PANORAMA DA TEOLOGIA DA AMÉRICA LATINA NOS ÚLTIMOS ANOS J. B. Libânio

Texto

(1)

PANORAMA DA TEOLOGIA DA AMÉRICA LATINA NOS ÚLTIMOS ANOS J. B. Libânio

Ciente que, além das publicações renomadas há enorme produção de "pequena literatura"

de natureza popular e que foge da coleta dos pesquisadores, Libânio ousa apresentar sua reflexão acerca da teologia da América Latina, nos últimos anos.

- continente pobre; - uma diversidade de tipo de teologia;

- tese central: a TdL nasce no continente por volta de 1968 abrindo um caminho em busca de sua identidade em confronto com as teologias tradicional e neoliberal européia, comumente apresentada sob o nome do Concílio Vaticano II. Depois ocupa lentamente o centro teológico do Continente.

- o quadro teológico da América Latina hoje só se entende a partir da TdL.

- há uma referência maior à bibliografia teológica do Brasil.

I - Avaliações anteriores

- sobre as avaliações da teologia no Brasil e na América Latina, a TdL ocupa espaço relevante.

- debate teológico na forma de três modelos: teologia da Transcendência, da imanência e da dialética.

- a TdL: modelo da imanência: sublinhar o "momento ético, crítico e profético da experiência cristã; "convida a Igreja a uma solidariedade concreta com os pobres; valoriza o

"momento social do viver cristão", "da práxis", "o momento da base popular na eclesiologia”;

- teologia no Brasil: tendências básicas "a vizinhança com a realidade social", "com a Igreja", "com uma sociedade que pede mudanças" e "com as práticas pastorais transformadoras da Igreja"; temas do negro, do índio, da mulher afloram nessa análise; D. Aloísio Lorscheider apresentou algumas características da teologia praticada no Brasil, que coincidem com as da TdL: práxis eclesial ou experiência cristã global como o seguimento de Jesus".

II - Periodização da Teologia da Libertação

- na origem da TdL: pergunta pela palavra de Deus para o nosso continente, a experiência da injusta pobreza, que afeta milhões de irmãos latino-americanos.

- na história, distinguem-se vários momentos:

gestação (1962-1968): Medellín; Conc. Vat. II;

gênese (1969-1971): livro de G. Gutiérrez;

crescimento (1972-1979): até Puebla;

consolidação (1979-1987): processos movidos pela Congregação para a Doutrina da Fé contra: L. Boff e G. Gutiérrez; em termos eclesiais: tomada de posição do magistério romano a respeito da TdL através da Congregação para a Doutrina da Fé e pela atenção da Comissão teológica internacional. O Papa, em carta aos bispos do Brasil, no meio a alguns condicionais, afirma, porém, que ela é "não só oportuna, mas útil e necessária; Em termos teológicos, a partir de Puebla, entram outros temas para aprofundamento: visão e discernimento pastoral da realidade, missão evangelizadora e libertadora da Igreja, reestruturação da Igreja e da sociedade na perspectiva libertadora, evangelização libertadora e opção pelos pobres.

revisão (1989-): Em termos políticos: os acontecimentos que mais profundamente tocaram à TdL foram a derrota do Sandinismo na Nicarágua e a queda do socialismo no Leste Europeu. A TdL tem a ver com a opressão dos pobres e com Deus. Pontos da herança marxista válidos, tais como seu realismo a respeito do homem nas suas conexões entre os níveis sociais, culturais e de consciência... Em termos eclesiais: os últimos anos têm significado um duplo movimento antitético: movimento conservador no interior da Igreja x as comunidades eclesiais de base... Em termos teológicos: a teologia enfrenta uma revisão mais profunda de seu

(2)

instrumental de análise. SOTER (1990) rever o marco teórico marxista, que vinha sendo usado por muitos teólogos... a nova conjuntura tem provocado interesse e estudos mais aprofundados da Doutrina Social da Igreja por parte dos teólogos da libertação...

