• Nenhum resultado encontrado

Relatório estágio profissional

N/A
N/A
Protected

Academic year: 2021

Share "Relatório estágio profissional"

Copied!
14
0
0

Texto

(1)

Regente: Professor Doutor Rui Maio

Orientador: Dr. Pedro Amado

JULHO DE 2019

Estágio Profissionalizante

Relatório Final

MARTA MORENO LUÍS MONTEIRO

A2013291

MESTRADO INTEGRADO EM MEDICINA

(2)

ÍNDICE

1. Introdução ... 2

2. Descrição das acOvidades desenvolvidas ... 3

2.1

Estágio Parcelar de Medicina Geral e Familiar ... 3

2.2 Estágio Parcelar de Pediatria ... 3

2.3 Estágio Parcelar de Ginecologia e Obstetrícia ... 4

2.4 Estágio Parcelar de Saúde Mental ... 5

2.5 Estágio Parcelar de Medicina Interna ... 5

2.6 Estágio Parcelar de Cirurgia Geral ... 6

3. Elementos ValoraOvos ... 7

3.1 Estágio Opcional de Imunoalergologia ... 7

3.2 AcOvidades Extra-Curriculares ... 7

4. Reflexão CríOca Final ... 8

5. Anexos ... 10

(3)

1. INTRODUÇÃO O Estágio Profissionalizante está enquadrado no 6º ano do Mestrado Integrado em Medicina da Nova Medical School | Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa. Decorreu entre 10 de Setembro de 2018 e 17 de Maio de 2019, sob a regência do Professor Doutor Rui Maio, englobando os estágios parcelares de Medicina Geral e Familiar, Pediatria, Ginecologia e Obstetrícia, Saúde Mental, Medicina Interna e Cirurgia.

Considero que os últimos meses foram essenciais para a aquisição de novos conhecimentos, para a integração dos já adquiridos e para a consolidação de valores enquanto pessoa e futura profissional de saúde. Enumero, de seguida, os objectivos que delineei no início do ano:

1. Desenvolver a compreensão do que significa ser médico, da identidade e responsabilidade profissional, e dos valores e atitudes que os médicos devem cultivar;

2. IdenOficar as situações clínicas mais predominantes na população portuguesa e os respecOvos princípios gerais da actuação;

3. Saber planear e executar uma história clínica metódica e completa, seleccionando os exames complementares de diagnóstico, hierarquizando as hipóteses diagnósticas e propondo orientação terapêutica;


4. Integrar e relacionar as diversas patologias de um doente a nível físico, psicológico e social;

5. Ser parte integrante da equipa de trabalho, participando activamente nas diferentes vertentes do serviço;

6. Desenvolver a capacidade de comunicação com o doente, a família e profissionais de saúde.

Ao longo do relatório procurarei enquadrar e descrever as actividades desenvolvidas em cada um dos estágios parcelares, referindo também os elementos que considerei valorativos para o decorrer deste ano. Terminarei com a reflexão crítica final.

(4)

2. DESCRIÇÃO DAS ACTIVIDADES DESENVOLVIDAS 2.1 ESTÁGIO PARCELAR DE MEDICINA GERAL E FAMILIAR O Estágio Parcelar de Medicina Geral e Familiar (MGF) decorreu entre 10 de Setembro e 5 de Outubro de 2018, quatro semanas, na Unidade de Saúde Familiar (USF) Alfa Beja, sob a regência da Prof.ª Doutora Isabel Santos e tutoria do Dr. José Carlos Dionísio.

O estágio consistiu principalmente na observação e realização de consultas, tendo a maioria correspondido às Consultas de Saúde de Adultos, de Diabetes e de Hipertensão. Seguiu-se a Consulta de Intersubstituição e ainda as Consultas de Saúde Infantil e Juvenil, Saúde Materna, Planeamento Familiar e Rastreio do Cancro do Colo do Útero. Acompanhei também a equipa de Enfermagem nos cuidados ao domicílio e apresentei para a equipa médica a Norma de Orientação Clínica “Profilaxia de Pré-Exposição da Infeção por VIH no adulto”. Foi desafiante poder fazer um estágio fora do ambiente a que estou habituada. A organização do estágio, a integração na USF e a amabilidade de todos os profissionais superaram as minhas expetactivas. Durante as quatro semanas fui progressivamente adquirindo autonomia, através da observação e realização de consultas e de procedimentos, como colpocitologias e auscultação fetal com Doppler. A hierarquização dos problemas de saúde, a gestão do tempo de consulta e a prescrição adequada de fármacos foram as competências que mais desenvolvi, com o apoio de um tutor sempre disponível para o esclarecimento de dúvidas e discussão de casos clínicos. A minha crítica dirige-se ao elevado número de utentes que não comparece às consultas sem prévia desmarcação, assim como aos que recorrem às Consultas de Intersubstituição em detrimento de um seguimento regular pelo respectivo Médico Assistente. Considero curta a duração do estágio dada a importância dos Cuidados de Saúde Primários no Sistema Nacional de Saúde.

