Reid gritou então. Ele soltou um grito rouco que ecoou no teto.

Tatum colocou a mão na boca, parecendo doente.

Decidi parar de olhar para o corpo da bibliotecária. Passei por cima dela, alcançando o éter. Uma arma apareceu na minha mão, a metralhadora que conjurei na noite passada. Eu esperava que desse certo dessa vez. Eu levantei a coisa para que ela apontasse para o teto e corri para a sala principal da biblioteca, onde ficavam o laboratório de informática e a mesa principal.

Todos na sala estavam mortos.

Havia talvez seis pessoas, seus corpos jogados sobre mesas e no chão. Todos pareciam quebrados, como galhos quebrados por um vento forte.

No meio da sala estava a coisa que havia saído da brecha - a coisa dos rabiscos. Era composto por fios pretos enrolados, todos voando e movendo-se de

um jeito que os olhos podiam segui-los. Os fios da coisa estavam espalhados por toda parte, nos cantos da sala.

E de frente para a coisa estava o professor Weathersbane. Ele tinha uma mão no peito, segurando um talismã pendurado no pescoço. Seu outro braço estava estendido e ele estava murmurando alguma coisa. Todos os músculos de seu corpo pareciam tensos, como se ele estivesse lutando com força contra uma força invisível. Uma gota de sangue saía do nariz dele.

Os fios estavam se enrolando em torno de Weathersbane. Eles machucavam em torno de seus tornozelos, seus braços e pescoço.

E então eles se apertaram.

O murmúrio de Weathersbane ficou mais alto, e agora eu podia ouvir que ele estava dizendo algo em latim.

Eu precisava ajudá-lo, mas como?

Eu atirei no rabisco com a metralhadora. Balas seguiam em estalos rato-a-tat-tat .

Mas os fios rabiscados evitavam as balas com agilidade.

Agora Weathersbane estava gritando.

E os fios apertaram seus membros novamente.

Os braços de Weathersbane estavam cortados no cotovelo, as pernas nos joelhos. E sua cabeça caiu, as palavras latinas de repente silenciaram.

Foi a minha vez de gritar.

A coisa rabiscada solidificou, voltando a ser o homem que era quando fugiu. Ele virou e trancou os olhos comigo.

Eu atirei de novo.

Mas sua pele se abriu, voltando a rabiscos, deixando as balas passarem por ele inofensivamente.

Ele inclinou a cabeça para um lado e sorriu para mim.

O sorriso me fez sentir frio por todo o lado.

Por um momento terrível, tive certeza de que ele estava vindo para mim.

Mas, em vez disso, ele se virou e passou pela porta da biblioteca, passando por cima da cabeça decepada de Weathersbane quando ele saiu.

* * *

— Devemos ir atrás dele?— Reid disse. Ele estava tremendo o tempo todo, mas havia uma ferocidade em seus olhos que eu tinha visto na noite em que ele me convenceu a tentar esconder a brecha. Reid era corajoso, eu percebi. Mais corajoso que eu. Eu queria me virar e correr, me esconder em algum lugar com as cobertas na cabeça.

— Você viu o que aconteceu com as balas,—

disse Tatum. Sua voz era muito alta, como a de uma garotinha.

— Talvez precisemos de algo além de balas.—

Reid conjurou um machado de lâmina dupla e o jogou no ar.

Engoli. Mas se Reid podia fazer isso, eu também.

Ao desaparecer a metralhadora, conjurei um machado semelhante. — Vamos,— eu disse em voz baixa.

Reid e eu seguimos em frente.

A voz de Tatum atrás de nós. — Rapazes…

Eu me virei para olhá-la.

E ela engoliu em seco e conjurou seu próprio machado.

Corremos pela sala e saímos pela porta da biblioteca. Quando emergimos no corredor, não vimos a coisa rabiscada em lugar algum.

— Ei, rabiscos!— Saí , usando uma bravata que não sentia. — Saia, saia, onde quer que esteja.

Temos machados que gostaríamos de apresentar a você— .

A porta da biblioteca ficava no final do corredor, então só havia uma maneira de ele ter ido. Nós nos viramos e seguimos o corredor em direção à escada.

Logan subiu as escadas assim que chegamos.

Ele nos olhou. — Cadê?

— Nós não sabemos,— eu disse. — Estamos procurando por isso.— Se não estava no corredor e não desceu as escadas, onde então? Acabara de se

desmaterializar? Às vezes parecia que os skitters podiam fazer isso ...

— Tudo bem,— disse Logan. Ele já estava com a arma, segurando-a com as duas mãos e apontando-a papontando-arapontando-a o teto. Ele virou apontando-a esquinapontando-a e apontando-apontou apontando-a apontando-armapontando-a.

Mas não havia ninguém lá.

— Acabamos de chegar de lá,— disse Reid. — Ele não está lá. Todo mundo está morto.

