Cartas de controle

Top PDF Cartas de controle:

CONTROLE DE QUALIDADE DE BIODIESEIS DE PINHÃO MANSO E CRAMBE USANDO ESPECTROMETRIA NO INFRAVERMELHO MÉDIO E CARTAS DE CONTROLE MULTIVARIADAS

CONTROLE DE QUALIDADE DE BIODIESEIS DE PINHÃO MANSO E CRAMBE USANDO ESPECTROMETRIA NO INFRAVERMELHO MÉDIO E CARTAS DE CONTROLE MULTIVARIADAS

Conforme apresentado na seção 4.2.2.6.1, as cartas NAS monitoram a qualidade do analito de interesse. Ela apresenta dois limites, superior e inferior. Se o teor do biodiesel na mistura estiver acima do especificado na qualidade, o valor NAS da amostra extrapola o limite superior. Porém, com baixos teores extrapola o limite inferior. As cartas interferentes indicam a qualidade do interferente, ou seja, indica se a qualidade do diesel está dentro da especificidade da qualidade. Além disso, como as cartas interferentes modelam todos os componentes da amostra menos o analito de interesse, a presença de adulterantes ou contaminantes na mistura também pode ser detectada nessas cartas. O seu valor de d- estatístico indica a distância da projeção da amostra no espaço interferente ao centro da elipse ou das PCs. A carta resíduo representam as informações não modeladas pelos vetores NAS e interferente. Isso significa que, em Cartas de Controle Multivariadas, as informações ou adulterantes não modeladas pelas cartas NAS e interferente são modeladas por esta carta.
Mostrar mais

111 Ler mais

Cartas de controle para gerenciamento de operações agrícolas mecanizadas

Cartas de controle para gerenciamento de operações agrícolas mecanizadas

Gestão significa manter um ciclo de acompanhamento contínuo sobre os sistemas produtivos, elegendo indicadores a serem comparados com padrões e metas, e atuando sobre as discrepâncias. Neste contexto, o desenvolvimento de tecnologias auxilia no monitoramento de operações e, combinados com ferramentas de controle de qualidade, podem auxiliar na detecção de falhas, no planejamento estratégico e nas tomadas de decisão. Desta forma, objetivou-se no presente trabalho aplicar ferramentas de qualidade na gestão da utilização de um grupo de tratores agrícolas que realizam operações de preparo de solo, visando estudar a variabilidade do processo em estudo, bem como selecionar ferramentas e qual seu melhor ajuste para sua aplicação. O trabalho foi desenvolvido a partir de dados gerenciais de uma empresa agrícola localizada no município de Matão – SP, onde foram estudados também ferramentas de apontamento, e as análises dos dados foram baseadas no controle estatístico de qualidade, sendo utilizadas as cartas de controle, com diversos modelos e diferentes níveis de rigor. Foram atribuídos indicadores gerenciais para os tratores avaliados, e as ferramentas de controle se mostraram aplicáveis à análise das operações, fornecendo parâmetros complementares aos indicadores já utilizados. Destas, as cartas de controle para valores individuais se destacaram no monitoramento da utilização dos tratores, na detecção de pontos de investigação e, consequentemente, na busca pela otimização do processo. Quanto aos tratores, se mostraram operacionalmente distintos entre si, havendo a presença de tratores utilizados com menor frequência e outros utilizados mais intensamente.
Mostrar mais

69 Ler mais

Aplicação de cartas de controle no processo de fabricação de pisos sólidos de tauari (Couratari oblongifolia).

Aplicação de cartas de controle no processo de fabricação de pisos sólidos de tauari (Couratari oblongifolia).