2.2 ESTÁGIO PARCELAR DE PEDIATRIA

O Estágio Parcelar de Pediatria decorreu entre 8 e 31 de Outubro de 2018, quatro semanas, no Hospital Dona Estefânia, sob a regência do Prof. Doutor Luís Varandas e tutoria da Dra. Mafalda Paiva.

As vertentes do estágio englobaram a Consulta Externa, o Internamento, o Serviço de Urgência e o acompanhamento da Unidade Móvel de Apoio ao Domicilio (UMAD). Observei a realização de técnicas de gastroenterologia e participei no Workshop de Simulação em Urgências Pediátricas. No final do estágio realizei uma apresentação oral sobre o tema “Comunicar Más Notícias – Protocolo Spikes”, que não só fomentou a

(5)

procura e integração de informação, como também motivou a discussão sobre o mesmo, com a partilha de experiências por parte dos médicos assistentes.

Gostaria de destacar a possibilidade de ter contactado com diversas especialidades pediátricas no âmbito da Consulta Externa, nomeadamente Pediatria Médica, Imunoalergologia, Reumatologia, Nefrologia, Otorrinolaringologia e Hematologia. As patologias específicas desta área e as diferenças na abordagem ao doente pediátrico e consequente diagnóstico e terapêutica são notórias quando comparadas com as especialidades centradas no adulto. Ao acompanhar a UMAD apercebi-me da importância de Medicina Personalizada e da existência de apoios e estruturas que suportem doentes e familiares com particularidades no acesso aos cuidados de saúde. O ponto negativo prendeu-se com a limitação da autonomia para desempenhar funções no serviço, dado o cuidado e a experiência que as patologias observadas no Hospital Dona Estefânia exigem.

2.3 ESTÁGIO PARCELAR DE GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA

O Estágio Parcelar de Ginecologia e Obstetrícia decorreu entre 5 e 30 de Novembro de 2018, quatro semanas, no Hospital Beatriz Ângelo, sob a regência do Prof.ª Dra. Teresa Ventura e tutoria da Dra. Filipa Caeiro. Nas duas semanas iniciais acompanhei a Obstetrícia, com as componentes de Consulta Externa, a observação de Exames Ecográficos e a Enfermaria, tendo posteriormente duas semanas de Ginecologia, com a passagem pelo Bloco Operatório, Consulta Externa e observação de Exames Ginecológicos. O Serviço de Urgência e o Bloco de Partos foram também locais importantes de aprendizagem. No final do estágio, apresentei um artigo de revisão sobre o impacto da Doença Renal Crónica em Ginecologia. Destaco os Exames Ecográficos e a Consulta Externa de Obstetrícia como as vertentes onde consegui tirar mais aproveitamento, tendo contactado com o seguimento e programação de parto de grávidas de alto risco, destacando a Diabetes Gestacional como a patologia com que mais frequentemente me deparei nestas consultas. Foi ainda possível realizar medições antropométricas, da tensão arterial e a auscultação fetal com doppler e a observação com espéculo e colheita de exsudado vaginal e anal para pesquisa de Streptococcus do grupo B. O Bloco de Partos e a Consulta de Obstetrícia de Adolescentes foram as vertentes mais diferenciadoras do estágio e no Serviço de Urgência apercebi-me da importância do papel tranquilizador dos profissionais de saúde na doente grávida, que muitas vezes surge ansiosa. A pluralidade de componentes com as quais temos oportunidade de contactar impossibilita o maior contacto com o tutor, o que considero ter sido um ponto negativo do estágio.

(6)

2.4 ESTÁGIO PARCELAR DE SAÚDE MENTAL O Estágio Parcelar de Saúde Mental decorreu entre 3 de Dezembro de 2018 e 11 de Janeiro de 2019, quatro semanas, no Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa, sob a regência do Professor Doutor Miguel Talina e tutoria do Dr. Pedro Rodrigues.

