• Nenhum resultado encontrado

Projeto Euroace Invest

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "Projeto Euroace Invest"

Copied!
276
0
0

Texto

(1)

lote 2

Registro. SV:003/30/15

Elaboração de estudos e análises de dados socioeconómicos da Eurorregião,

incluindo o desenvolvimento de uma estratégia de especialização inteligente para a EUROACE,

no âmbito da internacionalização das regiões Alentejo-Centro e Estremadura,

dentro do Projeto Euroace Invest

caracterização económica

e empresarial da Eurorregião

(2)
(3)

UTE AT Clave-Arenal GC

Registro. SV:003/30/15

lote 2

Elaboração de estudos e análises de dados socioeconómicos da Eurorregião,

incluindo o desenvolvimento de uma estratégia de especialização inteligente para a EUROACE,

no âmbito da internacionalização das regiões Alentejo-Centro e Estremadura,

dentro do Projeto Euroace Invest

caracterização económica

e empresarial da Eurorregião

(4)

EQUIPO CONSULTOR

⁻ Juan Requejo, economista y geógrafo. Director del proyecto y Libro Blanco ⁻ José Ignacio Macías, economista. Coordinador del proyecto y Turismo ⁻ José Belis, economista. Estructura económica y Hoja de Ruta ⁻ Paulo Queiroz, economista. Coordinación regiones portuguesas ⁻ Eva Herrera, economista. Coordinación de Caracterización económica y ⁻ Energía, Agroalimentaria

⁻ Manuel Fernández, sociólogo. Estudios técnicos de regiones y capital humano ⁻ Alejandro Luna, sociólogo. Estudios técnicos de regiones

⁻ Reyes Muñoz, geógrafa. Coordinación de los Estudios técnicos territoriales ⁻ Virginia del Río, consultora de planificación. Normativa y planificación ⁻ Claudia Lousada, economista. Entrevistas en regiones portuguesas ⁻ André Pinheiro. Traducción al portugués

⁻ Miguel Ángel León, consultor de planificación. Memoria de I+D+i ⁻ Amanda Gurruchaga. Traducción al inglés

⁻ Angel Alonso, operador de sistemas. Figuras y gráficos ⁻ Pablo García, ingeniero informático. Sistema de información ⁻ Alegría Canivell. Maquetación

⁻ Equipo de Apoyo: Andrea García Guillen, Miguel Ángel León, José Francisco Requejo

DIRECCIÓN FACULTATIVA

⁻ Iluminada Mendoza, licenciada en derecho

Dirección General de Comercio de la Junta de Extremadura ⁻ José Manuel López, Asesor de la Dirección Facultativa

Invest in Extremadura

(5)

SOCIOECONÓMICOS DA EURORREGIÃO, INCLUINDO O DESENVOLVIMENTO DE UMA ESTRATÉGIA DE ESPECIALIZAÇÃO INTELIGENTE PARA A EUROACE”, no âmbito da INTERNACIONALIZAÇÃO DAS REGIÕES ALENTEJO-CENTRO E ESTREMADURA, dentro do PROJETO EUROACE INVEST, QUE A UTE At Clave-Arenal GC tem contratado com a “Consejería de Economía, Competitividad e Innovación del Gobierno de Extremadura”.

O estudo realizado no âmbito do projeto EUROACE INVEST estrutura-se, de acordocom o levantamento das necessidades técnicas do contrato, nos seguintes documentos:

1. Estudo Técnico conjunto do Centro e Alentejo. Este documento corresponde aosseguintes conteúdos: Geografia, População, Organização administrativa, Espaçosnaturais, Espaços urbanos, Atençãosanitária, Turismo, Gastronomia e Desportos. Adicionalmente temum documento anexo de dados e um anexo de identificação de fontes.

2. Estudo Técnico conjunto da zona Estremadura. Este documento corresponde aosseguintesconteúdos: Geografia, População, Organização administrativa, Espaçosnaturais, Espaços urbanos, Atençãosanitária, Turismo, Gastronomia e Desportos. Adicionalmente temum anexo estatístico e um anexo de identificação de fontes.

3. Estudo Técnico da Eurorregião. Este documento corresponde aosseguintesconteúdos: Geografia, População, Organização administrativa, Espaçosnaturais, Espaços urbanos, Atençãosanitária, Turismo, Gastronomia e Desportos. Adicionalmente temum documento anexo de dados e um anexo de identificação de fontes.

4. Documento Executivo do Estudo Técnico EUROACE

5. Caracterização económica e empresarial da Eurorregião. Este documento inclui as seguintesanálises e relatórios:

- Análise económico geral da EUROACE.

- Caracterização do tecido empresarial da Eurorregião. - Análise do capital humano da Eurorregião.

- Análise das infraestruturas de transporte, fornecimento energético, espaçosindustriais, centros I+D+i e

telecomunicações.

- Companhias estrangeiras nas trêsr egiões.

- Anexos: Identificação de fontes e Fichas de Companhias Estrangeiras. 6. Análise dos Setoresde Ponta. Este documento inclui a análise dos seguintessetores:

- Indústria Agroalimentar, - Energia,

- Turismo, - I+D+i.

- Incluitambémum anexo estatístico e um anexo de identificação de fontes. 7. DocumentoCompilatório.Este documento inclui as seguintesanálises:

- Contextualização

- Desenho de Cadeia de Valor - Análise DAFO.

8. Documento Estratégico. Composto por:

- Livro Branco de propostas de Especialização Inteligente - Planeamento para as prioridades

(6)

9. Normativa e Planificação. Composto por doisblocos de informação: - Normativa.

- Planificação

10. Documento Executivo e de Síntese: Este documento é apresentado em três idiomas: Espanhol, Português e Inglês.

ANEXOS

- Relação qualificada de atores do âmbito transfronteiriço. - Relatório de participação.

(7)

Índice

pág.

Capítulo 1 Economia da EUROACE 5

1.1. Produto Interno Bruto 7

1.2. Atividades geradoras de valor 9

1.3. Produtividade 16

1.4. Exportações 18

Capítulo 2 Caracterização dotecido empresarial 27

2.1. Evolução empresarial 29

2.2. Dimensão das empresas 31

2.3. Forma jurídica 32

2.4. Especialização setorial 33

2.5. Atividades de média-alta tecnologia 38

2.6. Empreendimento 38

Capítulo 3 Capital humano 41

3.1. Nível de estudos 43

3.2. Perfil profissional 47

3.3. Desemprego 52

Capítulo 4 Infraestruturas de transporte, fornecimento energético, espaços industriais, centros

I+D+i e telecomunicações 59

4.1. Infraestruturas de transporte 61

4.2. Fornecimento energético 72

4.3. Espaços industriais e centros de I+D+i 76

4.4. Telecomunicações 84

Capítulo 5 Estabelecimento de empresas estrangeiras em EUROACE 87

Anexo estatístico

(8)
(9)

Capítulo 1

(10)
(11)

1.1. Produto Interno Bruto

Em 2013 o Produto Interno Bruto (PIB) da EUROACE situou-se em 59.357 milhões de euros, valor relativamente ao PIB de Espanha e Portugal aproximadamente de 5,0% proporção ligeiramente inferior à que este território representa na população de ambos países, mas muito inferior do que representa em termos de superfície, que é de 16,9%.

Como consequência, o PIB por habitante da EUROACE em 2013 não está muito afastado do PIB por habitante do conjunto de Espanha e Portugal, 22.149 euros e 23.441 euros respetivamente (3,8% menos), mas existem sim muita diferença no PIB por km2, que na EUROACE só alcança 29,1% da média de Espanha e Portugal (0,59 e 2,04 milhões de euros por km2),

Entre os anos 2000 e 2013 o PIB da EUROACE tem aumentado a uma taxa anual média de 2,72%, o que significa um crescimento acumulado neste período de 35,4%. Todo o crescimento foi verificado até 2008, pois com o início da crise, o PIB deste território, como na maioria dos territórios de Espanha e Portugal, retrocedeu, principalmente a partir de 2011, pois em 2010 foi alcançado o maior PIB nominal da história deste território, 63.475 milhões de euros.

O crescimento da economia da EUROACE desde o ano 2000 tem sido muito inferior ao conjunto de Espanha e Portugal, com uma diferença média anual de 1,70 pontos percentuais, que, para todo o período analisado, representa um diferencial de crescimento de 22,1 pontos percentuais.

Evolução do PIB EUROACE, Espanha e Portugal

Fonte: INE de Espanha e INE de Portugal; cálculos próprios.

O menor ritmo de crescimento da economia da EUROACE relativamente a Espanha e Portugal levou a que este território tenha perdido 0,8 pontos na participação que em 2000 teria o PIB de

100,0 110,0 120,0 130,0 140,0 150,0 160,0 170,0 180,0 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013

(12)

ambos países, descida que se produziu no início do século XXI, pois em 2006 a EUROACE representava a mesma proporção que em 2013 (5,0%)

A região Centro de Portugal é a que contribui com mais PIB na EUROACE, 53,2% em 2013, muito acima de Estremadura (28,2% total) e ainda mais do Alentejo (18,7%).Também é a região de maior PIB por km2, superando em mais de 2,5 vezes Estremadura e quase 3 vezes o Alentejo, mas não ocorre o mesmo no PIB por habitante, já que esta última região supera moderadamente ao Centro e quase duplica o nível de Estremadura.

