais são a população desta consulta médica no SSO. Esta consulta, segundo a lei portuguesa, deve ser realizada sempre na admissão antes do início do trabalho, ou se necessário tem uma data limite de 15 dias após o início de funções. Após isto, devem ser realizados exames anuais a trabalhadores com idade superior a 50 anos, para os restantes trabalhadores estas consultas devem ser realizadas de dois em dois anos. Estas consultas podem ser antecipadas sempre que houver indícios para tal, aquando da existência de alterações significativas que se possam repercutir na saúde do trabalhador, estas consultas serão antecipadas, ou ainda, em caso de regresso ao trabalho após baixa médica por doença ou acidente de trabalho.

Na Tabela 1 apresenta-se a caracterização da população do CHTMAD nos anos analisados.

Verifica-se um aumento do número de profissionais no triénio analisado, e uma predominância do género feminino na instituição. Podemos concluir a supremacia do género feminino, tal como em todo o Ministério da Saúde (Relatório Social do Ministério da Saúde do Serviço Nacional de Saúde), 76,3% no ano de 2018.

A idade dos profissionais é um dos critérios da periodicidade da acessibilidade à consulta no SSO, daí a importância da sua caracterização. Na instituição, a idade média dos profissionais situa-se nos 44 anos, e aumentou a percentagem de profissionais com 60 ou mais anos. A variável número de anos de idade é importante no centro hospitalar, evidenciando o vínculo profissional à instituição.

Tabela 1 - Caracterização da população por sexo e idade

Ano 2016 2017 2018

Total de profissionais 2501 2597 2653

Feminino 74% 73% 74%

Masculino 26% 27% 26%

Idade média 44,7 44,2 44,6

Idade > 60 anos 8,92% 8,51% 10,21%

Fonte: Elaboração própria com dados fornecidos pelo CHTMAD, 2019.

O desempenho produtivo num serviço em ambiente hospitalar caracteriza a sua atividade como serviço, que neste caso se caracteriza pelo número de consultas médicas efetuadas anualmente

(24)

(Tabela 2). Verifica-se que o número de consultas anuais tem vindo a decrescer, destacando-se que o número de utentes é inferior ao número de consultas, situação normal em clínica médica, dado que o utente recorre a uma segunda consulta médica para rever a sua situação de saúde após realização de meios complementares de diagnóstico.

Tabela 2 - Atividade do serviço de saúde ocupacional por número de consultas

Ano 2016 2017 2018

1ª Consulta 91 113 93

Consulta subsequente 1325 1219 1103

Total 1416 1332 1196

Total de consultas 1416 1332 1196

Total de utentes 961 1332 1196

Fonte: Elaboração própria com dados fornecidos pelo CHTMAD, 2019.

Um aspeto com relevância sobre os dados apresentados na Tabela 3, refere-se à atividade para um rácio médico/enfermeiro face ao número de profissionais, abaixo do estabelecido na Orientação n.º 08/2014 da DGS, o serviço tem um médico especialista em medicina no trabalho e três enfermeiros, um por cada unidade hospitalar. Esta equipa efetua vinte horas semanais de trabalho efetivo no serviço, integrado nesta equipa está uma administrativa – Assistente técnica - a tempo inteiro.

Destacar a importância do SSO, no seu objetivo de vigilância e promoção da saúde e bem-estar, é caracterizar a produção de um bem, daí a descrição do absentismo neste estudo, como indicador dessa produção. Neste centro hospitalar, o absentismo tem aumentado no triénio;

aumentou 2,5 pontos percentuais o número de dias de ausência por profissional, como referido na Tabela 3; a taxa de absentismo seguiu a mesma tendência, no ano de 2018 aumentou 2,37%, em relação ao ano de 2017.

Tabela 3 - Absentismo no CHTMAD

Ano 2016 2017 2018

(25)

Discussão

No triénio em estudo foram apresentados dois indicadores de desempenho do SSO no CHTMAD, o número de consultas médicas efetuadas e o número de utentes – profissionais - examinados em âmbito de consulta médica de vigilância da saúde.

A Orientação n.º 08/2014 da DGS refere que os centros hospitalares são empresas complexas, com características especiais, em que a proteção da saúde e bem-estar dos trabalhadores são direitos que devem ser salvaguardados, devendo existir um serviço interno de saúde ocupacional no âmbito da vigilância de saúde do trabalhador. O Ministério da Saúde é o segundo maior empregador da administração pública, representando 26,7% do total de trabalhadores, dados de 2017 referem 131.998 trabalhadores nas entidades de saúde, na qual se insere o centro hospitalar em estudo neste trabalho (Ministério Saúde, 2018).

