Top PDF Ferramenta de conversão de esquemas XML Schema para esquemas relacionais

Ferramenta de conversão de esquemas XML Schema para esquemas relacionais

Ferramenta de conversão de esquemas XML Schema para esquemas relacionais

A ferramenta desenvolvida neste trabalho possui como objetivo principal promover a função de integração de dados que trafegam entre aplicações comunicantes, as quais utilizam [r]

58 Ler mais

Uma proposta de mapeamento do modelo XML Schema para o modelo relacional

Uma proposta de mapeamento do modelo XML Schema para o modelo relacional

SGBDs relacionais existentes no mercado. Como contribuição específica, este trabalho realiza uma análise detalhada dos conceitos do modelo XML Schema, considerando estes conceitos nas regras para transformação do XML Schema em um esquema de dados relacional. A escolha de XML-Schema se dá pelo fato desta ser a recomendação atual da W3C para representação de esquemas XML e também por apresentar mais recursos para a definição de esquemas XML. Em trabalhos similares nem todos os recursos da linguagem são considerados e por isso este trabalho considera o conjunto completo de conceitos desta recomendação. Já o modelo relacional foi escolhido por ser o modelo mais utilizado por SGBDs comerciais, e pela sua maturidade, alcançada após décadas de pesquisa e desenvolvimento.
Mostrar mais

121 Ler mais

Uma Ferramenta para Conversão de Esquemas Conceituais EER para Esquemas Lógicos XML

Uma Ferramenta para Conversão de Esquemas Conceituais EER para Esquemas Lógicos XML

Devido ao crescente uso de dados XML por pessoas e aplicações, existe a necessidade de um gerenciamento destes documentos XML por Sistemas de Gerência de Banco [r]

83 Ler mais

Um tradutor de esquemas relacionais em XML para esquemas SQL

Um tradutor de esquemas relacionais em XML para esquemas SQL

Assim sendo, este trabalho tem por objetivo criar uma ferramenta de apoio ao mapeamento e extração de esquemas relacionais especificados em arquivos XML, bem como a geraçã[r]

55 Ler mais

conhecimento prévio e teoria dos esquemas :: Brapci ::

conhecimento prévio e teoria dos esquemas :: Brapci ::

Um esquema pode ser considerado como uma unidade principal do processamento que constitui estruturas mentais representativas sobre conceitos comuns a todos nós. Há uma forte relação entre os esquemas nos processos de compreensão, pois o indivíduo tentará encaixar novas informações em um esquema genérico, que é construído ao longo de sua história (BREWER, 2000)

16 Ler mais

Uma Ferramenta de Apoio a Determinação de Equivalências Semânticas entre Esquemas GML Utilizando Ontologias OWL

Uma Ferramenta de Apoio a Determinação de Equivalências Semânticas entre Esquemas GML Utilizando Ontologias OWL

O método adapta dois tipos de métricas propostas por [DORNELES 2004] para a determinação dos graus de similaridade semântica entre os elementos do esquema GML I e a ontologia de domín[r]