Produto Interno Bruto das regiões que formam a EUROACE (2013)

Indicadores Centro Alentejo Estremadura EUROACE

PIB (milhões de euros) 32.123 11.275 17.023 60.421

PIB por habitante (euros) 26.816 29.378 15.501 22.546

PIB por km2 (milhares de euros) 1.139 357 409 596

Fonte: INE de Espanha e INE de Portugal; cálculos próprios.

A distribuição do PIB da EUROACE entre regiões é em 2013 ligeiramente distinta do ano 2000, pois das duas regiões portuguesas sofreram uma perda progressiva de participação na economia deste território (2,7 pontos percentuais Centro e 1,4 pontos percentuais Alentejo) e, por tanto, Estremadura ganhou participação (4,1 pontos percentuais).

Esta evolução deve-se a que o PIB de Estremadura cresceu entre 2000 e 2013 a uma taxa média anual de 4,5%, diferente dos 2,2% do Centro e 2,0% do Alentejo, diferença que em termos acumulados neste período, supõe um crescimento de Estremadura de 29,6 pontos percentuais mais que o Centro e de 32,3 pontos percentuais mais que o Alentejo.

Evolução do PIB nas regiões que formam a EUROACE

(13)

O crescimento do PIB do Centro e Alentejo tem sido inferior ao de Portugal no período de 2000-2013 (4,5 e 7,2 pontos percentuais respetivamente) e o mesmo ocorreu em Estremadura relativamente a Espanha (3,9 pontos percentuais menos). Aliás, o crescimento acumulado das duas regiões portuguesas foi inferior em todos os anos ao de Portugal, tendo-se agravado o diferencial de crescimento com o início da crise económica, fundamentalmente no Alentejo, enquanto que em Estremadura tem sido inferior em todos os anos, salvo em 2010.

Evolução do PIB do Alentejo e Centro relativamente a Portugal e de Estremadura relativamente a Espanha

Fonte: INE de Espanha e INE de Portugal; cálculos próprios.

1.2. Atividades geradoras de valor

A economia da EUROACE é basicamente de serviços, já que em conjunto contribuem com 36.915 milhões de euros ao Valor Acrescentado Bruto (VAB) em 2013, valor que representa 68,8% do total. A preponderância dos serviços ocorre em três regiões, ainda que com certa diferença entre duas delas, Estremadura e Alentejo, que contribuem respetivamente com 71,6% e 65,2%.

Apesar da grande importância dos serviços têm no VAB da EUROACE, a proporção que representam neste território é inferior à que representam Espanha e Portugal, 76,7% e 73,9% respetivamente, pois em ambos países as atividades agrícolas e as atividades industriais têm uma menor participação na economia (aproximadamente 3 pontos menos em média ambas). Na EUROACE as atividades primárias (agricultura, gado, caça, pesca, etc.) geraram em 2013 5,5% do VAB, proporção que se superou significativamente no Alentejo (9,0%) e moderadamente em Estremadura (6,8%). Na região Centro estas atividades têm menos

(14)

importância económica que nas outras duas regiões da EUROACE, apesar de contribuírem mais para o VAB em Portugal (3,6% e 2,3% respetivamente em 2013).

Pelo que se refere a atividades industriais, a sua contribuição ao VAB da EUROACE foi de 20,4%, nível que se superou nas duas regiões portuguesas (23,2% no Centro e 22,0% no Alentejo), enquanto que em Estremadura a sua contribuição é notavelmente inferior, por debaixo da média de Espanha (14,2% e 17,5% respetivamente).

Relativamente à construção, a participação que tem o VAB da EUROACE é similar à que apresenta o conjunto de Espanha e Portugal (5,4% e 5,5% respetivamente), apesar de que existem fortes diferenças nas três regiões, principalmente pela grande importância que tem Estremadura, que contribui com 7,4% do VAB, quase dois pontos percentuais mais que em Espanha, muito acima do que contribui o Centro e Alentejo (4,8% e 3,8% respetivamente).

Distribuição por setores do VAB da EUROACE (% 2013)

Fonte: INE de Espanha e INE de Portugal; cálculos próprios.

Dois ramos de serviços destacam-se em relação aos outros na sua contribuição à economia da EUROACE, “Comércio, reparação de veículos, transporte e hotelaria” e “Administração Pública e defesa, segurança social obrigatória, educação, atividades sanitárias e serviços sociais”, que presentam 22,2% e 22,9% respetivamente do VAB gerado em 2013.

As diferenças diferenças entre as três regiões da EUROACE na contribuição destas duas atividades são importantes, pois “Comércio, reparação de veículos, transporte e hotelaria” representa 6,3 pontos percentuais mais no Centro que Estremadura e Administração Pública e defesa, segurança social obrigatória, educação, atividades sanitárias e serviços sociais” representa 8,5 pontos mais em Estremadura que no Centro, ficando o Alentejo em ambas atividades com uma posição intermédia entre as outras duas regiões.

0,0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0

Centro Alentejo Extremadura EUROACE Portugal Espanha Agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca

Indústria, energia, água, etc. Construção

(15)

Outro ramo de serviços representa mais de 10% do VAB da EUROACE, as “Atividades imobiliárias”, com 12,2%, sendo que todas as restantes se encontram abaixo dos 5%. As diferenças entre as regiões na participação destes serviços são escassas salvo “Atividades financeiras e de seguros” e “Atividades artísticas, recreativas, outros serviços, etc.”, cuja contribuição do VAB de Estremadura é bastante superior ao do Alentejo.

Contribuição dos ramos económicos ao VAB da EUROACE (%, 2013)

Ramo Centro Alentejo Estremadura EUROACE Portugal Espanha

Agricultura, produção animal, caça,

floresta e pesca 3,6 9,0 6,8 5,5 2,3 2,8

Indústrias extrativas; indústrias transformadoras; produção e distribuição de electricidade, gás, vapor e ar frio; captação, tratamento e distribuição de água; saneamento,

gestão de resíduos e despoluição 23,2 22,0 14,2 20,4 16,9 17,6

Construção 4,8 3,8 7,4 5,4 4,2 5,7

Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos; transportes e armazenagem;

atividades de alojamento e restauração 24,3 22,8 18,0 22,2 24,9 23,8

Informação e comunicação 1,5 1,2 1,9 1,6 3,5 4,1

Atividades financeiras e de seguros 3,2 2,7 3,6 3,2 5,9 3,7

Atividades imobiliarias 12,8 11,4 11,4 12,2 12,2 11,9

Atividades de consultoria, cientificas, técnicas e similares; actividades

administrativas e dos serviços de apoio 3,9 3,5 4,0 3,8 6,9 7,4

Administração pública e defesa; segurança social obrigatória; educação,

saúde humana e ação social 20,2 21,2 28,7 22,9 20,3 18,6

Atividades artísticas e de espetáculos; reparação de bens de uso doméstico e

outros serviços 2,5 2,4 4,0 2,9 2,9 4,3

Total 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0 100,0

Fonte: INE de Espanha e INE de Portugal; cálculos próprios.

As atividades primárias são onde a EUROACE tem maior representação na economia de Espanha e Portugal, 9,8% do VAB em 2013, mais do dobro que no conjunto de atividades (4,8%), sendo estas atividades nas que, portante, é maior a especialização deste território (o Índice de Especialização é de 2,03). Há que destacar que o Alentejo e Centro representam 55,0% do VAB primário de Portugal.

Em dois outros ramos a EUROACE representa mais de 5% do VAB de Espanha e Portugal, “Indústria, energia, água, etc.” com 5,6% e “Administração Pública e defesa, segurança social obrigatória, educação, atividades sanitárias e serviços sociais” com 5,9%. Estas atividades

(16)

apresentam também uma especialização moderadamente alta (Índice de Especialização de 1,17 e 1,21 respetivamente).

Em todos os ramos restantes a participação da EUROACE no VAB de Espanha e Portugal está abaixo da média, exceto as “Atividades imobiliárias”, que se encontra praticamente na média (4,9%), com níveis muito baixos em “Informação e Comunicação” e “Atividades profissionais, científicas e técnicas, administrativos e serviços auxiliares” (1,9% e 2,5% respetivamente), os dois ramos de serviços com maior taxa de valor adicionado.