RESUMO: As atividades básicas de controle da qualidade na fábrica estão nas repetições de análise e melhorias, para reduzir as variações de qualidade. Faz-se necessário então determinar a magnitude das variações atuais e prosseguir com os fatores que as causam. No controle de qualidade, faz-se a análise, pesquisa e prevenção da ocorrência de defeitos, minimizando o prejuízo ou, melhor ainda, evitando que isto aconteça. Este trabalho analisou, por meio de cartas de controle de variáveis, a qualidade de produção do setor de moldureiras, no processo de fabricação de pisos de tauari (Couratari oblongifolia Ducke & R. Knuth). Foram coletadas vinte e sete amostras de tamanho um. As variáveis avaliadas foram: largura, espessura e comprimento do macho, espessura e profundidade da fêmea, além da largura e espessura do piso. Os resultados demonstraram que todas as variáveis apresentaram-se fora de controle estatístico de qualidade. Entre as variáveis avaliadas, a espessura da fêmea apresentou a maior variabilidade do processo, em razão da alta contração da madeira dessa espécie, tendo como consequência a necessidade de produção da fêmea com maior espessura que a especificação, em razão da adsorção de umidade durante o processo e assegurar que ocorra encaixe perfeito do macho e fêmea. Palavras-chave: Controle de qualidade, pisos em madeira tropical, qualidade de produção.
Mostrar mais

6 Ler mais

O efeito da autocorrelação no planejamento das cartas de controle de x̄ e EWMA.

O efeito da autocorrelação no planejamento das cartas de controle de x̄ e EWMA.

Resumo: No planejamento dos gráficos de controle destinados ao monitoramento da média do processo, assume-se que esta permanece fixa em seu valor-alvo até a ocorrência de uma causa especial, que a desloca. Em muitos processos, contudo, é mais razoável supor que a média oscila mesmo na ausência de causas especiais. Para descrever este comportamento oscilatório, tem-se utilizado o modelo AR (1). Quando esta oscilação é grande, o melhor desempenho do gráfico de X é obtido com amostras unitárias. O mesmo não se observa com a carta de EWMA (exceto quando o parâmetro de ponderação λ é próximo de um); os melhores desempenhos são obtidos com a adoção de amostras de tamanho n > 1 e λ pequeno, mesmo quando o objetivo é a detecção rápida de grandes deslocamentos da média. Neste estudo, tem-se utilizado como medida de desempenho o TES – tempo médio entre a ocorrência de uma mudança na posição em torno da qual a média oscila e sua sinalização pelo gráfico de controle. Quando a média do processo oscila, o TES passa a ser uma função do número esperado de visitas aos estados transientes de uma cadeia de Markov.
Mostrar mais

13 Ler mais

Qualidade da aplicação aérea líquida com uma aeronave agrícola experimental na cultura da soja (Glycine Max L.).

Qualidade da aplicação aérea líquida com uma aeronave agrícola experimental na cultura da soja (Glycine Max L.).

RESUMO: Os avanços da tecnologia de aplicação aérea de agroquímicos têm-se dado na direção de redução do volume de calda, o que pode ocasionar má distribuição e consequente deposição irregular. O presente trabalho teve como objetivo avaliar a qualidade da aplicação de calda de pulverização em aplicação aérea, na cultura da soja (Glycine Max L.). Para a aplicação, foi utilizada uma aeronave agrícola experimental, aplicando um volume de calda de 20 L ha -1 . Para a determinação dos volumes depositados nas folhas do terço superior, médio e inferior das plantas de soja, foi utilizado corante alimentício azul brilhante adicionado à calda de pulverização. Estas folhas foram lavadas, e o volume determinado por espectrofotometria. Para a obtenção do espectro de gotas, foram utilizados alvos artificiais constituídos por papel hidrossensível, distribuídos no terço superior e médio das plantas. Os dados foram submetidos à análise de variância de fator único, considerando as diferentes posições na planta, e cartas de controle foram feitas a partir dos limites inferior e superior de controle. A aplicação aérea de calda de pulverização na cultura da soja apresentou menores valores de diâmetro da mediana volumétrica, amplitude relativa e cobertura no terço médio em relação ao terço superior da cultura da soja. Houve menor deposição da calda de pulverização no terço inferior. Os indicadores de cobertura da calda de pulverização demonstraram que a aplicação aérea com a aeronave agrícola experimental avaliada não se encontra sob controle estatístico de processo, ou seja, fora do padrão de qualidade.
Mostrar mais