Logan virou-se para nós bruscamente. — Henrik?— E havia uma pegada em sua voz.

Eu balancei minha cabeça. — Eu sinto Muito.

Logan correu pelo corredor em direção à biblioteca.

Hesitei, insegura se deveríamos continuar atrás da coisa rabiscada ou seguir Logan.

— Acabou,— disse Tatum em voz baixa. Ela correu depois de Logan.

Reid e eu seguimos atrás dela.

Encontramos Logan no chão, com a cabeça de Weathersbane no colo.

O quarto cheirava a uma mansão suja.

* * *

Não demorou muito para que os skitters aparecessem. Tínhamos feito mágica primordial, e essa foi a consequência. Conjuramos um pouco do veneno em nossos machados e os cortamos em pedacinhos. Eles murcharam em manchas escuras.

Quando estávamos terminando, outras pessoas começaram a aparecer na biblioteca. Eles falavam uns com os outros em voz baixa, olhando para nós e para o massacre. O mago curandeiro estava lá, mas não havia nada que ele pudesse fazer. Era tarde demais para todos na biblioteca.

Exceto nós, é claro. A coisa do rabisco não nos tocou. Porque foi isso? Por que ele matou todo o resto e nos deixou vivos?

Tínhamos algum tipo de conexão com as brechas e, por extensão, com ele. Era inquietante.

Quatro ou cinco pessoas vestidas da mesma forma que Weathersbane, com coletes e capas, entraram e começaram a fazer perguntas a nós e a

Logan. Concluí que eles eram os outros professores, mas eles não se apresentaram ou algo assim.

Depois de contarmos a história do que vimos milhares de vezes, fomos informados para almoçar no refeitório. Como se fosse simples o suficiente para continuar o nosso dia depois do que vimos.

Eu ainda estava com fome, então não protestei.

Reid, Tatum e eu empilhamos nossos pratos com comida da fila do buffet. Colocamos comida na boca e não falamos muito.

Quando nossos pratos estavam limpos, todos nos entreolhamos como se estivéssemos saindo de algum tipo de transe.

— Provavelmente é bom comer,— disse Reid. — Precisamos manter nossas forças.

— Eu nem sei por que tenho apetite depois desta manhã,— disse Tatum.

— A magia primordial sempre tira isso de mim,— eu disse. — Fico mal, com fome depois.

— Isso é verdade,— disse Tatum.

— Além disso, talvez estejamos em choque,— eu disse. Então outro pensamento me ocorreu. — A menos que coisas como esta aconteçam nesta faculdade o tempo todo?

Os dois balançaram a cabeça com veemência.

— De jeito nenhum,— disse Reid. — Recebemos um tapa de bruxa ruim. Eu nunca vi nada parecido— . Então ele olhou para mim. — Desculpe.— Um tapa de bruxa era um tipo de coisa ofensiva a dizer, uma vez que implicava que as bruxas eram menores de alguma forma.

Ficamos calados.

Eventualmente, saímos da sala de jantar e subimos para nossos quartos. Tatum e eu sentamos no sofá da nossa sala de estar. Ela percorreu os canais da TV várias vezes. Eu não disse a ela para escolher nada. Eu realmente não queria assistir a nada de qualquer maneira. Mas ter a televisão ligada era reconfortante de alguma forma.

Uma ou duas horas depois, alguém bateu à porta. Era Reid.

Ele entrou na sala e Tatum desligou a TV. Reid esfregou as mãos. — Olha, essa coisa saiu da brecha com Estelle, certo?

— Certo,— eu disse. Ele estava indo a algum lugar com isso?

— O que é isso?— ele disse. Ele olhou para nós com olhos arregalados e sinceros, como se pensasse que poderíamos realmente responder à sua pergunta.

Mas nem Tatum nem eu dissemos nada.

Ele enfiou as mãos nos cabelos. — As brechas estão ligadas a nós de alguma forma, à nossa mágica. Não estão?

— Parece que elas podem estar,— eu disse.

— Mas por que?— ele disse.

— Eu não sei,— eu disse.

— Não temos respostas,— disse Tatum.

— Essa coisa matou todo mundo ,— disse Reid.

— Exceto nós,— eu sussurrei.

As palavras pairaram entre nós.

— Você acha que ...— Reid arfou. — Você acha que é nossa culpa ? Nós devemos nos culpar de alguma forma?

— Não,— disse Tatum, claramente horrorizada.

— Não é como se tivéssemos feito de propósito, mas talvez algo que fazemos - ou algo que somos - abra essas brechas, assim como nossa mágica traz os skitters,— disse Reid.

— Não,— eu disse, — porque Weathersbane disse que houve uma brecha na faculdade antes. É por isso que há um livro na biblioteca sobre como fechá-la.

— Certo,— disse Reid, parecendo aliviado. — Certo, é claro.— Ele assentiu e soltou um suspiro barulhento. — Está bem então. Vamos para o bar— . Eu levantei minhas sobrancelhas. — Realmente?