A promoção da saúde e bem-estar em âmbito de consulta médica no CHTMAD abrange uma população cujo número tem vindo a aumentar no triénio em estudo, sendo de 2.653 indivíduos em 2018. Esta população é maioritariamente feminina, com uma variação da taxa de feminização entre os 73% e os 74%, aproximadamente, acompanhando o valor do Relatório Social do Ministério da Saúde e do SNS 2017, de 76,3% (Ministério da Saúde, 2018). A sua média de idade centra-se entre 44,2 (2017) e 44,7 (2016), posicionando-se em 44,6 anos (2018), também esta população em 2018 tinha 10,21% de indivíduos com idade igual ou superior a 60 anos (Ministério da Saúde, 2017, 2018, 2019). Estes valores da variável idade média e idade igual ou superior a 60 anos, neste centro hospitalar acompanham de perto os valores do Ministério da Saúde que, segundo os dados de 2017, se posicionou em 44 anos e cerca de 8,4

%, respetivamente (Ministério da Saúde, 2018).

O Programa Nacional de Saúde Ocupacional - 2º ciclo 2013-2107, da DGS, visa o impulso das boas práticas e estabelece requisitos indispensáveis à organização e funcionamento do SSO. A estrutura organizacional do SSO confere a vigilância da saúde em consultas clínicas com ações conjuntas dos profissionais médicos e enfermeiros (Lei n.º 3/2014, de 28 de janeiro). O dimensionamento dos profissionais médicos e enfermeiros alocados para o SSO são ambos de 80 horas de atividade mensal, o que, de acordo com o número de profissionais deste centro hospitalar e o grau de risco da instituição, não está adequado, conforme orientação n.º 08/2014, da DGS, que refere que o médico do trabalho deve prestar um valor mínimo de 1 hora por mês por cada grupo de 10 trabalhadores, não devendo assegurar a vigilância a mais de 1.500

(26)

trabalhadores, sendo que o número de horas a realizar pelo enfermeiro não deve ser inferior ao do médico.

No período de 2016 a 2018, houve um aumento do número de primeiras consultas, sendo efetuadas 91 e 113, respetivamente em 2016 e 2018. Já as consultas subsequentes tiveram um decréscimo neste período de 220 consultas, verificado pelos dados da estatística interna o número de utentes que efetuou consulta médica – profissionais - acompanhou esse decréscimo posicionando-se em valores de 961 e 834 consultas, respetivamente em 2016 e 2018.

O que demonstra que, apesar da lei portuguesa não favorecer esta atuação nas instituições hospitalares, isso acontece, “a lei quando nasce é para todos revertendo-se de uma sinergia que deveria complementar com a observação – mediante a interpretação de cada um” (Silva, 2015, p. v). O centro hospitalar reconhece a importância do profissional no setor, e o SSO revela a visão ampla de satisfazer o acesso a valor em saúde aos trabalhadores. A interioridade sofre com a falta de profissionais médicos, o estudo de 2018, que resultou da parceria entre o Conselho Regional Norte da Ordem dos Médicos e o Instituto Politécnico de Bragança, teve a duração de oito meses e sondou 1.180 médicos, teve como objetivo conhecer as determinações de fixação dos médicos no interior do país, segundo o responsável pelo estudo de investigação, as variáveis: “o afastamento da família, a expectativa e não diferenciação profissional, a expectativa de não progressão da carreira e a falta de diversidade cultural e de lazer”, são os impeditivos da fixação dos médicos no interior do país. A dinâmica económica e social, a mobilidade e a concentração urbana, e a coexistência de um mercado global são padrões de inovação, que a eficácia das políticas públicas em saúde, particularmente, no que se refere à capacidade de ajustamento entre a oferta e a procura de cuidados de saúde deve enquadrar num quadro de eficiência na gestão dos recursos; as políticas públicas em territórios desiguais, que os programas do poder local assim como os governos centrais salientam o desenvolvimento e a coesão do território, mas a forma como promovem não abrange as estratégicas de atração da interioridade regional. A economia não consegue reverter a atual tendência demográfica no país (Almeida, 2018).

(27)

população ativa - o processo de produção de um bem. Indicador dessa importância temos a taxa de absentismo por doença, que neste estudo também se caracteriza, como referência da performance do serviço. O número de dias de ausência ao trabalho por doença no CHTMAD posicionou-se em 2016 no valor de 30.204 dias, tendo aumentado em 2018 para 36.384 dias.

Esse aumento foi de 6.180 dias no triénio em estudo, o que equivale em 2018 a uma taxa de absentismo por doença de 54,72%. Verifica-se que se posiciona acima do valor apresentado pelo Ministério da Saúde (2018), que se situou em 46,3%, em 2017. Quando se especifica este absentismo em número de dias, os valores posicionam-se entre 23,1 a 25,8 dias de ausência/profissional/ano.