151 Ler mais

Esquemas mal-adaptativos precoces e depressão

Esquemas mal-adaptativos precoces e depressão

O objetivo deste trabalho foi o de investigar se os EMP do domínio Distanciamento/Rejeição seriam os melhores preditores da severidade da sintomatologia depressiva e perceber quem manifestava maior vulnerabilidade. Pelas análises efetuadas verificou-se que o domínio Supervigilância/Inibição foi o único a revelar-se associado ao incremento da sintomatologia depressiva e o facto de só ter surgido um domínio com poder preditivo poderá dever-se ao perfil da nossa subamostra clínica que apresentou maioritariamente níveis de sintomatologia ligeira, o que contribuiu para menores pontuações no YSQ-S3. Como refere Rijo (2009) a média dos scores endossados representam a intensidade em que o indivíduo declara possuir determinado EMP e consequentemente o grau de psicopatologia associada. Young et al. (2003) referem que as experiências adversas configuram a origem dos EMP e que os mesmos são ativados por situações similares às mesmas, assim, constatou-se que na nossa amostra a manifestação de sintomatologia depressiva mostrou estar associada exclusivamente a dois EMP do domínio Supervigilância/Inibição: Pessimismo e Inibição Emocional. O primeiro é considerado um esquema incondicional e caracteriza-se pelo foco generalizado e permanente nos aspetos negativos e na minimização dos aspetos positivos da vida, o que vai ao encontro do perfil da pessoa deprimida estabelecido por Beck. Por sua vez, o EMP Inibição Emocional é descrito como sendo um esquema condicional desenvolvido posteriormente para atenuar os efeitos negativos dos esquemas incondicionais, a inibição excessiva da ação, dos sentimentos ou da comunicação espontânea, geralmente surgem para evitar a desaprovação alheia, sentimentos de vergonha ou a perda de controlo dos impulsos (Young et al., 2003). Os dados obtidos neste estudo são divergentes dos que foram observados noutras investigações, nas quais surgiram mais frequentemente os EMP do domínio Distanciamento/Rejeição (ausência de ligações seguras) como sendo os que melhor prediziam a perturbação. Assim e com base nas características dos domínios propostos por Young (1999), os participantes que manifestaram mais sintomatologia depressiva parecem provir de famílias severas, exigentes e por vezes punitivas que valorizaram
Mostrar mais

63 Ler mais

Esquemas cognitivos e funcionamento sexual feminino

Esquemas cognitivos e funcionamento sexual feminino

O principal objectivo do presente estudo foi avaliar o papel dos esquemas cognitivos, especificamente dos esquemas precoces maladaptativos, dos auto-esquemas sexuais e da activação de esquemas cognitivos em contexto sexual, no funcionamento sexual feminino. Para tal foi recolhida uma amostra de conveniência constituída por 245 mulheres. Esta amostra foi dividida em dois grupos, um Grupo de Controlo (n=162) e um Grupo com Dificuldades Sexuais (n=42). Todas as participantes responderam ao seguinte conjunto de questionários: YSY – RE2 (Young, 2001), SSS (Andersen & Cyranowski, 1994), QAECCS (Nobre & Pinto-Gouveia, 2009a) e FSFI (Rosen et al., 2000). Os resultados obtidos demonstram que, de acordo com o esperado, as mulheres pertencentes ao Grupo com Dificuldades Sexuais apresentaram valores médios significativamente mais altos nos esquemas precoces maladaptativos e na activação de esquemas cognitivos em contexto sexual e valores significativamente mais baixos nos auto-esquemas sexuais, comparativamente às mulheres que constituem o Grupo de Controlo. Contudo, são os esquemas cognitivos activados em contexto sexual que apresentam diferenças entre os dois grupos com maior significância estatística e de entre as dimensões do QAECCS é o esquema de Incompetência que apresenta maior magnitude do efeito na diferenciação das médias entre os dois grupos. No entanto, contrariamente ao esperado foram os esquemas precoces maladaptativos e os auto-esquemas sexuais que apresentaram maior poder preditivo do funcionamento sexual feminino, comparativamente à activação de esquemas cognitivos em contexto sexual, apesar de todos se mostrarem preditores significativos.
Mostrar mais

77 Ler mais

Domain specific language generation based on a XML schema

Domain specific language generation based on a XML schema

The first step of this library is handling the XSD file. The Java language has no built in library that parses XSD files, so we needed to look for other op- tions. The main libraries found that address this problem were Document Object Model (DOM) and Simple Application Programming Interface for eXtensive Markup Language (SAX). After evaluating the pros and cons of those libraries the choice ended up being DOM, since a XSD file is a tree of XML elements. This choice was based mostly on the fact that SAX is an event driven parser and DOM is a tree based parser, which is more adequate for the present issue. DOM is a library that maps HTML, eXtensive HyperText Markup Language (XHTML) and XML files into a tree structure composed by multiple elements, also named nodes. This is exactly what XsdParser requires to obtain all the information from the XSD files, which is described in XML.
Mostrar mais