O estágio incidiu sobre a Psiquiatria de Adultos, através da Consulta Externa, do Internamento e do Serviço de Urgência, tendo sido complementado com Seminários Teórico-Práticos, Sessões Formativas e Reuniões do Internato. O Internamento foi o principal local de aprendizagem, onde acompanhei o internamento e seguimento de vários doentes, assisti a entrevistas clínicas com a família e com o doente e onde efectuei a colheita de dados anamnésicos e realizei o exame do estado mental, no âmbito da história clínica. Considero úteis e pertinentes as sessões complementares realizadas, dado que abordam de forma simples, mas completa algumas situações com as quais nos podemos deparar enquanto futuros médicos. Gostaria, no entanto, que tivesse tido oportunidade de contactar com outras vertentes da Psiquiatria. 2.5 ESTÁGIO PARCELAR DE MEDICINA INTERNA

O Estágio Parcelar de Medicina Interna decorreu entre 21 de Janeiro e 15 de Março de 2019, oito semanas, no Hospital Curry Cabral, sob a regência do Prof. Doutor Fernando Nolasco e tutoria da Dra. Claudia Mihon.

As componentes fundamentais do estágio foram o Internamento, a Consulta Externa, a Urgência Interna e a Urgência Externa. Não descuro, no entanto, as Reuniões de Serviço, as Sessões Teórico-Práticas, as Sessões Formativas e a apresentação realizada à equipa médica sobre “Psicogeriatria: Demência e Depressão”. No internamento, o acompanhamento diário dos doentes consistiu na colheita de dados anamnésticos, realização do exame objectivo dirigido, observação dos registos de enfermagem, requisição e interpretação de exames complementares de diagnóstico e avaliação da terapêutica. Também diariamente eram discutidos os doentes em equipa e elaborados o diário clínico e as notas de entrada e de alta. Considero que a Urgência Externa foi um complemento importante ao Internamento, na medida em que permitiu o desenvolvimento das capacidades de colheita de história clínica, hierarquização das hipóteses de diagnóstico e prescrição dos fármacos mais utilizados. Tive a oportunidade de, em diversas ocasiões, realizar a abordagem inicial ao doente de forma independente, com supervisão.

(7)

O meu estágio ficou enriquecido pela equipa em que estive inserida. Tive a oportunidade de apresentar doentes e expor situações clínicas para toda a equipa, discutir opções diagnósticas e terapêuticas com outras Especialidades e participar na discussão de situações de maior sensibilidade, como o doente em fim de vida. Considero a duração do estágio adequada, tendo sido possível adquirir autonomia progressiva ao longo das oito semanas, incitando-nos a desenvolver novas competências. Foi recompensador poder ter contribuído para o desempenho de funções no Serviço.

2.6 ESTÁGIO PARCELAR DE CIRURGIA GERAL

O Estágio Parcelar de Cirurgia decorreu entre 18 de Março e 17 de Maio de 2019 no Hospital Beatriz Ângelo, sob a regência do Professor Doutor Rui Maio e tutoria do Dr. João Grenho e do Dr. Luís Féria.

O estágio dividiu-se numa semana inicial de Sessões Teóricas e Teórico-Práticas, seguida de quatro semanas de Cirurgia Geral presenciadas no Bloco Operatório, na Consulta Externa, no Serviço de Urgência e na Enfermaria. Completei uma semana no Serviço de Urgência Geral e duas semanas em Medicina Intensiva. Participei no curso TEAM (Anexo 1) e no Mini-Congresso, onde apresentei o tema “Hérnias Diafragmáticas: Congénitas ou Adquiridas?”. O Bloco Operatório e o Serviço de Urgência foram os locais privilegiados de aprendizagem, onde observei as patologias mais frequentes, acompanhei a marcha diagnóstica e terapêutica dos doentes e onde consegui compreender as indicações e passos dos procedimentos cirúrgicos com os quais contactei. As restantes vertentes que o estágio de Cirurgia Geral possibilita permitem a aquisição e o desenvolvimento de competências como liderança, adaptabilidade, espírito crítico, trabalho de equipa e entreajuda. Porém, considero que o ponto negativo foi a semana de Urgência Geral pela difícil integração, dado que contactamos com diferentes equipas todos os dias que nem sempre têm a disponibilidade para ensinar o quanto desejariam. O Mini-Congresso assumiu-se como meio uniformizador dos estágios dos diferentes grupos, não só pela multiplicidade de patologias que foram abordadas, como também pela partilha de experiências por parte de todos os colegas e orientadores.

