Top PDF Biometria de frutos e germinação de sementes de Couratari stellata A. C. Smith (Lecythidaceae).

Biometria de frutos e germinação de sementes de Couratari stellata A. C. Smith (Lecythidaceae).

Biometria de frutos e germinação de sementes de Couratari stellata A. C. Smith (Lecythidaceae).

RESUMO - Estudou-se as características biométricas de frutos e quantificou-se a germinação em Couratari stellata, espécie cuja altura varia de 30 a 40 m e ocorre em solos de terra firme das Guianas até a região central e oeste da Amazônia. Determinou-se o comprimento e o número de sementes por fruto; número de sementes completamente formadas e de sementes vazias; o grau de umidade; a massa de 100 sementes; a percentagem de germinação, de plântulas anormais e de sementes mortas; e o tempo médio de germinação. A semeadura foi realizada em substrato de areia e serragem na proporção de 1:1, em quatro repetições de 50 sementes. Comprimento e número de sementes por fruto variaram de 59,0 a 97,0 mm e de cinco a 26 sementes. As percentagens de sementes completamente formadas e de sementes vazias foram de 93,3% e 6,7%, respectivamente. A massa de 100 sementes foi de 10,7 g com 56,8% de umidade. A germinação foi lenta e desuniforme iniciando-se aos 29 dias após a semeadura, atingindo a germinação de 82,5% aos 65 dias. O tempo médio de germinação foi de 45,5 dias. A percentagem de sementes mortas e de plântulas anormais foi de 17,0% e 0,5%, respectivamente. Não houve relação entre tamanho de frutos e número de sementes por fruto. Observou-se também que sementes de C. stellata apresentam dormência.
Mostrar mais

8 Ler mais

Biometria de frutos e sementes e germinação e curupixá (Micropholis cf. venulosa Mart. & Eichler - Sapotaceae).

Biometria de frutos e sementes e germinação e curupixá (Micropholis cf. venulosa Mart. & Eichler - Sapotaceae).

Os testes de germinação foram conduzidos em delineamento inteiramente casualizado com três tratamentos (graus de umidade das sementes) e quatro repetições de 50 sementes. Os dados de biometria de frutos e sementes foram analisados através da distribuição de freqüência, sendo os intervalos de classe estimados de acordo com Beiguelman (1991) e Caballero (1985). Os dados referentes as variáveis germinação, tempo médio de germinação, dias para início da germinação e as percentagens de plântulas anormais e de sementes mortas, foram submetidos ao teste de Bartlett para verificação da homogeneidade das variâncias (Zar, 1996), o qual demonstrou ser necessário realizar a transformação da porcentagem de germinação e de dias para início da germinação, sendo utilizado e log (x+1), respectivamente. Efetuou-se análise de variância e o teste de Tukey a 5% para comparação das médias para todas as variáveis, exceto para a porcentagem de germinação que foi efetuada análise de regressão através do software Statistica (Statsoft, 1998). A tabela e os gráficos das regressões foram construídos com dados originais.
Mostrar mais

10 Ler mais

Biometria de frutos e sementes e germinação de Magonia pubescens ST.Hil (sapindaceae).

Biometria de frutos e sementes e germinação de Magonia pubescens ST.Hil (sapindaceae).

RESUMO - Magonia pubescens é uma espécie arbórea típica do cerrado com grande potencial de utilização tanto pelas suas características econômicas quanto ecológicas. O objetivo do trabalho foi o de avaliar as características biométricas de frutos e sementes dessa espécie e seu potencial germinativo. Para as avaliações de biometria, foram utilizados 28 frutos e 293 sementes provenientes de matrizes localizadas em Aquidauana – MS. O estudo foi realizado no laboratório de Fisiologia Vegetal e em viveiro pertencentes à Faculdade de Ciências Agrárias (FCA) da Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD). Os frutos apresentam grande variação no tamanho, peso e no número de sementes, tendo em média 6,66 cm de comprimento; 8,14 cm de diâmetro; 248,21g de massa fresca e 13,14 sementes As sementes apresentam pequena variação no tamanho quando comparadas aos frutos, tendo em média 4,81 cm de comprimento; 8,44 cm de largura e 3,5g de massa fresca. Para o estudo da germinação as sementes receberam os seguintes tratamentos: 1) KNO 3 1% 24h; 2) KNO 3 2% 24h; 3) GA 500 mg. L -1 24h; 4) GA 250 mg. L -1 24h; 5) Água 24h; 6) Controle. O experimento
Mostrar mais

10 Ler mais

Biometria de frutos e sementes e germinação de Plathymenia reticulata benth. e Plathymenia foliolosa benth. (Fabaceae - mimosoideae).