116 Ler mais

SQLToKeyNoSQL: uma camada para mapeamento de esquemas relacionais e de operações SQL para bancos de dados NoSQL  baseados em chaves de acesso

SQLToKeyNoSQL: uma camada para mapeamento de esquemas relacionais e de operações SQL para bancos de dados NoSQL baseados em chaves de acesso

particionamento das tabelas. A SQLtoKeyNoSQL armazena tabelas em dife- rentes BDs NoSQL alvo, por´em, cada tabela deve ser armazenada em apenas um BD alvo a fim de reduzir a complexidade de gerenciamento. O partici- onamento de tabelas pode trazer ganhos de desempenho ao explorar melhor o paralelismo no acesso aos dados. Outro ponto a melhorar neste trabalho, ´e o n˜ao aproveitamento das linguagens de consulta utilizadas como forma de acesso por alguns BDs NoSQL. BDs NoSQL cujo modelo de dados ´e orien- tado a documentos ou a colunas geralmente oferecem linguagens de consulta, se comparados com os BDs chave-valor. Entretanto, justamente pelo fato dos BDs chave-valor n˜ao possu´ırem linguagens de consulta, mas se enqua- drarem como BDs NoSQL baseados em chave de acesso, ou seja, uma das categorias de BD NoSQL alvo dessa dissertac¸˜ao para fins de mapeamento, a abordagem optou por n˜ao considerar o mapeamento para instruc¸˜oes destas linguagens de consulta. Optou-se pelo suporte apenas `a capacidades b´asicas de consulta (interfaces de acesso) que s˜ao comuns a todos os BDs NoSQL baseados em chave de acesso. Outra limitac¸˜ao a ser ressaltada, ´e a rigidez imposta pela abordagem quanto ao formato dos esquemas BDs NoSQL utili- zados, pois o esquema dos dados deve ser criado e gerenciado pela camada. N˜ao ´e poss´ıvel, por exemplo, a inclus˜ao de um BD NoSQL previamente de- finido e o acesso aos seus dados atrav´es da camada proposta. Al´em disso, a abordagem proposta limita-se a utilizar o dicion´ario de dados em mem´oria, apesar de armazenar uma c´opia em disco.
Mostrar mais

79 Ler mais

Esquemas de Aterramento em Baixa Tensão

Esquemas de Aterramento em Baixa Tensão

ATERRAMENTO DE INSTALAÇÕES EM BAIXA TENSÃO  NORMAS BRASILEIRAS  NBR-5410/2004 - Instalações Elétricas de Baixa Tensão  NBR-5419/2005 - Proteção de Estruturas.. contra Descargas Atmo[r]

45 Ler mais

UNIDADE-I Esquemas de Aterramento

UNIDADE-I Esquemas de Aterramento

 Todas as massas de uma instalação devem estar ligadas a condutores de proteção;.  Em cada edificação deve ser realizada uma equipotencialização principal;[r]

31 Ler mais

esquemas mito VS logos

esquemas mito VS logos

- A més a més, i per damunt de les diverses coses particulars que són, per exemple belles, existeix allò que Plató anomena “el bell en si mateix”, allò que és bell d’una manera eterna,[r]

7 Ler mais

Esquemas terapêuticos no carcinoma da bexiga

Esquemas terapêuticos no carcinoma da bexiga

Relativamente ao carcinoma da bexiga e apesar das diversas abordagens de tratamento e extenso conhecimento nesta área, continua a ser um dos problemas mais clinicamente desafiadores na prática clínica urológica moderna (Einar et alli, 2013). O carcinoma da bexiga é um dos tumores mais prevalentes em todo o mundo mas o tratamento desta doença pode ser bem sucedido se a doença for detetada precocemente (Goodison et alli, 2013). Contudo, os protocolos e esquemas terapêuticos correntes para os diversos tipos de tumores muitas vezes não conseguem responder com eficácia a todos os grupos de doentes, promovendo uma intensa investigação na descoberta de novas formas de prevenir, detectar e tratar de forma mais específica e seletiva o cancro da bexiga e tendo sempre em atenção a melhoria da qualidade de vida das pessoas, durante e após o tratamento (Schenone et alli, 2011).
Mostrar mais

