À GUISA DE CONCLUSÃO

No documento Vigilância Sanitária [Livro] - Biblioteca Virtual do NESCON (páginas 127-130)

Bens e serviços de saúde são produzidos, comercializados e consumidos numa rede complexa de interações entre uma grande quantidade de atores econômicos, políticos e sociais. Mesmo assim, os usuários dos serviços de saúde poderão exercer controle sobre a produção destes serviços à medida que a produção e consumo se realizam através de uma interação entre os prestadores e os usuários. Entretanto, há uma série de obstáculos ao exercício deste controle, entre os quais podemos desta- car a assimetria de informação e a extrema diferença de status social entre os prestadores e grande parte dos usuários.

Favorecida pelo processo da transição política, a Reforma Sanitária logrou criar conselhos e conferên- cias de saúde com a finalidade de ampliar o controle dos usuários numa perspectiva de direitos sociais. Estes conselhos e conferências, que não apenas canalizam demandas, mas também as estruturam, con- tinuam sendo objeto de disputas políticas à medida que os diversos atores lutam para adequar estas ins- tituições aos seus interesses. Neste processo, os conselhos tem passado de instâncias deliberativas para instâncias reivindicativas. Desta forma, tem privilegiado questões que afetam os usuários de forma mais imediata, e relativamente pouco atenção tem sido dado a questões que dizem respeito à Vigilância Sa- nitária. Isto tem pressionado para a criação de mecanismos de controle social específicos.

Os benefícios produzidos pela Vigilância Sanitária são de natureza coletiva e assim o controle social deverá ser mediado por movimentos coletivos de defesa de consumidores. Surgiram vários movimentos neste sentido, como também órgãos estatais que visam à defesa dos consumidores. Mesmo assim, os consumidores continuam numa posição bem subordinada em relação aos produtores de bens e serviços relacionados à saúde em decorrência da estrutura extremamente desigual da sociedade brasileira e da estrutura política que dificulta o funcionamento de movimentos sociais autônomos.

A criação de novos canais de controle pela ANVISA espelha a atual conjuntura política marcada pela retração da mobilização popular bem como da “aliança” da tecnocracia da saúde com lideranças sindi- cais e comunitárias. Assim, a preocupação com a maximização da participação dos usuários é pequena e é grande a expectativa em relação aos resultados que poderão ser obtidos graças à autonomia do ór- gão e capacidade técnica crescente.

Entretanto por mais importante que seja a instrumentalização técnica da ANVISA, a sua atuação téc- nica continua tendo dimensões políticas à medida que intervém no padrão de relações de vários atores sociais. Assim, avançar nos esforços para defender e proteger a saúde dos indivíduos e da coletividade requer também uma ação política articulada entre as associações de defesa dos consumidores, órgãos governamentais de defesa de consumidores, a ANVISA, movimentos sindicais e comunitários. Uma pos-

sível alavanca para esta articulação poderão ser os Conselhos de Saúde, a despeito de suas grandes li- mitações e sua dependência do Poder Executivo.

O alcance destes avanços provavelmente será largamente determinada pelo grau da expansão da consciência coletiva de cidadania e solidariedade, cujo substrato será, sem dúvida, uma diminuição ex- pressiva da extrema desigualdade social.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

BARROS, José Augusto C. Consumo: resposta à necessidade ou ao interesse da produção. Revista Saúde

em Debate, no. 19, p30-33, 1987

BOSCHI, Renato. A arte da associação. Rio de Janeiro: Vértice/IUPERJ, 1987.

CONFERÊNCIA NACIONAL DE SAÚDE DO CONSUMIDOR., 1, 1986. Brasília. Revista Saúde em Debate, no. 19, p21-24, 1987.

CORTES, Soraya Maria Vargas. Conselhos Municipais de Saúde: A Possibilidade dos Usuários Participa- ram e os Determinantes da Participação. Ciência & Saúde Coletiva, v. III, no. 1, p.5-17, 1998. CORTES, Soraya Maria Vargas. Balança de Experiências de Controle Social, para além dos Conselhos e

Conferências no Sistema Único de Saúde Brasileiro: Construindo a Possibilidade da Participação dos Usuários (on-line). 2000. Available from Internet: http//www.saúde.gov.br/11cns/cns_balanco.htm

COSTA, Ediná Alves. Vigilância Sanitária: proteção e defesa da saúde. São Paulo: HUCITEC/Sociedade Brasileira de Vigilância de Medicamentos, 1999.

FANUCK, Lia Celi. Justiça na Saúde: quam age na defesa do povo? Revista Saúde em Debate, no. 19, p12- 14, 1987

FERREIRA, Marcelo Costa. Associativismo e Contato Político nas Regiões Metropolitanas do Brasil: 1988- 1996.Revisitando o problema da participação. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 14, no. 41, p. 90-102, 1999.

GARELLI, Franco. Controle Social. In: DICIONÁRIO de Política. Brasília: UNB, 2a ed, 1986.

GIOVANNI, Geraldo. A Questão dos Remédios no Brasil (Produção e Consumo). São Paulo: Polis, 1980 (Coleção Sociologia e Saúde, v. 1)

HAM, Christopher & HILL, Michael. The Policy Process in the Modern Capitalist State. London: Wheats- heaf Books, 1988.

HSIAO, William C. Abnormal economics in the health sector. Health Policy, v. 32, nos. 1-3, p 125-140, 1995.

IMMERGUT, Ellen, M. Health Politics: Interests and Institutions in Western Europe.: Cambridge Univer- sity Press, 1992.

LONDOÑO, Juan-Luis & FRENK, Julio. Structured pluralism: towards an innovative model for health system reform in Latin America. Health Policy, v.41, no. 1, p.1-36, 1997.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Incentivo à Participação popular e ao controle social no SUS (Textos técnicos para Conselheiros de Saúde). Brasília: MS/IEC, 1994.

MORRIS, Aldon D.& MUELLER, Carol McClurg. Frontiers in Social Movement Theory. New Haven/Lon- don: Yale University Press, 1992.

NOLAN, Brian. Affordability versus Quality, Effectivenes and Equity: Is there a Trade-off? In: ORGANI- SATION FOR ECONOMIC COOPERATION AND DEVELOPMENT. Health Care Reform: The Will to

OFFE, Claus. Problemas Estruturais do Estado Capitalista. Rio de Janeiro: 1984. Cap.Dominação de classe e sistema político. Sobre a seletividade das instituições políticas, p.140-177; e Cap. Critérios de Raci- onalidade e Problemas Funcionais da Ação Político-Administrativo, p. 216-233..

OLSON Jr, Mansur. The Logic of Collective Action: Public Goods and the Theory of Groups. New York: Schocken Books, 1968.

No documento Vigilância Sanitária [Livro] - Biblioteca Virtual do NESCON (páginas 127-130)