Novas pautas:

- reunião convocada pelo CELAM (1996), se debateu precisamente o futuro da reflexão teológica na América Latina;

- D. Luciano aponta como pauta importante a temática da evangelização a partir de um Jesus vivo e de uma Igreja também viva.

- refletir sobre a economia sob o aspecto ético e teológico.

- Permanecem na agenda temas como o Reino e sua justiça, o Deus da vida, a questão da cultura. J. C. Scannone delineou o desafio do comunitarismo.

- a SOTER (1999) enfrentou o diálogo interdisciplinar com as ciências da natureza, de modo especial, com a cosmologia moderna, a astrofísica, as ciências biológicas.

III - Questões de método

Plataforma inicial: - G. Gutiérrez traçou as linhas mestras do método da TdL com sua obra publicada em 1971;

Libertação da teologia: - as reflexões metodológicas de J. L. Segundo, mais tarde sistematizadas em artigos e livros: libertação da teologia, desideologizando-lhe os conceitos, as concepções de Deus, graça, pecado, Igreja, que desempenharam o papel de manter o povo oprimido, calado, submisso. O projeto da TdL é refazer a teologia por dentro para que seja realmente libertadora.

Pobre: objeto da teologia: - o pobre é colocado no centro da reflexão teológica.

Pobre: sujeito da teologia: - o pobre como sujeito, protagonista da história, da transformação da sociedade e da Igreja. Com sua prática, sua fé, sua experiência de Deus se faz sujeito mesmo da teologia.

Pobre: o lugar social: - distinção elaborada por Cl. Boff entre lugar epistêmico e lugar social. O lugar epistêmico é o lugar das regras internas do pensar. O lugar social é o dos interesses de tal pensar. O lugar social do teólogo da libertação é ser para, com e dos pobres.

Congresso do México: - 1975, debateu-se a questão do método da TdL; - Duas preocupações metodológicas impuseram-se nesse congresso: a importância dos condicionamentos atuais para a teologia e o método das teologias a partir de suas perguntas fundamentais; - conferência de L. Boff: introduziu uma distinção importante entre a dimensão analítica e sacramental.

Tese de Cl. Boff: - em 1976, Cl. Boff defende em Lovaina uma tese doutoral sobre a metodologia da TdL. Ela trabalha as três dimensões fundamentais e constitutivas da TdL:

mediações sócio-analíticas, mediações hermenêuticas e mediações da práxis.

Vulgarização do método: - TdL mereceu atenção também de agentes populares. Ver, julgar e agir.

Afirmação de sua diferença: - trabalhou-se a identidade da TdL em confronto com as teologias européias vigentes;

Sistematização didática: - elaborou-se um roteiro didático de orientação a modo de balizas teóricas...

Teses centrais da TdL: - teologia integral sob a perspectiva particular do pobre e de sua libertação, em que o pobre ocupa lugar central, de modo que o problema dos pobres se transforma num problema de Deus (teologia); - a fé positiva e a experiência do oprimido; - articula a libertação ético-política e a libertação soteriológica; - indicam-se as três formas de TdL:

profissional, pastoral e popular no interior de uma reflexão única; - desenvolve o sentido (particular) histórico-libertador do Evangelho na totalidade dos temas teológicos; - realidade

(3)

salvadorenha...; - misericórdia é a reação adequada e necessária perante a realidade de pobreza e violência em que vivem os pobres, por isso que a teologia deve ser fundamentalmente um

"intellectus amoris".

Teologia popular da libertação: - "teologia pé-no-chão" é trabalhada por teólogos bem próximos ao povo e na própria linguagem popular ou pelas mesmas comunidades em folhas mimeografadas ou pequenas brochuras; - "Teologia da enxada", prática teológica bem colada à experiência religiosa popular feita no interior da formação de futuros agentes e ministros rurais, orientada por teólogos do extinto Instituto Teológico do Recife: J. Comblin, S. Gameleira, I.