9 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA LABORATÓRIO DE QUIMIOMETRIA DO TRIÂNGULO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA INSTITUTO DE QUÍMICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM QUÍMICA LABORATÓRIO DE QUIMIOMETRIA DO TRIÂNGULO

A Lei nº 13.033/2014 estabelece a adição de 7 ± 0,5% (v/v) de biodiesel ao óleo diesel utilizado no sistema viário e proíbe a adição de óleos vegetais ou quaisquer solventes nesta mistura. No entanto, há casos de adição irregular de óleos vegetais e/ou residuais no diesel devido, principalmente, ao baixo custo destas matérias-primas em comparação com o produto final ou contaminado durante seu transporte e armazenamento. Assim, são necessárias análises que forneçam respostas imediatas e eficientes para garantir a qualidade dos combustíveis comercializados. Nesse sentido, o presente trabalho propõe o monitoramento da qualidade das misturas biodiesel/diesel (7% de biodiesel e 93% de diesel) usando a Espectrometria no Infravermelho Médio associada a Cartas de Controle Multivariadas baseadas no sinal analítico líquido (NAS). Os biodieseis foram produzidos a partir de óleos de macaúba e algodão usando metanol e etanol. Para cada modelo, foram desenvolvidas três cartas (gráficos): a Carta NAS, que corresponde ao analito de interesse (nesse caso o biodiesel), a carta interferente, relacionadas às contribuições de outros componentes na amostra (diesel), e a carta resíduo correspondendo à variação não sistemática nos espectros (ruído instrumental). Foram analisadas 1508 amostras utilizadas na calibração e validação de seis modelos (biodieseis etílicos e metílicos de algodão, biodieseis metílicos da amêndoa da macaúba, biodieseis metílicos e etílicos do mesocarpo da macaúba, e também de B7 comercial). Na etapa de calibração foram usadas 103 amostras dentro das especificações de qualidade, amostras estas usadas para estabelecerem os limites estatísticos para cada carta. A etapa de validação se deu com amostras dentro e fora das especificações de qualidade (1405 amostras). A validação com amostras fora dos padrões de qualidade foi feita de duas maneiras: em relação ao teor de biodiesel no diesel e à presença de adulterantes no biodiesel, no diesel e na mistura. A presença de adulterantes se deu por substituição parcial do biodiesel por óleos de soja, milho e residual, substituição parcial do diesel por óleo lubrificante, querosene e gasolina e por adição direta dos adulterantes citados na mistura biodiesel/diesel (B7) na faixa de 3,5 a 43,5% (v/v) correspondendo a uma faixa de adulteração de 0,2 a 30% (v/v) na mistura. Assim, foi possível separar as amostras conformes e não conformes tanto em relação ao teor de biodiesel no diesel quanto à presença de adulterantes, uma vez que as amostras dentro das especificações ficaram dentro dos limites estabelecidos e as amostras fora das especificações saíram do limite em pelo menos uma das cartas. Desta maneira, os resultados mostraram que o método descrito neste trabalho é uma alternativa viável, eficiente e rápida no controle de qualidade de biocombustível.
Mostrar mais

98 Ler mais

Qualidade da colheita mecanizada de feijão (Phaseolus vulgaris) em dois sistemas de preparo do solo.

Qualidade da colheita mecanizada de feijão (Phaseolus vulgaris) em dois sistemas de preparo do solo.

