• Nenhum resultado encontrado

Ficha de trabalho

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "Ficha de trabalho"

Copied!
2
0
0

Texto

(1)

Ficha de trabalho

Lê atentamente o seguinte texto.

Correr por amor

Passei a noite acordado por causa da rapariga ruiva da minha escola. Estão a ver… É uma paixão! Não que eu quisesse. Aconteceu-me. E logo a mim, que sou dado a exageros. Se eu soubesse desamar… Mas quem é que sabe? Não há um rapaz da escola que não goste dela, embora alguns não queiram que se saiba.

Por isso a escolheram para entregar o prémio ao vencedor da corrida de fim-de-ano.

Antes disso, só havia dois rapazes inscritos e a prova chegou a estar em risco. Depois, já eram tantos a querer correr que tiveram de encerrar as inscrições à pressa. Nem oito nem oitenta, disseram eles.

O meu lugar na linha de partida estava garantido, o problema era chegar ao fim antes dos outros. Sou um rapaz franzino que escreve versos e histórias enquanto os outros jogam à bola e sobem às árvores. Numa corrida rápida, de velocidade, teria as minhas hipóteses, mas dar cinco voltas ao recinto enlameado da escola era mais apropriado para o Mário e o Xavier, por exemplo, que praticavam vários desportos e eram desses rapazes fortes e musculados, sem miolo nenhum, que as raparigas admiram.

No entanto, e fosse pelo que fosse, tinha grandes esperanças. Se todos os rapazes iam correr por amor, correria mais quem mais amasse a rapariga ruiva, pensei eu já ao fim da noite.

Já não sabia se tinha sonhado ou imaginado que o amor ia pôr asas nos meus pés e ajudar-me a ganhar aquela corrida. Depois, recebia das mãos dela a salva de prata com a data do meu feito gravada no centro, enquanto ela sorria para mim, só para mim, e eu decidia abandonar tudo, até a minha mãe. De mãos dadas, sem trocar palavras, eu e a rapariga ruiva atravessávamos o campo de jogos e chegávamos ao jardim secreto, um pedacinho de mundo que só os jovens namorados da escola conheciam. Ela voltava a sorrir e eu ganhava coragem para lhe contar que era eu quem escrevia as cartas de amor e os poemas que o Nuno e o Filipe lhe mandavam. Eles não sabiam escrever dessas coisas e eu não sabia que fazer às palavras de amor que me assaltavam a todas as horas. Depois, ela dizia qualquer coisa que eu não percebia, talvez por o ter dito muito baixinho, e trocávamos um beijo apaixonado enquanto o sol caía no céu.

Álvaro Magalhães, Hipopóptimos – Uma História de Amor, Edições ASA.

Nome: _____________________________________________ Nº _____ 6º ano/ Turma ______

(2)

Lê atentamente as seguintes questões e responde de forma completa.

1- “Passei a noite acordado (…)”.

1.1-Qual foi a razão que perturbou o sono do narrador? _________________________

___________________________________________________________________

___________________________________________________________________

1.2-Explica por que motivo surgiram tantos inscritos para a corrida de fim-de-ano. ___

___________________________________________________________________

___________________________________________________________________

___________________________________________________________________

1.3-Faz o retrato físico do narrador-personagem, a partir de todas as informações contidas no texto.

___________________________________________________________________

___________________________________________________________________

___________________________________________________________________

1.4-Faz o seu retrato psicológico. ___________________________________________

___________________________________________________________________

___________________________________________________________________

1.5-Apesar de tudo, o narrador tinha grandes esperanças. Explica porquê. __________

___________________________________________________________________

___________________________________________________________________

___________________________________________________________________

1.6-Depois de ter recebido a taça, para onde se devia dirigir o rapaz com a rapariga ruiva? _______________________________________________________

___________________________________________________________________

___________________________________________________________________

1.7-No seu sonho, o que mais via o narrador? _________________________________

___________________________________________________________________

___________________________________________________________________

1.8-Indica a classe e a subclasse das seguintes palavras do texto:

 prazer, dor

 amor, paixão Classe ____________ Subclasse ___________

 esperança, coragem 1.9-Do segundo parágrafo, transcreve:

 Os quantificadores numerais aí presentes: __________________________

___________________

Bom trabalho!

A prof. Susana Costa

Referências

Documentos relacionados

8- Bruno não percebeu (verbo perceber, no Pretérito Perfeito do Indicativo) o que ela queria (verbo querer, no Pretérito Imperfeito do Indicativo) dizer e, por isso, fez

e) Rose caminhou muito para encontrar um emprego. 1.ª Oração subordinante; 2.ª Oração subordinada adverbial final.. 6. Completa o quadro, transformando o discurso direto em indireto

a) Quem procurou o Rapaz de Bronze foi o Muguet, porque queria pedir licença para organizar uma festa. b) Quem procurou o Rapaz de Bronze foi o Gladíolo, porque queria pedir

A Sementinha dormia muito descansada com as suas filhas. Ela aguardava a sua longa viagem pelo mundo. Sempre quisera viajar como um bando de andorinhas. No

5- Bruno não percebeu (verbo perceber, no Pretérito Perfeito do Indicativo) o que ela queria (verbo querer, no Pretérito Imperfeito do Indicativo) dizer e, por isso, fez

The chemical composition of elephant grass and dehydrated cashew bagasse used in silage are shown in Table 1.. The regression equations, determination coefficients, and

servidores, software, equipamento de rede, etc, clientes da IaaS essencialmente alugam estes recursos como um serviço terceirizado completo...

Com o objetivo de compreender como se efetivou a participação das educadoras - Maria Zuíla e Silva Moraes; Minerva Diaz de Sá Barreto - na criação dos diversos