55 Ler mais

Domínios de esquemas precoces na depressão

Domínios de esquemas precoces na depressão

Os esquemas teriam um papel fundamental nos processos de representação dos significados sobre si e sobre o mundo, sendo no caso dos deprimidos os conteúdos dos esquemas nega- tivos e disfuncionais é fácil entender o papel nuclear na depressão da tríade cognitiva (noção introduzida por Beck, 1967, que refere a visão negativa de si, o self é visto como fraco ou incapaz de atingir os objectivos; do mundo, que é sentido como amaçador; do futuro, que seria perspectivado sem esperança e como continui- dade da tristeza vivenciada pelo sujeito). A tríade cognitiva levaria a que o sujeito deprimido fizesse uma autoavaliação negativa de si, das
Mostrar mais

15 Ler mais

WAINER   Terapia Cognitiva Focada em Esquemas

WAINER Terapia Cognitiva Focada em Esquemas

consequências e o dano que provocaram a terceiros. Se não o fizessem, apresentariam pensamentos autocríticos capazes de ativar os seus esquemas de defeito. Insistir que reconheçam o dano e assumam a responsabilidade por ele tende a estimular mais a resistência do sujeito, impedir uma aliança terapêutica sólida e aumentar a atribuição da responsabilidade pelos atos agressivos a fatores externos. Reconhecer o dano causado a terceiros será um resultado da intervenção, quando o sujeito apresentar uma postura na qual não procura legitimar o uso da agressão e for capaz de encontrar alternativas de resolução de problemas que não passem pelo domínio e exercício do poder sobre os outros. O terapeuta deve encarar os sujeitos antissociais como qualquer outro paciente, procurando libertar-se de juízos morais e de preconceitos quanto ao(s) ato(s) agressivo(s) cometido(s) pelo sujeito em tratamento. Qualquer agressor, independentemente dos atos que cometeu, é uma pessoa, e é essa pessoa que deve ser acolhida pelo profissional como alguém que precisa de ajuda. Dito de outra forma, a identidade do sujeito não está confinada aos atos agressivos que tenha cometido, por mais chocantes que possam ser. Os terapeutas devem olhar para a pessoa como um todo, procurando compreender o porquê da necessidade de recorrer à agressão, mesmo quando havia alternativas para enfrentar situações problemáticas ou satisfazer as suas necessidades. Só essa visão do problema e do sujeito permitirá uma formulação de caso em que ambos possam trabalhar em conjunto para diminuir a necessidade de recurso ao comportamento agressivo e antissocial. Outro dos erros mais típicos que os terapeutas cometem ao tratar indivíduos agressivos está relacionado com a procura rápida de mudança ou, pelo menos, da desistência dos atos mais severos e causadores de maior dano. A busca de uma mudança precoce pode dificultar uma mudança efetiva ao nível da visão de si e dos outros que mantém o padrão de comportamento agressivo, podendo também colocar uma expectativa irrealista sobre o paciente, a qual é frustrada na primeira recaída, aumentando, assim, a resistência à mudança. Quando se trata de intervenções em contexto de justiça, de fato o terapeuta é confrontado com um desafio maior: o sujeito aceita não voltar a praticar os atos que motivaram o tratamento (sob pena de detenção), mas a terapia demora a produzir resultados significativos, e persiste, ainda, a necessidade de recurso à agressão em várias situações da vida do paciente (p. ex., situações ativadoras em que se experimentam raiva intensa e dificuldades em controlá-la). A ética e a deontologia obrigam o terapeuta a denunciar às autoridades qualquer ato com relevância jurídico-penal, e o paciente deve ser informado de tais limites ao sigilo profissional caso venha a revelar no decurso da terapia novas
Mostrar mais