(8)

3. ELEMENTOS VALORATIVOS 3.1 ESTÁGIO OPCIONAL DE IMUNOALERGOLOGIA

O Estágio Opcional de Imunoalergologia decorreu entre 20 e 31 de Maio de 2019 no Hospital Dona Estefânia, sob a tutoria da Dra. Paula Pinto. Contemplou a participação na Consulta Externa, no Hospital de Dia, no Laboratório de Provas de Função Respiratória e no acompanhamento da Equipa de Enfermagem na realização de testes cutâneos e administração de vacinas. Assumo como elemento valorativo na medida em que possibilitou o contacto com uma Especialidade com a qual não estava familiarizada, que aborda patologias prevalentes na população portuguesa com impacto significativo na qualidade de vida, caso não sejam adequadamente tratadas. 3.2 ACTIVIDADES EXTRA-CURRICULARES Ao longo dos seis anos pretendi desenvolver-me para além do meu ser enquanto futura médica. Para tal, procurei desafiar-me, colocando-me em situações fora da minha zona de conforto e que me tornaram mais completa pessoal e profissionalmente. No segundo ano realizei um Intercâmbio Científico em Tessalónica, na Grécia. Durante um mês acompanhei uma equipa médica em que apenas uma pessoa falava inglês, partilhei um T1 com 4 pessoas de nacionalidades diferentes e estive inserida num grupo de estudantes de Medicina com idades, ambições, etnias e religiões dispares. Também no segundo ano envolvi-me no MarcaMundos, projecto de voluntariado internacional da Associação de Estudantes da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Nova de Lisboa (AEFCM), do qual fiz parte da Comissão Organizadora da 1ª edição (Anexo 2), tendo assumido o cargo de representante do MarcaMundos na Direcção da AEFCM no ano seguinte (Anexo 3). Verifiquei o que já sabia: com dedicação, organização, disponibilidade para resolver problemas e uma boa equipa é possível concretizar mesmo as ideias mais ambiciosas. Ainda no terceiro ano fiz parte dos palestrantes na Conferência Marisiensis em Targu Mures, na Roménia, ao apresentar o MarcaMundos, participei na Missão País e durante

dois anos juntei-me à Refood. No final do quarto ano decidi ir além-fronteiras no âmbito do voluntariado, através do ensino de Inglês a uma comunidade em Phu Yen, no Vietname, durante duas semanas. Iniciei o quinto ano com a renovação do Curso de Suporte Básico de Vida (Anexo 4) e vivi e estudei em Milão no semestre seguinte, através do programa ERASMUS. Adaptei-me a uma nova cultura, língua e rotina através das aulas, exames orais e conversas em italiano, desenvolvi as minhas competências sociais, no contacto com colegas e ao fazer novos amigos, e pessoais, tendo solidificado a minha confiança e adquirindo novas ferramentas para superar desafios. Durante este último ano participei nos seguintes encontros: Imed

(9)

Conference 10.0 (Anexo 5), 5º ABC de Imunologia para Médicos (Anexo 6) e 8ª Reunião de Imunoalergologia

(Anexo 7). Durante o estágio de Medicina Interna, em Janeiro de 2019, apercebi-me da satisfação e aprendizagem ao frequentar o Serviço de Urgência (SU) do Hospital São José, pelo que mantive a frequência semanal no SU, ao acompanhar a Medicina Interna. 4. REFLEXÃO CRÍTICA FINAL Em Setembro confessava-me entusiasmada, mas expectante. Nove meses depois, consigo compreender a importância deste ano para a minha formação. No último ano optei por tentar compreender o verdadeiro significado de ser médica. Depois de cinco anos de aprendizagem constante, contacto com diversas especialidades, diferentes serviços e hospitais e inúmeros profissionais de saúde, senti necessidade de reflectir sobre o meu percurso. Vi no estágio profissionalizante a oportunidade de, embora sendo aluna, me poder colocar na posição de um médico, confrontando-me com as minhas capacidades, com os meus conhecimentos e com os meus valores e atitudes para que conseguisse avaliar as minhas dificuldades. Com o apoio dos tutores com quem contactei consegui superar algumas e descobrir outras.