Você quer ficar bêbado à tarde de novo?

— Vimos o reitor de toda a faculdade ser desmembrado diante de nossos rostos hoje de manhã,— disse Reid. — Não consigo pensar em nenhum motivo melhor para me engessar.

Tatum deu de ombros. — Ele tem um ponto.

Então, todos saímos da sala e fomos para as escadas para sair dali. Mas no topo da escada, fomos recebidos por Logan, que estava subindo. Seu rosto estava sombrio e suas asas pareciam estar caindo, como se ele estivesse carregando o peso do mundo sobre elas.

— Eu estava procurando por vocês três,— disse Logan.

— Você estava?— Eu disse.

— Precisamos treinar,— disse ele. — Todos vocês.

— Eu pensei que você disse que apenas Petra precisava treinar,— disse Tatum.

— Não,— disse Logan, — foi o que Henrik pensou. Mas Henrik não é ...— O rosto dele se contorceu. — De qualquer forma, esta é minha decisão. Vocês três são a única esperança que temos contra essa ameaça e não são fortes o suficiente ainda, então vamos treinar— .

Nenhum de nós discutiu com ele.

Nós o seguimos de volta para o beco atrás do prédio, onde ele montou barreiras, como antes comigo.

E então conjuramos e matamos skitters por horas.

Ele nos pressionou a conjurar coisas cada vez maiores. Nunca mais algo tão grande quanto um tanque, mas coisas como chamas e lança-foguetes.

Quanto mais conjurávamos, mais skitters havia.

Nós atirávamos neles e os matávamos e outra onda vinha.

Outro octo-monstro com tentáculos apareceu, e o cravamos de balas e continuamos conjurando.

E então havia mais coisas - coisas que eu nunca tinha visto antes . Coisas horríveis que rastejavam, deslizavam, murmuravam e choramingavam.

Nós atiramos neles e os matamos.

E ainda conjuramos.

Logan nos empurrou até que a mágica de Tatum se esgotou, depois a de Reid e, finalmente, a minha.

Não que conseguíssemos que parar de matar quando a magia não funcionasse mais. Havia muitas criaturas no beco para isso. Nós tivemos que continuar lutando.

Finalmente, não havia mais nada, e nós matamos tudo. O beco estava coberto de manchas escuras, restos de coisas mortas.

— Conjure outra coisa,— Logan me disse.

— Não— , eu disse. — Minha mágica está morta.

— Não está,— disse Logan. — Qualquer objeto que você conjure não terá efeito no mundo, mas atrairá mais coisas para matar.

Nós estávamos nisso há muito tempo naquele momento. Estávamos cansados, suados e com fome.

— Talvez,— eu disse com os dentes cerrados, — não queremos matar mais nada.

Ele olhou para mim. – — Hoje de manhã você tentou ajudar Henrik ou ficou parada assistindo-o morrer?

— Você nos viu!— Eu o enfrentei. — Estávamos seguindo isso com machados para cortá-lo em pedaços.

— Claro que você estava,— disse Logan sarcasticamente. — Tente fingir que você não é a covarde inútil que prefere ficar bêbada do que assumir suas responsabilidades.

Eu estreitei meus olhos para ele. – — E você é uma gárgula que faz o que os magos mandam.

Garoto, você está realmente atrasando sua espécie em gerações— . Eu imediatamente me arrependi de ter dito isso. Ele me chamou de covarde, com certeza, mas o que eu disse foi pior. Eu costumava fazer isso quando as pessoas me insultavam. Eu os insultava de volta, mas agora levei isso para outro nível. — Sinto muito,— eu disse. — Eu não quis dizer isso. É só que eu não entendo ...

Mas Logan estava se afastando de mim. Ele foi até o fim do beco e recolheu as barreiras que montara. Então ele passou por nós, foi para o outro

lado do beco, pegou o resto das barreiras e desapareceu.

CAPÍTULO ONZE

No dia seguinte, todos dormimos até tarde.

Tatum e eu fomos acordadas por alguém batendo na nossa porta. A batida foi curta e precisa. Claramente quem estava lá fora esperava ser atendido prontamente.

Sentei-me na cama, gemendo. Meu corpo inteiro parecia um músculo gigante dolorido. Se eu tivesse que passar todas as noites matando skitters, não ia durar muito por aqui.

— Olá?— chamou uma voz do outro lado da porta. — Alguém em casa?

Eu gemi novamente.

De repente, ouvi o som da porta se abrindo.

Pulei da cama e fui para a sala, me preparando para conjurar qualquer arma que eu pudesse precisar.

Mas a pessoa na sala de estar era um dos professores. Ele usava um colete estampado e uma

No documento SINOPSE Bem-vindo ao ravenridge college. Embebedar-se. Tome decisões estúpidas. E chute o traseiro interdimensional sério. Petra brightshade tinha a (páginas 168-184)