176 Ler mais

Resgate de autoria em esquemas de assinatura em anel

Resgate de autoria em esquemas de assinatura em anel

Assinaturas em anel são semelhantes à noção de assinaturas em grupos introduzidas por Chaum e Heyst (1991). Nos esquemas de assinatura em grupo, existe um gerente que predefine certos grupos de usuários e distribui as chaves especialmente geradas para cada um deles. Cada membro pode, individualmente, usar sua chave privada e as chaves públicas dos demais membros para assinar anonimamente mensagens em nome de seu grupo. As assinaturas produzidas por diferentes membros do grupo parecem indistinguíveis para os seus verificadores, mas não para o gerente do grupo que pode revogar o anonimato do assinante. Nas assinaturas em anel, não tem gerente de grupo, não há configuração prévia e não há colaboração entre os membros do grupo. Qualquer membro pode assinar em nome de qualquer conjunto de indivíduos. Além disso, ele pode escolher um novo grupo a cada mensagem divulgada sem precisar obter o consentimento dos outros membros.
Mostrar mais

82 Ler mais

O PAPEL DOS ESQUEMAS PARA A COMPREENSÃO DE LEITURA EM ESPANHOL

O PAPEL DOS ESQUEMAS PARA A COMPREENSÃO DE LEITURA EM ESPANHOL

Embora o presente estudo não tenha tido a pretensão de apresentar uma análise extensiva e completa dos dados coletados, analisamos alguns dos aspectos que possibilitaram encontrar evidências de que o uso dos esquemas e o conhecimento sobre os fatores culturais influenciam a compreensão de leitura em uma língua estrangeira. Contudo, outros fatores nos despertaram a atenção e uma certa curiosidade para fundamentar novos questionamentos, visando, assim, a continuação de estudos relacionados com esta pesquisa.

140 Ler mais

Esquemas adaptativos para distribuição de vídeo na internet

Esquemas adaptativos para distribuição de vídeo na internet

Na fase de sensoriamento, os esquemas adaptativos capturam informações dos componentes da rede que indicam as condições desta. Estas informações podem ser coletadas no cliente, tais como o jitter, utilizada nos esquemas RAP [16], QoAS [52] [63] e “Bouras e Gkamas” [55], a taxa de pacotes perdidos, utilizado nos esquemas RAP [16], LDA [21] [30], QoAS [52] [63], ADIVIS [53] [54] e “Bouras e Gkamas” [55], o percentual de utilização do buffer, utilizado no esquema Goddard [11] e no proposto por “Papadimitiou e Tsaoussidis” [61], dentre outros. Informações podem ser coletadas, também, nos componentes da rede, tal como o ECN, utilizado no esquema ADIVIS [53] [54] ou ainda, podem ser coletadas nos servidores, tal como o Round Trip Time (RTT), utilizado nos esquemas LDA+ [21] [30] e DVRC [60]. Os esquemas citados serão descritos no Capítulo 6. Nos esquemas ADIVIS, “Bouras e Gkamas” e no proposto neste trabalho, o sensoriamento é feito no cliente por meio do componente “Mecanismo de Feedback” detalhado no Capítulo 6.
Mostrar mais

159 Ler mais

Gestão documental aplicada a esquemas de embalamento

Gestão documental aplicada a esquemas de embalamento

A realidade do mundo empresarial exige que haja documentação sobre procedimentos e especificações associadas à conjuntura dos seus trabalhos. Por outro lado a dinâmica de hoje elege o tempo como um dos bens mais valiosos da atualidade. Desta forma, quando a manutenção de documentos não é gerida através de processos eficientes é gasto tempo desnecessariamente, sendo disso exemplo os “Esquemas de embalamento” na Colep.

108 Ler mais

Show all 5857 documents...