Procurei também identificar as patologias mais prevalentes e necessidades frequentes das populações com as quais contactei, adaptando-me aos recursos disponíveis para dar o meu contributo em cada estágio que participei. Foi, para tal, importante o contacto com múltiplas Entidades de Saúde cuja população alvo era diferente: desde o estágio de Medicina Geral e Familiar realizado em Beja, ao Hospital Dona Estefânia que é uma referência pediátrica a nível nacional, passando pelo Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Central e pelo Centro Hospitalar Psiquiátrico de Lisboa ao Hospital Beatriz Ângelo, parceria público-privada. Gostaria de destacar os rácios de um tutor para um ou dois alunos e a disponibilidade do Dr. José Carlos Dionísio, da Dra. Mafalda Paiva, da Dra. Filipa Caeiro, do Dr. Pedro Rodrigues, da Dra. Claudia Mihon, do Dr. Luís Féria e do Dr. João Grenho para me esclarecer e integrar nos diversos serviços. É difícil que um estágio seja pedagógico sem um médico disposto a ensinar. Em todos fui bem-recebida; contudo foi em Medicina Interna e em Medicina Geral e Familiar onde consegui desempenhar função na equipa de trabalho, participando activamente em todas as vertentes do serviço.

(10)

Também com os meus tutores desenvolvi o meu pensamento clínico. A anamnese e o exame objetivo são a base dos cuidados médicos de saúde e com a crescente disponibilidade de meios complementares de diagnóstico é fundamental pensar e direcionar as hipóteses de diagnóstico antes de proceder ao pedido laboratorial ou imagiológico. Desta forma, a colheita e posterior discussão da história clínica são fundamentais durante o estágio, tendo em consideração que estamos no último ano de formação académica e já não teremos muitas oportunidades de que um médico experiente nos possa avaliar, corrigindo e explicando uma história clínica. A necessidade de procurar actividades extracurriculares que saciassem o meu interesse transformaram-se em elementos valorativos que completaram a minha formação. O voluntariado, a AEFCM, o ERASMUS e os Intercâmbios moldaram o respeito e a tolerância pelo outro, incentivaram a liderança, a resolução de problemas e o trabalho em equipa e preencheram-me totalmente. O Serviço de Urgência continua a ser o local privilegiado de constante desafio e consequente aprendizagem, que me estimula a querer ser e a fazer mais enquanto futura médica. Por fim, no último ano percebi a verdadeira importância de ouvir o doente e do papel de um médico com uma função integradora do doente, que não o desconstrói nas suas patologias, mas que junta todas as partes para o avaliar. Fundamentei o que já pensava: só se faz um bom trabalho com a ajuda de todos os profissionais de saúde, e é imprescindível ter enfermeiros, médicos, auxiliares e administrativos a trabalhar com o mesmo fim: a prestação dos melhores cuidados de saúde possíveis.

Concluo, assim, fazendo um balanço positivo do estágio profissionalizante e do cumprimento dos objetivos propostos inicialmente referidos.

(11)

1. ANEXOS 4.1 ANEXO 1 – CURSO TEAM 4.2 ANEXO 2 – COMISSÃO ORGANIZADORA DA 1ª EDIÇÃO DO MARCAMUNDOS

A AEFCM certifica que Marta Moreno Luís Monteiro integrou a Comissão Organizadora da Primeira Edição do projeto MarcaMundos, inserido no Departamento de Responsabilidade Social da AEFCM, no mandato 2015/2016.

O MarcaMundos desenvolve projetos de voluntariado internacional, num País de Língua Oficial Portuguesa, no âmbito da promoção e educação para a saúde com estudantes de Medicina da NOVA Medical School | Faculdade de Ciências Médicas, conciliando as componentes de educação médica, ação social e relações internacionais.

Inês Machado Representante do Projeto MarcaMundos

Eduardo Freire Rodrigues Presidente da AEFCM

(12)

4.3 ANEXO 3 – DIRECÇÃO AEFCM 4.4 ANEXO 4 – CURSO DE SUPORTE BÁSICO DE VIDA

Certifica-se que Marta Moreno Luís Monteiro, portadora do cc nº13842952, desempenhou o

cargo de Coordenadora do MarcaMundos no mandato de 2016 da Direção da Associação da

Faculdade de Ciências Médicas | NOVA Medical School da Universidade Nova de Lisboa.