“As equipas de Saúde Ocupacional a exercer em instituições de saúde têm particularidades específicas mal consigam provar o seu valor, terão a potencialidade de conseguir resultados excecionais, minorando os riscos de saúde dos funcionários e aumentando a satisfação, produtividade e lucros da empresa” (Santos & Almeida, 2016, pp. 22 e 23).

Uma das causas de absentismo nos profissionais de saúde é uma doença relacionada com o trabalho, o que valoriza o SSO na importância da vigilância de saúde e bem-estar do trabalhador (Oliveira, 2018).

As propostas de melhoria para os serviços de saúde, segundo Harlez e Malagueno (2016), indicam que nos hospitais podem ser identificadas quatro prioridades estratégicas de decisão na:

Administração - supervisiona os custos e a produtividade dos recursos internos do hospital, de maneira a segurar a viabilidade financeira;

Operações - garante as atividades internas do hospital, o cumprimento dos requisitos de segurança e qualidade;

Parceria - o processo de gestão que permite que os hospitais realizem economias de escala, apoiem a inovação, partilhem serviços administrativos e permaneçam estruturalmente independentes, integrar e coordenar diferentes organizações de prestação de serviços de saúde e profissionais autónomos;

Governança - garante que os hospitais sejam responsáveis pelos recrutamento e contratação de profissionais específicos em habilidades e experiência precisa para cargos que vão desenvolver na organização.

(28)

Conclusão

Para a avaliação de desempenho neste serviço de saúde foram dispostos os dados que contribuem para definir estratégias de melhoria da atividade e essenciais para a gestão na instituição, o seu saber é condição necessária para introduzir uma inovação em benefício da promoção da saúde e bem-estar dos profissionais.

A gestão de serviços de saúde é projetada por indicadores de produção, importantes para o financiamento das organizações, e após a análise e discussão dos resultados foi possível atingir o objetivo de mapear a atividade do SSO. Dois fatores de impacto foram identificados no estudo: o número de consultas de vigilância clínica; o número de profissionais alocados ao serviço, concluindo a Orientação n.º 08/2014, da DGS, que são insuficientes para cumprir o legislado pela lei portuguesa, o que interferem na mais valia da vigilância da saúde e bem-estar do indivíduo no seu ambiente laboral.

Convidando a atenção para que, se considerarmos que neste centro hospitalar o valor da taxa de absentismo, em 2018, foi de 11,3% e que deste, 54,72% foram por doença. Em valores absolutos referem-se a 36.384 dias de ausência por doença. Podemos considerar que o setor da saúde português, em 2018, gastou 235 mil 577 euros, e 61 cêntimo, com o tratamento da doença dos profissionais do CHTMAD, tendo como base o valor per capita de 1.683,9 euros gastos em doença, do Ministério da Saúde referente ao ano de 2017.

Tendo atingido o objetivo do estudo de descrever a atividade do SSO, espera-se que este possa servir de suporte vantajoso para que os stakeholders se aventurem na atenção da necessidade da promoção da saúde e bem-estar laboral, nesta instituição de saúde. O presente estudo fez emergir as lacunas na vigilância médica de saúde e, consequentemente, na promoção da saúde e bem-estar no local de trabalho.

Para a melhoria de desempenho da atividade requer mais recursos humanos alocados ao serviço, e com uma parceria com profissionais especialistas em diferentes áreas, ou seja, uma estratégica

(29)

Cooperação interserviços, permitindo na instituição a terceirização médica como um negócio exterior com menor despesa e com qualidade de serviços de saúde, onde o acesso às consultas médicas de âmbito de vigilância de saúde - consulta clínica - tenham a mais-valia de recursos humanos com outras especialidades médicas incorporadas.

Não saindo do âmbito legal do estabelecido para o SSO, a coordenação do trabalho intra- organizações permite novos papéis e esboça transformações nas suas racionalidades administrativas de gestão de serviços (Barbosa, 2015), a gestão de pessoas saudáveis possibilita às organizações a conquista das suas missões (Osaki & Pustglione, 2019).

Uma das limitações deste estudo foi a falta de dados que permitisse a realização de relações, para descrever a compreensão da acessibilidade à consulta médica neste serviço, e para a importância da monitorização do absentismo por doença, perante dados clínicos de saúde, fundamental em contexto laboral para promoção da saúde e bem-estar do profissional.