Contribuição da EUROACE para o VAB de Espanha e Portugal (% 2013)

Contribuição para o VAB EUROACE

Contribuição Alentejo e Centro VAB Portugal Contribuição Estremadura VAB Espanha Ramo Contribuição EUROACE VAB Espanha e Portugal Centro Ramo Centro Alentejo Estremadura

Agricultura, produção animal, caça,

floresta e pesca 34,1 30,2 35,7 55,0 4,0 9,8

Indústrias extrativas; indústrias transformadoras; produção e distribuição de electricidade, gás, vapor e ar frio; captação, tratamento e distribuição de água; saneamento,

gestão de resíduos e despoluição 59,9 19,9 20,1 34,5 1,3 5,6

Construção 46,7 13,2 40,2 27,2 2,1 4,7

Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos; transportes e armazenagem; atividades de

alojamento e restauração 57,6 19,0 23,5 24,3 1,2 4,5

Informação e comunicação 51,1 13,5 35,4 10,4 0,8 1,9

Atividades financeiras e de seguros 52,3 15,5 32,2 13,1 1,6 3,9

Atividades imobiliarias 55,5 17,4 27,2 25,9 1,5 4,9

Atividades de consultoria, cientificas, técnicas e similares; actividades

administrativas e dos serviços de apoio 53,1 16,7 30,1 13,9 0,9 2,5

Administração pública e defesa; segurança social obrigatória;

educação, saúde humana e ação social 46,5 17,1 36,4 25,6 2,5 5,9

Atividades artísticas e de espetáculos; reparação de bens de uso doméstico e

outros serviços 44,7 15,1 40,2 21,1 1,5 3,4

Total 52,6 18,5 29,0 25,3 1,6 4,8

(17)

Fonte: INE de Espanha e INE de Portugal; cálculos próprios.

Entre 2000 e 2013 o VAB da EUROACE cresceu a uma taxa média anual de 2,78%, ritmo que foi amplamente superado pelas “Atividades imobiliárias” (12,13%) e, em certa medida, pelas “Atividades artísticas, recreativas, outros serviços, etc.” e as “Atividades profissionais, científicas e técnicas, administrativas e serviços auxiliares” (5,42% e 4,22% respetivamente). O VAB dos outros cinco ramos também cresceu no período em questão. Dois destes ramos acima de 2% de média anual (“Administração Pública e defesa, segurança social obrigatória, educação, atividades sanitárias e serviços sociais” e “Comércio, reparação de veículos, transporte e hotelaria”). Foram dois ramos cujo VAB, de uma forma geral, decresceu entre 2000 e 2013, o de “Agricultura, gado, caça, etc” e o de “Construção”, sendo que o primeiro ligeiramente mais que o segundo.

Em alguns ramos os ritmos de crescimento foram muito semelhantes nas três regiões da EUROACE, como são os casos de “Agricultura, gado, caça, etc.” e “Comércio, reparação de veículos, transporte e hotelaria”. Noutras as diferenças em crescimento são moderadas, entre elas “Indústria, energia, água, etc.” e “Informação e Comunicação”, enquanto que em vários ramos as diferenças são muito significativas entre regiões, principalmente em “Atividades imobiliárias” (21,1 pontos percentuais de diferença).

0 0,5 1 1,5 2 2,5

Informação e comunicação Atividades de consultoria, cientificas,… Atividades artísticas e de espetáculos;… Atividades financeiras e de seguros Comércio por grosso e a retalho; reparação…

Construção Atividades imobiliarias Indústrias extrativas; indústrias… Administração pública e defesa; segurança… Agricultura, produção animal, caça, floresta…

Índice de Especialização da EUROACE relativamente a Espanha e Portugal

(18)

Diferenças entre regiões no crescimento do VAB dos ramos económicos no período 2000-2013 (% médio anual)

Actividades Centro Alentejo Estremadura EUROACE

Agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca -1,55 -1,99 -1,62 -1,72

Indústrias extrativas; indústrias transformadoras; produção e distribuição de electricidade, gás, vapor e ar frio; captação, tratamento e distribuição de água; saneamento, gestão de resíduos

e despoluição 0,75 1,75 7,84 1,83

Construção -1,71 -2,66 0,07 -1,28

Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos; transportes e armazenagem; atividades de

alojamento e restauração 3,65 4,27 3,92 3,82

Informação e comunicação 1,39 3,90 1,03 1,52

Atividades financeiras e de seguros 2,05 2,28 1,39 1,86

Atividades imobiliarias 9,28 8,78 29,88 12,13

Atividades de consultoria, cientificas, técnicas e similares;

actividades administrativas e dos serviços de apoio 4,79 3,88 3,51 4,22

Administração pública e defesa; segurança social obrigatória;

educação, saúde humana e ação social 2,26 2,14 6,34 3,41

Atividades artísticas e de espetáculos; reparação de bens de uso

doméstico e outros serviços 4,90 5,60 5,97 5,42

Total 2,24 2,04 4,58 2,78

Fonte: INE de Espanha e INE de Portugal; cálculos próprios.

Uma parte muito importante dos 14.253 milhões de euros de aumento do VAB entre 2000 e 2013 deve-se a três ramos da economia, que somam entre elas 82,2% do mesmo: “Atividades imobiliárias” (28,0%), “Comércio, reparação de veículos, transporte e hotelaria” (27,8%) e “Administração Pública e defesa, segurança social obrigatória, educação, atividades sanitárias e serviços sociais” (26,5%).

Dos restantes ramos, só “Atividades profissionais, científicas e técnicas, administrativas e serviços auxiliares” representam mais do que 5% do aumento total do VAB, enquanto que entre os dois ramos que perderam VAB entre 2000 e 2013 geram uma diminuição de quase 10%, 1.422 milhões de euros, dos quais 847 milhões correspondem a “Agricultura, gado, caça, etc.” e 574 milhões a “Construção”.

A contribuição dos ramos aos crescimento do VAB nas regiões da EUROACE é em geral muito díspar, principalmente nos quatro ramos em que a diferença é de mais de dez pontos percentuais entre regiões: “Agricultura, gado, caça, etc.” (11,0 pontos entre o Alentejo e Centro), “Indústria, energia, água, etc. (10,4 pontos entre Alentejo e Centro), “Comércio, reparação de veículos, transporte e hotelaria” (22,7 pontos entre Alentejo e Estremadura) e “Administração Pública e defesa, segurança social obrigatória, educação, atividades sanitárias e serviços sociais” (14,4 pontos entre Estremadura e Centro).

(19)

Contribuição dos ramos económicos ao aumento do VAB na EUROACE no período de 2000-2013 (milhões de euros correntes)

Ramo Centro Alentejo Estremadura EUROACE

Agricultura, produção animal, caça, floresta e pesca -255 -312 -281 -847

Indústrias extrativas; indústrias transformadoras; produção e distribuição de electricidade, gás, vapor e ar frio; captação, tratamento e distribuição de água;

saneamento, gestão de resíduos e despoluição 583 404 1.112 2.100

Construção -384 -201 10 -574

Comércio por grosso e a retalho; reparação de veículos automóveis e motociclos; transportes e armazenagem;

atividades de alojamento e restauração 2.207 807 943 3.958

Informação e comunicação 67 39 36 141

Atividades financeiras e de seguros 191 61 85 337

Atividades imobiliarias 1.978 603 1.410 3.991

Atividades de consultoria, cientificas, técnicas e similares;

actividades administrativas e dos serviços de apoio 419 116 194 729

Administração pública e defesa; segurança social

obrigatória; educação, saúde humana e ação social 1.298 457 2.017 3.773

Atividades artísticas e de espetáculos; reparação de bens

de uso doméstico e outros serviços 272 99 274 645

Total 6.376 2.075 5.802 14.253

Fonte: INE de Espanha e INE de Portugal; cálculos próprios.

Contribuição dos ramos económicos de aumento do VAB da EUROACE no período 2000-2013

Ramo Centro Alentejo Estremadura EUROACE

Agricultura, ganadería, caza, etc. -4,0 -15,0 -4,8 -5,9

Industria, energía, agua, etc. 9,1 19,5 19,2 14,7

Construcción -6,0 -9,7 0,2 -4,0

Comercio, reparación de vehículos, transporte y hostelería 34,6 38,9 16,3 27,8

Información y Comunicación 1,0 1,9 0,6 1,0

Actividades financieras y de seguros 3,0 3,0 1,5 2,4

Actividades inmobiliarias 31,0 29,1 24,3 28,0

Actividades profesionales, científicas y técnicas, administrativas

y servicios auxiliares 6,6 5,6 3,3 5,1

Administración Pública y defensa, SS obligatoria, educación,

actividades sanitarias y servicios sociales 20,4 22,0 34,8 26,5

Actividades artísticas, recreativas, otros servicios, etc. 4,3 4,8 4,7 4,5

Total 100,0 100,0 100,0 100,0

(20)

1.3. Produtividade

A produtividade aparente do trabalho na EUROACE foi em 2012 de 41.102 euros1, 25,9% inferior à media de Espanha e Portugal, que se situou em 55.468 euros. A diferença deve-se principalmente à menor produtividade de Estremadura relativamente a Espanha e do Centro relativamente a Portugal, pois a produtividade do Alentejo superou a média da economia portuguesa.

As diferenças em produtividade aparente do trabalho entre as três regiões que compõe este território são significativas, principalmente entre a região espanhola e as duas regiões portuguesas, pois a produtividade de Estremadura superou em 35,2% a do Alentejo e esta região foi 12,0% maior que a do Centro.

Produtividade aparente do trabalho na EUROACE (2011)

Indicador Centro Alentejo Estremadura EUROACE Portugal Espanha

Produtividade (euros) 36.181 40.534 54.785 41.102 38.703 59.490

Diferença em relação à média

dos países (%) -6,5 4,7 -7,9 -25,9

Diferença em relação à média

do EUOROACE (%) -12,0 -1,4 33,3 -5,8 44,7

Fonte: INE de Espanha e INE de Portugal; cálculos próprios.