Na Figura 3 estão apresentadas as cartas de controle para as variáveis relacionadas à qualidade da operação de colheita, nas cartas de controle para produção de matéria seca pela cultura (MS) observa-se que para os dois sistemas de preparo de solo a variável se comportou de maneira bastante semelhante ao longo dos pontos amostrais, contudo para a área de preparo convencional detectou-se um ponto amostral acima do LSC sendo característico de um local na área onde a cultura produziu uma quantidade superior de matéria seca, tornando a variável fora de controle estatístico.
Mostrar mais

9 Ler mais

Variabilidade espacial e controle estatístico do processo de perdas na colheita mecanizada do algodoeiro.

Variabilidade espacial e controle estatístico do processo de perdas na colheita mecanizada do algodoeiro.

RESUMO: Dentro do processo produtivo, a colheita, se mal conduzida, poderá causar prejuízos quali-quantitativos no produto final. Dessa forma, esse trabalho teve o objetivo de avaliar as perdas quantitativas, no solo e na planta, na colheita mecanizada de algodão, no ano agrícola de 2006, em Ipameri-GO, em um talhão de 1,4 ha, sendo georreferenciados 41 pontos, distanciados de 50 m no sentido da curva de nível e 9 m entre fileiras. As amostras foram coletadas colocando-se uma armação de 4,5 m 2 sobre o solo, coletando todo o algodão caído no solo e, em seguida, fez-se a coleta do algodão que permaneceu na planta após a passagem da colhedora. Além das perdas quantitativas determinaram-se o teor médio de água do algodão e o Rendimento Potencial Máximo (RPM). Foram construídas cartas de controle para verificar a qualidade da operação de colheita. Observou-se que as perdas na colheita do algodão foram altas, principalmente as perdas no solo (PS), indicando que a colhedora não apresentou boa eficiência de colheita. As perdas no solo não apresentaram dependência espacial, enquanto as perdas na planta e totais apresentaram dependência moderada e forte, respectivamente. O processo de colheita de algodão não se encontra dentro dos padrões de qualidade, sob o ponto de vista de controle estatístico de processo, devendo ser revistas as condições de colheita.
Mostrar mais

11 Ler mais

Controle estatístico aplicado ao processo de colheita mecanizada de cana-de-açúcar.

Controle estatístico aplicado ao processo de colheita mecanizada de cana-de-açúcar.

As cartas de controle para a variável perdas em rebolo estilhaçado (Figura 2) indicam que o processo também se encontra fora de controle, visto que há pontos que saem dos limites nas duas cartas. Como essas perdas estão relacionadas com o exaustor primário, quando a velocidade desse está muito elevada, o rebolo repicado será sugado junto com a terra e a palha, sendo lançado fora dos transbordos como matéria estranha. Ao passar pelo ventilador, os rebolos são atingidos pelas pás, sendo, então, estilhaçados. De acordo com as cartas de controle, nota-se que há mais pontos entre os limites de controle para o 3 o corte. As perdas médias do rebolo estilhaçado ficaram próximas a 1,0% e a 1,5%, no 4 o e no 3 o cortes, respectivamente; segundo RIPOLI (2001c), essa perda é classificada como rebolos rachados, e em suas pesquisas ocorrem na ordem de 3,6%, sendo esse dado obtido por meio de vários ensaios de diversas colhedoras.
Mostrar mais

13 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DCCSEGRAC

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO ESCOLA POLITÉCNICA DCCSEGRAC

4.3.2.2 Cartas de controle – são gráficos que apresentam os resultados de um processo ao longo do tempo. São utilizadas para determinar se um processo está sob controle. Quando um processo está sob controle ele não deve ser ajustado. O processo pode ser modificado para proporcionar melhorias, mas não ajustado quando está sob controle. Elas podem ser utilizadas para monitorar qualquer tipo de saída. Embora mais freqüentemente utilizadas no acompanhamento de atividades repetitivas, tais como lotes de verificação, as cartas de controle podem também ser empregadas para monitorar as variações de custo e prazo, volume e freqüência de mudanças no escopo, erros nos documentos do projeto ou outros resultados do gerenciamento para ajudar a determinar se o processo de gerenciamento do projeto está sob controle. Para criar uma carta de controle, amostras são recolhidas, variáveis medidas e atributos encontrados. Os atributos são “plotados” no gráfico. Maiores detalhes são encontrados no Item 8 – Tópicos Especiais.
Mostrar mais