Concluindo que a nova visão produtiva das instituições pede a sustentabilidade dos custos para o setor da saúde, e estudos que envolvem o tema “saúde em nexo laboral”, são de pertinência ajustada. O consumo em saúde deve ser estudado como um investimento, pois contribui para aumentar a quantidade de dias produtivos que, por sua vez, contribui para gerar riqueza numa sociedade. A eficiência dos serviços de saúde e a saúde dos seus profissionais é uma preocupação reconhecida por um problema associado a custos financeiros.

Referências Bibliográficas

Almeida, M. A. (2018). Políticas públicas em territórios desiguais. Mátria Digital, 6, 906-937.

Disponível em https://repositorio.iscte-iul.pt/handle/10071/16815

Autoridade para as Condições do Trabalho. (2017). Disponível em http://www.act.gov.pt/(pt- PT)/Paginas/default.aspx

Bagatin, E., Neder, J. A., Nery, L. E., Terra-Filho, M., Kavakama, J., Castelo, A., ... Moreira- Filho, D. C. (2005). Consequências não malignas da diminuição da exposição ao amianto nas minas e usinas de crisotila do Brasil. Medicina Ocupacional e Ambiental, 62(6), 381-389.

Barbosa, P. R. (2015). Gestão de hospitais públicos: Maior autonomia gerencial, melhor performance organizacional com apoio em contratos de gestão. Revista do Serviço Público, 47(2), 67-98. Disponível em https://repositorio.enap.gov.br/handle/1/1934

(30)

Carvalho, L. V., Costa-Amaral, I. C., Mattos, R. D., & Larentis, A. L. (2017). Exposição ocupacional a substâncias químicas, fatores socioeconômicos e saúde do trabalhador:

Uma visão integrada. Saúde em Debate, 41(Nº especial), 313-326. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/sdeb/v41nspe2/0103-1104-sdeb-41-spe2-0313.pdf

Comissão Europeia (2017). Indicadores de saúde. Disponível em https://ec.europa.eu/health/indicators_data/overview_pt

Decreto-Lei n.º 441/91, de 14 novembro. Estabelece o regime jurídico do enquadramento da segurança, higiene e saúde no trabalho. Diário da República, 262. Série I-A.

Direção-Geral da Saúde. (2014). Orientação n.º 08/2014: Organização e funcionamento do serviço de saúde ocupacional/saúde e segurança do trabalho dos centros hospitalares/hospitais. Disponível em https://www.dgs.pt/saude- ocupacional/referenciais-tecnicos-e-normativos/orientacoes/orientacao-n-82014-de- 21052014-organizacao-e-funcionamento-do-servico-de-saude-ocupacionalsaude-e- seguranca-do-trabalho-dos-centros-hospitalares-hospitais.aspx

Engels, F. (1975). A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. Porto: Afrontamento.

Harlez, Y., & Malagueno, R. (2016). Examining the joint effects of strategic priorities, use of management control systems, and personal background on hospital performance.

Management Accounting Research, 30, 2-17. doi: 10.1016/j.mar.2015.07.001

Instituto Nacional de Estatística. (2017). Disponível em https://www.ine.

pt/xportal/xmain?xpgid=ine_main&xpid=INE&xlang=pt

Lei n.º 102/2009, de 10 de setembro. Regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho. Diário da República, 176. Série I.

Lei n.º 3/2014, de 28 de janeiro. Procede à segunda alteração à Lei 102/2009, que aprova o regime jurídico da promoção da segurança e saúde no trabalho, e à segunda alteração ao DL 116/97, que transpõe para a ordem jurídica interna a Diretiva n.º 93/103/CE, relativa às prescrições mínimas de segurança e de saúde no trabalho a bordo dos navios de pesca. Diário da República, 19. Série I.

Lei n.º 42/2012, de 28 de agosto. Aprova os regimes de acesso e de exercício das profissões de técnico superior de segurança no trabalho e de técnico de segurança no trabalho. Diário da República, 166. Série I.

Mendes, R., & Dias, E. C. (1991). Da medicina do trabalho à saúde do trabalhador. Revista de

(31)

Ministério da Saúde. (2018). Relatório social do Ministério da Saúde e do Serviço Nacional de Saúde 2017. Lisboa: Autor. Disponível em https://www.sns.gov.pt/wp- content/uploads/2018/06/Relatorio-Social-MS_SNS-2017-vfinal.pdf

Ministério da Saúde. (2019). Relatório social do Ministério da Saúde e do Serviço Nacional de Saúde 2018. Lisboa: Autor. Disponível em https://www.sns.gov.pt/wp- content/uploads/2019/09/Relat%C3%B3rio-Social-MS_SNS-2018-002.pdf