Lisboa, 6 de Janeiro de 2017,

_________________________________________________

Inês Neri Presidente A EF CM

_________________________________________________

Catarina R olo Santo s Vice-Preside nte da A EF CM

Marta Moreno Luís Monteiro

06/05/1995 received the ERC qualification

Basic Life Support (BLS)

in Lisboa, Portugal

Vanda Maria SEROMENHO

Course Director

This certificate is valid from 20/10/2017 to 20/10/2022

(13)

4.5 ANEXO 5 – IMED CONFERENCE 10.0 4.6 ANEXO 6 – 5º ABC DE IMUNOLOGIA PARA MÉDICOS

iMed Conference® 10.0 Lisbon 2018 — Certificado de Participação EMITIDO POR:

AEFCM - Associação de Estudantes da NOVA Medical School Campo Mártires da Pátria, 130 1169-056 Lisboa

NOME Marta Moreno Luís Monteiro DOCUMENTO DE IDENTIFICAÇÃO 13842952 CÓDIGO DE CERTIFICADO C-5afd4634e7185

Evento iMed Conference® 10.0 Lisbon 2018 03-10-2018 13:30

®

07-10-2018 14:00

The iMed Conference® 10.0 | Lisbon 2018 will take placebetween the 3

rd and

7

th of October at Teatro Camões and NOVA Medical School

| Faculdade de Ciências Médicas. Prepare for ground-breaking lectures, practical workshops, challenging competitions and an immersive social programme.

aefcm.up.events

Comprovativo de Emissão de Certificado Electrónico

Decreto-Lei n.º 290-D/99 e 62/2003 — European Union Directive 1999/93/CE

C e rti c a d o C e rt ifica -se q u e Ma rta Mo re n o L u ís Mo n te ir o , ti tu la r d o C a rt ã o d e C id a d ã o co m o n º d e id e n ti fica çã o 13842952 , fre q u e n to u o se g u in te e ve n to ci e n tí fico : 5 º A B C d e I m u n o lo g ia p a ra d ic o s q u e d e co rre u a 9 de Novembro de 2018 , n o se g u in te l o ca l: F u n d a çã o C a lo u st e G u lb e n ki a n C a rn a xi d e , 9 d e N o ve mb ro d e 2 0 1 8 C lá u d ia Si lve ira Cód igo d e Cer tifi ca d o: C-5 b 1 8 4 8 a b b 6 ed b A v. d o For te, n º3 – E d ifício S u écia I II , Piso 2 Ca rn a xid e ac ad e mi ac u f. u p .e v e n ts C omp rov at iv o d e E mi ssão d e C e rti c ad o E le c trón ic o Decr eto-Lei n .º 2 9 0 -D/ 9 9 e 6 2 /2 0 0 3 — E u rop ea n Un ion Dir ective 1 9 9 9 /9 3 /CE

(14)

4.7 ANEXO 7 – 8ª REUNIÃO DE IMUNOALERGOLOGIA DE LISBOA CERTIFICADO DE PRESENÇA Certifica-se que: Marta Monteiro

participou na 8ª Reunião de Imunoalergologia de Lisboa, que teve lugar no Hotel Olissippo Oriente, em Lisboa, a 12 de Abril de 2019.

Paula Leiria Pinto Comissão Organizadora

Referências

Documentos relacionados

The main goal of this thesis is to gain a better understanding of the role of birds as dispersers of native and introduced seeds in the forests of São Tomé. To do so, we implement

(2016), a new Latent Heat Flux-Temperature Coupling Magnitude is introduced and is applied to heat waves periods. This metric is based only on maximum temperature and upward

O modelo organizacional tradicional tem por base um modelo burocrático de organização, onde segundo Araújo (2003a, p. 1), ―As actividades são integradas na organização

Após verificar como o filtro age quando aplicado a um conjunto de observações, resta verificar a convergência dos seus dados de saída para um valor com

Among the related themes identified in the study that showed greater relevance and incidence in the research were: supply chain, supply chain, sustainable operation

O que cremos, que de acordo com o entendimento de T EIXEIRA DE S OUSA constitui uma situação de inadequação da representação.. acção, avocando o encargo originalmente

Os EUA coagiram os japoneses a abrir o país ao exterior, foram Aliados do Japão na Primeira Guerra Mundial, inimigos durante a Segunda Guerra Mundial, ocuparam o país e

(2012), the correlation between the number of independent directors appointed by minority lists of shareholders and the presence of at least one in the remuneration committee led