Biometria de frutos e sementes e germinação de Plathymenia reticulata benth. e Plathymenia foliolosa benth. (Fabaceae - mimosoideae).

Os frutos de Plathymenia foliolosa apresentaram diferenças significativas em relação aos frutos de P. reticulata para todas as variáveis estudadas (p < 0,001), exceto para o comprimento (Tabela 1, Figura 1). Estudos anteriores mostraram que os frutos de P. f o l i o l o s a são mais compridos do que os de P. reticulata (HERINGER e FERREIRA, 1972; ALMEIDA et al., 1998). Apesar de neste trabalho não ter sido encontrada diferença significativa entre o comprimento dos frutos das duas espécies, é importante salientar que os frutos de P. foliolosa tiveram comprimento com maior coeficiente de variação, assim como as demais dimensões (Tabela 1). Esse fato pode ser responsável pela similaridade encontrada no comprimento dos frutos dessas duas espécies. Goulart et al. (2006) também não constataram diferenças estatísticas entre comprimento dos frutos de P. reticulata (considerando-se o gênero monoespecífico) oriundos de diferentes populações da Floresta Atlântica e do Cerrado.
Mostrar mais

9 Ler mais

Biometria de frutos e sementes e germinação de jatobá-curuba (Hymenaea intermedia Ducke, Leguminosae - Caesalpinioideae).

Biometria de frutos e sementes e germinação de jatobá-curuba (Hymenaea intermedia Ducke, Leguminosae - Caesalpinioideae).

sementes de outras espécies do gênero Hymenaea, não submetidas a tratamentos para superação da dormência, também foi observada por Reis et al. (1980), em H. stilbocarpa, e por Garwood (1983), em H. courbaril. Carpanezzi & Marques (1981) mostram que o uso da escarificação de sementes de espécies do gênero Hymenaea permite obter germinação acima de 90%. É importante ressaltar que a dormência de sementes também deve ser vista como mecanismo que impede a germinação das sementes em condições inadequadas para o seu desenvolvimento (Fenner 1993). Com relação ao tempo médio de germinação, única variável que apresentou diferença significativa (p≤0,05), observou-se que as sementes escarificadas requereram 18,9 dias para germinar, enquanto que sementes não escarificadas necessitaram de 68,6 dias. Fato semelhante foi registrado por Carpanezzi & Marques (1981) em sementes de H. courbaril. Convém ressaltar que para sementes como as de H. intermedia, que apresentam tamanho grande, o que facilita o manuseio, o método de escarificação pode ser usado para grandes quantidades de sementes e apresenta razoável rendimento de mão-de-obra, possibilitando a escarificação de 1200 sementes em uma hora.
Mostrar mais

5 Ler mais

Biometria de frutos e sementes e germinação de melão-de-são-caetano.

Biometria de frutos e sementes e germinação de melão-de-são-caetano.

ABSTRACT: Biometrics of fruits and seeds and germination of balsam pear. The aims of this study were to perform the biometric characterization of fruits and seeds of balsam pear (Momordica charantia L.) and to determine the cardinal temperatures for seed germination in this species. The characterization and the experiment were conducted at the Laboratory of Seed Analysis of UFERSA in Mossoró-RN. The evaluated parameters were: length, width and thickness of seeds; moisture content; one thousand seed weight; and number of seeds per gram. For the temperature assay, sowing was done in transparent plastic boxes containing sterilized sand as substrate. The seeds were then incubated at the constant temperatures of 10ºC, 15°C, 20°C, 25°C, 30°C, 35°C and 40°C, with 8-hour photoperiod. Experimental design was completely randomized with four replicates of 50 seeds. Fruits have about 49.8mm length and 19.89 mm diameter, containing around 18 seeds. The medium dimensions of seeds are: 8.9mm length, 4.30 mm width and 2.65 mm thickness. There is germination in the range from 20 to 35ºC, but the optimal temperatures for the germination of balsam pear seeds vary between 25 and 30°C.
Mostrar mais

7 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA SAMARA FREIRE DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CENTRO DE POLÍTICAS PÚBLICAS E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO PROFISSIONAL EM GESTÃO E AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO PÚBLICA SAMARA FREIRE DE OLIVEIRA

de professores, contudo, os resultados encontrados dão conta de que este aspecto constitui-se em preocupação para gestores de escola e da sede da SEduc/AM, em re[r]

93 Ler mais

A Produção de Sementes Registradas

A Produção de Sementes Registradas

– Mantenedor é o sujeito, no caso a empresa, que tem o registro no Mi- nistério da Agricultura pra produzir sementes básicas. Não é qualquer um que consegue esse registro, tem que comprovar pro Ministério que tem capacidade técnica pra garantir a pureza varietal da semente, tem que ter uma baita estrutura... Mas o que a Noelma tá falando é que tam- bém tem que garantir o fornecimento de semente básica pra quem qui- ser comprar e isso os danados não tão fazendo, e se eles insistirem em excluir a agricultura familiar, a gente pode caçar o registro deles!