Oliveira, D. R. (2018). Lesões músculo-esqueléticas como causa de absentismo nos profissionais de saúde (Dissertação de mestrado). Faculdade de Medicina da

Universidade de Coimbra, Coimbra. Disponível em

https://eg.uc.pt/bitstream/10316/82174/1/Dissertac%CC%A7a%CC%83o%20- LMERT%20DanielaOliveira.pdf

Organização Internacional do Trabalho. (2018). Disponível em https://osha.europa.eu

Organização Mundial de Saúde. (2018). Disponível em http://www.who.

int/eportuguese/countries/prt/pt/

Osaki, M. M., & Pustglione, M. (2019). Proposta de metodologia para ações de qualidade de vida no trabalho em serviços de saúde. Revista de Administração em Saúde, 19(74), 2- 19. Disponível em https://cqh.org.br/ojs-2.4.8/index.php/ras/article/view/153/225 Reis, E. H. (2019). O surdo na perspectiva inclusiva: Acesso, permanência e êxito no ensino

(?) (Tese de doutoramento). Universidade Estadual Paulista “Júlio De Mesquita Filho”, Faculdade De Ciências Humanas E Sociais, Franca, Brasil. Disponível em https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/182306/Reis_EHM_te_fran.pdf?se quence=3&isAllowed=y

Relatório Social do Ministério da Saúde do Serviço Nacional de Saúde. (2018). Disponível em https://www.sns.gov.pt/wp-content/uploads/2019/09/Relat%C3%B3rio-Social-

MS_SNS-2018-002.pdf

Santos, M., & Almeida, A. (2016). Profissionais de saúde: Principais riscos e fatores de risco laborais, eventuais doenças profissionais e medidas de proteção recomendadas. Revista Portuguesa de Saúde Ocupacional (janeiro a junho de 2016), 1-30. Disponível em https://repositorio.ucp.pt/bitstream/10400.14/24323/1/010%20-%20rpso.pt-

Profissionais%20de%20sa%C3%83%C2%BAde.pdf

Serviço Nacional de Saúde. (2019). Benchmarking hospitais. Desempenho assistencial.

Disponível em http://Benchmarking.Acss.Min-Saude.Pt/

Silva, R. R. (2015). Perceção de incongruências da lei em matéria de SHST e suas consequências (Tese de doutoramento). Instituto Politécnico de Setúbal. Escola Superior de Ciências Empresariais, Setúbal.

(32)

Silva, S. V. (2019). O serviço de saúde ocupacional como um meio para melhorar a saúde dos trabalhadores: Relatório de estágio (Dissertação de mestrado). Universidade do Porto, Porto.

Singh, B., Grover, S., & Singh, V. (2013). An overview of benchmarking process: The continuous improvement tool. International Journal of YMCAUST, 1(2), 80-83.

Yin, R. K. (2015). Estudo de caso: Planejamento e métodos. Rio de Janeiro: Bookman Editora.

(33)

ARTIGO 2

Viabilidade da Existência de Serviços de Saúde nos Cruzeiros da Via

Navegável do Douro

(34)

Viabilidade da existência de serviços de saúde nos cruzeiros da Via Navegável do Douro

Feasibility of Health Services on Douro Waterway Cruises

Póvoa, M., Monteiro, M. J., Rodrigues, V.

Resumo

Em Portugal, a Via Navegável do Douro proporciona uma importante expressão de turismo local, na importância desse turismo estudamos a inclusão de cuidados de saúde associados à viagem nos cruzeiros. O estudo apresentado tem como objetivo conhecer a perceção do turista da Via Navegável do Douro sobre a sua segurança em saúde quando realiza cruzeiros no rio Douro. No estudo retrospetivo, descritivo, utilizando uma abordagem quantitativa, utilizou-se para a colheita de dados a aplicação de questionários, sendo a amostra de 1.086 turistas com mais de 18 anos de idade. Para a análise dos dados, efetuou-se a análise estatística descritiva com recurso ao SPSS. Os dados indicam que 87,1% de turistas se sente mais seguros em termos de saúde e bem-estar com a presença de um profissional de saúde a bordo dos cruzeiros no rio Douro, perspetivando a existência de dois serviços de saúde no espaço físico dos cruzeiros para o seu bem-estar – Assistência em situação de emergência e Cuidados médicos/enfermagem. O que sugere um posicionamento para um negócio, com um nicho de mercado perante a amostra de 2,6% de turista que necessitaram de cuidados de saúde durante a sua viagem nos cruzeiros, o que equivale, em números absolutos, a 33.338 turistas, para dados estatísticos da Via Navegável do Douro referente ao total de turistas em 2017. Este indicador permite ao gestor de saúde traçar estratégias sobre a inovação no sistema de saúde, para a inclusão de serviços de saúde a bordo, concluindo que existe viabilidade para a existência de serviços de saúde nos cruzeiros da Via Navegável do Douro, onde a promoção da saúde e bem-estar e o laser podem passear juntos.