Entre 2000 e 2011 a produtividade aparente do trabalho aumentou na EUROACE numa média anual aproximada de 3,6%, ritmo que em todo o período acumula um crescimento de 44,1%, o que significa 1.051 euros mais de produtividade.

O maior crescimento da produtividade foi atingido em Estremadura donde a média anual aumentou 4%, superior à do Alentejo e Centro em 1,4 e 0,6 pontos percentuais respetivamente e também superior ao crescimento da produtividade de Espanha (0,3 pontos percentuais mais cada ano). A produtividade no Alentejo tem sido inferior à media de Portugal (0,9 pontos percentuais menos de média anual), enquanto que no Centro o aumento tem sido muito semelhante à média da economia portuguesa (0,1 pontos percentuais menos de média anual). Resumindo, o diferencial de produtividade gerado desde 2000 a favor de Estremadura relativamente às duas regiões portuguesas é muito significativo: 6.919 euros relativamente ao Centro e 7.721 euros relativamente ao Alentejo.

(21)

Evolução da produtividade aparente do trabalho na EUROACE entre 2000 e 2011 (preços correntes)

Indicador Centro Alentejo Estremadura EUROACE Portugal Espanha

Aumento relativo total (%) 37,4 28,7 44,1 39,1 38,5 40,6

Média aumento relativo anual (%) 3,4 2,6 4,0 3,6 3,5 3,7

Aumento absoluto total (euros) 9.844 9.041 16.763 11.560 10.761 17.175

Média aumento absoluto anual (euros) 895 822 1.524 1.051 978 1.561

Fonte: INE de Espanha e INE de Portugal; cálculos próprios.

A produtividade aparente do trabalho aumentou em preços correntes em todos os anos do período 2000-2011, excepto em 2011 em que se registou um decréscimo de 0,2%. Em todos os anos o crescimento da produtividade tem sido superior a 2%, por cima de 4% em 2001 e 2007 (4,4% e 5,3% respetivamente)

Em Estremadura a produtividade cresceu em todos os anos do período mencionado, em quatro anos mais do que 4%, destacando-se o aumento conseguido em 2009 (5,9%). No Alentejo e Centro a produtividade cresceu em todos os anos excepto 2011, com crescimentos superiores a 4% em dois anos em cada uma das regiões, 2004 e 2006 no Alentejo e 2001 e 2007 no Centro.

Evolução da produtividade aparente na EUROACE (euros; preços correntes)

Fonte: INE de Espanha e INE de Portugal; cálculos próprios.

As taxas de crescimento da produtividade em cada ano apresentam importantes diferenças entre as três regiões da EUROACE, do que se deriva que respondem a dinâmicas específicas e fatores próprios das atividades produtivas de cada uma delas.

20.000 25.000 30.000 35.000 40.000 45.000 50.000 55.000 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 Centro Alentejo Extremadura EUROACE

(22)

Estas diferenças têm sido mais pronunciadas desde 2008, como o início da crise económica, aumentando muito mais a produtividade de Estremadura que Alentejo e Centro devido, em grande medida, à destruição dos postos de trabalho na economia de Estremadura (2,3% de média anual no período 2008-2011).

Taxas anuais de variação da produtividade aparente do trabalho na EUROACE (% preços correntes)

Fonte: INE de Espanha e INE de Portugal; cálculos próprios

1.4. Exportações

As exportações de bens da EUROACE situaram-se em 2014 em 13.766 milhões de euros, 4,8% das exportações de bens do conjunto de Espanha e Portugal, proporção ligeiramente inferior do que este território representa na economia de ambos países, o que leva a que a contribuição das exportações ao PIB da EUROACE seja levemente inferior à média de Espanha e Portugal (22,8% e 23,6% respetivamente).

A relevância das exportações na economia das três regiões da EUROACE é muito díspar, principalmente pela baixa contribuição que têm em Estremadura, onde as vendas de bens a outros países representam 9,6% do PIB, muito inferior dos níveis que se alcançam no Alentejo e Centro (25,6% e 28,8% respetivamente)

A maior parte das exportações de bens da EUROACE é realizada por empresas situadas no Centro, região que representou em 2014 67,1% do total exportado desde este território transfronteiriço, 9.235 milhões de euros, más do triplo que o Alentejo e 5,5 vezes mais que as exportações de Estremadura, que representaram respetivamente 20,9% e 12,0% das exportações da EUROACE. -2,0 -1,0 0,0 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011

(23)

Exportações da EUROACE em 2014

Indicador Centro Alentejo Estremadura EUROACE Portugal Espanha

Exportações (milhares de euros) 9.235.728 2.880.826 1.649.971 13.766.525 48.177.135 240.034.872

As exportações para o PIB 28,8 25,6 9,6 22,8 28,1 22,7

Distribuição das exportações Regional (%) 67,1 20,9 12,0 100,0

Nota: Para as regiões portuguesas e portugueses tomou o PIB de 2013, porque não é publicada 2014 Fonte: INE de Espanha e INE de Portugal; cálculos próprios.

Entre 2010 e 2014 as exportações da EUROACE têm aumentado a uma taxa média anual em preços correntes de 5,3%, o que supõe um crescimento de 21,2% para todo o período, 2.410 milhões de euros mais exportados. O crescimento das exportações da EUROACE desde 2010 tem sido inferior ao conjunto de Espanha e Portugal (1,9 pontos percentuais menos), que por sua vez resulta em que a participação da EUROACE nas exportações de ambos países tenha decrescido 0,3 pontos percentuais.

Estremadura foia região a registar um maior crescimento relativo das exportações no período 2010-2014, com uma média anual a preços correntes de 7,8%, superior em 1 ponto percentual ao ritmo de crescimento das exportações do Alentejo e 3,3 pontos percentuais mais que as exportações do Centro. Estes diferentes ritmos de crescimento provocaram uma leve variação da distribuição regional da exportações da EUROACE, com aumentos de Estremadura e Alentejo (0,9 e 1,0 pontos respetivamente) e decréscimo do Centro (1,9 pontos percentuais). A concentração da exportação da EUROACE no Centro leva a que, apesar do seu menor ritmo de crescimento que as outras duas regiões, uma parte muito importante do aumento corresponda a esta região, nomeadamente 58,2% entre 2010 e 2014, enquanto que o Alentejo representou 25,5% do aumento e Estremadura 16,3%.

Evolução das exportações da EUROACE

Indicador Centro Alentejo Estremadura EUROACE Portugal Espanha

Exportações Variação 2010-2014

(milhares de euros) 1.402.836 614.599 393.152 2.410.587 10.909.229 53.254.801

Exportações Variação 2010-2014 (%) 17,9 27,1 31,3 21,2 29,3 28,5

As exportações médias anuais

2010-2014 (%) 4,5 6,8 7,8 5,3 7,3 7,1

Contribuição das exportações para o

PIB mudança 2010-2014 5,5 6,3 2,6 4,9 7,4 5,4

Variação na distribuição regional das

exportações -1,9 1,0 0,9 0,0

Distribuição regional do crescimento

das exportações (%) 58,2 25,5 16,3 100,0

(24)

Evolução das exportações da EUROACE

Indicador Centro Alentejo Estremadura EUROACE Portugal Espanha

Fonte: INE de Espanha e INE de Portugal; cálculos próprios.

As exportações de “Maquinaria, material elétrico e relacionados, dispositivos de som, dispositivos de imagem e som em televisão, partes e acessório de gravação” foram as de maior quantia em 2014 na EUROACE. Esta exportações contribuíram com 2.194 milhões, 15,9% do total, sendo que 81,3% destas foram realizadas por empresas situadas no Centro. Em segundo nível de importância situam-se três grupos de bens, que representam cada uma em redor de 10% das exportações da EUROACE: “Plásticos e as suas manufacturas; borracha e as suas manufactura” com 1.444 milhões de euros, “Metais comuns e as suas obras “ com 1.389 milhões de euros e “Alimentos preparados; bebidas líquidos alcoólicos e vinagre; tabaco e substitutos de tabaco elaborado” com 1.319 milhões de euros.

Nos outros três grupos de bens as exportações da EUROACE rondaram os 1.000 milhões de euros em 2014. “Equipa de transporte” com 1.099 milhões de euros, “Produtos das indústrias químicas ou de indústrias relacionadas” com 1.023 milhões de euros e “Manufacturas de pedra, gesso, cimento, amianto, mica ou materiais semelhantes; produtos cerâmicos; vidro e as suas manufacturas” com 904 milhões de euros.

As exportações de estes três grupos de bens também se concentram no Centro, muito mais de “Equipa de transporte” e “Manufacturas de pedra, gesso, cimento, amianto, mica ou materiais semelhantes; produtos cerâmicos; vidro e as suas manufacturas” que as de “Produtos das indústrias químicas ou de indústrias relacionadas” (85,9%, 84,8% e 53,5% do total respetivamente).

Sendo assim, as exportações em 2014 dos sete primeiros grupos de bens exportadores atingem os 9.375 milhões de euros, 68,1% do total dos 22 grupos de bens. Tais bens alcançam 71,4% das exportações do Centro, ligeiramente mais que em Estremadura e muito mais que no Alentejo, onde representam 66,9% e 58,3% respetivamente.