64 Ler mais

E LÉTRICA P LANO DEC URSO DED OUTORADO

E LÉTRICA P LANO DEC URSO DED OUTORADO

O segundo arranjo de medição se localiza nas proximidades do LEAT/UFMG, na região pertencente ao laboratório, denominada Campo de Testes. Diferente do primeiro arranjo, este segundo representa uma situação ainda mais próxima da realidade. O solo onde será instalado o arranjo em modelo reduzido será composto por camadas do solo local e de solos com resistividade controlada através de tratamento químico, ou através da composição de outros tipos de solo, como por exemplo a bentonita. A Fig. 4 apresenta uma fotografia do arranjo em construção. Na fotografia é possível visualizar uma cavidade no solo com volume de aproximadamente 21 m³. Esta cavidade permitirá o controle do solo e o estudo dos efeitos do solo estratificado nos fenômenos eletromagnéticos correlatos a tensão induzida em linhas e em redes elétricas.
Mostrar mais

18 Ler mais

O Controle do Fluxo das Cartas e as Reformas de Correio na América Portuguesa (1796-1821)

O Controle do Fluxo das Cartas e as Reformas de Correio na América Portuguesa (1796-1821)

Por meio dos preços estipulados para os portes, é possível perceber como funcionava o conceito de distância dos agentes de governo responsáveis por instituir os correios. Note-se que as comunicações por mar, tanto internas quanto externas, eram as mais baratas. Em contrapartida, as comunicações por via terrestre eram as mais caras, ultrapassando inclusive o preço das cartas enviadas de qualquer capitania costeira para o Reino. Isso provavelmente se deu porque o custo associado ao envio pelas vias terrestres era muito mais caro do que pela via marítima. Se fazia necessário dispor de toda uma estrutura de pessoas dispostas a trilhar frequentemente esses caminhos (os carregadores de mala e seus escravos), sem contar com a utilização de animais para carregar o peso. Tudo isso tinha um valor associado, e poderia custar muito mais caro do que mandar a mala de correio por meio de um navio de comércio que iria para Lisboa, por exemplo. Portanto, embora a distância física entre Lisboa e as capitanias costeiras fosse muito maior do que a distância entre Minas Gerais e o Rio de Janeiro, em termos de custos de acesso, esses dois últimos territórios acabavam por serem mais desafiadores.
Mostrar mais

351 Ler mais

Medição de Ruídos Eletromagnéticos Irradiados em Sistemas Fotovoltaicos

Medição de Ruídos Eletromagnéticos Irradiados em Sistemas Fotovoltaicos

Os conversores c.c.-c.a. são equipamentos que utilizam dispositivos semicondutores para o chaveamento da tensão contínua, a fim de convertê-la em tensão alternada. Este chaveamento geralmente é realizado através de um controle PWM de alta frequência (que em geral é de algumas dezenas de kHz), para evitar poluições harmônicas de baixa frequência e reduzir o tamanho físico dos conversores [5]. Assim, os conversores c.c.-c.a. podem ser considerados uma potencial fonte de ruído que é conduzido através dos cabos c.c. e irradiado para o ambiente através dos mesmos. Embora o chaveamento dos conversores seja de algumas dezenas de kHz, existem as componentes de frequência relacionada ao tempo de subida e aos transitórios eletromagnéticos dos pulsos PWM que estão na faixa de algumas dezenas a centenas de MHz [6]. Além disso, as indutâncias longitudinais e as capacitâncias transversais distribuídas ao longo do cabo c.c. devido a sua grande extensão, e ainda as capacitâncias dos painéis devido a sua grande área, podem representar um circuito ressonante para várias frequências [2], [3]. De fato, alguns estudos mostram que ruídos irradiados na faixa de algumas dezenas de kHz até centenas de MHz são observados, em amplitudes significativas, quando os inversores são ligados. Em [3] o autor propõe um modelo para representar o circuito equivalente de um sistema fotovoltaico. Este modelo além de considerar os parâmetros distribuídos ao longo do sistema, a fim de descrever o circuito ressonante e o ruído conduzido, considera também parâmetros que representam a parcela do ruído que é irradiado para o ambiente. Em [7] é feita uma análise do efeito dos painéis no processo de irradiação do ruído, neste trabalho é possível verificar que o cabo é o fator determinante, no entanto, os painéis também contribuem significativamente no nível de ruído que é irradiado.
Mostrar mais

