CAPÍTULO TRÊS

— Você é a nova garota, então?

Eu estava de pé no topo de uma escada. No alto, pinturas altas de magos de aparência séria do século XIX ou algo me encaravam. As pinturas emolduradas seguiam as escadas desde o primeiro andar. Esse prédio de dez andares era aparentemente o Ravenridge College, e abrigava todas as salas de aula, dormitórios e tudo mais.

A pessoa que estava falando comigo tinha cabelos pretos e um piercing na sobrancelha. Ela estava usando um monte de pulseiras. — Eu sou Tatum Booth,— disse ela. — Eles disseram que eu estava conseguindo uma colega de quarto, o que é bom. Eu gostava de ter o banheiro sozinha, mas posso compartilhar. Eu sou iluminada.

Aparentemente, o semestre havia começado semanas atrás, mas eu era uma recruta atrasada.

Eu tinha uma bolsa pendurada nas costas e estava

carregando meu travesseiro em uma mão e uma mala na outra. Eu tinha mais lixo no meu carro para carregar.

O carro também era lixo. Foi o melhor que pude pagar com minhas economias, uma verdadeira bagunça. Eu tinha dirigido para a faculdade, mesmo que vovó tivesse se oferecido para vir comigo. Ela disse que eu poderia querer alguma ajuda na mudança. Eu disse a ela que eu poderia fazer isso sozinha, principalmente porque não queria parecer como uma idiota fazendo minha avó me levar para a faculdade de magia.

Eu tinha 21 anos, pelo amor de Deus. Eu não era uma criança. Eu poderia fazer isso sozinha.

No entanto, esses lances de escada eram assassinos. Disseram-me que meu quarto ficava no quinto andar, mas não sabia que as escadas seriam tão íngremes e estreitas.

— Eu acho que sou a nova garota,— eu disse.

— Você é a Petra?— ela perguntou.

— Essa sou eu,— eu disse. — Eles disseram que eu estava vindo, hein?

— Você é outra primal,— disse ela.

— O que isso significa?— Eu disse.

— Você tem sua própria mágica sem um talismã,— disse ela.

— Oh,— eu disse. — Sim. Você também?

Ela assentiu. — A maioria dos outros estudantes não. Até recentemente, essa era uma academia respeitada de magos e eles ensinavam apenas estudantes de magos.

— Nós não somos excelentes estudantes de magos?— Eu disse. Eu sabia que algumas pessoas preferiam o termo mago a bruxa. Geralmente, pessoas esnobes. Francamente, eu preferia bruxa, porque não queria ser associada a magos. Mais de mil anos atrás, uma ordem de magos criara as gárgulas usando o sacrifício humano de dragão e magia negra. Eles criaram as gárgulas para serem seus escravos e protetores. Durante o dia, as

gárgulas eram estátuas de pedra, mas à noite elas ganhavam vida.

Esse tipo de coisa durou muito tempo. Faz menos de cem anos, as gárgulas foram emancipadas.

Não, eu estava muito mais feliz sendo chamada de bruxa. As bruxas eram usuários de magia do sertão, que faziam feitiços, usavam caldeirões e não procuravam toda a porcaria do mago esnobe.

Algumas pessoas pensaram nisso como um termo depreciativo, mas não eu.

Ela encolheu os ombros. — Talvez você seja.

Eu ri.

Ela estendeu a mão. — Você quer que eu carregue alguma coisa?

— Oh, sim,— eu disse, entregando meu travesseiro.

Ela pegou. — Sim, acho que posso lidar com isso. Algo mais?

— Você quer ir ao meu carro comigo e me ajudar a trazer todo o resto?

— Ah, eu vejo como é. Faço uma oferta para ajudar, e então você está me usando como trabalho livre.

— Não,— eu disse. — Você não precisa ...

— Estou brincando,— disse ela. — Claro que eu vou ajudar.— Ela gesticulou com a cabeça. — Vamos.

Eu a segui pelo corredor, que era estreito. As paredes estavam cobertas por um papel de parede elevado com um desenho ornamentado. O prédio era bastante antigo. Viramos uma esquina para um corredor semelhante. Havia portas pretas de ambos os lados. Elas eram numeradas. As informações que eu obtive disseram que o número do meu quarto era onze. Todos os números ímpares estavam no lado esquerdo. Eu os assisti contar enquanto descíamos o corredor. Um, três, cinco, sete, nove ...