Gebara, e outros...; - Cl. Boff publica teoria do método teológico: estuda a prática teológica, sua gramática, suas regras internas, sua epistemologia.

IV - Análises sócio-políticas e econômicas

Teoria da dependência: - nos inícios da TdL, trabalhou-se com a teoria da dependência e a proposta de libertação para romper com a então teoria do desenvolvimento...

Ideologia da Segurança Nacional: - ideologia reforçava a linha de um capitalismo selvagem e extremamente explorador x violações graves dos direitos humanos...

Comissão Trilateral: - Carter - sob a aparência da defesa dos direitos humanos, a administração americana tomou distância dos regimes militares autoritários, para armar nova aliança estratégica entre as grandes forças capitalistas; - Elabora-se a política da Comissão Trilateral; - teólogos denunciaram certa ambiguidade nessa política trilateral que defendia os direitos humanos individuais, esquecendo-se de defender os direitos humanos coletivos dos países oprimidos.

Teoria dos megablocos: - criação dos megablocos comerciais em que o Terceiro Mundo se transforma numa "massa sobrante"; - nos tornamos países "prescindidos"; - como resposta à criação dos grandes blocos dos países ricos, na América Latina tem sido incentivada a organização de blocos regionais: Mercosul;

Análise marxista: - uso análise marxista sempre foi uma das questões mais controvertidas na TdL;

Alerta do Magistério: - magistério alertou os cristãos na sua reflexão e ação: perigo de aceitar os elementos de análise marxista sem reconhecer as suas relações com a ideologia, o que seria incompatível com a fé cristã;

Distinção: análise e filosofia marxista: - análise marxista pertence ao ramo da objetividade científica;

Queda do Leste europeu: - fracasso econômico e político do socialismo real coloca novos problemas para os analistas sociais;

Pontos de consenso: - depois de uma revisão histórica do debate sobre a relação entre análise da realidade social e TdL, percebem-se pontos desiguais de consenso.

a) A TdL é não só possível mas necessária.

b) Existe sentido em propor uma TdL que tematize experiências particulares.

c) O método "ver-julgar-agir" é legítimo ao menos como método para a análise pastoral desde que não instrumentalize e ideologize a fé.

d) Existem algumas verdades no Marxismo.

Neoliberalismo globalizado: - década de 90: marcada pela expansão do capitalismo na sua forma neoliberal e globalizada; - consequência social: crescimento da exclusão; - TdL desenvolveu uma reflexão sobre a cultura da solidariedade em contraposição à exclusão;

V - Principais eixos-teses da sistemática

1. De uma cristologia do Jesus histórico na perspectiva do seguimento e da identificação com o pobre passando por uma Trindade libertadora até uma pneumatologia incipiente

(4)

A volta ao Jesus da história: - TdL: marcada pela viragem cristológica em que se atribui cada vez mais importância ao Jesus histórico; - a TdL acentua alguns aspectos de maneira especial. L. Boff (Jesus Cristo Libertador) traçou desde o início o seu programa, reafirmando a primazia: do elemento antropológico sobre o eclesiológico; do utópico sobre o fatual; do crítico sobre o dogmático; do social sobre o pessoal; da ortopráxis sobre a ortodoxia;

Centralidade do Reino: - a pessoa de Jesus é entendida em relação ao anúncio da novidade, radicalidade e presença do Reino; - Reino de Deus é entendido antes de tudo como anúncio da boa nova aos pobres;

O seguimento de Jesus: - seguimento de Cristo, impõe-se como ponto nodal da cristologia;

- seguimento de Jesus é a única possibilidade da vida cristã;

A práxis de Jesus: - prática de Jesus serve para entender a práxis humana; - J. Sobrino publica dois volumes substanciosos sobre Jesus Cristo: retoma as coordenadas do método da cristologia latino-americana numa perspectiva do Cristo da história, libertador, em oposição a um Cristo “sublimado”; estabelece o lugar eclesial e social da cristologia em íntima relação com os pobres; analisa a ressurreição de Jesus a partir da esperança das vítimas...

