• Nenhum resultado encontrado

Agricultura como Sistema

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "Agricultura como Sistema"

Copied!
11
0
0

Texto

(1)

Agricultura como Sistema

Disciplina de Produção Agrícola

Licenciatura em Engenharia Alimentar Escola Superior de Biotecnologia Universidade Católica Portuguesa

Domingos Almeida

O Complexo Agrário

Energia solar Solo Orografia Estrutura social Modo de vida Sistema de cultura Criação de gado Factores produção Floresta Fauna e flora Outros recursos Clima Produção Paisagem rural Fauna Melhoramento solo Desequilíbrios paisagem Perturbações na Fauna e flora Poluição Degradação solo Desperdícios biodegradáveis

(2)

Exploração Agrícola Clima Solo Planta Capital Trabalho Empresário Produções vegetais Comercializáveis •Produtos agrícolas •Produtos florestais Transformadas na exploração •Forragens e pastagens Produtos animais

Empresa agrícola

Organização no seio da qual o responsável – empresário agrícola – utilizando recursos limitados em trabalho e capital, toma as decisões necessárias à prática de um sistema de produção determinado, com o objectivo de alcançar duradouramente um certo resultado económico.

(3)

Sistema

Conjunto de componentes em interacção

dinâmica, organizados em função de um

objectivo

O sistema apresenta propriedades novas e tem de ser estudado na sua totalidade,

complexidade e dinâmicapróprias

Sistemas e níveis de organização

Aspectos sócio-económicos e ambientais

(organização regional dos sistemas de produção) Região Sistema de agricultura Micro-económico (distribuição de culturas na exploração agrícola) Exploração agrícola Sistema de produção Agronómico (cultura e técnicas culturais, modo de combinação dos factores de produção) Folha de cultura Sistema de cultura Objectos estudo Nível Sistema

(4)

Sistema de produção

Combinação de sistemas de cultura

(culturas e factores de produção) no seio da empresa agrícola

Factores de escolha dos sistemas de produção

Informação sobre benefícios, receitas Equipamento e conhecimento disponíveis Tecnológicos Tradição de consumo, gosto pessoal, apetência exóticos

Tradição, gosto pessoal, tipo exploração Histórico-psicológicos Confiança consumidores, valorização aspectos nutritivos, organolépticos Sazonalidade da apetência Preço Efeito nos consumidores

Preço factores e produtos, disponibilidade mão-de-obra, regalias sociais Económico-sociais Clima, solo Ecológicos Ajudas e quotas Política agrícola Efeito na produção Factores (Almeida, 2003)

(5)

Rotação e afolhamento

Rotação

Sucessão ordenada de culturas numa mesma folha, num período de anos determinado, findo o qual se retoma a mesma sucessão pela mesma ordem

Afolhamento

Divisão da superfície agrícola útil da exploração agrícola em folhas e sua distribuição pelas culturas praticadas

Interesse da rotação

Manutenção ou aumento da fertilidade do solo

Redução da incidência de inimigos das culturas – pragas, doenças e infestantes

Igual disponibilidade dos produtos da exploração (incluindo alimentação para o gado) todos os anos

Instalações e equipamentos

Conhecimento técnico das produções e dos mercados

Redução de riscos

(6)

Conceitos

Cultura melhoradora

Sachada

Leguminosa

Cultura esgotadora ou liquidadora

Cultura intercalarPousioAlqueiveConsociação de culturas Sistema Produção

Trabalho

Combustível

Electricidade

Sementes

Fertilizantes

Fitofármacos

Máquinas

Água

Produtos vegetais

Produtos animais

Sub-produtos

Energia

Solar

Adaptado de Tivy (1990)

Indirectas

Directas

(7)

Equivalentes energéticos de alguns factores de produção e operações culturais

45,0 hectare Pulverização 325,0 hectare Gradagem discos 836,0 hectare Lavoura 110,0 kg Fitofármacos (média) 67,0 kg de N Azoto (média) 9,6 kg de K Potássio Exigência energética (MJ) Unidade Item (Briggs e Courtney, 1989)