(35)

Abstrat

In Portugal the Douro waterway provides an important expression of local tourism, in the importance of this tourism we study the inclusion of health care associated with travel on cruises. The study presented aims at knowing the perception of the Douro waterway tourist about his health safety when cruising on the Douro River. In the retrospective study, descriptive using a quantitative approach, we used for the data collection the application of questionnaires, being the sample of 1086 tourists over 18 years of age. For the analysis of the data, the descriptive statistical analysis was performed using the SPSS. The data indicate that 87.1% of tourists feel safer in terms of health and well-being with the presence of a health professional on board the cruises on the Douro River, foreseeing the existence of two health services in the physical space of the cruises for their well-being - Emergency Assistance and Medical Care/Nursing. This suggests a positioning for a business, with a niche market before the sample of 2.6% of tourists who needed health care during their trip on cruises, which is equivalent in absolute numbers to 33,338 tourists, for statistical data of the Douro waterway regarding the total number of tourists in 2017. This indicator allows the health manager to draw up strategies on innovation in the health system, for the inclusion of health services on board, concluding that there is viability for the existence of health services on Douro waterway cruises, where the promotion of health and well-being and laser can walk together.

Keywords: health and well-being, Douro waterway tourist.

(36)

Introdução

O rio Douro é considerado um dos cursos fluviais mais emblemáticos de toda a Europa, com partida do Porto, onde o rio desagua, podemos através da sua via navegável viajar em cruzeiros e conhecer esta Paisagem Cultural, classificada como Património Mundial: o Vale do Douro que oferece ao turista a beleza e o encantamento das suas paisagens.

Em 2016, os dados referidos pela Organização Mundial de Turismo indicam que se movimentaram 1.235,2 milhões de chegadas de turistas internacionais em todo o mundo, um crescimento de 3,9%. Dos turistas internacionais, 49,8% visitaram a Europa (615,2 milhões), uma subida de 2,1% face a 2015. Destacam-se os aumentos no número de turistas vindos da Ásia e Pacífico (+8,7%) e a África (+8,2%) e uma redução de vindos ao Médio Oriente (-4,1%).

Desde a década de 90 do século XX que é utilizada a Via Navegável do Douro para atividades de lazer e de turismo. Apesar de, nas décadas de 60, de 70 e de 80, do século XX, o rio Douro ter beneficiado de grandes empreendimentos hidroelétricos, é em 1996 que a cidade do Porto foi considerada Património Mundial da Humanidade, UNESCO; em 2001, o Alto Douro Vinhateiro, uma paisagem que caracteriza a vasta Região Demarcada do Douro, a singularidade que lhe confere grande notoriedade, a mais antiga região vitícola regulamentada do mundo, foi inscrita na Lista Representativa do Património Mundial, UNESCO. A partir do século XXI, a atividade turístico-fluvial foi alcançando mais território a montante, a evolução da navegabilidade do Douro foi aumentando, estando em 2015 com 100 embarcações marítimo- turísticas com uma capacidade de frota de cerca de 7.000 passageiros. Também a procura de cruzeiros noturnos passa a estar na procura do turista (Nunes, Moreira, Paiva & Cunha, 2016).

A deliberação n.º 90/2018, de 08 de março, e nos termos do Decreto-Lei n.º 344-A/98, de 06 de novembro, que aprova o Regulamento da Via Navegável do Douro, e com o Projeto Douro’s Inland Waterway 2020, com o apoio financeiro do programa CEF-Transport (Connecting Europe Facility for Transport) e do Orçamento do Estado, visa melhorar as condições de

(37)

para este melhoramento, tem um orçamento global de 76 milhões de euros tem uma duração estimada para 6 anos.

Em Portugal, o rio Douro é um dos cursos de água em que o turismo fluvial teve mais expressão, numa extensão de cerca de 208 km, da sua foz até Barca d’Alva, muito contribuiu para uma crescente estruturação da oferta de atividades de lazer e de turismo. As Tabelas 1 e 2, respetivamente, apresentam o número total de turistas de 2014 a 2017 e a percentagem por nacionalidade dos visitantes em 2016.

Tabela 1 - Número de passageiros e a taxa de crescimento dos turistas que realizaram cruzeiros, na Via Navegável do Douro

Evolução do n.º de Passageiros 2014-2017

2014 2015 2016 2017

Total 615 361 721 242 946 728 1 282 241

Taxa de crescimento % 12,78% 17,21% 31,26% 35,44%

Fonte: Adaptado de Via navegável do Douro APDL, Estatística 2017.