Estes sete grupos de bens lideram em geral as exportações das três regiões da EUROACE, apesar de que em todas há outros bens muito relevantes nas exportações, como são os casos de “Produtos do reino vegetal” e “Madeira e carvão vegetal: cortiça e as suas manufacturas; artigos de cestos e semelhantes” em Estremadura, “Produtos minerais” no Alentejo e “Pasta de madeira ou das restantes matérias fibrosas celulósicas; papel ou cartão para reciclar (desperdícios); papel e as suas obras” e “Têxteis e obras têxteis” no Centro.

(25)

Distribuição das exportação da EUROACE por tipos de bens (%, 2014)

Tipo de mercadorias Centro Alentejo Estremadura EUROACE

Animais vivos e produtos do reino animal 3,7 2,9 3,7 3,5

Produtos do reino vegetal 2,0 8,4 14,3 4,8

Gorduras e óleos animais ou vegetais; produtos da sua dissociação; gorduras alimentícias elaboradas; ceras de

origem animal ou vegetal 0,8 3,8 2,7 1,6

Produtos das indústrias alimentares; bebidas, líquidos alcoólicos e vinagres; tabaco e seus sucedâneos

manufaturados 4,8 11,3 33,4 9,6

Produtos minerais 0,9 18,6 0,2 4,5

Produtos das indústrias químicas ou das indústrias conexas 5,9 14,3 3,9 7,4

Plástico e suas obras; borracha e suas obras 11,0 12,0 4,7 10,5

Peles, couros, peles com pelo e obras destas matérias; artigos de correeiro ou de seleiro; artigos de viagem,

bolsas e artefactos semelhantes; obras de tripa 1,3 0,5 0,1 1,0

Madeira, carvão vegetal e obras de madeira; cortiça e suas

obras; obras de espartaria ou de cestaria 4,2 2,0 7,2 4,1

Pastas de madeira ou de outras matérias fibrosas celulósicas; papel ou cartão para reciclar(desperdicios e

aparas); papel e suas obras 5,3 0,3 0,9 3,7

Matérias têxteis e suas obras 6,3 2,4 2,3 5,0

Calçado, chapéus e artefactos de uso semelhante, guarda-chuvas, guarda-sóis, bengalas, chicotes e suas partes; penas preparadas e suas obras; flores artificiais; obras de

cabelo 1,2 0,1 0,2 0,8

Obras de pedra, gesso, cimento, amianto, mica ou de matérias semelhantes; produtos cerâmicos; vidro e suas

obras 8,3 2,3 4,3 6,6

Pérolas naturais ou cultivadas, pedras preciosas ou semipreciosas e semelhantes,metais preciosos, metais folheados ou chapeados de metais preciosos,e suas obras;

bijutaria;moedas 0,0 0,0 0,0 0,0

Metais comuns e suas obras 11,7 3,7 11,9 10,1

Máquinas e aparelhos, material elétrico, e suas partes; aparelhos de gravação ou de reprodução de som, aparelhos de gravação ou de reprodução de imagens e de

som em televisão, e suas partes e acessórios 19,3 9,8 7,8 15,9

Material de transporte 10,2 4,9 0,8 8,0

Instrumentos e aparelhos de ótica, fotografia ou cinematografia, medida, controlo ou de precisão; instrumentos e aparelhos médico-cirúrgicos;aparelhos de

relojoaria; instrumentos musicais; suas partes e acessórios 0,3 1,1 1,1 0,6

Armas e munições; suas partes e acessórios 0,0 0,0 0,0 0,0

Mercadorias e produtos diversos 2,7 1,6 0,3 2,2

Objetos de arte, de coleção e antiguidades 0,0 0,0 0,0 0,0

Outros produtos 0,0 0,0 0,1 0,0

Total 100,0 100,0 100,0 100,0

(26)

Distribuição das exportações da EUROACE por tipos de bens (%, 2014)

Tipo de mercadorias Centro Alentejo Estremadura EUROACE

Animais vivos e produtos do reino animal 70,1 17,1 12,8 100

Produtos do reino vegetal 27,5 36,7 35,7 100

Gorduras e óleos animais ou vegetais; produtos da sua dissociação; gorduras alimentícias elaboradas; ceras de origem

animal ou vegetal 31,8 48,7 19,5 100

Produtos das indústrias alimentares; bebidas, líquidos alcoólicos e

vinagres; tabaco e seus sucedâneos manufaturados 33,6 24,6 41,8 100

Produtos minerais 12,8 86,7 0,5 100

Produtos das indústrias químicas ou das indústrias conexas 53,5 40,3 6,3 100

Plástico e suas obras; borracha e suas obras 70,6 24,0 5,4 100

Peles, couros, peles com pelo e obras destas matérias; artigos de correeiro ou de seleiro; artigos de viagem, bolsas e artefactos

semelhantes; obras de tripa 88,1 10,4 1,5 100

Madeira, carvão vegetal e obras de madeira; cortiça e suas obras;

obras de espartaria ou de cestaria 68,6 10,3 21,1 100

Pastas de madeira ou de outras matérias fibrosas celulósicas; papel ou cartão para reciclar(desperdicios e aparas); papel e suas

obras 95,8 1,4 2,8 100

Matérias têxteis e suas obras 84,6 10,0 5,5 100

Calçado, chapéus e artefactos de uso semelhante, guarda-chuvas, guarda-sóis, bengalas, chicotes e suas partes; penas preparadas e

suas obras; flores artificiais; obras de cabelo 94,3 2,8 2,9 100

Obras de pedra, gesso, cimento, amianto, mica ou de matérias

semelhantes; produtos cerâmicos; vidro e suas obras 84,8 7,4 7,8 100

Pérolas naturais ou cultivadas, pedras preciosas ou semipreciosas e semelhantes,metais preciosos, metais folheados ou chapeados de

metais preciosos,e suas obras; bijutaria;moedas 92,3 7,7 0,0 100

Metais comuns e suas obras 78,1 7,7 14,2 100

Máquinas e aparelhos, material elétrico, e suas partes; aparelhos de gravação ou de reprodução de som, aparelhos de gravação ou de reprodução de imagens e de som em televisão, e suas partes e

acessórios 81,3 12,8 5,9 100

Material de transporte 85,9 12,9 1,2 100

Instrumentos e aparelhos de ótica, fotografia ou cinematografia, medida, controlo ou de precisão; instrumentos e aparelhos médico-cirúrgicos;aparelhos de relojoaria; instrumentos musicais;

suas partes e acessórios 38,7 38,0 23,3 100

Armas e munições; suas partes e acessórios 93,4 6,6 0,0 100

Mercadorias e produtos diversos 82,9 15,5 1,6 100

Objetos de arte, de coleção e antiguidades 59,3 39,7 1,0 100

Outros produtos 0,0 0,0 100,0 100

Total 67,1 20,9 12,0 100

(27)

As exportações da EUROACE aumentaram em todos os grupos de bens no período 2010-2014, excepto “Pasta de madeira ou das restantes matérias fibrosas celulósicas; papel ou cartão para reciclar (desperdícios); papel e as suas obras”, que diminuíram 21,6, dinâmica que se verificou nas três regiões, ainda que com muito mais intensidade no Centro (36,7% de decréscimo), região que representa 75,9% das exportação da EUROACE neste grupo de bens. Além deste grupo de bens, as exportações de “Equipas de transporte” realizadas desde o Centro também retrocederam entre 2010 e 2014 (2,4% menos), sendo o único caso adicional com decréscimo em todas as regiões da EUROACE.

Os aumentos de maior quantidade nas exportações verificaram-se em “Alimentos preparados; bebidas, líquidos alcoólicos e vinagre; tabaco e substitutos elaborados do tabaco”, “Produtos das indústrias químicas ou de indústrias relacionadas”, únicos grupos de bens que representam mais de 15% do aumento total (365 e 368 milhões de euros mais respetivamente).

O aumento das exportações de “Alimentos preparados;bebidas, líquidos alcoólicos e vinagre; tabaco e substitutos elaborados do tabaco” esteve moderadamente distribuído entre as três regiões da EUROACE, sendo o Centro a que mais acumula e o Alentejo a que menos (44,4% e 20,7% respetivamente). Mais polarizado tem sido o aumento das exportações de “Produtos das indústrias químicas ou de indústrias relacionadas” já que o Centro concentra 59,7%, bastante mais que o Alentejo (36,8%) e muito mais que Estremadura (3,5%).

Outros três grupo de bens também contribuíram substancialmente ao aumento das exportações da EUROACE, “Plásticos e as suas manufacturas; borracha e as suas manufacturas”, “Metais comuns e as suas obras” e “Maquinaria, material elétrico e relacionados; dispositivos ou reprodução de som, dispositivos ou reprodução de imagens e som em televisão, e as partes e acessórios de gravação”, que individualmente representam à volta de 14% do aumento total das exportações (348, 357 e 324 milhões de euros respetivamente.

Nestes três grupos de bens o aumento das exportações tem estado concentrado no Centro (91,3%, 83,8% e 87,8% respetivamente), basicamente porque em 2010 as empresas desta região representavam a maior parte das exportações destes produtos.