20 Ler mais

Maturação e secagem de sementes de Peltophorum dubium (Spreng.) Taubert (CANAFÍSTULA).

Maturação e secagem de sementes de Peltophorum dubium (Spreng.) Taubert (CANAFÍSTULA).

As sementes frescas e as secas de cada colheita foram submetidas ao teste de germinação, com ou sem escarificação. A escarificação foi realizada, manualmente, na extremidade oposta à hilar afinada da semente, com lixa nº 100 (SANTOS et al., 2004). O teste de germinação foi realizado com cinco repetições de 20 sementes, semeadas em duas folhas de papel mata-borrão (SP), previamente umedecidas com água (2,5 vezes o peso do substrato) e colocadas em caixa plástica transparente (gerbox) com tampa. O teste foi conduzido a 30 ºC (OLIVEIRA et al., 1989), com fotoperíodo de 8 h de luz e 16 h de escuro. As contagens foram feitas aos 7, 14, 21 e 28 dias, com avaliações das plântulas e das sementes de acordo com os critérios das Regras para Análise de Sementes (BRASIL, 1992). Os resultados foram expressos em número de plântulas normais (germinação) e anormais, sementes duras e mortas.
Mostrar mais

8 Ler mais

“Feixe de Intervenções” de Prevenção de Infeção Urinária Associada a Cateter Vesical – Normas de Orientação Clínica

“Feixe de Intervenções” de Prevenção de Infeção Urinária Associada a Cateter Vesical – Normas de Orientação Clínica

C. O “feixe de intervenções” apresenta unidade de tempo e de espaço, no sentido em que todas as intervenções ocorrem num tempo e num local ou área específicos (24,25) . Vários grupos colaborativos demonstraram melhoria de qualidade de cuidados e melhores resultados clínicos através da implementação desta estratégia (25,26) .

12 Ler mais

PROPEC-Programa de Pós Graduação em Engenharia Cívil :: ANÁLISE NUMÉRICA AVANÇADA DE ESTRUTURAS DE AÇO E DE CONCRETO ARMADO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO

PROPEC-Programa de Pós Graduação em Engenharia Cívil :: ANÁLISE NUMÉRICA AVANÇADA DE ESTRUTURAS DE AÇO E DE CONCRETO ARMADO EM SITUAÇÃO DE INCÊNDIO

A Figura 7.8 mostra o aumento de temperatura previstos para as profundidades de 10 mm, 25 mm e 100 mm na seção transversal. Os resultados do presente trabalho são comparados aos resultados experimentais de Wu et al. (1993) e aos resultados de Gao et al. (2013) que utilizou uma formulação de elementos finitos 3D através do software ABAQUS (2008). Como pode ser verificado na Figura 7.8, os resultados obtidos aqui se mostraram próximos aos da literatura. A temperatura a 100 mm da face inferior é um pouco mais baixa nos primeiros 40 minutos de exposição ao fogo quando comparado ao resultado experimental. Essa diferença pode estar relacionada à migração da umidade para a parte interna da viga, como foi observado também por Gao et al. (2013). A subestimação da temperatura tem pouco efeito sobre o desempenho das vigas, neste caso, pelo fato das propriedades mecânicas do concreto e do aço permanecerem quase inalteradas já que a temperatura ainda é relativamente baixa (cerca de 100 ° C).
Mostrar mais

218 Ler mais

A APROPRIAÇÃO DOS RESULTADOS DO PROEB: ESTUDO DE CASO DE UMA ESCOLA ESTADUAL DE JUIZ DE FORAMG

A APROPRIAÇÃO DOS RESULTADOS DO PROEB: ESTUDO DE CASO DE UMA ESCOLA ESTADUAL DE JUIZ DE FORAMG

Na apropriação do PROEB em três anos consecutivos na Escola Estadual JF, foi possível notar que o trabalho ora realizado naquele local foi mais voltado à apresentação dos [r]

127 Ler mais

PROPEC-Programa de Pós Graduação em Engenharia Cívil :: ANÁLISE NUMÉRICA DE SÓLIDOS AXISSIMÉTRICOS VIA MEF: APLICAÇÃO EM ELEMENTOS DE CONCRETO, DE AÇO E MISTOS DE AÇO E CONCRETO