Ela se virou, empurrando a porta.

Havíamos entrado em uma pequena sala de estar. Havia papel de parede descascado na parede, cor de esmeralda e diamantes brancos alternados.

Um sofá de veludo verde estava encostado na parede. O sofá quase combinava com o papel de parede. Era alto demais para as janelas atrás dela, e as costas subiam sobre os peitoris. Havia uma mesa de café em frente e havia uma pilha aleatória de livros antigos sobre ela. Aparafusado à parede oposta ao sofá havia uma televisão. Era elegante e moderno, em contraste com a bagunça e os móveis antigos no resto da sala.

— Desculpe pela bagunça,— disse Tatum. — Eu estava indo para limpar, mas depois me lembrei de que não faço isso.

Eu ri um pouco. — OK.

Ela encolheu os ombros para mim. — Você não é uma aberração pura, é? Se você é uma aberração pura, vamos ter um tempo terrível juntas.

— Uh, na verdade não,— eu disse. A sala não estava muito bagunçada para mim. Eu não me importava com a bagunça, mas eu não era uma grande fã de coisas sujas. Notei um conjunto de xícaras de café no chão ao lado do sofá. Todas elas

tinham sido utilizadas e nenhuma havia sido limpa?

Sim, isso era meio nojento.

— Droga,— disse ela. — Você já me odeia.

— Eu não,— eu disse.

Ela apontou para mim. — Você não vai admitir isso até depois que eu arrastar toda a sua merda em três lances de escada, de qualquer maneira.

Eu ri. — Você me pegou. Estou escondendo minha profunda repulsa por você.

— Seriamente?

— Não, não é sério,— eu disse. — Eu não te odeio. Eu juro.— Fiz um gesto ao redor da sala. — Eu não entendo. O que é este lugar? Não há camas?

Não dormimos aqui?

— Oh, desculpe,— disse ela. Ela atravessou a sala e abriu uma porta na parede adjacente ao sofá.

— Este é o seu quarto.— Ela apontou do outro lado da sala para outra porta na parede oposta. — Esse é o meu quarto. E ... Ela girou, apontando para mais uma porta. — Nós dividimos o banheiro.

— Oh,— eu disse, virando um círculo para olhar em volta. — Legal. Você tem tudo isso para si mesma?

— Sim,— disse Tatum.

— Você é quem provavelmente me odeia, então,— eu disse. — Você sabe, por ocupar seu espaço.

Ela balançou a cabeça. — Na verdade, tem sido meio solitário. Acho que os estudantes magos têm medo de mim.

Entrei no meu quarto e coloquei minha mala e minha bolsa na cama. O quarto era pequeno.

Continha uma cama de solteiro com uma cabeceira de ferro forjado, uma pequena mesa de madeira escura e um guarda-roupa que estava enfiado no canto. Era grande demais para o seu espaço também. Ele se projetava sobre a única janela da sala. Olhei em volta, tentando ver se havia outro lugar para colocar o guarda-roupa.

— Você está pensando em mudar essa coisa?—

Tatum estava apontando para o guarda roupa.

— Talvez,— eu disse.

— Boa sorte,— disse ela. — Essas coisas são pesadas como o inferno.

Enfiei a mão na minha camisa e coloquei minha mão em volta do meu talismã dragão. Usando um pouco de magia, peguei o guarda-roupa do chão e o joguei no ar.

— Whoa,— disse Tatum. — Você tem um talismã?

— Sim,— eu disse. — Minha avó me deu.— Eu fiz o guarda-roupa flutuar mais alto, para poder limpar a cama. Coloquei-o contra a outra parede.

Então larguei meu talismã.

— Então, você é como Reid,— disse Tatum. — Você também é um mago.

Eu me virei para ela. — Eu não sou. Quem é Reid?

— Você tem um talismã,— disse ela. — Ele é outro primal. Você o encontrará. Ele é de uma família rica de magos.

— Sim, bem, eu não moro em uma mansão com gárgula como servos ou qualquer coisa,— eu disse.

— Eu sou do meio do nada, de uma cidade pobre e suja do país. Minha avó se diz uma bruxa.

Ela assentiu. — Certo. Entendi.

— Você sabe, você não precisa ser um mago para fazer mágica com talismãs. Qualquer pessoa com um talismã pode fazê-lo.

Ela inclinou a cabeça para mim. — Sim, mas para conseguir esses talismãs, os dragões precisam, tipo, morrer.