Os restantes grupos de bens significaram menos de 5% do aumento total das exportações da EUROACE excepto “Produtos do reino vegetal”, “Gorduras ou óleos animais ou vegetais; produtos derivados; gorduras alimentares; ceras de origem animal ou vegetal”, Madeira e carvão vegetal: cortiça e as suas manufacturas; artigos de cestos e semelhantes”, “Têxteis e obras têxteis” e “Manufacturas de pedra, gesso, cimento, amianto, mica ou materiais semelhantes; produtos cerâmicos; vidro e as suas manufacturas” que representaram entre 5,6% e 7,2% do incremento total. Nenhum destes cinco grupos de bens teve uma especial relevância no aumento das exportações em alguma das três regiões da EUROACE.

(28)

Distribuição da variação das exportações da EUROACE por tipo de bens entre 2010 e 2014 (% preços correntes)

Tipo de mercadorias Centro Alentejo Estremadura EUROACE

Animais vivos e produtos do reino animal 5,6 1,6 3,3 4,2

Produtos do reino vegetal 2,1 12,7 14,1 6,7

Gorduras e óleos animais ou vegetais; produtos da sua dissociação; gorduras alimentícias elaboradas; ceras de

origem animal ou vegetal 1,8 14,3 5,6 5,6

Produtos das indústrias alimentares; bebidas, líquidos alcoólicos

e vinagres; tabaco e seus sucedâneos manufaturados 11,6 12,3 32,4 15,2

Produtos minerais 1,4 1,2 0,6 1,2

Produtos das indústrias químicas ou das indústrias conexas 15,7 22,1 3,3 15,3

Plástico e suas obras; borracha e suas obras 22,7 3,5 2,2 14,5

Peles, couros, peles com pelo e obras destas matérias; artigos de correeiro ou de seleiro; artigos de viagem, bolsas e

artefactos semelhantes; obras de tripa 3,9 0,9 0,1 2,5

Madeira, carvão vegetal e obras de madeira; cortiça e suas

obras; obras de espartaria ou de cestaria 8,4 2,3 10,2 7,2

Pastas de madeira ou de outras matérias fibrosas celulósicas; papel ou cartão para reciclar(desperdicios e aparas); papel e

suas obras -36,7 -1,9 1,2 -21,6

Matérias têxteis e suas obras 8,7 2,3 6,3 6,7

Calçado, chapéus e artefactos de uso semelhante, guarda-chuvas, guarda-sóis, bengalas, chicotes e suas partes; penas

preparadas e suas obras; flores artificiais; obras de cabelo 1,8 0,3 0,2 1,2

Obras de pedra, gesso, cimento, amianto, mica ou de matérias

semelhantes; produtos cerâmicos; vidro e suas obras 7,6 3,0 8,5 6,6

Pérolas naturais ou cultivadas, pedras preciosas ou semipreciosas e semelhantes,metais preciosos, metais folheados ou chapeados de metais preciosos,e suas obras;

bijutaria;moedas 0,1 0,0 0,0 0,1

Metais comuns e suas obras 21,3 5,1 6,7 14,8

Máquinas e aparelhos, material elétrico, e suas partes; aparelhos de gravação ou de reprodução de som, aparelhos de gravação ou de reprodução de imagens e de som em

televisão, e suas partes e acessórios 20,3 4,0 3,7 13,5

Material de transporte -2,4 12,4 0,9 1,9

Instrumentos e aparelhos de ótica, fotografia ou cinematografia, medida, controlo ou de precisão; instrumentos e aparelhos médico-cirúrgicos;aparelhos de

relojoaria; instrumentos musicais; suas partes e acessórios 0,9 1,5 1,9 1,2

Armas e munições; suas partes e acessórios 0,0 0,0 -1,2 -0,2

Mercadorias e produtos diversos 6,5 2,4 0,0 4,4

Objetos de arte, de coleção e antiguidades -1,3 0,0 0,0 -0,7

Outros produtos 0,0 0,0 0,0 0,0

Total 100,0 100,0 100,0 100,0

(29)

Participação de cada região da EUROACE na variação das exportações por tipo de bens entre 2010 e 2014 (%, preços correntes)

Tipo de mercadorias Centro Alentejo Estremadura EUROACE

Animais vivos e produtos do reino animal 77,4 9,9 12,7 100,0

Produtos do reino vegetal 17,8 48,1 34,1 100,0

Gorduras e óleos animais ou vegetais; produtos da sua dissociação; gorduras alimentícias elaboradas; ceras de origem animal ou

vegetal 18,4 65,1 16,4 100,0

Produtos das indústrias alimentares; bebidas, líquidos alcoólicos e

vinagres; tabaco e seus sucedâneos manufaturados 44,4 20,7 34,9 100,0

Produtos minerais 66,8 25,2 8,1 100,0

Produtos das indústrias químicas ou das indústrias conexas 59,7 36,8 3,5 100,0

Plástico e suas obras; borracha e suas obras 91,3 6,3 2,5 100,0

Peles, couros, peles com pelo e obras destas matérias; artigos de correeiro ou de seleiro; artigos de viagem, bolsas e artefactos

semelhantes; obras de tripa 91,0 8,7 0,3 100,0

Madeira, carvão vegetal e obras de madeira; cortiça e suas obras;

obras de espartaria ou de cestaria 68,5 8,2 23,3 100,0

Pastas de madeira ou de outras matérias fibrosas celulósicas; papel ou cartão para reciclar(desperdicios e aparas); papel e suas

obras 98,6 2,3 -0,9 100,0

Matérias têxteis e suas obras 75,9 8,7 15,4 100,0

Calçado, chapéus e artefactos de uso semelhante, guarda-chuvas, guarda-sóis, bengalas, chicotes e suas partes; penas preparadas e

suas obras; flores artificiais; obras de cabelo 90,8 6,6 2,5 100,0

Obras de pedra, gesso, cimento, amianto, mica ou de matérias

semelhantes; produtos cerâmicos; vidro e suas obras 67,4 11,5 21,2 100,0

Pérolas naturais ou cultivadas, pedras preciosas ou semipreciosas e semelhantes,metais preciosos, metais folheados ou chapeados de

metais preciosos,e suas obras; bijutaria;moedas 87,2 12,8 0,0 100,0

Metais comuns e suas obras 83,8 8,8 7,4 100,0

Máquinas e aparelhos, material elétrico, e suas partes; aparelhos de gravação ou de reprodução de som, aparelhos de gravação ou de reprodução de imagens e de som em televisão, e suas partes e

acessórios 87,8 7,7 4,5 100,0

Material de transporte -72,4 165,1 7,3 100,0

Instrumentos e aparelhos de ótica, fotografia ou cinematografia, medida, controlo ou de precisão; instrumentos e aparelhos médico-cirúrgicos;aparelhos de relojoaria; instrumentos musicais;

suas partes e acessórios 42,0 31,7 26,3 100,0

Armas e munições; suas partes e acessórios 3,7 0,0 96,2 100,0

Mercadorias e produtos diversos 86,4 13,8 -0,1 100,0

Objetos de arte, de coleção e antiguidades 101,2 -1,4 0,2 100,0

Outros produtos 0,0 0,0 100,0 100,0

Total 58,2 25,5 16,3 100,0

(30)
(31)

Capítulo 2

Caracterização do

tecido empresarial

(32)
(33)

2.1. Evolução empresarial

1

O número de empresas ativas na EUROACE, de acordo com os últimos dados proporcionados pelos Institutos Nacionais de Estatísticas de Espanha e de Portugal, é à volta de 340.000, número que representa 8% do total de empresas da Península Ibérica.

A evolução na última década apresenta duas etapas diferenciadas, com um crescimento muito intenso desde 2004 até 2007 e um forte retrocesso a partir de 2008, tendo-se contraído o tecido empresarial da EUROACE em quase 50.000 empresas relativamente a 2004, das quais metade se perdeu nos últimos 4 anos.

Evolução do tecido empresarial por regiões EUROACE

2014* Var 2014*/2010 Var 2008/2010 Var 2004/2007

% % %

Estremadura 62.929 -1.742 -4,0 -2.279 -3,4 10.664 19,2

Alentejo 61.352 -5.864 -8,7 -5.148 -7,1 5.568 8,5

Centro 216.478 -18.197 -7,8 -16.663 -6,6 20.591 9,1

EUROACE 340.759 -24.963 -6,8 -24.090 -6,2 36.823 10,6

Nota: * os dados Alentejo, Centro e EUROACE são referenciados a 2012.

Fonte: Explotación Estadística del Directorio Central de Empresas. INE Espanha e Sistema de Contas Integradas das Empresas. INE Portugal.

Por regiões destaca-se o peso da Região Centro com 63% do total em 2012 frente aos 19% e 19% que representam as empresas de Estremadura e do Alentejo, respetivamente, no âmbito da EUROACE.