PROPEC-Programa de Pós Graduação em Engenharia Cívil :: ANÁLISE NUMÉRICA DE SÓLIDOS AXISSIMÉTRICOS VIA MEF: APLICAÇÃO EM ELEMENTOS DE CONCRETO, DE AÇO E MISTOS DE AÇO E CONCRETO

O Método dos Elementos Finitos pode contribuir de forma eficiente para o cálculo de tensões, deformações e deslocamentos em estruturas tais como: tubulações de ág[r]

85 Ler mais

RESISTÊNCIA AO INTEMPERISMO ARTIFICIAL DE QUATRO MADEIRAS TROPICAIS: O EFEITO DOS EXTRATIVOS RESISTANCE TO ARTIFICIAL WEATHERING OF FOUR TROPICAL WOODS: THE EFFECT

RESISTÊNCIA AO INTEMPERISMO ARTIFICIAL DE QUATRO MADEIRAS TROPICAIS: O EFEITO DOS EXTRATIVOS RESISTANCE TO ARTIFICIAL WEATHERING OF FOUR TROPICAL WOODS: THE EFFECT

Conforme as curvas mostradas Figura 3 e baseando-se na Tabela 1 para classificar as diferenças de coloração, a garapeira (∆E* = 8,73), itaúba (∆E* = 13,34) e marupá (∆E* = 9,43) apresentaram variação de cor muito apreciável. A madeira do tauari ( ∆E* = 2,92) pode ser classificada tendo alteração de cor apreciável. Na Figura 3, fica evidente a resistência do tauari à alteração de cor, confirmando os resultados anteriores encontrados por Silva e Pastore (2007). Portanto, essa espécie é altamente recomendada para construções externas quando a alteração de cor natural da madeira não é desejada. No caso da espécie estudada Couratari estellata, essa resistência não pode ser atribuída à presença de extrativos.
Mostrar mais

8 Ler mais

Capital, força de trabalho e relações de gênero — Outubro Revista

Capital, força de trabalho e relações de gênero — Outubro Revista

A ordem de gênero capitalista, assim, é estruturalmente fundada não em um patriarcado trans-histórico ou um modo de produção doméstico separado, mas na articulação entre o mo[r]

37 Ler mais

GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA: UMA ALTERNATIVA PARA A REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO DE JUIZ DE FORA - MG

GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA: UMA ALTERNATIVA PARA A REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO DE JUIZ DE FORA - MG

(iv) Problemas de gestão podem ter contribuído para os casos de resultados insatisfatórios e em queda com relação ao IDEB, reforçando a necessidade da formação dos gestores e[r]

104 Ler mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE MARIA DE LOURDES VICENTE DA SILVA GRITOS, SILÊNCIOS E SEMENTES:

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ CENTRO DE CIÊNCIAS PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO E MEIO AMBIENTE MARIA DE LOURDES VICENTE DA SILVA GRITOS, SILÊNCIOS E SEMENTES:

mulheres desenvolveram um vasto saber sobre a agricultura, o meio ambiente, a conservação da biodiversidade e a soberania alimentar das famílias (SILIPRANDI, 2006; NOBRE, 1999). Esse s[r]

364 Ler mais

A IMPLANTAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO POR COMPETÊNCIAS NA SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS NO ANO DE 2014 – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

A IMPLANTAÇÃO DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO POR COMPETÊNCIAS NA SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MINAS GERAIS NO ANO DE 2014 – Mestrado em Gestão e Avaliação da Educação Pública

a) uma dimensão institucional-legal, voltada à descentralização da estrutura organizacional do aparelho do Estado através da criação de novos formatos organizacionais, como as agências executivas, regulatórias, e as organizações sociais; b) uma dimensão gestão, definida pela maior autonomia e a introdução de três novas formas de responsabilização dos gestores – a administração por resultados, a competição administrada por excelência, e o controle social – em substituição parcial dos regulamentos rígidos, da supervisão e da auditoria, que caracterizam a administração burocrática; e c) uma dimensão cultural, de mudança de mentalidade, visando passar da desconfiança generalizada que caracteriza a administração burocrática para uma confiança maior, ainda que limitada, própria da administração gerencial (BRESSER PEREIRA, 2014, s/p, grifos nossos).
Mostrar mais

194 Ler mais

INFLUÊNCIA DO TEOR DE FERRO NOS PARÂMETROS DE RESISTÊNCIA DE UM REJEITO DE MINÉRIO DE FERRO

INFLUÊNCIA DO TEOR DE FERRO NOS PARÂMETROS DE RESISTÊNCIA DE UM REJEITO DE MINÉRIO DE FERRO

No Capitulo 2 é apresentada uma revisão sobre as barragens de rejeitos enfatizando as características dos sistemas de disposição, as características dos rejeitos de minério de ferro, o[r]

173 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados