Top PDF Gestão de resíduos sólidos na construção civil "ciclo do gesso em uma obra de edificação"

Gestão de resíduos sólidos na construção civil "ciclo do gesso em uma obra de edificação"

Gestão de resíduos sólidos na construção civil "ciclo do gesso em uma obra de edificação"

A construção civil tem tido um crescimento considerável na ultima década, porém a falta de mão- de- obra qualificada e de tecnologia adequada faz com esse ramo da economia seja a que mais produza resíduos sólidos urbanos. Dessa forma é de extrema importância fazer a gestão dos resíduos da construção civil, entre eles o gesso, que possui um alto índice de contaminação no meio ambiente. A finalidade deste trabalho é fazer a gestão dos resíduos de gesso em uma obra, fazendo a quantificação e a separação do gesso dos demais resíduos existentes, como também propor a melhor opção de destinação para o mesmo. Obteve-se como resultados um total de 30,3% de resíduo de gesso gerado na obra, esse valor representa 27,5% do total de resíduo gerado na obra no mesmo período. A resolução 431/2011 que altera a resolução CONAMA 307/2003 especifica que o gesso possui tecnologias de reciclagem e reutilização, e que o dever de fazer gestão desses resíduos deve ser das fontes geradoras. Além disso, programas do governo como o Programa Brasileiro de Qualidade e Produtividade do Habitat, estimulam as empresas da construção civil a fazerem gestão dos seus resíduos, provocando a redução dos resíduos gerados e diminuindo a poluição do meio ambiente.
Mostrar mais

38 Ler mais

ANÁLISE DA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM EDIFICAÇÃO RESIDÊNCIAL ACIMA DE 50.000 m² DE ÁREA CONSTRUÍDA

ANÁLISE DA GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS EM EDIFICAÇÃO RESIDÊNCIAL ACIMA DE 50.000 m² DE ÁREA CONSTRUÍDA

A gestão do transporte interno dos materiais e o reaproveitamento dos resíduos na própria obra gerou uma receita líquida de R$89.693,24. Cabe destacar a mudança na forma de transporte interno das cerâmicas que resultou em uma menor quebra das peças da ordem de 16,15 m² por andar, equivalente a R$261,63 por andar totalizando uma economia de R$11.511,72 com os materiais e mais R$142,91 caso fosse necessária a destinação destes resíduos para recicladores. As caliças geradas foram reaproveitadas no enchimento das bases das churrasqueiras totalizando um total de R$2.517,48 em toda a obra, equivalente a R$31,08 por andar. Com o reuso dos finos proveniente das sobras geradas no reboco e posteriormente misturado com a massa usinada foi economizado R$11.404,80 com a massa usinada e R$1.918,08 com a destinação através de caçambas, totalizando uma economia de R$13.322,88. Para o enchimento nos subsolos foi utilizado 316,10 m³ de caliça, com esta ação houve uma economia de R$11.695,70 com a destinação destes resíduos. O reaproveitamento de 5.800 m² equivalente a 12,03 m³ das telas de fachada (resíduo classe C) gerou uma economia de R$1.143,60 com a destinação deste material. Em todas as concretagens houve sobra de concreto nas tubulações, onde elas percorriam através de furos nas lajes desde o portão até o pavimento em que o concreto seria despejado. Estas sobras foram reutilizadas para vergas e rampas provisórias, resultando no reaproveitamento de 170,10 m³ de concreto, equivalente a R$39.721,75. Já a venda do aço gerou uma receita de R$0,20/kg. Como foi produzido 24.093 kg, portanto obteve-se uma receita de R$4.818,60. Se for considerado uma metodologia de gerenciamento de resíduos mais eficaz e aplicada desde o início da obra é possível economizar em até 12% no custo global da obra (NAGALLI, 2014).
Mostrar mais

13 Ler mais

Gestão de Resíduos Sólidos na Construção Civil: Um estudo de caso de uma construtora de médio porte no Vale do Paraíba – SP

Gestão de Resíduos Sólidos na Construção Civil: Um estudo de caso de uma construtora de médio porte no Vale do Paraíba – SP

De acordo com a resolução Conama (2002), os resíduos são classificados conforme sua utilização sendo os de Classe A, os que podem ser reutilizados e reciclados como agregados, os de Classe B, que podem ser reciclados para outras destinações, Classe C, que não foram desenvolvidas tecnologias que permitam sua reutilização tais como gesso e por último, os resíduos Classe D, classificados como perigosos. Partindo desta premissa, os materiais sendo separados dentro de sua classe, facilitam no descarte e principalmente, possibilita o desenvolvimento de projetos, reutilizando-os dentro do canteiro de obra. Quando os materiais não são separados adequadamente, dificulta até mesmo a execução das atividades dentro do canteiro de obra. É importante que a obra possua um local específico para a separação e alocação provisória até a coleta ou reaproveitamento, assim, evita-se o desperdício de tempo e também de espaço físico. Desta forma, além do projeto não ter sido colocado em prática, os resíduos não estavam sendo alocados e separados conforme o que instrui a Resolução Conama bem como, a coleta seletiva, manipulação, remoção e destinação dos resíduos.
Mostrar mais

19 Ler mais

Avaliação da disponibilidade de dados de resíduos sólidos da construção civil no Brasil para auxiliar a avaliação do ciclo de vida

Avaliação da disponibilidade de dados de resíduos sólidos da construção civil no Brasil para auxiliar a avaliação do ciclo de vida

Para que haja controle dos resíduos de construção civil possuam uma correta destinação são propostos Projetos de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil (PGRCC) que devem ser elaborados e executados pelos geradores, e devem contemplar a caracterização, triagem, acondicionamento, transporte e destinação ambientalmente adequados dos resíduos. Devem apresentar o referido projeto os empreendedores de obras que excedem 600 m² de área construída ou demolição com área acima de 100 m², o qual deverá ser aprovado por ocasião da obtenção do licenciamento ambiental da obra ou da obtenção do alvará de construção, reforma e ampliação ou demolição assim abrangendo não só grandes construções mas também construções residenciais de classe media alta.
Mostrar mais

50 Ler mais

Gestão dos resíduos sólidos e logística reversa: um estudo de caso em uma organização do setor de construção civil

Gestão dos resíduos sólidos e logística reversa: um estudo de caso em uma organização do setor de construção civil

Na indústria da construção civil, a busca por desenvolvimento sustentável é importante em grande parte devido à alta produção de resíduos sólidos. Assim, a logística reversa surge como ferramenta para colaborar para uma gestão sustentável. Este trabalho corresponde a um estudo de caso realizado na construtora OAS. S.A. sobre o tratamento dado aos resíduos sólidos advindos da obra Vias de Acesso ao porto de Salvador. Os objetivos da pesquisa são, portanto, compreender como a empresa realiza a gestão dos resíduos sólidos na obra Vias de Acesso ao porto de Salvador, bem com verificar como a logística reversa é percebida pelos colaboradores e se é empregada no empreendimento. O estudo de caso foi desenvolvido a partir de entrevistas individuais, orientadas por um roteiro semiestruturado, e observação direta. Aplicou-se o método de análise de conteúdo, em que foi realizada leitura comparativa das citações dos sujeitos de pesquisa. O trabalho revelou que a logística reversa já é empregada no empreendimento da OAS. S.A. e é reconhecida como algo importante pelos gestores. Foi possível concluir que a logística reversa colabora para uma gestão sustentável da organização, possibilitando a reutilização dos resíduos sólidos e diminuindo os impactos gerados pelos mesmos no meio ambiente em torno da obra.
Mostrar mais

22 Ler mais

Estudo de caso sobre gestão de resíduos sólidos da construção civil na cidade de Florianópolis

Estudo de caso sobre gestão de resíduos sólidos da construção civil na cidade de Florianópolis

A sustentabilidade dos centros urbanos tem se tornado cada vez mais importante para a conservação do meio ambiente. A indústria da construção civil é responsável por gerar aproximadamente metade dos resíduos sólidos urbanos, além de ser uma grande consumidora de matéria prima, logo, faz-se necessário que está indústria busque atender à legislação brasileira, referente à gestão dos resíduos sólidos gerados pelo seu processo. Através de um estudo de caso de uma obra na cidade de Florianópolis, este trabalho busca verificar o cumprimento da legislação de resíduos sólidos da construção civil dentro do canteiro de obras. Além do cumprimento da legislação, através de entrevistas com diversos colaboradores da obra, busca-se descobrir quaisquer dificuldades que tenham aparecido durante o processo de implantação. Os resultados deste trabalho mostram que a resistência a este modelo de gestão de resíduos ainda é altíssima e que são poucas as obras que compreendem a importância da sustentabilidade no canteiro de obras.
Mostrar mais

79 Ler mais

A influência da tecnologia BIM na geração minimizada e gestão de resíduos sólidos da indústria de construção civil

A influência da tecnologia BIM na geração minimizada e gestão de resíduos sólidos da indústria de construção civil

Nesse contexto, um importante ponto a ser considerado em uma obra de engenharia diz respeito ao gerenciamento de projetos capaz de evitar desperdícios. A produção de grandes quantidades de resíduos em uma obra, em geral, pode ser associada a prejuízos econômicos, em termos de materiais, mão de obra e atraso de cronograma; a prejuízos ambientais, devido ao uso desnecessário de recursos naturais e à problemática de destinação adequada do material a ser descartado; bem como a prejuízos sociais, quando existe a disposição inadequada de resíduos, ocupando espaços públicos e podendo contribuir até mesmo para a disseminação de doenças.
Mostrar mais

65 Ler mais

Resíduos sólidos da construção civil (RCC/RCD)

Resíduos sólidos da construção civil (RCC/RCD)

XIII - estímulo à implementação da avaliação do ciclo de vida do produto; XIV - incentivo ao desenvolvimento de sistemas de gestão ambiental e empresarial voltados para a melhoria dos processos produtivos e ao reaproveitamento dos resíduos sólidos, incluídos a recuperação e o aproveitamento energético;

51 Ler mais

A gestão dos resíduos sólidos da construção civil na cidade de Salvador e a implementação da resolução conama nº 307/2002.

A gestão dos resíduos sólidos da construção civil na cidade de Salvador e a implementação da resolução conama nº 307/2002.

Na visão do SINDUSCON/BA o Programa Municipal de Gerenciamento de Resíduos da Construção Civil viria para definir os papéis de cada ator do processo de GRRCC, sendo este um entrave para o cumprimento da Resolução CONAMA nº. 307/2002. Sem esta definição o entrevistado diz que a atuação da entidade é de sempre estar presente nas discussões promovidas pela PMS, esta postura limita a atuação da entidade, mesmo sendo previsto no seu estatuto, no art. 4º, incisos II e IV, o papel de estimular a formação técnica da mão-de-obra. Seguindo a entrevista as respostas colhidas fazem concluir que o SINDUSCON/BA não se reconhece como agente ativo do processo de GRCC, e o entrevistado chega a dizer que: “Não cabe ao SINDUSCON/BA a remoção direta dos entraves.”
Mostrar mais

176 Ler mais

Gestão e gerenciamento de resíduos da construção civil: a Política Nacional de Resíduos Sólidos em Barueri – SP

Gestão e gerenciamento de resíduos da construção civil: a Política Nacional de Resíduos Sólidos em Barueri – SP

Os recursos existentes na Terra são suficientes para atender às necessidades de todos os seres vivos do planeta (DIAS, 2001, p. 226), mas, o próprio sistema do ciclo da vida não contava com a falta destes. Em 40.000 a.C. eram 4 milhões de habitantes distribuídos pela Ásia e África, no ano 0 estima-se que havia 100 milhões de seres humanos. Centenas de anos após a expansão marítima, em 2013, atingiu- se 7 bilhões e a previsão para 2050 é de 10 bilhões de pessoas, sendo a maioria concentrada em centros urbanos. Para alguns estudiosos, a chamada “população- transformação” (DIAS, 2001 p. 252) da pré-história à modernidade tem exercido intervenção nos sistemas de vida, alterando água, ar e solo, elementos vitais à existência humana, como considera a Resolução nº 001/1986 do Conselho Nacional do Meio Ambiente sobre essas alterações:
Mostrar mais

71 Ler mais

Gestão dos resíduos sólidos gerado pelo setor da construção civil (construtoras) em Aracaju

Gestão dos resíduos sólidos gerado pelo setor da construção civil (construtoras) em Aracaju

A construção civil é a única indústria capaz de absorver quase que totalmente os resí- duos que produz. Enquanto vários setores industriais diminuem a utilização de suas maté- rias-primas, a engenharia civil não pode reduzir a quantidade dos materiais necessários para edificar uma obra sem comprometer a qualidade e a durabilidade da construção. Em razão disso, é necessário encontrar alternativas para o destino dos resíduos, com formas práticas de reciclagem na própria obra ou em usinas implantadas para esse fim.

8 Ler mais

Caracterização da gestão dos resíduos sólidos de construção civil de um município de pequeno porte

Caracterização da gestão dos resíduos sólidos de construção civil de um município de pequeno porte

Para desenvolver esse trabalho foram realizados inicialmente levantamentos bibliográficos em torno do arcabouço legal sobre os resíduos sólidos, posteriormente a situação dos resíduos sólidos no município de Araruna-PB, com foco nos resíduos de construção civil. Para a obtenção de dados foi realizado entrevistas com os responsáveis pelos resíduos sólidos de Araruna-PB, como o secretário de infraestrutura, com o presidente do conselho municipal de ação social, com o Engenheiro Civil responsável por uma obra de grande porte no município (prédio novo da UEPB) e também com profissionais que trabalham diretamente em pequenas obras. O levantamento serviu para conhecer as regulamentações sobre o gerenciamento adequado e analisar a situação do município no atendimento.
Mostrar mais

27 Ler mais

Gestão dos Resíduos Sólidos da Construção Civil: um estudo bibliométrico na base Scopus e Web of Science (2009-2019)

Gestão dos Resíduos Sólidos da Construção Civil: um estudo bibliométrico na base Scopus e Web of Science (2009-2019)

Observados os dispositivos legais com vistas ao benefício social, as atividades da construção civil têm no reaproveitamento e reciclagem dos seus resíduos o fechamento do ciclo produtivo que gera oportunidades de redução dos impactos ambientais negativos, rebalanceamento do fluxo dos materiais e serviços, além de renda derivada do beneficiamento e recondicionamento dos resíduos, mantendo assim, as preocupações com a saúde dos trabalhadores do setor, qualidade e custos aos consumidores finais (SCHENINI et al., 2004) Estima-se que a construção civil consuma entre 14 a 50% dos recursos naturais do planeta, números plausíveis uma vez que se trata de uma atividade intensiva e que responde pela fabricação, movimentação, utilização e descarte de milhares de toneladas de materiais ao redor do globo, sendo que a cada m 2 construído no Brasil cerca de 50kg de resíduos são gerados (MEDEIROS, 2006).
Mostrar mais

15 Ler mais

Gestão de resíduos sólidos na construção civil: uma análise do relatório GRI de empresas listadas na BM&FBOVESPA

Gestão de resíduos sólidos na construção civil: uma análise do relatório GRI de empresas listadas na BM&FBOVESPA

A construção civil é uma área de grande importância na indústria brasileira, com um forte indicativo de crescimento econômico (IPEA, 2012). No entanto, assim como tantas outras, provoca impactos ambientais, principalmente pela geração de resíduos. De acordo com Spadotto et al. (2011, p. 173), “a construção civil é responsável por vários reflexos, ao local e região onde se instala a obra, causados por suas atividades direta ou indiretamente”, o que significa que a construção civil não causa apenas impactos ambientais, mas também impactos sociais e econômicos. Em relação aos impactos ambientais, além da utilização da área e da energia, a construção civil gera resíduos sólidos, seja na própria construção, seja na demolição. Esses resíduos normalmente são descartados de forma inadequada e geram impacto ambiental. Azevedo, Perstok e Moraes (2006, p. 65) ressaltam que “praticamente todas as atividades desenvolvidas na construção civil são geradoras de resíduos, comumente chamados entulho ou resíduo de construção e demolição (RCD), ou, ainda, como atualmente tem sido denominado, resíduo da construção civil (RCC)”.
Mostrar mais

18 Ler mais

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOS CANTEIROS DE OBRAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE CHAPECÓ-SC
							| Revista Tecnológica

GESTÃO DOS RESÍDUOS SÓLIDOS DOS CANTEIROS DE OBRAS DA CONSTRUÇÃO CIVIL DO MUNICÍPIO DE CHAPECÓ-SC | Revista Tecnológica

O PGIRS (2014) cita ainda, materiais facilmente recicláveis, como embalagens em geral, tubos, fiação, metais, madeira e o gesso. Este conjunto é designado de classe B (seletivos para outras destinações) e corresponde a quase 20% do total de resíduos gerados em no município, sendo que metade é debitado às madeiras, material bastante usado na construção civil. O restante são os resíduos para os quais não foram desenvolvidas tecnologias ou aplicações economicamente viáveis, que permitam a sua reciclagem / recuperação e os resíduos potencialmente perigosos, como alguns tipos de óleos, graxas, impermeabilizantes, solventes, tintas e baterias de ferramentas.
Mostrar mais

24 Ler mais

Incorporação de gesso alfa, oriundo de resíduos da indústria salineira, e de gesso beta reciclado em pastas para revestimento de construção civil

Incorporação de gesso alfa, oriundo de resíduos da indústria salineira, e de gesso beta reciclado em pastas para revestimento de construção civil

Outra fonte de gipsita que vem ganhando notoriedade é a proveniente dos rejeitos da indústria salineira. Devido às limitações operacionais que ainda existem no processo de calcinação da gipsita, outras fontes deste mineral estão sendo estudadas, como é o caso do rejeito da produção de sal marinho (o Carago). O estado do Rio Grande do Norte, por ser o maior produtor de sal marinho do país respondendo por cerca de 90 % da produção deste insumo em território nacional, segundo dados da Secretaria de Estado e Desenvolvimento Econômico do estado do Rio Grande do Norte (SEDEC), também acaba enfrentando problemas de destinação dos rejeitos gerados por esta produção. Cada uma das etapas de produção do sal marinho origina um resíduo distinto que necessita de destinação adequada. O primeiro destes resíduos gerados se constitui do sulfato de cálcio di-hidratado (CaSO 4 .2H 2 O) que é o mesmo
Mostrar mais

326 Ler mais

Estudo e otimização do processo de produção de gesso reciclado a partir de resíduos da construção civil

Estudo e otimização do processo de produção de gesso reciclado a partir de resíduos da construção civil

apresentaram teores de água de cristalização próximos ao do Hemidrato, 4,2% a 6,2%, estabelecidos em norma. Os resultados dos ensaios de resistência à compressão, à flexão e a aderência à tração do revestimento e a dureza superficial, encontrados para os blocos preparados, com os gessos (A), (B) e (C) obtiveram consistência e tempo de secagem ótima, respectivamente de 0,70 e 7 dias. As pastas preparadas com os gessos (A), (B) e (C) na condição pós-calcinação de 0,70 de consistência e 7 dias de secagem foram caracterizadas adotando técnicas complementares: TG, DTA, BET, IR, DRX, MEV as quais apresentaram resultados que reforçaram a possibilidade de produção de gesso a partir dos resíduos de gesso de revestimento e de placa e reutilização e comercializaçãodos resíduos de gesso gerados pela construção civil após o devido tratamento, passando a representar uma alternativa economicamente interessante para os geradores deste tipo de resíduo.
Mostrar mais

312 Ler mais

A APLICAÇÃO DA ANÁLISE DO CICLO DE VIDA NA GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS

A APLICAÇÃO DA ANÁLISE DO CICLO DE VIDA NA GESTÃO INTEGRADA DOS RESÍDUOS SÓLIDOS

Os  sistemas  opcionais  estudados,  foram,  definidos  em  cenários  e  inclui  a  coleta,  o  transporte  até  a  unidade  de  tratamento  especificada  em  cada  cenário,  o  transporte  de  resíduos resultantes das unidades de tratamento para o aterro sanitário, o funcionamento  das  unidades  de  tratamento  especificadas  em  cada  cenário,  a  produção  e  o  uso  de  combustíveis  e  eletricidade,  bem  como  a  produção  do  polietileno  de  alta  densidade  (PEAD), utilizados em sacos de coleta. 

11 Ler mais

Diagnóstico e Propostas para a Gestão de Resíduos Sólidos da Construção Civil, Volumosos e Lenhosos Urbanos no Município de Jales - SP

Diagnóstico e Propostas para a Gestão de Resíduos Sólidos da Construção Civil, Volumosos e Lenhosos Urbanos no Município de Jales - SP

O problema é que o valor da tarifa, bem como as regras de cálculo e de reajustes, deveriam ter sido informados de forma detalhada por decreto, bem como as formas de reajustes (aumento/diminuição) das tarifas (ou preços públicos), sem que problemas de anterioridade, noventena ou qualquer outro prazo relacionado ao princípio tributário da não-surpresa. A contribuição tarifária (preço público) é fruto de regime contratual, passível de flexibilização e de pagamento facultativo, não se sujeitando às regras e princípios do direito tributário. A tarifa (ou preço público) cobrada pelo Poder Público da gestão dos RSCCLUV aos usuários foram previstas unicamente na Licitação n. 101/2017, em confronto com o artigo 66 da Lei Orgânica do Município de Jales (JALES, 1990), que obriga que o preço público (tarifa) seja fixado por decreto regulamentador (Tabela 16).
Mostrar mais

18 Ler mais

PREJUÍZOS GERADOS PELA FALTA DE RECICLAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS PRODUZIDOS PELA CONSTRUÇÃO CIVIL

PREJUÍZOS GERADOS PELA FALTA DE RECICLAGEM DOS RESÍDUOS SÓLIDOS PRODUZIDOS PELA CONSTRUÇÃO CIVIL

Percebe-se que o problema da reciclagem já se inicia por ai, a norma classifica diferentemente os resíduos se comparada ao Conselho Nacional de Meio Ambiente-CONAMA (SITE) que já considera resíduos da construção civil: são os provenientes de construções, reformas, reparos, e demolições de obras de construção civil, e os resultantes da preparação e da escavação de terrenos, tais como: tijolos, blocos cerâmicos, concretos em geral, solos, rochas, metais, resinas, colas, tintas, madeiras e compensados, forros, argamassa, gesso, telhas, pavimento asfáltico, vidros, plásticos, tubulações, fiação elétrica, etc., comumente chamados de entulhos de obras, caliça ou metralha.
Mostrar mais

18 Ler mais

Show all 10000 documents...

temas relacionados