Tabela 2 - Percentagem de turistas por nacionalidade, na Via Navegável do Douro Turistas por Nacionalidade 2016

%

Portugal 71,02

Europeia (Exceto Portugal) 18,26

Outras 10,72

Fonte: Adaptado de Via Navegável do Douro APDL, Estatística 2016.

Visitaram o Douro pela Via Navegável cerca de 1 282 241 turistas em 2017, onde a percentagem de portugueses tem uma grande expressão, ou seja, analisar a perceção do turista na procura de cuidados de saúde nesta população contribui para uma mais-valia na obtenção de valor em saúde e bem-estar para a sociedade, uma atividade do setor da saúde.

Cuidados de saúde

Fomentar o empenho na procura de uma vida saudável tem nos últimos tempos uma crescente atenção, motivando a implementação de novas políticas de saúde. A saúde é vista como um recurso para todos os dias.

Procurar a saúde e bem-estar é transversal a todos os indivíduos, e já o conceito segundo a OMS em 1947 referia um conceito global em que o bem-estar total, físico, mental e social deve

(38)

permanecer, não observando o indivíduo apenas em conceito de doença. Os cuidados dos indivíduos consigo próprios e com o seu corpo surgiam com a doença, mas hoje o paradigma é a prevenção, coexistindo pressões diárias para o valor dado ao equilíbrio psicológico e mental (Cunha, 2006), a solução possível é definir a qualidade de vida individual relacionada à saúde, o modo como a saúde é avaliada afeta a qualidade de vida e expressa um estado de saúde da sociedade (Karimi & Brazier, 2016).

Em Portugal, a organização dos cuidados de saúde tal como o conhecemos hoje, diferenciada em níveis de cuidados primários, hospitalares e paliativos, sofreu alterações desde o ano de criação por Ricardo Jorge, em 1899. Os serviços de prestação de cuidados de saúde encontram- se organizados no SNS, e instituições privadas de saúde, e apesar do sistema de saúde português ter sido classificado, em 2018, na 9º melhor da Europa e 12ª posição do ranking da OMS, ainda existe espaço para um melhoramento na acessibilidade aos cuidados de saúde. Também classificado em 2016 na posição 10º do ranking da Europa (SNS, 2019), em relação aos gastos em saúde e aos resultados. O Despacho n.º 199/2016, de 07 de janeiro, refere a prioridade na reforma dos cuidados de saúde, contribuindo para o relançamento de novos serviços e sustentabilidade, na procura de cuidados de saúde fora dos locais habituais.

O ato de viajar à procura de promoção saúde e bem-estar também pode ser caracterizado por procura de cuidados de saúde? O recurso a serviços de saúde localizados em regiões onde não residem nem trabalham, poderá definir-se como turismo de saúde, ou seja, o conjunto decorrente da deslocação dos indivíduos com a intenção de promover o bem-estar físico, mental e espiritual (Brito, 2015).

Na perspetiva da obtenção de valor em saúde e bem-estar efetua-se este estudo, que está integrado no projeto SAICT-POL/23434/2016 – “Health TuriDouro - Intervenções dirigidas às necessidades de saúde dos turistas dos cruzeiros do rio Douro”, com referência NORTE-01- 0145-FEDER-023434, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia e cofinanciado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional através do Programa Operacional Regional

(39)

do Douro pode colmatar esta necessidade! O estudo tem como objetivo, conhecer a perceção dos turistas da Via Navegável do Douro, acerca da sua segurança em termos de saúde, com a finalidade de propor uma estratégia inovadora para a inclusão de um modelo de negócio para o setor.

Metodologia

Trata-se de um estudo de caso retrospetivo, descritivo com abordagem quantitativa (Yin, 2015).

Este estudo foi aprovado pelas fontes de financiamento: Projeto SAICT-POL/23434/2016 –

“Health TuriDouro - Intervenções dirigidas às necessidades de saúde dos turistas dos cruzeiros do rio Douro”, com referência NORTE-01-0145-FEDER-023434, financiado pela Fundação para a Ciência e Tecnologia e cofinanciado pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional, através do Programa Operacional Regional do Norte (NORTE2020); autorização empresa Barcadouro em 07/12/2017 (Anexo B) e autorização da Comissão de Ética da Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro n.º 64/2017, de 10 de outubro (Anexo C). O instrumento de recolha de dados para este estudo foi o questionário (Apêndice A), em que os participantes, após serem informados sobre os objetivos do estudo, expressaram o seu consentimento assinando no Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (Apêndice B). O questionário está organizado em quatro partes: (i) a primeira - caracterização da amostra; (ii) a segunda parte do questionário - perceção do turista face à presença de um profissional a bordo dos cruzeiros da Via Navegável do Douro; (iii) a terceira parte e (iv) a quarta parte. É nas duas primeiras partes do questionário onde se centra o estudo descrito neste artigo. Da segunda parte do questionário foram escolhidas quatro perguntas que avaliam a perspetiva do turista face à sua segurança em saúde a bordo dos cruzeiros. As respostas às perguntas integram em cada perspetiva uma escala de Likert que varia entre: (1). Discordo totalmente; (2) Discordo; (3). Concordo; e (4) Concordo totalmente;