A dimensão trinitária: - o perigo da polarização do Filho; - teologia trinitária vem completar o arco da libertação; - mistério trinitário, o enfoque central é a comunhão: a Santíssima Trindade é a melhor comunidade;

A presença do Espírito Santo: - Medellín apenas aludiu a esse papel do Espírito; - Puebla também refere-se à ação do Espírito Santo em relação à renovação dos homens; - teologia do Espírito Santo está muito mais ligada à experiência carismática, que não é o ponto forte da TdL; - presença do Espírito mostra-se mais fortemente na América Latina na consciência e ação dos pobres. - J. Comblin faz uma leitura da história à luz da ação do Espírito até os atuais desafios apontando como critério de discernimento a opção pelos pobres;

2. Da salvação como libertação passando por mediações na história até a criação de utopias em referência ao Reino sobretudo na luta pela vida

Salvação como libertação: - TdL, trabalhou a realidade da salvação no horizonte da libertação x visão tradicional do "salva a tua alma";

Semântica do termo libertação: - termo "libertação" se transforma num conceito teológico com profunda articulação com a realidade social;

Libertação cristã e suas mediações: - TdL aprofunda a relação entre a libertação cristã (salvação) e as libertações sócio-políticas, realizadas e a serem realizadas na história humana;

Três níveis da libertação: - níveis sócio-político-econômico, histórico-antropológico e teológico, abriu enorme espaço para utopias;

A unidade da história: - utopia da libertação, antecipação e mediação do Reino, constrói- se na história: única história;

Sinais dos tempos:- expressão "sinais dos tempos" provoca questões a relação história da salvação e história secular, ação de Deus e libertações históricas;

Graça e prática da justiça: - TdL, acentua a prática da justiça como intrínseca à graça; - surge a questão do pecado social, de pecado estrutural, de injustiça estrutural e institucionalizada;

Binômio: morte e vida: - em oposição à realidade social do continente, analisada como uma cultura da morte se propõe um Deus da vida, pela prática da justiça;

3. De uma eclesiologia de experiências comunitárias a uma verdadeira eclesiogênese numa reinterpretação radical do poder e ministério na Igreja em relação com o Reino e com o mundo

(5)

- eclesiologia da TdL acentua o aspecto comunitário popular em contraste com a eclesiologia tradicional hierarcológica e com a eclesiologia européia baseada nas categorias de sacramento e povo de Deus.

Crítica interna da Igreja: - revisão crítica de estruturas internas da Igreja a partir da perspectiva e da presença do pobre como sujeito ativo na comunidade; - Igreja é chamada a uma conversão; - L. Boff chamou de verdadeira eclesiogênese, a Igreja que se faz povo;

- superação da atual estrutura linear da Igreja - papa ---> bispo ---> padre ---> fiéis - para uma figura triangular: bispo

fiel---> padre

Igreja dos pobres: - Igreja dos pobres: assume a forma de comunidades eclesiais de base;

Eclesialidade das CEBs: - um modo novo de ser Igreja": vivem a comunhão, são evangélicas, possuem mártires, nelas se manifestam a presença e a ação do Espírito de Deus;

Abertura ecumênica: - TdL tem desenvolvido um novo tipo de ecumenismo: pensa-se celebrações litúrgicas, orações e leituras da Escritura em grupo, em comum;

Igreja com CEBs e de CEBs: - analisar o que seja uma Igreja de CEBs: o poder central da matriz, consubstanciado no pároco, cede lugar para coordenações compostas pelos animadores das CEBs, escolhidos para determinado tempo pelos membros das comunidades.