A evolução por regiões caracteriza-se, de igual forma que no conjunto da Eurorregião, pelo incremento no número de empresas entre os anos 2004 e 2007, com um crescimento especialmente importante em Estremadura, que alcançou os 19% frente aos 9% das regiões portuguesas. Este crescimento viu-se bruscamente atrasado a partir de 2008 como consequência da crise económica generalizada, sofrida de forma muito intensa em Espanha em Portugal. Nesta segunda etapa o comportamento de Estremadura volta a ser mais positivo que no Alentejo e Região Centro e a destruição de empresas tem sido menor. Esta circunstância permitiu que a participação das empresas de Estremadura tenham aumentado em 1,6 pontos percentuais desde 2008, sendo o decréscimo na participação da Região Centro de um ponto percentual e do Alentejo dos 0,6% restante

1A principal fonte de informação consultada para elaborar este relatório em relação à região de Estremadura foi o

Diretório Central de Empresas (DIRCE) que elabora o Instituto Nacional de Estatística de Espanha (INE), e dado que a informação do DIRCE não inclui as atividades empresariais nos ramos produtivos primários, os dados referem-se ao tecido industrial nos setores não agrários.

(34)

Fonte: Explotación Estadística del Directorio Central de Empresas. INE Espanha e Sistema de Contas Integradas das Empresas.INE Portugal.

A densidade empresarial medida em relação à extensão do território regional apresenta uma grande diferença entre a Região Centro com 7,7 empresas por Km2 e as outras duas regiões que integram a EUROACE (com 1,9 e 1,6 empresas por Km2 respetivamente no Alentejo e Estremadura), o que situa o valor da Eurorregião em 2012 em 3,4 empresas por Km2.

O indicador de densidade empresarial relativo à população (medida como o número de empresas por cada 1.000 habitantes) situava-se na EUROACE em 82,4 em 2012, valor bastante superior ao valor médio corresponde a Espanha (67,1) mas inferior ao valor correspondente a Portugal (96,0).

A Região Centro é a que maior densidade empresarial apresenta relativamente à população em geral, com 93,3 empresas por cada 1.000 habitantes, valor superior ao correspondente no Alentejo (81,3) e situando-se em ambos os casos muito acima da densidade empresária de Estremadura (59,7).

A evolução tem sido negativa para este indicador tanto para o conjunto da EUROACE como para cada uma das regiões. A taxa de variação registada entre 2008 e 2012 foi de -14,5% no Alentejo, de -11,4% na Região Centro e de -5,1% em Estremadura, o que volta a destacar a maior destruição de empresas portuguesas neste último período.

0 50.000 100.000 150.000 200.000 250.000 300.000 350.000 400.000

Extremadura Alentejo Centro EUROACE

e m p res as

Evolução do número de empresas em EUROACE. 2004-2012.

(35)

Fonte: Explotación Estadística del Directorio Central de Empresas. INE Espanha e Sistema de Contas Integradas das Empresas.INE Portugal.

2.2. Dimensão das empresas

O predomínio das pequenas empresas é claro no tecido empresarial da EUROACE. Do total de empresas ativas em 2012, 96,5% tinha menos de 10 assalariados, 2,0% ocupava entre 10 e 19 trabalhadores, 1,0% empregava entre 20 e 49 trabalhadores e apenas 0,5% tinham uma força de trabalho superior a 50 trabalhadores.

Esta estrutura repete-se em todas as regiões em proporções quase idênticas. Também se aprecia de forma generalizada que nos últimos anos as médias e grandes empresas diminuíram a sua participação em relação às pequenas e micro-empresas, já que só as empresas com menos de 10 assalariados apresentam taxas de variação positivas na sua proporção relativamente ao total de empresas entre 2010 e 2012.

Empresas por escalão de pessoal ao serviço. 2012 e taxa de varição 2012-2010

Estremadura Centro Alentejo EUROACE

2012 (%) Taxa Var. 2012/2010 (%) 2012 (%) Taxa Var. 2012/2010 (%) 2012 (%) Taxa Var. 2012/2010 (%) 2012 (%) Taxa Var. 2012/2010 (%) Menos de 10 pessoas 96,8 0,9 96,3 0,2 97,1 0,2 96,5 0,3 10 - 19 pessoas 1,9 -17,4 2,1 -7,6 1,8 -6,8 2,0 -9,2 20 - 49 pessoas 0,9 -28,0 1,1 -2,0 0,8 -9,5 1,0 -8,2 50 - 249 pessoas 0,3 -25,7 0,4 -4,8 0,3 1,0 0,4 -7,8 250 e mais pessoas 0,1 13,7 0,0 -0,4 0,0 11,7 0,0 4,2 Total 100,0 100,0 100,0

Nota 1: Estremadura 50-200 pessoas, mais de 200 pessoass e datos 2014. Nota 2: Centro e Alentejo incluem las empresas do setor primário.

Fonte: Explotación Estadística del Directorio Central de Empresas INE Espanha e Sistema de Contas Integradas das Empresas.INE Portugal. 0 20 40 60 80 100

Extremadura Alentejo Centro EUROACE

e m p res as / 1 .0 0 0 pe ss oas

Nº empresas / 10.000 pessoas. EUROACE. 2008-2010-2012.

(36)

O tamanho médio das empresas em relação ao número de funcionários era de 4,3 funcionários por empresas na EUROACE, sendo algo menor no Alentejo e Região Centro (4,2) e maior em Estremadura (4,6), apesar de que em todos os casos este indicador apresenta uma taxa de variação negativa relativamente a 2010 (2,1% menos para o conjunto da EUROACE).

As grandes empresas concentram-se na Região Centro, com 110 das 175 empresas de mais de 250 funcionários, apesar de ser a única região que diminuiu este conjunto de empresas desde 2010.

2.3. Forma jurídica

Atendendo à personalidade jurídica das empresas 67,9% do total adotaram uma estrutura de pessoa física em EUROACE, enquanto que 32,1% se declaram sociedades (sejas estas anónimas, de responsabilidade limitada, coletiva ou comanditárias), ou como cooperativa ou outro tipo de condição jurídica.

Por regiões, o peso das empresas constituías como pessoas físicas situa-se mais 10 pontos acima nas regiões portuguesas que em Estremadura, que é a única região onde as sociedades, cooperativas ou outro tipo de condição jurídica superam o 40% do total.

Nota: * os dados Alentejo, Centro e EUROACE são referenciados a 2012.

Fonte: Explotación Estadística del Directorio Central de Empresas. INE Espanha e Sistema de Contas Integradas das Empresas.INE Portugal.

(37)

2.4. Especialização setorial

A análise do tecido empresarial de EUROACE relativamente à sua estrutura setorial mostra que se trata de uma economia fortemente terciarizada em que o setor denominado “Resto dos serviços” concentra o maior número de empresas com 53,6% do total de empresas localizadas na Eurorregião. Este setor engloba as seguintes atividades: hotelaria, transporte, comunicação, atividades imobiliárias e de aluguer, serviços empresariais, atividades educativas, sanitárias e de assistência social ou outro tipo de atividades sociais, incluindo os serviços pessoais.

As atividades comerciais situam-se em segundo lugar e concentram 27% das empresas. A construção representa 11,5% e finalmente as empresas do setor industrial, que são aproximadamente 27.000 empresas, supõe 7,9% do tecido empresarial da Eurorregião.

A distribuição de empresas por grandes setores é semelhante entre as três regiões que compõe a EUROACE, destacando o peso algo maior que a indústria na Região Centro e da construção e comércio em Estremadura, que fazem que o setor “resto de serviços” seja inferior nas regiões portuguesas.

Nota: * los datos de Alentejo, Centro e EUROACE están referidos a 2012

Fonte: Explotación Estadística del Directorio Central de Empresas. INE Espanha e Sistema de Contas Integradas das Empresas.INE Portugal.

Segundo o número de pessoas ocupadas por grandes setores, o setor serviços (incluindo o comércio) é também o mais importante, tal como se verifica com o número de empresas. Os serviços concentram 71,9% do emprego no primário em EUROACE, enquanto que 19,1% é ocupado pela indústria e 9% é correspondente à construção.

(38)

Fonte: Explotación Estadística del Directorio Central de Empresas. INE Espanha e Sistema de Contas Integradas das Empresas.INE Portugal.

Na distribuição do emprego por grandes setores nas três regiões que compõe a EUROACE, é significativo o maior peso do emprego industrial nas regiões portuguesas, em especialmente na região Centro, que em Estremadura. Na região de Estremadura, o emprego no setor de construção também é ligeiramente inferior que nas outras regiões da EUROACE, pelo que a concentração de ocupados nos serviços é mais elevada.

Estremadura

Detalhando ao nível de ramos de atividade, a estrutura empresarial de Estremadura caracteriza-se fundamentalmente por:

− A indústria manufactora representa a maior parte do tecido industrial, com mais de 4.000

empresas. Os ramos de atividade principais são a indústria agroalimentar (com quase 30% das empresas de manufacturação), a fabricação de produtos metálicos (22%), a indústria de madeira e cortiça e a fabricação de móveis (9% nos dois casos).

− O comércio concentra-se principalmente em retalho, ao que pertencem 65% das empresas

do setor.

− Os ramos de atividade mais destacados dentro do setor serviços são os de restauração e

serviços de comidas e bebidas (20% do total de empresas de serviços) e de transporte terrestre e canalização (10%). O resto dos ramos tem um peso relativo inferior a 10%, situando entre 5% e 10% as atividades jurídicas e de contabilidade; outros serviços pessoais, as atividades sanitárias e os serviços técnicos de arquitetura e engenharia.