Proporção das entradas de energia que é consumida pelo homem na forma de alimentos

0,002 - 0,004 Carne extensiva 0,030 - 0,080 Leite intensiva 0,005 - 0,025 Carne intensiva 0,250 Batata 0,250 Beterraba sacarina 0,200 Cereais Entradas energéticas consumida pelo homem

(%)

Sistema de produção

(8)

Cadeias tróficas básicas

Cultura Homem Cultura Homem Animal Pastagem Homem Animal Cultura Homem Animal Pastagem 18 (trigo) 4 (milho-porco) 7 (leite)

Capacidade de sustentação (pessoas/ha) (Loomis & Connor, 1992; P.A.Pinto, 2002)

Entradas e saídas de energia em diferentes sistemas de cultura do arroz

1,55 2,45 7,08 Eficiência energética 22,370 17,598 7,318 Produção arroz 1,310 1,047 -Pesticidas 1,140 0,813 0,392 Sementes 4,116 2,088 -Azoto 4,275 0,910 -Combustível 0,360 0,189 -Máquinas 0,008 0,804 0,626 Trabalho Califórnia Japão Bornéu Energia (x 103kcal.ha-1) Adaptado de Tivy (1990)

(9)

Principais sistemas de agricultura em

Portugal

NoroesteNordesteZonas de montanhaPlanalto MirandêsTerra QuenteDouroSulAlgarve

Sistemas de agricultura do Noroeste

Influência Atlântica

Elevada densidade populacional

Minifúndio

Exploração da terra por conta própria

Agricultura intensiva

Sistema forregeiro-leite

Culturas hortícolas

(10)

Sistemas de agricultura do Douro

“No Douro, em encostas que até aí só davam mato bravio, começou, no século XVII, a levantar-se a escadaria de

geios ou socalcos destinados a suster a terra, em parte

criada com a rocha moída, lodos do rio e cabazadas de estrume –a mais vasta e imponente obra humana do território português.” (Orlando Ribeiro)

Clima mediterrânico

Monocultura da vinha

Culturas arbóreas intercalares (tradicional)

Sistemas de agricultura do Nordeste

Zonas de Montanha

Montalegre a Bragança

Batata – centeio – pecuária (bovinos, ovinos e caprinos)

Lameiros e baldiosPlanalto Mirandês

Miranda Douro, Mogadouro

Sistema cerealífero e pecuário (bovinos)Terra Quente

Mirandela, Moncorvo

(11)

Sistemas de agricultura do Sul

Mediterrâneo

Baixa densidade populacional

Cultura extensiva

Latifúndio

Arrendamento ou parceria

Rotação trienal

Montado de sobre e azinho

Sistemas de agricultura do Algarve

Cultura promíscua

Horticultura (primores)

Referências

Documentos relacionados

Internal sac armature (Fig. 5) consisting of two basal spine-shaped straight sclerites, 2.8 times as long as wide (Fig. 5a) or as in figure 5A; two long, laminar and median

ITEM SINAPI DESCRIÇÃO UN QTDE Pr... ITEM SINAPI DESCRIÇÃO UN QTDE

teories conseqüencialistes egoisme ètic ètica de deures prima facie ètica kantiana Teories ètiques normatives teories de deures utilitarisme teories imperatives teories de

Como afirmado em nosso resumo, um time de futebol da dimensão do Flamengo, com cerca de 42 milhões de torcedores (Datafolha, 2019), espalhados pelo Brasil e também

Assim sendo, a organização, quando opta por uma política de redução de custos com mão-de-obra via adesão a processos de terceirização, reduz consequentemente

Una educación establecida y controlada por el Estado no debería existir, y en caso de existir, más que como uno de tantos experimentos, entre muchos otros, hecho solamente

Sea cual sea la opinión de los moralistas utilitaristas con relación a las condiciones originales que hacen que la virtud devenga virtud, y por más que puedan considerar (como,

BLOQUE 4: CONTRA LA IMPOSICIÓN SOCIAL DE LA CONDUCTA MORAL Contra la intervención social en la conducta estrictamente personal Argumentos fundamentales no hay criterios sociales