Religiosidade popular: - TdL: buscar o equilíbrio entre o respeito às formas de piedade do povo, de um lado, e, doutro, um processo de desalienação de algumas dessas formas.

Igreja e Reino: - na eclesiologia da TdL, o Reino tem especial relevância. A Igreja existe em vista dele;

Pastoral da cidade: - a presença da Igreja no mundo urbano: os desafios da cidade à evangelização;

4. De uma concepção transformadora da ação do homem até a criação da nova terra e dos novos céus com abertura para a ecologia e para o problema da terra

Superação das dicotomias: - ao pensar uma nova terra e novos céus, procura-se suprimir a dicotomia entre novíssimos individuais e coletivos, tempo e eternidade, esta vida e outra vida;

Resposta construtiva do homem: - ação do homem assume nessa perspectiva importância fundamental;

A dupla problemática da terra: - países ricos e pobres;- dimensão teológica da ecologia; - terra como fonte de inúmeros conflitos e de violentos crimes;

Ecologia e teologia: - a ecologia está a exigir um repensamento da teologia da criação:

comunhão profunda com o cosmos.

Escatologia e criação: - busca-se a unidade entre criação, história e escatologia;

5. De uma teologia preocupada com as estruturas sociais para uma teologia aberta às culturas (etnias) em vista de real inculturação e inserção na dupla dimensão de prática e festa do povo latino-americano

Da estrutura para a etnia: - TdL: a temática da cultura, da raça não tinha ainda ganho o destaque merecido;

A realidade indígena: - é fundamental perguntar-se pelo rosto índio de Deus;

Etnia negra: - desenvolve-se verdadeira "teologia negra";

O desafio da enculturação: - questão da inculturação do evangelho na cultura mestiça, negra e indígena de nosso continente; - Conferência de Santo Domingo inclui explicitamente a questão da cultura em íntima articulação com a evangelização e a promoção humana;

A práxis e a festa: - TdL, de modo especial no estudo dos sacramentos, tem procurado articular a práxis com a festa; - festa denota a dimensão de celebração tão fundamental em todo sacramento. celebração que não só recorda, atualiza, anuncia, mas também engaja aquele que a faz (práxis);

(6)

6. De um Deus revelador e libertador à pessoa de Jesus identificado com os pobres até o dom de sua vida (martírio)

Dimensão histórica da revelação: - no confronto com a realidade latino-americana, a revelação é vista no esforço de libertar-se das falsas imagens de Deus e de afirmar o Deus da vida;

Ateísmo e idolatria: - não é o ateísmo, mas a idolatria a questão central; - em nossos países, não se nega a Deus, mas toma-se-lhe o santo nome em vão, adorando os deuses do dinheiro, do poder, do prazer;

O Deus dos pobres: - verdadeiro Deus é o Deus dos pobres; - pessoa e prática de Jesus manifestam que Deus, seu Pai, tem amor de predileção para com os pobres e quer sua libertação;

Nova imagem de Deus: - do Deus criador providente para o Deus pessoal envolvido na história; do Deus Pai poderoso para o Deus Pai misericordioso e libertador do povo; do Deus Altíssimo para o Deus próximo; do Deus legislador ao Deus comprometido com a liberdade e libertação humana (...);

Martírio: - o pobre é martirizado cada dia pela miséria e por diversas outras formas de violência; - o martírio reflete a dupla face de graça e de pecado; - os mártires da fé cristã colocam-se no seguimento de Jesus e participam desse martírio primigênio; - o assombro dos mártires da A. Latina consiste em serem assassinados em nações culturalmente católicas da civilização ocidental;

7. De uma posição crítico-militante à aceitação crítica da religiosidade popular

Desconfiança diante da religiosidade popular: sua alienação - TdL participou do conhecido preconceito intelectualista a respeito do popular; - há uma alienação radical na religiosidade dos pobres que lhes impede assumir pessoal e conscientemente o processo de libertação;

Leitura crítica positiva: - na religiosidade popular há tanto elementos e germes libertadores e de resistência como alienantes e introjetados das classes dominantes;

Estudos particularizados: - milagre e o milagroso; religião popular no mundo negro;

presença de Nossa Senhora na fé do povo; Padrinho Cícero, Frei Damião...