6 Ler mais

CARTAS DE LITERATURA   COLETÂNEA

CARTAS DE LITERATURA COLETÂNEA

Então, o “lugar das cabras pretas”, não será mais conhecido com o nome.. que Cabrobó herdou; mas o projeto onde Ignácio se enterrou..[r]

13 Ler mais

Cartas de um solitário.

Cartas de um solitário.

Quem escreve estas cartas, desconhecendo os paladinos da Arte da rua do Ouvidor, estranho a côtteries, vivendo como que re- cluso no interior de um estado, para onde levou-o voluntariamente o seu temperamento avido de paz, pode, pois com perfeita impar- cialidade, fazer justa critica dos laureados poetas.

3 Ler mais

Rasgue minhas cartas

Rasgue minhas cartas

Dirigido por André Carreira, “Rasgue minhas cartas” foi produzido pelos alunos da disciplina de Montagem I – 2015 do curso de Licenciatura em Teatro da Universi- dade do Estado de Santa Catarina em junho último. Trata-se de uma nova versão do texto “Open House”, do argentino Daniel Veronese. Temas como solidão, abandono e dificuldade de lidar com os acordos afetivos são abordados por Alunos de Teatro na obrigação de dizer algo em cena. Tendo feito apresentações ao longo do segundo semestre do ano, o trabalho tem destaque nas atuações de Ana Flavia Zechini, Camila Passos e Thuanny Paes, mas principalmente na de Marina Argenta, essa última em ex- celente participação. Na estranha inexistência de uma grade dividida em temporadas, que organizaria o mercado das artes cênicas em Florianópolis, o grupo faz apresenta- ções esparsas as quais o público da capital catarinense deve acorrer quando possível.
Mostrar mais

18 Ler mais

Cartas ao Editor

Cartas ao Editor

Sérgio, naquele momento e diante das mesmas testemunhas, que não tinha condições emocionais nem coragem para lhe fazer aquela comunicação, posto que lhe era devedor de muita, profunda e [r]

6 Ler mais

Cartas ao editor

Cartas ao editor

A partir daí, veio o reconhecimento do mundo científico, que passou a ver a Unidade Sanitária Murialdo como um local dentro da comunidade onde se desenvolviam pela primeira vez em nosso [r]

7 Ler mais

CARTAS DE UMA MORTA

CARTAS DE UMA MORTA

OS PAIS DA TERRA NÃO SÃO OS CRIADORES E SIM OS ZELADORES.. H..[r]

128 Ler mais

CARTAS: A TEATRALIZAÇÃO DO EU?

CARTAS: A TEATRALIZAÇÃO DO EU?

Observei como o discurso da imprensa pautado nos mitos de veracidade, objetividade, neutralidade e imparcialidade (MARIANI 2005) eram percebidos pelos leitores através da publicação de cartas pela editoria das revistas; também observei como a subjetividade, por conta do espaço reservado às cartas ser construído de forma distinta do todo dessas revistas (ou seja, aqui, no imaginário em torno dessas seções, tudo pode ser dito por qualquer um), se materializava nesses textos: se realmente havia uma

16 Ler mais

Show all 10000 documents...