— Verdade,— eu disse. — Mas isso não significa que eles tenham que ser assassinados. Nossos talismãs vêm de nossos ancestrais dragões. Eles queriam que tivéssemos seus restos para fazer objetos mágicos.

— Eew,— disse Tatum.

Eu dei de ombros. — Mais ou menos, eu acho.

Tatum encostou-se à porta do meu quarto. — Escute, eu quero que sejamos amigas. Não sou muito boa em fazer amigos, para ser honesta, então

acho que é contra algum código não escrito sair e dizer isso, mas estou fazendo assim mesmo, porque quero que você saiba. Vamos ser amigas, ok?

Eu sorri para ela. — Sim, tudo bem.

Ela sorriu de volta.

Meu sorriso aumentou. — E agora, amiga, vamos pegar o resto das minhas coisas.

Ela torceu o nariz. — Ótimo.

* * *

— Eu pensei que seria pior do que isso,— disse Tatum. Estávamos sentadas em uma mesa na Cevadas e Sinos, que Tatum havia me informado que era o ponto de encontro favorito dos estudantes de Ravenridge. Mesmo sendo uma aluna do primeiro ano, ela também não era da idade de caloura. Ela tinha a minha idade, 21 anos.

Cevadas e Sinos era um bar que costumava ser uma igreja, e o bar estava onde o púlpito costumava estar. As mesas do lugar estavam todas rodeadas de bancos velhos. O teto era alto, até a ponta do telhado, e havia uma varanda que havia sido

construída no segundo andar. Era onde estávamos sentados. Nós espiamos as cabeças das pessoas abaixo de nós. — Eu pensei que você teria muitos bens, e mais pesados.

— Bem, vovó tentou me comprar um frigobar, mas eu não aceitei,— eu disse. — Ela estava mais animada por eu ir embora do que eu. Ela disse que era porque eu finalmente estava crescendo e ela estava orgulhosa de mim, mas acho que ela ficou feliz em se livrar de mim, para ser sincera.

— Que pena, na verdade,— disse Tatum. — Eu não tenho um frigobar. Teria sido bom ter um para a suíte.

— Vou dizer a ela para trazer um quando ela for visitar,— eu disse. — O que ela está ameaçando fazer muito em breve, já que eu não a deixei vir e me ajudar a me mudar.

— Por que você não a deixou vir?— Tatum tomou um gole de sua cerveja.

— Eu não sei,— eu disse. — Acho que parece meio bobo agora, mas eu estava meio nervosa por

causar uma impressão. Eu não queria parecer uma garota idiota indo para a faculdade pela primeira vez. Mesmo assim, você sabe, é o que sou.

— Nós não somos crianças,— disse Tatum. — Somos mulheres sofisticadas.

Eu ri. Eu gostei de Tatum. Ela pode ser nojenta com suas xícaras de café, mas ela foi direta, e eu apreciei isso. Eu levantei meu copo. — Eu vou beber a isso.

Ela riu. E bateu o copo contra o meu.

Nós duas bebemos.

— E você?— Eu disse. — Seus pais deixaram você?

— Eu não tenho pais,— disse ela.

— Oh, bem, eu também não,— eu disse. — Quero dizer, sem pai. Minha mãe foi surpreendida e me teve, e ela é ...— - eu me lembrava do que a gárgula havia dito. — Na verdade, como é sua mãe?

— Uma cadela,— disse Tatum.

Recuei, surpresa com a força de seu pronunciamento.

— Desculpe,— disse Tatum. — Só que não vejo meus pais há quase dez anos. Fugi de casa quando tinha catorze anos.

— Oh, nossa,— eu disse. — Uau, eu não sabia.

— Como você poderia saber?— disse Tatum. — Eu tentei ir para casa uma vez, depois que isso aconteceu.— Tatum apontou para o pulso dela.

Eu estremeci. Havia algo lá, como uma tatuagem ... Não, sua pele estava levantada. Havia algo sob sua pele. Era como uma pulseira envolvente, ou uma cobra fina, mas estava sob a pele dela. Meus lábios se separaram. — O que…?

Ela sacudiu o pulso. — O que é isso?

— Sim,— eu disse.

— Presumo que você não tem um.

— Não,— eu saio disse.

— Então, você é como Reid, então. Você nasceu primal.

— Eu ...— Eu tomei um gole da minha cerveja.

— Eu nem sei o que isso significa. E onde está esse Reid?

— Oh, você o encontrará,— disse ela. — Nós somos as únicas na faculdade. Talvez no mundo, quem sabe.

Eu balancei minha cabeça. Eu estava começando a sentir como se toda essa nova informação estivesse vindo rápido demais.

Ela apontou para o pulso. — Esta é uma longa história.

— É por isso que você fugiu de casa?

— Não, eu não tinha isso então,— disse ela. — Não tive uma ótima vida em casa, para ser sincera.

Meus pais viviam em um lixo de trailer e bebiam muito, e eram bêbados maus. Comecei a entrar em magia, porque pensei que poderia resolver todos os meus problemas. Quando meus pais descobriram, eles surtaram. A magia os assustou, e eles não entenderam, então eles não me queriam por fazer isso.

— Então, você sabe tudo sobre talismãs,— eu disse. — Mas quando eu mudei o guarda-roupa...

— Eu pensei que talvez sua magia primal pudesse fazer isso,— disse ela. — Quero dizer, o meu não pode afetar as coisas no mundo real. Eu posso convocar coisas, mas não consigo mover as coisas.

— Não, é assim que o meu também funciona,—

eu disse. — Eu chamo as coisas adiante. Não sei de onde eles vêm, mas posso trazer o que quiser com a minha magia.

— Tudo bem,— disse ela. — Então, é o mesmo.

— Acho que sim,— eu disse. — Eu realmente não sei se o que fazemos é o mesmo. Eu demonstraria, mas toda vez que faço esse tipo de mágica, parece ser um farol para essas horríveis criaturas do tipo aranha ...

— Os skitters,— disse ela. — Sim, eu também estou familiarizada com eles.

— Skitters,— eu repeti. Como nome, se encaixa perfeitamente. — É assim que você os chama?

— Sim.

Eu assenti. — De qualquer forma, mesmo se eu pudesse usar minha magia para mover o guarda-roupa, não usaria. Não vale a pena ter que lutar contra essas coisas. Cometi o erro de fazer minha mágica em minha casa, e eles descobriram onde eu morava. Eles vieram atrás da minha mãe— . Peguei minha bebida e tomei um grande gole. Na verdade, eu não queria muito falar sobre isso.

— Eles são péssimos,— disse ela, entendendo.

— Aqui na faculdade, eles têm essas balas

— Sim, eu vi. O cara que me recrutou, a gárgula...

— Logan?

— Eu não sei. Esse é o nome dele?

— Tem que ser Logan,— disse ela. — Logan Gray. Você não vê muitas outras gárgulas saindo com magos, a menos que trabalhem para as famílias, sabia?

— Sim,— eu disse. Era uma situação confusa, pensei. Na década de 1960, as gárgulas haviam sido emancipadas, e agora era ilegal para qualquer mago

manter uma gárgula como escrava. Mas as gárgulas simplesmente foram libertadas sem alarde. Eles não receberam dinheiro, terra ou outras habilidades além das que já tinham. Muitos deles não tiveram escolha a não ser continuar trabalhando para os magos que anteriormente eram seus donos. Agora eram pagos salários, então imaginei que era melhor.

E a nova geração de gárgulas agora teve a chance de ir à faculdade pública - faculdade noturna, é claro, uma vez que eram pedras durante o dia - para que tivessem melhores oportunidades. As coisas estavam melhorando, mas era um processo lento.

— Ele é misterioso,— disse Tatum. — Muito gostoso, no entanto.

Eu ri. — Sim, ele é bom de se olhar.

Tatum pegou sua cerveja. — Onde eu estava? Eu estava te falando sobre o meu pulso?

— Oh, certo,— eu disse. — Como isso aconteceu?

— Bem, eu fugi de casa para poder continuar fazendo mágica e me juntei a um clã em Baltimore.

Foi uma merda. Éramos um bando de fugitivos agachados em prédios condenados e vendendo artefatos mágicos ilegais - escamas de dragão, dentes, você escolhe. Nós até vendíamos dados.

Dados era uma droga feita de carne de dragão.

Supostamente, dava um incrível aumento mágico que fazia uma pessoa se sentir invencível. Tivemos que entregar todos os nossos lucros a um cara que dirigia nossa equipe. Em troca, ele deveria nos ensinar mágica. Mas ele nunca nos ensinou muito.

Em vez disso, ele nos usou em experiências estranhas que ele fez. Uma noite, fui pega por algo que ele estava fazendo, algum feitiço sombrio que envolvia cortar a garganta de ratos brancos e abrir um buraco entre este mundo e outro. Eu estava amarrada, uma oferta para o que ele pensasse que sairia daquela fresta entre os mundos. Mas a única coisa que surgiu foi isso.— Ela tocou a parte levantada de sua pele.

— Oh meu Deus,— eu disse. — Ele ia te matar?

— Provavelmente,— disse ela. — Não faço ideia.

Mas essa coisinha preta de cobra sem rosto deslizou para fora. Ele subiu no meu corpo e eu estava gritando. Escorregou sob a minha pele e nunca saiu.

Depois disso, eu conseguia fazer as coisas.

— Isso é insano.

— Sim, você não está errada.— Ela tomou um gole. — Enfim, eu me afastei daquele idiota depois disso. Eu não tinha outro lugar para ir, então fiquei feliz quando me ofereceram uma vaga nesta faculdade.

Eu balancei minha cabeça em descrença. E eu pensei que minha vida tinha sido difícil. Não se comparava com o que Tatum havia passado.

— Não,— disse ela.

— O que?— Eu disse.

— Você está com pena de mim.

— Eu não estou,— eu disse, mesmo que isso não fosse verdade. Eu estava sendo simpática, o que não era exatamente a mesma coisa.

— Eu não quero que você seja minha amiga por pena,— disse ela.

— Eu não faria isso,— eu disse.

Ela me olhou.

E de repente havia um cara puxando uma cadeira para a nossa mesa. — Ei, ei, ei, esta é a nova primal?

Recostei-me na minha cadeira, um pouco desorientada com a sua entrada abrupta.

Ele sorriu para nós. Ele era atraente de uma maneira formal. Seu cabelo tinha gel. Estava habilmente despenteado. Ele deu um sorriso de dentes brancos para mim. Ele tinha um coquetel em uma mão, completo com um limão na borda do copo. Ele largou a bebida e espremeu o limão nela.

— Eu sou Reid Darkmore.

Tatum revirou os olhos. — Deus, deixe-a em paz, Reid. Ela mal se mudou. Dê a ela uma chance de respirar antes de atacar.

Reid lançou um olhar divertido. — Não é isso que estou fazendo.— Ele voltou para mim. — Estou

dizendo olá. Para ser amigável. Nós animais precisamos ficar juntos.

Tatum pegou sua cerveja. — Reid é um cachorro. Tudo que sai da boca dele é uma mentira.

Você deveria ficar longe dele.

— Oh, Tatum, isso não é legal.— Ele fez um barulho de cacarejar no fundo da garganta. Para mim, — eu juro, não sou tão assustador. Eu nem mordo. Bem, a menos que você goste desse tipo de coisa.

Tatum fez uma cara azeda.

Reid apontou para a minha bebida. — Você quer um refil?

— Não,— disse Tatum. — Ela não quer.

— Eu acho que a moça bonita pode falar por si mesma,— disse Reid, sorrindo para mim. Ele piscou.

Ah, inferno. Ele disse que eu era bonita. Ele queria comprar minha bebida. E ele era legal de se olhar. Qual era o problema aqui? Eu entreguei a ele meu copo. — Coisa certa.

Reid sorriu. Ele voltou-se para Tatum. — Eu vou pegar uma bebida para você também.

Tatum deu um suspiro. — Adapte- se.

Reid levantou-se da mesa. — Volto logo.— Ele foi embora.

— Sério,— disse Tatum. — Estou te avisando.

Fique longe daquele idiota.

— Ele parecia bom o suficiente,— eu disse.

— Sim, ele sempre parece assim,— disse Tatum. — E então ele deixa você cair como papel higiênico usado assim que termina com você.

— Oh,— eu disse. — Um daqueles.

— Charmoso pau de duas caras.

— Acho que você fala por experiência pessoal?

Ela fez um barulho desdenhoso. — De jeito nenhum. Eu posso identificar esse tipo de idiota a uma milha de distância. Eu nunca dei a ele a hora do dia.

— Bem, obrigada pelo aviso,— eu disse.

— Você vai dizer para ele se perder?

No documento SINOPSE Bem-vindo ao ravenridge college. Embebedar-se. Tome decisões estúpidas. E chute o traseiro interdimensional sério. Petra brightshade tinha a (páginas 36-114)