Religiosidade popular e enculturação: - texto definitivo de São Domingos valoriza a religiosidade popular como expressão privilegiada da inculturação da fé;

Religiosidade popular recria a TdL: - religiosidade popular oferece a possibilidade de uma recriação da TdL, fazendo uma leitura da revelação numa perspectiva bíblica, desde a história e a simbologia do povo;

8. De uma concentração na teologia da práxis à busca de uma espiritualidade que a fundamente

No início está a práxis: - TdL nasceu como uma teologia da práxis e para a práxis;

Presença do pobre na experiência espiritual fundante: - trata-se de uma espiritualidade em que os pobres aparecem como lugar histórico da conversão ao Evangelho;

O seguimento de Jesus: - espiritualidade funda-se sobre o seguimento de Jesus Cristo que optou pelos pobres;

Característica bíblico-litúrgica: - C. Mesters: uma leitura espiritual da Escritura em íntima articulação com a vida; - círculos bíblicos são esta escola;

Vertente inaciana: - espiritualidade inaciana: Exercícios Espirituais numa perspectiva libertadora;

Tendência ecológica: - ecologia e compreensão holística da realidade numa perspectiva da espiritualidade;

(7)

No campo da Vida religiosa: - VR na América Latina processou uma verdadeira ruptura com modelos anteriores, no sentido de radicalidade evangélica;

9. Da presença discreta de elementos feministas sobretudo no referente à mariologia para uma afirmação clara, explícita e ampla da teologia na ótica da mulher

- TdL não desconheceu a presença do feminino na sua elaboração: referência a Maria.

Devoção popular mariana: - estudar tradições marianas como as de Guadalupe, de Copacabana e da Mãe libertadora na época da independência; - na tradição popular brasileira, estudou-se a significação antropológica de Nossa Senhora Aparecida, em cuja devoção aparecem as três faces do catolicismo brasileiro: oficial, popular e afro;

Surgimento da teologia feminina: - teologia feminina, rompendo o silêncio , tem-se afirmado com um grupo de teólogas mulheres de abundante e qualificada produção teológica; - a mulher é duplamente oprimida, enquanto pobre e mulher;

Teologia feminina e feminismo: - luta semântica: termo teologia feminista; - opta-se por uma teologia na ótica da mulher ao revelar que é ela quem faz a reflexão;

Temas da teologia feminina: - a emancipação corporal da mulher, a partir da experiência de vida e do trabalho com mulheres pobres na sua luta pela sobrevivência; a hermenêutica bíblica e com conteúdos ligados à relação teoria-práxis na perspectiva da mulher; - crer e invocar a Deus no feminino, de conhecer as características femininas de Deus na própria revelação;

10. Uma teologia em confronto com o capitalismo na perspectiva econômica

Teologia e economia: - relação teologia e economia deveria vir por necessidade interna da própria proposta teórica da TdL; - as teorias econômicas têm implicações não só éticas como também teológicas; - crítica teológica à economia se torna absolutamente necessária;

Idolatria do capitalismo: - cabe à teologia desmascarar o “evangelho” do neoliberalismo que prega a trindade do capital (deus pai), do mercado (messias) e da livre iniciativa (espírito):

um deus que abençoa os ricos e pune os pobres;

11. Da hegemonia da Igreja católica para uma situação religiosa plural - Censo de 1991: 4 mil novas denominações religiões;

12. Além de continuar sendo uma teologia-sujeito passa também a teologia-objeto - coleção "Teologia e Libertação": umas 50 obras; - inúmeras dissertações de mestrado e teses de doutorado sobre teólogos da libertação;