(39)

Distribuição do número de empresas por atividade produtiva em Estremadura. 2014. Empresas % total INDÚSTRIAS EXTRATIVAS 136 0,22 INDÚSTRIAS TRANSFORMADORAS 4.147 6,59 Indústrias alimentares 1.204 1,91

Fabricação de produtos metálicos, exceto máquinas e equipamentos 906 1,44

Indústrias da madeira e da cortiça e suas obras, exceto mobiliári 363 0,58

Fabrico de mobiliário e de colchões 355 0,56

Fabricação de outros produtos minerais não metálicos 320 0,51

Impressão e reprodução de suportes gravados 194 0,31

Indústria das bebidas 142 0,23

Reparação, manutenção e instalação de máquinas e equipamentos 108 0,17

Outras indústrias transformadoras 555 0,88

ELETRICIDADE, GÁS, VAPOR, AGUA E RESÍDUOS 551 0,88 CONSTRUÇÃO 8.466 13,50 COMÉRCIO 19.158 30,00 SERVIÇOS 30.471 48,40

Restauração e similares 5.959 9,47

Transportes terrestres e gasoduto 3.100 4,93

Atividades jurídicas e de contabilidade 2.356 3,74

Outras atividades de serviços pessoais 2.294 3,65

Atividades de saúde humana 2.002 3,18

Atividades de arquitetura, de engenharia e técnicas afins 1.897 3,01

Educação 1.606 2,55

Atividades imobiliárias 1.443 2,29

Serviços financeiros 1.401 2,23

Outras atividades de serviços 8.413 13,37

Fonte: Explotación Estadística del Directorio Central de Empresas. INE Espanha...

Alentejo e Região Centro

No Alentejo, os ramos de atividade mais destacados na estrutura empresarial são:

− A indústria de manufacturação representa a maior parte do tecido industrial, com mais de

4.200 empresas. Os ramos de atividade principais são a indústria agroalimentar (com quase 30% das empresas de manufacturação), a fabricação de produtos metálicos (19%), a indústria da madeira e da cortiça (10,2%) e a fabricação de produtos minerais não metálicos (9,3%)

− Os ramos de atividade mais destacados dentro do setor serviços são a venda de

atividades de serviços administrativos de apoio às empresas e a de restauração e serviços de comidas e bebidas (18% do total das empresas de serviços cada uma). Num nível inferior, mas ainda acima dos 10%, situam-se os serviços relacionados com a educação e a saúde.

(40)

Distribuição do número de empresas pela sua atividade produtiva no Alentejo. 2012. Empresas % total INDÚSTRIAS EXTRATIVAS 172 0,28 INDÚSTRIAS TRANSFORMADORAS 4.258 6,94 Indústrias alimentares 1.267 2,07

Fabricação de produtos metálicos, exceto máquinas e equipamentos 800 1,30

Indústrias da madeira e da cortiça e suas obras, exceto mobiliári 435 0,71

Fabrico de mobiliário e de colchões 145 0,24

Fabricação de outros produtos minerais não metálicos 398 0,65

Impressão e reprodução de suportes gravados 142 0,23

Indústria das bebidas 136 0,22

Reparação, manutenção e instalação de máquinas e equipamentos 248 0,40

Fabricação de têxteis 103 0,17

Outras indústrias transformadoras 679 1,10

ELETRICIDADE, GÁS, VAPOR, AGUA E RESÍDUOS 38 0,06 CONSTRUÇÃO 5.138 8,37 COMÉRCIO 16.803 27,39 SERVIÇOS 34.943 56,95

Atividades de serviços administrativos e de apoio prestados às empresas 6.335 10,33

Restauração e similares 6.304 10,28

Educação 3.620 5,90

Atividades de saúde humana 3.606 5,88

Outras atividades de serviços pessoais 3.122 5,09

Atividades jurídicas e de contabilidade 2.340 3,81

Atividades de arquitetura, de engenharia e técnicas afins 1.470 2,40

Atividades artísticas, de espetáculos, desportivas e recreativas 1.454 2,37

Atividades imobiliárias 1.099 1,79

Alojamento 712 1,16

Atividades desportivas, de diversão e recreativas 531 0,87

Atividades das sedes sociais e de consultoria para a gestão 508 0,83

Outras atividades de serviços 3.842 6,26

Fonte: Sistema de Contas Integradas das Empresas.INE Portugal.

Relativamente aos principais ramos de atividade presentes na Região Centro dentro da indústria de manufacturação e o setor serviços:

− A indústria manufactora concentra-se principalmente na fabricação de produtos metálicos

(mais de 4.000 empresas que representam 25,7% do total de indústria de manufacturação da Região Centro) e na indústria da alimentação (17,5%). Outras manufacturas representativas são a indústria de madeira e a cortiça e a fabricação de produtos minerais não metálicos (ambas atividades com 9% das empresas)

− Os ramos de atividade mais destacados dentro do setor serviços são os de atividades de

serviços administrativos de apoio às empresas (18,3%) seguido de outras três atividades que também representam mais de 10% do total de empresas do setor serviços

Referências

Documentos relacionados

Por fim, o estudo mostrou que a relação de volume retirado e a carga crítica de flambagem são inversamente proporcionais, obtendo uma geometria ótima para todos

As práticas contábeis adotadas na preparação das demonstrações financeiras intermediárias condensadas consolidadas são as mesmas adotadas na preparação das

repercussão sobre a saúde humana e atuar junto aos órgãos municipais e estaduais para controlá-las. 16) Participar da execução, do controle e da avaliação das

organizado em distritos, com o propósito da integração de recursos, técnicas e práticas voltadas para a cobertura total das ações de saúde. 02 – Quanto às

2.1 As provisões contidas nesta norma não possuem o objetivo de regular ou estabelecer requisitos relacionados aos processos de formação de pilotos ou de

A biomassa utilizada no processo de briquetagem é um resido existente em qualquer lugar e que não está sendo utilizado corretamente, entretanto, se usado de forma adequada

SAÚDE, COM COMPROVAÇÃO MEDIANTE APRESENTAÇÃO DE CERTIFICADO DE APROVAÇÃO (C.A.) DO MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO PARA AGENTES BIOLÓGICOS VÁLIDO E REGISTRO

--- O Senhor Presidente da Assembleia, Abílio José Vilas Boas Ribeiro, atendendo ao adiantado da hora, e dado haver a necessidade de votar os pontos 2.5 e 2.6, colocou à

The São Francisco clinoform provinces (topset, foreset and bottomset regions) and neighboring areas (Maximum Flooding Surface, canyon head and reef bottoms) provide a mosaic of

Em sua narrativa dos acontecimentos e batalhas ocorridas na fase das “Guerras no Recôncavo Baiano” (1651-1679), Pedro Puntoni descortinou a construção colonial no sertão

Além disso, em 2015, foram impostas limitações à captação da Companhia de Águas e Esgotos da Paraíba (CAGEPA) no açude, por meio da Resolução Conjunta

fractional derivatives using a Last Step Modification Technique: the case of a matter dominated accelerated expanding universe.. Homogeneidade

CLASS ATLETA EQUIPE 1 FERNANDO SIKORA JR GF Ciclismo/Unilance (Curitiba) 2 EDUARDO DOS SANTOS EUZÉBIO Hidrorepell Tintas/FME/Bike Point 3 GUSTAVO OLIVEIRA GF

Temperatura do ar Pressão de vapor Taxa de uso da água CO 2 atmosférico Condutância estomática Temperatura foliar Transpiração Temperatura folha- ar.. Efeitos do aumento

16 – Entre os cuidados gerais, a orientação ao paciente por- tador de lúpus eritematoso sistêmico, de evitar a exposição à luz solar e outras fontes de luz

Além disso, foram comparadas as médias de crescimento das unhas dos membros torácicos e pélvicos, das unhas laterais e mediais e das marcas dorsal e abaxial das unhas..

7 Cartas e outras informações disponíveis P85, P70, P50, P40, P30, P25, P20, SWH and SWL para briefing e consulta.. 8 Equipamento suplementar disponível para Não fornecimento

Esse deslocamento da Justiça para um primeiro plano, tem um preço, condenando o direito positivo a um déficit permanente, principalmente, pela omissão legislativa

Dar uma dimensão internacional à celebração do Dia Mundial : Isso poderá ser possível através da leitura de textos vindos de pessoas vivendo na pobreza noutros países, sublinhando

A vinte quilômetros de Guarapuava, na Região Cen- tral do Paraná, está um legítimo pedaço da Alemanha no Bra- sil. É raro encontrar moradores do distrito de Entre Rios

11 – Com relação à necessidade de lavar sempre as mãos, assinale a alternativa correta. a) Lavar sempre é um exagero, pois só deve- mos lavar as mãos antes de comer. c)

Durante os meses chuvosos foi observada uma maior ocorrência de ácaros predadores no manejo sem capina e uma baixa densidade de ácaros fitófagos, o que não ocorreu durante os

I - Não se verifica qualquer omissão de pronúncia, no acórdão recorrido, se o mesmo se pronuncia expressamente sobre a questão do abuso de direito, concluindo que a celebração de