para três perguntas. Para a quarta pergunta, a escala varia entre: (1) Sem interesse; (2) Pouco interessante; (3) Interessante; e (4) Muito interessante.

Este questionário foi aplicado a turistas que realizaram cruzeiros fluviais no rio Douro (Régua - Pinhão) a bordo dos navios da empresa “Barcadouro” entre abril e outubro de 2018, com a duração de viagem de um dia, após as autorizações devidas para início do projeto SAICT- POL/23434/2016 – “Health TuriDouro - Intervenções dirigidas às necessidades de saúde dos turistas dos cruzeiros do rio Douro” (Apêndice A).

(40)

A entrega e recolha dos questionários foi efetuado por bolseiros, após a sua verificação, os dados foram introduzidos na base de dados para posterior análise, recorrendo a técnicas estatísticas através da utilização do programa Statistical Package for the Social Sciences (SPSS), perante a matriz dos dados, foi utilizada a estatística descritiva.

No estudo, considera-se a hipótese da validade de um serviço de saúde a bordo dos cruzeiros da Via Navegável do Douro, tendo em conta a perspetiva do turista, face à presença de profissionais de saúde. A hipótese é “um enunciado que antecipa a relações entre variáveis e que necessita de uma verificação empírica” (Fortin, Côté & Filion, 2009, p.165).

As hipóteses são formuladas com base no objetivo do estudo, sendo as seguintes:

H1 - Existe relação estatisticamente significativa entre a variável sociodemográfica, sexo, e a perspetiva dos turistas face à existência de profissionais a bordo dos cruzeiros;

H2 - Existe relação estatisticamente significativa entre o nível de instrução e a perspetiva dos turistas face à existência de profissionais a bordo dos cruzeiros;

H3- Existe relação estatisticamente significativa entre a situação face ao emprego e a perspetiva dos turistas face à existência de profissionais a bordo dos cruzeiros.

Resultados

No estudo, considera-se a perspetiva do turista quando realiza cruzeiros no rio Douro, como variável primordial para a tabulação dos dados. Estes foram analisados de forma a verificar as frequências das variáveis independentes, dependentes e a comparação das médias na tentativa de confirmação das hipóteses.

A amostra do estudo é de 1 086 turistas, na sua caracterização é de referir que a idade dos participantes é compreendida entre os 18 e os 89 anos, sendo a média de idades de 54,9 anos, com um desvio padrão de 14,94. Verifica-se na variável “nacionalidade”, uma ligeira

Referências

Documentos relacionados

Sob proposta da Escola de Ciências Humanas e Sociais, foi aprovada nos termos do disposto no artigo 76.º do Decreto -Lei n.º 74/2006, de 24 de março, republicado pelo Decreto -Lei

1 — Importa aprovar um novo regulamento do Hospital Veterinário “Professor Doutor Joaquim Lima Pereira”, adiante designado por HVUTAD, atendendo à necessidade em adequar o seu

A associação possui também o Centro de Acolhimento ao Burro (CAB), que funciona como um “lar de idosos” para burros, no qual se encontram alguns asininos de diferentes raças

Comparando as prestações do tractor de rastos em vinhas em patamares e “ao alto”, verifica-se que nos patamares não há interesse em proceder a alterações para se aumentar a

O grau de licenciado em Engenharia e Biotecnologia Florestal é concedido ao estudante que, através da aprovação em todas as unidades curriculares do plano de estudos, obtenha 180

Faz -se saber que, perante a Universidade de Trás -os -Montes e Alto Douro (UTAD), pelo prazo de 30 dias úteis, a contar do dia imediato ao da publicação do presente Edital no

a) No termo de cada triénio ou sexénio de efetivo serviço, respetivamente por seis meses ou um ano escolar, não acumuláveis, licença sabática de dispensa de serviço letivo

Faz -se saber que, perante a Universidade de Trás -os -Montes e Alto Douro (UTAD), pelo prazo de 30 dias úteis, a contar do dia imediato ao da presente publicação, está aberto