13. Outros campos

- campo bíblico; - teologia moral; - história da Igreja; - ética e bioética;

VI - Correntes teológicas e ideológicas diante da TdL

1. Conservadorismo

- o maior adversário da teologia conservadora tornou-se a TdL;

Posição conservadora tradicional: - há toda uma corrente teológico-pastoral de pura conservação; - teologia conservadora sente-se atualmente reforçada por causa do desafio do surto crescente das seitas pentecostais;

Posição ultraconservadora: - revista teológica – Permanência; - adesão ao cisma de Mons.

Lefebvre; manifesto de apoio ao bispo cismático D. Castro Mayer; manutenção rígida e literal da disciplina tridentina, considerando abusivas as modificações do Concílio Vaticano II;

Documento preparatório de São Domingos: - regrediu-se à teologia do século XIX, anterior ao Concílio Vaticano I;

(8)

2. Neoconservadorismo

Inícios ligados ao Concílio Vaticano II: - teologia moderna européia que esteve na origem do Concílio Vaticano II; - Frei Boaventura Kloppenburg, foi o divulgador maior dessa teologia na Igreja do Brasil;

Confronto com a TdL: - a teologia liberal foi tornando mais conservadora;

Questão eclesiológica: - ponto central é a Igreja popular: pontos de maior divergência e crítica à TdL por parte dessa corrente teológica; conceito de "popular" é identificado com pobre, e este com oprimido e este, por sua vez, com classe no sentido marxista.

Outros temas teológicos: - defronta-se com os temas fundamentais da TdL: seu método, a questão da práxis, a unidade da história, o uso das ciências humanas, a questão do pobre, o lugar teológico.

Questão ideológica: - dirige-se a crítica diretamente à questão ideológico-política, que está implicada na TdL;

Crítica metodológica: - divergências teológicas e ideológicas levam necessariamente a um confronto mais profundo metodológico;

Tentativa de superação: teologia da reconciliação : - com a Exortação Apostólica de João Paulo II Reconciliatio et paenitentia desenvolve-se uma teologia centrada na categoria da reconciliação; - reconciliação do ser humano com Deus e consigo mesmo culmina com a volta à vida em caridade, possibilitando realizar o projeto de uma comunidade de amor, de uma sociedade fraterna, manifestação do plano de Deus;

Teologia carismática: - TdL responde à realidade social de opressão e libertação; - teologia carismática, da sua parte, vem de encontro a outro reclamo do momento atual: crise de sentido;

- teologia carismática não nasceu em solo latino-americano; - teologia carismática latino- americana não tem nenhuma originalidade em relação à mesma que se desenvolve nos Estados Unidos e na Europa;

Comunhão e libertação: - posição de "Comunhão e Libertação" opõe-se à TdL na dupla perspectiva teológica e política;

3. Crítica independente

- teólogos e filósofos, criticam a fragilidade da base empírica da TdL e à deficiência do embasamento filosófico;

- outra área de críticas toca a pretensão utópica e messiânica da TdL;

- TdL, na crítica de alguns autores, não escapa de certo "imanentismo historicista" por deixar-se embalar pelo pensamento utópico de corte marxista;

- além destas críticas teóricas, constata-se que a TdL não tem conseguido responder aos problemas da "intelligentsia" sobretudo técnica e tecnológica da sociedade moderna, ao restringir-se quase exclusivamente ou às classes populares ou à problemática estritamente social;

Conclusão

O autor tentou mostrar uma teologia viva e em tensão. O pólo escolhido foi a TdL.

Segundo ele, apesar de tanta objeção e crítica, ela continua renovando-se, buscando novos temas, cobrindo tarefa importante no seio da Igreja.

Resumo feito por Denilson A. Rossi denilson.rossi@hotmail.com

Imagem

Referências

  1. R (1
  2. io ,
temas relacionados :